Henry Moore: o Rodin do século XX | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/7/2005
Henry Moore: o Rodin do século XX
Luis Eduardo Matta

+ de 10600 Acessos

Tido por alguns como o último dos antigos e por outros como o primeiro dos novos, o inglês Henry Moore (1898-1986) consagrou-se como um dos mais importantes nomes da escultura no século XX. Com uma produção portentosa, que conta com o impressionante saldo de cerca de vinte mil peças, Moore foi um artista de enorme sensibilidade que, embora não tenha sido propriamente um grande promotor de revoluções estéticas na arte, como Picasso ou Miró, soube como poucos estabelecer um diálogo entre o passado clássico e a modernidade, com uma clara inspiração na natureza e nas culturas não-européias, sobretudo as da América pré-colombiana, que ele veio a conhecer numa das suas primeiras visitas ao Museu Britânico, em Londres, ainda muito jovem.

Admirador confesso de Michelangelo, Van Gogh, Cézanne e Picasso, Henry Moore foi um artista de evidente tendência humanista, que buscou em seu trabalho interpretar e desconstruir continuamente a figura humana, dando-lhe um acabamento de aparente serenidade que, ao mesmo tempo, deixava transparecer uma aura visível de tensão e inquietação. Do mesmo modo, o uso, muitas vezes em caráter experimental, de materiais variados que iam do bronze e do gesso à pedra e à madeira, tinha uma característica peculiar, já que era o material selecionado que ditava as formas dos seus trabalhos e não o inverso como, normalmente, ocorre. Conhecer o trabalho de Moore é, a meu juízo, uma obrigação para quem aprecia a boa arte contemporânea. Ainda porque seu talento não se circunscreveu ao campo da escultura. Moore também notabilizou-se por seus desenhos e gravuras, com contornos fortes e marcantes, como os que reproduzem pessoas protegendo-se em refúgios antiaéreos, conseqüência da sua experiência na Segunda Guerra Mundial, quando o seu ateliê chegou a ser bombardeado, o que lhe valeu o apelido de "artista da guerra".

Desde abril passado, o público brasileiro está tendo a oportunidade de apreciar de perto uma vasta e significativa seleção das obras de Henry Moore, abarcando períodos diversos da sua trajetória artística, em exposições que primam pela boa organização e pela objetividade. A mostra Henry Moore: Uma Retrospectiva - Brasil 2005, realizada em parceria com o British Council e a Henry Moore Foundation é a maior do artista jamais montada fora da Europa e reúne 117 esculturas e 127 gravuras e desenhos produzidas entre 1920 e 1980. Depois de passar pela Pinacoteca do Estado, em São Paulo a mostra chegou, em julho, ao Paço Imperial do Rio de Janeiro. Este colunista, há muitos anos apreciador da obra de Moore, não se conteve e, na semana passada, com a cidade do Rio envolvida por um frio intenso e açoitada por uma chuva fina e insistente, gastou quase uma tarde inteira percorrendo os salões e galerias do solene palácio em estilo colonial da Praça XV, em meio às esculturas e gravuras do mestre inglês, considerado, pelo volume e expressão da sua obra, o Rodin do século XX.

A exposição pode ser dividida, grosso modo, em três partes. Na primeira delas, em duas alas separadas do térreo - a entrada principal e o átrio central - estão as esculturas monumentais que não puderam ser deslocadas para os pavimentos superiores, como a impressionante Figura Reclinada com Planejamento em mármore travertino, de 1978 e, cuja harmonização com a arquitetura circundante refletem, ainda que não-intencionalmente, uma das características primeiras da obra de Moore que era, justamente, a integração dos seus trabalhos ao ambiente ao redor.

A segunda parte da mostra - a mais vasta e importante - está montada nas salas do primeiro andar, obedecendo a uma ordem cronológica da carreira de Henry Moore. É lá, por exemplo, que encontraremos os trabalhos representativos da fase em que Moore se lançou na arte, nos anos 20, sob o fascínio da obra de Picasso e da arte primitiva. São esculturas como a perturbadora Máscara, de 1927, cujas formas do olhar transmitem uma impressão de agonia vazia e resignada. A partir dos anos 30, sua carreira ganharia um forte impulso criativo, época em que as influências do Surrealismo afetaram sensivelmente o seu trabalho, enriquecendo-lhe os horizontes e derrubando algumas barreiras formais. Essa fase está representada na mostra com esculturas como a impactante O Elmo. Mais adiante, ingressamos na década de 50, com esculturas que conjugam abstracionismo e figuração, como a belíssima Figura com pé que pela altura e dimensões, bem poderia decorar os jardins dos mais representativos conjuntos modernistas do Brasil e a exuberante Grupo Familiar, em que Moore expressa a admiração pela figura humana, a qual buscou valorizar, no decorrer da sua carreira. Paralelamente às esculturas, os visitantes poderão igualmente apreciar muitas das gravuras, aquarelas e desenhos de Moore, distribuídos por todo o perímetro deste núcleo da mostra. Destaque para as sombrias Abrigo Marrom do Metrô, de 1940 e Grupo de Pessoas com Planejamento num Abrigo, de 1941, concebidas sob o impacto da guerra que, então, assombrava a Inglaterra.

Na terceira e última etapa da exposição, no segundo andar, um comprido painel nos fornece toda a cronologia da vida e carreira de Henry Moore. Há também um quiosque, onde estão à venda o catálogo e lembranças da mostra (como lápis e camisetas) e, fechando com chave de ouro, uma sala de vídeo, onde um filme legendado narra a trajetória de Moore, suas influências e a evolução da sua carreira. Isso ajuda a compensar a ausência de guias e folhetos informativos, uma falha significativa da organização, que pode dificultar a compreensão da mostra por parte dos visitantes pouco familiarizados com a história de Henry Moore.

A exposição Henry Moore: Uma Retrospectiva - Brasil 2005 ficará no Paço Imperial do Rio de Janeiro até o dia 18 de setembro. Sua próxima escala será o Centro Cultural Banco do Brasil, de Brasília, a partir de 13 de outubro.

Quando discursar é uma arte

Como escritor, sou alguém que está sempre buscando aprimorar e polir a minha própria linguagem, tanto a escrita quanto a oral. Por conta disso, não me canso de me embrenhar por textos que, de algum modo, ampliem os meus horizontes criativos e aprofundem a minha percepção deste grande patrimônio nosso que é a língua portuguesa, à qual estou permanentemente rendendo homenagens e tecendo loas. Poucos escritores brasileiros contemporâneos foram tão pródigos neste sentido como Nélida Piñon, uma artesã dedicada e sensível da nossa Literatura. Seus livros, como A República dos Sonhos e Vozes do Deserto, não só me forneceram largo repertório de belas histórias, como, sobretudo, puseram em relevo toda a riqueza e musicalidade do nosso idioma em textos que fluem com agradável naturalidade, sem que, na sofisticação da linguagem empregada, se entreveja qualquer vestígio de pedantismo ou hermetismo, itens tão caros à agenda dos círculos literários e intelectuais.

Foi movido por este ímpeto de leitor obstinado que, recentemente, imergi nas páginas de O Presumível Coração da América (Topbooks/Academia Brasileira de Letras; 226 páginas; 2002), uma compilação de discursos proferidos por Nélida Piñon entre 1985 e 2002. São, ao todo, vinte e seis discursos, a maioria datada de 1997, quando Nélida ocupou a presidência da Academia Brasileira de Letras. Os textos, ainda que tenham sido redigidos em separado e em ocasiões diferentes e não estejam organizados, no livro, em ordem cronológica, parecem se complementar uns aos outros, apresentando uma raiz comum que os une. Essa raiz poderia ser o próprio imaginário da autora, o seu repertório intelectual e o seu itinerário como pessoa, que vão, espontaneamente, brotando sob a forma de palavras; ou, talvez, a paixão com a qual Nélida parece se entregar ao exercício da escrita, embutindo em cada uma das suas frases, uma carga de emoção que acaba por impregnar todos os discursos de maneira intensa e arrebatadora.

Logo no discurso de abertura - "O Presumível Coração da América", que dá nome à obra - proferido por ocasião do recebimento do Prêmio Juan Rulfo, em 1995, no México, Nélida externa a sua profunda ligação com o Brasil e a América Latina, evocando ardorosamente a memória e a identidade cultural do continente, para estabelecer um imaginário comum entre os seus povos. Chega a ser emocionante. A América Latina, tão castigada por décadas, séculos, de miséria, injustiças e desvarios, tão desonrada quando colocada diante do espelho, é, nos textos de Nélida, alçada a um patamar de enorme importância. Dessa forma, a escritora nos ensina a admirar e amar a América Latina, como a nossa grande pátria. Sobretudo demonstrando que, por mais que insistamos em nos fixar nos paradigmas europeu e norte-americano, somos filhos indissociáveis desta terra, herdeiros dos seus desígnios, protagonistas e espectadores de uma realidade que, embora, por vezes seja desanimadora, encontra a redenção através da arte e da escrita.

O Presumível Coração da América é um livro para se ler com calma, sorvendo as frases lentamente, como quem saboreia uma fina iguaria. Além disso, também pode servir como uma boa fonte de aprendizado para aqueles que pretendem se aventurar pela seara do discurso, ao demonstrar que a melhor Literatura tem espaço assegurado até mesmo nas tribunas.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 26/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem é o autor de um filme? de Luiz Rebinski Junior


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês