O primeiro código de Brown | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Terça-feira, 10/5/2005
O primeiro código de Brown
Luis Eduardo Matta
+ de 10000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Terminei, na semana passada, de ler o novo romance de Dan Brown, Fortaleza Digital (Sextante; 336 páginas; 2005). Ao contrário de O Código Da Vinci, este é um legítimo tecnothriller, mas não à maneira da patriotada rocambolesca e, por vezes, indigesta dos livros de Tom Clancy. Fortaleza Digital, na verdade, é o primeiro trabalho de Brown, apesar de ser o terceiro publicado no Brasil; foi lançado em 1998 e sugeria com nitidez os caminhos que o autor iria trilhar dali por diante até culminar com O Código Da Vinci, certamente, a obra literária mais lida e comentada dos últimos anos.

Não se deve menosprezar o talento de Dan Brown. Tenho lido declarações estapafúrdias de críticos, maldizendo seus livros, tachando-os de subliteratura barata. É sempre assim. Um autor começa a fazer sucesso e a cair nas graças do público e logo surge um exército de detratores rancorosos e arrogantes que invocam uma sabedoria e uma cultura majestosas e incomparáveis para espinafrá-lo sem misericórdia, sempre estabelecendo aquela perigosa dicotomia entre o que é ou não é "alta Literatura". A verdade é que um thriller que se preze não pode ser escrito valendo-se dos mesmos ingredientes de um romance experimental ou de um livro denso de teoria literária que ambicione prestígio acadêmico. É tão absurdo quanto pretender escrever reportagens de jornal em versos parnasianos ou concretistas. Um thriller deve, necessariamente, ser avaliado no contexto do seu gênero, tomando como referência toda a Literatura similar produzida recentemente. Se isso for feito de maneira honesta e desvinculada, Brown sairá vitorioso. Seus livros não obtiveram sucesso por acaso. Ele escreve bem, tem domínio da técnica para o tipo de Literatura que se propôs a fazer e consegue encaixar com maestria uma incrível quantidade de informações que, nas mãos de um escritor inábil, atrapalhariam, com certeza, a fluência da narrativa e poderiam naufragar um texto promissor.

Mas, do que trata, afinal, Fortaleza Digital? O núcleo principal da história é ambientado na poderosa Agência de Segurança Nacional norte-americana - NSA, na sigla em inglês -, encarregada de rastrear e processar toda a comunicação do mundo, fornecendo às autoridades dos Estados Unidos, um fluxo precioso de informações, capazes de garantir a segurança do país, frustrando, inclusive, intenções de ataques terroristas antes que estes pudessem, efetivamente, começar a ser arquitetados. Para tanto, investiu, secretamente, num supercomputador, o TRANSLTR, programado para decifrar, rapidamente, qualquer mensagem encriptada enviada através da rede mundial de computadores, a internet. Os problemas começam quando um ex-funcionário da agência, o gênio da computação Ensei Tankado, um japonês fisicamente deformado pela radiação das bombas nucleares lançadas contra o seu país em 1945, desenvolve um algoritmo de encriptação inquebrável, o "Fortaleza Digital", e ameaça divulgar sua fórmula pela internet caso a NSA não revele ao mundo a existência do TRANSLTR que, para Tankado, constitui uma séria ameaça à privacidade e às liberdades civis. O algoritmo protegeria qualquer mensagem enviada pela rede, transformando toda a tecnologia da NSA numa parafernália obsoleta e inútil. Tankado morre misteriosamente, logo no início do livro, em Sevilha, antes de poder cumprir sua ameaça, ao mesmo tempo em que o tal código por ele desenvolvido é lançado na internet, paralisando o supercomputador da NSA. Tem início, então, uma corrida alucinada, cujo objetivo é decifrar o algoritmo, antes que ele chegue a mãos erradas, sobretudo a de bandidos e terroristas.

Alguns críticos afirmaram que os dois protagonistas deste livro - o professor David Becker e a criptógrafa Susan Fletcher - seriam virtualmente os mesmos de O Código da Vinci - o professor Robert Langdon e a criptógrafa Sophie Neveu. Bastaria trocar seus nomes e o resultado seria idêntico. Pura bobagem. As únicas semelhanças entre eles residem nas profissões de cada um e nada mais. Quem comprar Fortaleza Digital, com a esperança de encontrar um novo Código Da Vinci, estará perdendo o seu tempo. Terá em mãos, isso sim, um livro tão eletrizante quanto, com a narrativa ágil, característica do estilo de Dan Brown e surpreendente no seu encaminhamento. Uma leitura que, para os apreciadores dos thrillers, será altamente recompensadora.

Será o Benedito?

De todos os absurdos dos quais tomei conhecimento este ano, o destaque até o momento vai para a acusação feita por setores cabotinos da imprensa, notadamente a britânica, de que o cardeal Joseph Ratzinger, hoje papa Bento XVI tem uma mancha negra no seu passado, mais especificamente, uma mancha nazista. Tudo porque, quando adolescente, Ratzinger pertenceu à Juventude Hitlerista e, alguns anos mais tarde, foi enviado ao front para lutar ao lado das forças alemãs, a esta altura, já enfraquecidas com a aproximação do fim da Segunda Guerra.

Para quem não sabe, a Juventude Hitlerista foi uma organização paramilitar do partido nazista, fundada na Baviera - mesmo estado natal de Joseph Ratzinger - e seu ingresso era compulsório a todos os alemães que cursassem o ensino secundário. Simplesmente não havia opção: era a filiação ou a filiação. Do mesmo modo, não creio seja necessário ressaltar aqui a obrigatoriedade do alistamento nas forças armadas, ainda mais num estado violentamente totalitário como a Alemanha nazista. Em 1943, aos 16 anos, quando ainda estava no seminário, Ratzinger foi convocado a integrar uma unidade antiaérea que protegia a fábrica da BMW perto de Munique. Em seguida, ele foi deslocado para a fronteira da Áustria com a Hungria para construir armadilhas contra tanques. De volta à Baviera, resolveu desertar, um ato corajoso que poderia ter lhe custado a liberdade ou a vida. Quando a guerra, enfim, chegou ao fim, o futuro papa foi preso pelas forças norte-americanas e libertado meses depois.

Um dado interessante é que, na Baviera, uma região de forte presença católica, uma parcela expressiva dos seus habitantes não gostava de Hitler, pois o viam como um "anticristo", um inimigo da Igreja. A família de Ratzinger era uma das que se opunham abertamente aos nazistas e, por conta disso, foi obrigada a se mudar quatro vezes. A aversão ao regime de Hitler entre os católicos alemães era de tal forma expressiva que, na SS, a tropa de elite nazista, havia muito poucos católicos.

Sei que muita gente não simpatiza com Bento XVI, por conta da imagem que ele construiu durante os vinte e quatro anos em que presidiu a Congregação para a Doutrina da Fé, órgão que sucedeu ao famigerado Santo Ofício da Inquisição, responsável, no passado distante, por punir com a fogueira várias vozes que contestaram as verdades apregoadas pela Santa Sé. Foi Ratzinger quem, inclusive, abriu ao público, pela primeira vez os arquivos da Inquisição, que guardam, entre outras coisas, os inquéritos contra os hereges, como Galileu Galilei e Giordano Bruno. Pode-se chamar Joseph Ratzinger de conservador, teólogo rígido e ferreamente dogmático, mas acusá-lo de nazista é mais do que um disparate, é um atentado à própria inteligência, um atestado de completa ignorância histórica. Aos críticos ferrenhos deste novo pontificado, eu sugiro que baixem as armas por enquanto e dêem uma chance ao novo papa. Vejamos quais serão as diretrizes que ele irá adotar e se, uma vez sentado no trono de São Pedro, ele seguirá com a mesma conduta rigorosa das mais de duas décadas em que foi o guardião da doutrina do catolicismo. Posso estar enganado, mas, particularmente, creio que assistiremos a uma pequena abertura na Igreja, no decorrer dos próximos tempos. Vamos esperar.

Enquanto isso, quem quiser escrever para o novo Sumo Pontífice, pode fazê-lo, imediatamente, pelo endereço de e-mail criado na página do Vaticano na Web, especialmente para receber mensagens em português.

Todos rumo à Bienal do Livro

De 12 a 22 de maio de 2005, o Rio de Janeiro abrigará, no Riocentro, a XII Bienal Internacional do Livro, um evento simplesmente imperdível e que, a cada edição, consegue se superar em planejamento e organização e incrementar ainda mais as suas atrações e o seu visual. Este ano, o país homenageado é a França e uma série de eventos, palestras e debates, envolvendo escritores e profissionais ligados ao universo livreiro estão previstos para acontecer.

Freqüento a bienal do livro desde a edição de 1993 e sempre saio de lá com a sensação de que participei de um evento memorável. Em geral, chego de manhã cedo, logo que os portões se abrem e vou embora à noite. Passo horas andando pelos corredores, visitando calmamente cada estande e trocando idéias com outros freqüentadores. É uma excelente oportunidade, também, para encontrar livros que muitas vezes não estão à venda nas livrarias, como aqueles fora de catálogo, os estrangeiros e os de editoras menores, cuja distribuição é acanhada e deficiente. Não dá para perder.

Quem quiser saber mais detalhes sobre a bienal, sugiro uma visita ao site do evento, que oferece informações sobre os expositores, horários e opções de transporte até o Riocentro. No mais é calçar um par de sapatos confortáveis e se preparar para andar bastante. Afinal, outra bienal na cidade, só daqui a dois anos.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 10/5/2005

Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/5/2005
00h57min
Parece-me haver um certo prazer em críticas que tendem ao menosprezo. Acredito que esse tipo de crítica baseia-se em inveja mal contida cuja tradução que muito me agrada é a seguinte: inveja é o elogio que azedou. Espinafrar o Código da Vinci só pode ser mesmo por pura inveja e por não ser capaz de produzir uma obra de tanto sucesso. O que lhes resta? Espinafrar! O livro pode não ser perfeito e conter alguns pecadinhos que não alteram o prazer de o ler. Quanto ao Papa Bento XVI ser tachado de nazista, acho ridículo visto que na época em que foi obrigado a se alistar mal sabia o que significava o nazismo, aliás, como a maioria dos adolescentes que ingressaram nas fileiras da Juventude Hiltlerista. Causa desconfiança, sim, o silêncio do Papa Pio XII, se não me engano, chamado Papa de Hitler. Esse, sim, omitiu-se e preferiu não tomar partido ainda que estivesse bem informado do que acontecia nos famigerados campos de concentração nazistas. Apesar de não ser católica, torço para que o novo Papa seja menos conservador do que o anterior mas tenha tanto carisma quanto o outro, para o bem dos católicos e para que não se sintam tão culpados ao trangredir determinadas proibições sem cabimento na atual conjuntura. Espero e desejo que o Papa Bento XVI volte-se, inteiramente, a uma luta em favor da paz no mundo e continue o belo trabalho de seu antecessor buscando o entendimento entre as várias religiões que brigam e se matam em nome de Deus. abçs, gina
[Leia outros Comentários de Regina Mas]
20/11/2005
10h57min
Excelente o comentário sobre o Fortaleza Digital. Faça uma comparação com o 1984 de George Orwell, e verá que é bem melhor. O que coloca Dan Brown numa categoria acima da média é que suas historias (pelo amor de Deus, não modifiquem esta palavra para estórias) são fantásticas, mas viáveis, e acima de tudo, tem bom ritmo, são bem contadas. É interessante ver que toda a produção literária "filmável", isto é, capaz de ser imediatamente transformada em um filme ou novela de boa qualidade, mostra influência de um autor nunca citado. Esse gênio que menciono, embora um canalha assumido, escreveu textos matemáticos, técnicos e a melhor autobiografia de todos os tempos. Recomendo ler e analisar o ritmo das Memórias de Casanova (11 volumes enormes, mas perfeitamente digeríveis), terminado por volta de 1780. Lembrado apenas como mulherengo, esse simpático criminoso confessa, entre outras façanhas, a maior trapaça de todos os tempos: a criação das loterias oficiais.
[Leia outros Comentários de gil almeida]
1/12/2005
22h12min
Fortaleza digital não tem nada a ver com 1984 de Orwell. A comparação entre ambos é delirante e sem sentido. É como comparar pizza com manjar de côco. Duas leituras recomendáveis e um comentário sobrento.
[Leia outros Comentários de jose antonio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Amorosa
Zeruya Shalev
Imago
(2002)



100 Dicas infalíveis para emagrecer e se manter em forma
Fred A. Stutman
Sextante
(2010)



A oração no Islam
Sheikh Taleb Hussein Sl-Khazraji
Centro islâmico no Brasil
(2004)



Anatomia - Perguntas e Respostas Comentadas - 9ªedição
Ernest W. April
Manole
(2000)



A Assustadora História Da Medicina
Richard Gordon
Ediouro
(1996)



Opçoes Estudos de Gestao
Rogério Fernandes Ferreira
Notícias
(1994)



A Desintegração do Leste Urss Iugoslavia Europa Oriental
Nelson Bacic Olic
Moderna
(1998)



Livro Psicologia Mãe De Uti Amor Incondicional
Maria Julia Miele
Terceiro Nome
(2004)



Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco
Publifolha



Livro Economia The World is Flat
Thomas L Friedman
Farrar, Straus and Giroux
(2005)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês