Novos velhos e lagostas | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/3/2014
Novos velhos e lagostas
Carla Ceres

+ de 2800 Acessos

Outro dia, uma adolescente com filhos perguntou se eu achava justo "esses novos velhos que não querem envelhecer como antigamente". Respondi com uma evasiva qualquer e deixei que ela definisse quem eram esses novos velhos (os pais dela), como se envelhecia antigamente (ficando em casa com os netos) e como se envelhece hoje (indo viajar). A indignação em causa própria me divertiu. No fundo, porém, algo me irritava. A jovem parecia acreditar que se pode escolher e controlar, por completo, a maneira como se quer envelhecer e, pior ainda, acreditava que outras pessoas tivessem o direito de julgar essa "escolha" como justa ou injusta.

A conversa me fez lembrar que, uma vez, dentro da Disney, fui impedida de beber numa boate, porque deixei o passaporte no hotel e a moça da portaria não acreditava que eu tivesse vinte e um anos. Pra piorar, quando me perguntou "How old are you?", dei um sorriso brincalhão e respondi "Very old". Depois dessa gracinha, não houve como convencê-la dos meus trinta e seis, quase trinta e sete anos. É natural que porteiros de casas noturnas, ainda mais num parque de diversões, fiquem atentos a menores de idade querendo encher a cara. Minha aparência só complicou as coisas. Sou baixinha, estava bem magra, usava aparelho nos dentes, salto baixo e quase nada de maquiagem.

Isso já faz dez anos. Tirei o aparelho, engordei um pouco, mas continuo pertencendo ao grupo dos "novos velhos" que praticam exercícios, usam roupas descontraídas e gostam de esportes radicais. Contrariei o que era de bom-tom no tempo de meus avós, não me deixei envelhecer com dignidade após o casamento. Deixar-se envelhecer incluía não apenas ficar fora de forma e assumir os cabelos brancos, mas, também, usar roupas fechadas e cabelos presos, manter uma expressão circunspecta, gesticular menos, caminhar mais lentamente. A própria existência do ideal de "deixar-se envelhecer" mostra o quanto o visual e o comportamento das senhoras casadas de antigamente nada tinha de natural. Era tão forçado quanto o das nossas atuais pré-adolescentes que se maquiam e usam salto alto para parecer mocinhas.

A natureza não planejou que envelhecêssemos nem determinou um comportamento ideal para essa fase da vida. Se dependêssemos apenas de seus desígnios, algum predador nos mataria antes de termos rugas de expressão. Não existem leões gagás passeando pelas savanas, mas já vi alguns em bons zoológicos. Num cativeiro confortável, os animais vivem até enjoar. Nosso cativeiro se chama civilização. Ainda nem sabemos qual é o limite biológico da nossa existência. Por enquanto, em condições favoráveis, duramos pouquinho mais de um século. Alguns seres vivos, como as lagostas, só morrem se forem vítimas de acidentes, predadores ou doenças. Seus corpos não apresentam sinais de envelhecimento. Apenas continuam crescendo e procriando cada vez melhor. O metabolismo, a energia e o apetite se mantêm ao longo dos anos. Nós não chegamos a esse ponto, ainda, mas os cientistas afirmam que o primeiro ser humano a viver até os cento e cinquenta anos já deve ter nascido.

Enquanto a ciência persegue o elixir da eterna juventude, precisamos lidar com as pressões socioculturais dos vários grupos interessados em ditar o modo correto de envelhecer. O pessoal da estética, em suas propagandas, insiste que devemos desejar uma aparência jovem e que, se não a desejamos, estamos deprimidos. Os filhos nos querem em casa, como babás dos netos ou, pior, deles mesmos, mas agir assim iria contra a imagem de idoso saudável vendida pelas agências de viagens. Temos que fazer sexo sem cair na farra. A opção pela abstinência sexual prejudicaria a indústria farmacêutica. A promiscuidade colocaria em risco a herança que deveríamos deixar a nossos zelosos parentes. Querem nos obrigar a um meio termo coletivo como se existisse uma única forma de envelhecer. Pelo bem de interesses alheios, esperam que nos tornemos o consumidor padrão de nossa faixa etária.

Acontece que o desgaste físico e o amadurecimento emocional nem sempre ocorrem na idade em que supostamente deveriam ocorrer. Muitas crianças amadurecem mais cedo, por enfrentar graves problemas familiares ou de saúde. Eu fui uma dessas. Passei por péssimos bocados até ter condições de recuperar parte da saúde e levar o mundo menos a sério. Fui adulta antes do tempo, rejuvenesci depois dos trinta e agora exerço os direitos de continuar vivendo em paz e envelhecer do meu jeito. Claro que não posso controlar o processo totalmente, mas ele também está longe de ter completo controle sobre mim.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 13/3/2014


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2014
01. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
02. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014
03. Duas distopias à brasileira - 7/8/2014
04. Adolescentes e a publicação prematura - 4/9/2014
05. Vaidade, inveja e violência - 8/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês