Gênio bom é gênio morto | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS >>> Especial Gênio

Sexta-feira, 6/2/2009
Gênio bom é gênio morto
Marta Barcellos

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

ou Talentos assombrosos

Mais do que fascinar, os gênios do passado nos assombram. É um mistério para nós ― mortais que se esforçam em tarefas relativamente banais, como escrever um texto sobre genialidade ― que alguém tenha conseguido, 500 anos atrás, com todas as dificuldades para acessar o conhecimento estabelecido da época (longínquas bibliotecas; nada de Google), desenvolver uma estupenda obra nas artes, nas ciências, na engenharia. Refiro-me aqui a Leonardo da Vinci, gênio que ainda por cima era versátil, e talvez por isso tenhamos nos acostumado a reverenciá-lo como uma espécie de deus. A barba longa e encaracolada deve ajudar.

Assim como Einstein e sua onipresente careta, da Vinci tornou-se um personagem pop, do tipo que garante o sucesso de um produto de consumo, nestes tempos em que cultura se confunde com diversão. O best-seller Código Da Vinci, de Dan Brown, que se refestela nos mistérios que cercam o artista, é exemplo disso. Outro dia fui surpreendida por um desenho animado na TV, que minha filha assistia: lá estava ele, o nosso gênio, apresentado como um inventor que tentava convencer os governantes sobre a inutilidade das guerras. Ela ficou surpresa quando o relacionei à Mona Lisa, vista por ela com algum deslumbramento no Louvre. "É a mesma pessoa?", estranhou. "Pois é, filha, por incrível que pareça, é", respondi.

Ou melhor, era a mesma pessoa. Temos que colocar o verbo no passado, provavelmente, quando se trata de gênios de múltiplos talentos, já que hoje nossa sociedade é tão compartimentada. Mas e quanto à genialidade especializada, mais condizente com os tempos atuais? Temos gênios contemporâneos? Supondo que tudo começa com um dom de nascença, podemos começar investigando as nossas crianças-prodígio, que às vezes aparecem em reportagens sobre superdotados, amparadas por escolas especiais e pais empresários. Seriam elas brilhantes como Mozart (que compôs uma sonata aos 4 anos), Pascal (que publicou seu teorema aos 17) ou Dante Alighieri (que escreveu seus primeiros poemas aos 8)?

Fico imaginando que o terreno, hoje, não é dos mais férteis para o florescimento de talentos excepcionais. É razoável imaginar a preocupação de pais modernos diante de uma criança com alguma vocação especial, que possivelmente a mobiliza mais do que o "normal". Daquele jeito, "esquisito" em relação às outras crianças, conseguirá o seu filho querido ser... feliz? Sim, vale lembrar que a felicidade anda cotada acima da genialidade, na nossa escala de valores. O importante é ser feliz, se divertir um bocado e ganhar dinheiro para garantir a empreitada. Verdade que o dinheiro pode iniciar a lista, para alguns, e até levar a uma decisão de "explorar" o tal dom, ainda com o objetivo final da felicidade.

Por outro lado, uma criança genial logo perceberá os talentos que se espera de fato dela, coisas como "inteligência emocional", capacidade de lidar com o "pensamento médio" e se ajustar ao "grupo". Se conseguirem se adaptar a essas exigências básicas ― e não forem fisgados por cursinhos pré-vestibular interessados em seus prováveis primeiros lugares na prova ―, esses garotos e garotas poderão até ter momentos brilhantes no futuro. Mas dificilmente chegarão perto dos gênios do passado, que viveram sem a imposição da tal felicidade pessoal. "Bastava" ser gênio ― ainda que incompreendido ou esquisito.

De qualquer forma, é óbvio que a genialidade incontestável precisa de um (bom) tempo para ser avaliada com distanciamento, até que nos certifiquemos da perenidade de uma obra ou da dimensão de uma descoberta para a humanidade. Ou seja, os gênios precisam virar fantasmas, para, aí sim, nos assombrar de fato. Quem não ficou impressionado, no ano passado, ao reler Machado de Assis? Não tenho dúvida de que o impacto ganhou força, com o passar dos anos, mesmo para os admiradores mais antigos do escritor. Um prêmio Nobel deste ano dificilmente será unanimidade, mas nada impede que ganhe o reconhecimento de gênio no próximo século. Um esportista recordista de títulos, "candidato" a gênio, a qualquer momento pode ser ofuscado por outro, este sim, que marcará a história. E por aí vai.

Entre a genialidade, reconhecida na posteridade, e o talento que arrasta admiradores contemporâneos, o que existe é a controvérsia. Woody Allen é um gênio do cinema? Teria Bill Gates perdido o posto de gênio? Quem foi mais genial: Pelé ou Maradona? A genialidade de Niemeyer já é reconhecida internacionalmente? E a de Villa-Lobos?

Pelo visto, a polêmica descamba para a questão de "gosto não se discute". Mas se é para falar de gosto pessoal, vou contar sobre o tipo de talento (gênio?) da atualidade que costuma me reservar pequenas doses de encantamento e assombro. Em geral, o impulso de gritar "esse cara é um gênio" me vem junto com a certeza da originalidade. Associar pensamentos e conhecimentos que estão por aí, fazê-lo bem feito, avançar um pouco mais, tudo isso é parte de um admirável mundo conectado e global, pulsante e interessante, suficiente para eu planejar morrer bem velhinha e ter tempo de ver os novos filmes e livros que ainda serão escritos. Mas nada disso se compara ao frescor da originalidade. Quando penso que ainda vou esbarrar em muitas artes assim, brotando da terra, dá vontade mesmo é de ser imortal, ou arrastar corrente por aí. Como os gênios do passado.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori de Jardel Dias Cavalcanti
02. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
03. Notas confessionais de um angustiado (Final) de Cassionei Niches Petry
04. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
05. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/2/2009
11h47min
Marta, isto é forte: "a felicidade anda cotada acima da genialidade, na nossa escala de valores..." Marta, o seu texto e, em especial, a frase sublinhada remetem-me ao pensamento de Walter Benjamin, sobretudo quando o filósofo alemão afirma a nossa pobreza de experiência: "eles [os modernos] 'devoraram' tudo, a 'cultura' e os 'homens', e ficaram saciados e exaustos. 'Vocês estão todos cansados - tudo porque não concentraram todos os seus pensamentos num plano totalmente simples e absolutamente grandioso'" (isto retraduz o último parágrafo do seu texto, Marta! A originalidade exige EXPERIÊNCIA, isto é, SABEDORIA, consoante Benjamin). Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês