Gênio bom é gênio morto | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
84470 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um caso de manipulação
>>> A novilíngua petista
>>> A clepsidra e os livros de areia
>>> Impressões sobre a FLIP
>>> Guilherme Carvalhal
>>> Achados
>>> Um post vazio
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Crime e mistério nas letras nacionais
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Revista Radiolândia de Vários pela Rio Gráfica (1955)
>>> Revista Radiolândia de Vários pela Rio Gráfica (1955)
>>> Revista Radiolândia de Vários pela Rio Gráfica (1954)
>>> Teorema de Pier Paolo Pasolini pela Nova Fronteira (1975)
>>> A Casa dos Espíritos de Isabel Allende pela Difel (1986)
>>> Os Pecados da Tribo de José J. Veiga pela Difel (1982)
>>> O Expresso da Meia-noite & Outras Histórias de Rubem M. Scheffel pela Casa Publicadora Brasileira (1988)
>>> Denário do sonho de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1971)
>>> Titinho e os Tênis Mágicos de Jerônimo Jardim pela L&PM (1989)
>>> Rio dos Signos de Geraldo Dias da Cruz pela Jo (1986)
>>> Dois minutos de gasolina parta a meia-noite de Ricardo Carlaccio pela Do Autor (2010)
>>> A Cidade Vazia de Fernando Sabino pela Do Autor (1961)
>>> Chore para o Céu de Anne Rice pela Rocco (1996)
>>> Doce Vitória de Taylor Caldwell pela Nova Cultural (1987)
>>> Apelo aos vivos de Roger Garaudy pela Nova Fronteira (1981)
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1980)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Sala de Armas - Coleção Aché dos Imortais da Literatura Brasileira de Nélida Piñon pela Parma; Aché (1973)
>>> As Viagens de Marco Polo de Traduzido por N Meira pela Clube do Livro (1950)
>>> Ouro e Azul de Walter Waeny pela Próprio Autor (1992)
>>> Trilusssa e o brasil de Carlo Prina pela Não identificada (1945)
>>> Meias verdades de Daniel Linda pela Livre Mercado (2003)
>>> Meias verdades de Daniel Linda pela Livre Mercado (2003)
>>> Meias verdades de Daniel Linda pela Livre Mercado (2003)
>>> Meias verdades de Daniel Linda pela Livre Mercado (2003)
COLUNAS >>> Especial Gênio

Sexta-feira, 6/2/2009
Gênio bom é gênio morto
Marta Barcellos

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

ou Talentos assombrosos

Mais do que fascinar, os gênios do passado nos assombram. É um mistério para nós ― mortais que se esforçam em tarefas relativamente banais, como escrever um texto sobre genialidade ― que alguém tenha conseguido, 500 anos atrás, com todas as dificuldades para acessar o conhecimento estabelecido da época (longínquas bibliotecas; nada de Google), desenvolver uma estupenda obra nas artes, nas ciências, na engenharia. Refiro-me aqui a Leonardo da Vinci, gênio que ainda por cima era versátil, e talvez por isso tenhamos nos acostumado a reverenciá-lo como uma espécie de deus. A barba longa e encaracolada deve ajudar.

Assim como Einstein e sua onipresente careta, da Vinci tornou-se um personagem pop, do tipo que garante o sucesso de um produto de consumo, nestes tempos em que cultura se confunde com diversão. O best-seller Código Da Vinci, de Dan Brown, que se refestela nos mistérios que cercam o artista, é exemplo disso. Outro dia fui surpreendida por um desenho animado na TV, que minha filha assistia: lá estava ele, o nosso gênio, apresentado como um inventor que tentava convencer os governantes sobre a inutilidade das guerras. Ela ficou surpresa quando o relacionei à Mona Lisa, vista por ela com algum deslumbramento no Louvre. "É a mesma pessoa?", estranhou. "Pois é, filha, por incrível que pareça, é", respondi.

Ou melhor, era a mesma pessoa. Temos que colocar o verbo no passado, provavelmente, quando se trata de gênios de múltiplos talentos, já que hoje nossa sociedade é tão compartimentada. Mas e quanto à genialidade especializada, mais condizente com os tempos atuais? Temos gênios contemporâneos? Supondo que tudo começa com um dom de nascença, podemos começar investigando as nossas crianças-prodígio, que às vezes aparecem em reportagens sobre superdotados, amparadas por escolas especiais e pais empresários. Seriam elas brilhantes como Mozart (que compôs uma sonata aos 4 anos), Pascal (que publicou seu teorema aos 17) ou Dante Alighieri (que escreveu seus primeiros poemas aos 8)?

Fico imaginando que o terreno, hoje, não é dos mais férteis para o florescimento de talentos excepcionais. É razoável imaginar a preocupação de pais modernos diante de uma criança com alguma vocação especial, que possivelmente a mobiliza mais do que o "normal". Daquele jeito, "esquisito" em relação às outras crianças, conseguirá o seu filho querido ser... feliz? Sim, vale lembrar que a felicidade anda cotada acima da genialidade, na nossa escala de valores. O importante é ser feliz, se divertir um bocado e ganhar dinheiro para garantir a empreitada. Verdade que o dinheiro pode iniciar a lista, para alguns, e até levar a uma decisão de "explorar" o tal dom, ainda com o objetivo final da felicidade.

Por outro lado, uma criança genial logo perceberá os talentos que se espera de fato dela, coisas como "inteligência emocional", capacidade de lidar com o "pensamento médio" e se ajustar ao "grupo". Se conseguirem se adaptar a essas exigências básicas ― e não forem fisgados por cursinhos pré-vestibular interessados em seus prováveis primeiros lugares na prova ―, esses garotos e garotas poderão até ter momentos brilhantes no futuro. Mas dificilmente chegarão perto dos gênios do passado, que viveram sem a imposição da tal felicidade pessoal. "Bastava" ser gênio ― ainda que incompreendido ou esquisito.

De qualquer forma, é óbvio que a genialidade incontestável precisa de um (bom) tempo para ser avaliada com distanciamento, até que nos certifiquemos da perenidade de uma obra ou da dimensão de uma descoberta para a humanidade. Ou seja, os gênios precisam virar fantasmas, para, aí sim, nos assombrar de fato. Quem não ficou impressionado, no ano passado, ao reler Machado de Assis? Não tenho dúvida de que o impacto ganhou força, com o passar dos anos, mesmo para os admiradores mais antigos do escritor. Um prêmio Nobel deste ano dificilmente será unanimidade, mas nada impede que ganhe o reconhecimento de gênio no próximo século. Um esportista recordista de títulos, "candidato" a gênio, a qualquer momento pode ser ofuscado por outro, este sim, que marcará a história. E por aí vai.

Entre a genialidade, reconhecida na posteridade, e o talento que arrasta admiradores contemporâneos, o que existe é a controvérsia. Woody Allen é um gênio do cinema? Teria Bill Gates perdido o posto de gênio? Quem foi mais genial: Pelé ou Maradona? A genialidade de Niemeyer já é reconhecida internacionalmente? E a de Villa-Lobos?

Pelo visto, a polêmica descamba para a questão de "gosto não se discute". Mas se é para falar de gosto pessoal, vou contar sobre o tipo de talento (gênio?) da atualidade que costuma me reservar pequenas doses de encantamento e assombro. Em geral, o impulso de gritar "esse cara é um gênio" me vem junto com a certeza da originalidade. Associar pensamentos e conhecimentos que estão por aí, fazê-lo bem feito, avançar um pouco mais, tudo isso é parte de um admirável mundo conectado e global, pulsante e interessante, suficiente para eu planejar morrer bem velhinha e ter tempo de ver os novos filmes e livros que ainda serão escritos. Mas nada disso se compara ao frescor da originalidade. Quando penso que ainda vou esbarrar em muitas artes assim, brotando da terra, dá vontade mesmo é de ser imortal, ou arrastar corrente por aí. Como os gênios do passado.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 20 contos sobre a pandemia de 2020 de Luís Fernando Amâncio
02. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
03. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
04. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
05. 4 filmes sobre publicar livros de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/2/2009
11h47min
Marta, isto é forte: "a felicidade anda cotada acima da genialidade, na nossa escala de valores..." Marta, o seu texto e, em especial, a frase sublinhada remetem-me ao pensamento de Walter Benjamin, sobretudo quando o filósofo alemão afirma a nossa pobreza de experiência: "eles [os modernos] 'devoraram' tudo, a 'cultura' e os 'homens', e ficaram saciados e exaustos. 'Vocês estão todos cansados - tudo porque não concentraram todos os seus pensamentos num plano totalmente simples e absolutamente grandioso'" (isto retraduz o último parágrafo do seu texto, Marta! A originalidade exige EXPERIÊNCIA, isto é, SABEDORIA, consoante Benjamin). Abraços do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jogo Em Moscou
Robert Moss
Record
(1985)



La Terre: Une Vie de Tournemente (french Edition)
Jean Riser
Ellipses
(2004)



Philia
Marcelo Rossi
Principium
(2015)



O Circulista 38 Anos na Evolução Religiosa de um Povo
Nathanael de Veras Alcântara
Autor (valença Rj)
(1983)



A Ordem Internacional Em Transformação: 1945-1995
Contexto Internacional Número 2 de 1995
Puc Rio
(1995)



Tentando Entender Monterroso
Luiz Arraes
7 Letras
(2005)



Nouveau Dictionnaire des Difficultes Du Francais Moderne
Hanse Blampain
De Boeck Duculot
(2000)



Derecho Internacional, Comunidad y Union Europea
Vicente Blanco Gaspar
International Law Assoiation
(1986)



Uma Aventura na Martinica - Coleção Folha Clássicos do Cinema 12
David Lean
Folha de São Paulo
(2009)



Curso de Direito do Trabalho - 5ªedição
Gustavo Filipe Barbosa Garcia
Gen Forense
(2011)





busca | avançada
84470 visitas/dia
2,7 milhões/mês