Novos velhos e lagostas | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
29109 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> Músico Dudu Oliveira lança seu disco de estreia no Todas as Bossas da TV Brasil
>>> Antenize recebe Lázaro Ramos no especial sobre literatura deste sábado (18) na TV Brasil
>>> Festa
>>> Shopping Metrô Tucuruvi e Livrarias Curitiba preparam uma programação especial para este mês
>>> São Paulo recebe neste sábado o festival "Eu Quero Arte Perto de Mim"
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Frases e verdades
>>> Música & Filosofia
>>> Casa de couro
>>> Saber viver a vida é fundamental
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As viúvas da Bizz
>>> As viúvas da Bizz
>>> As viúvas da Bizz
>>> O filósofo da contracultura
>>> A resistência, de Ernesto Sabato
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
>>> Satã, uma biografia
>>> Escola, literatura e sociedade: esquizofrenia
>>> O mensalão, 5 anos depois, pelo Valor Econômico
Mais Recentes
>>> Você e Seu Sangue de Heloisa Bernardes pela H. L. B. - Cursos e Serviços (2004)
>>> Turco de Rough Guides pela Publifolha (2009)
>>> The mill on the floss de George Eliot pela Oxford University Press (1981)
>>> Teoria da restauração de Cesare Brandi pela Ateliê Editorial (2004)
>>> Queimada viva de Souad pela Planeta (2004)
>>> Pré-história de André Leroi-Gourhan pela Pioneira (1981)
>>> Platão de Bernard Williams pela UNESP (2000)
>>> Pedra só de José Inácio Vieira de Melo pela Escrituras (2012)
>>> Os búrios de Domingos Maria da Silva pela Câmara Municipal de Terras de Bouros (1988)
>>> O patrimônio em processo de Maria Cecília Londres Fonseca pela UFMG (2005)
>>> O leilão do lote 49 de Thomas Pynchon pela Companhia das Letras (1993)
>>> O homem que matou o escritor de Sérgio Rodrigues pela Objetiva (2000)
>>> O fator humano de Graham Greene pela L&PM Pocket (2008)
>>> O cortiço de Aluísio Azevedo pela Nobel (2010)
>>> O centro industrial do Rio de Janeiro de Edgard Carone pela Cátedra (1978)
>>> O capitalismo tardio de João Manuel Cardoso de Mello pela UNESP (2009)
>>> O capital, vol. 1: o processo de produção do capital de Karl Marx pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Norma e forma de E. H. Gombrich pela Martins Fontes (1990)
>>> Morte abjeta de Bernardo Guimarães & Maria Judith Ribeiro pela M. J. Ribeiro (2002)
>>> Memórias do social de Henri-Pierre Jeudy pela Forense Universitária (1990)
>>> Magos de Isaac Asimov pela Melhoramentos (1990)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Abril (1981)
>>> História da casa brasileira de Carlos Lemos pela Contexto (1989)
>>> Hegel de Georg W. F. Hegel pela Nova Cultural (2000)
>>> Habitações indígenas de Sylvia Caiuby Novaes (org.) pela Nobel (1983)
>>> Gaston Bachelard: o arauto da pós-modernidade de Elyana Barbosa pela EDUFBA (1993)
>>> Galope amarelo e outros poemas de Florisvaldo Matos pela Fundação Gregório de Mattos (2001)
>>> Estrangeiro de Ronaldo Costa Fernandes pela Sette Letras (1997)
>>> Estado e capitalismo de Octavio Ianni pela Brasiliense (1989)
>>> Espacio, tiempo y arquitectura de Abdulio Bruno Giudici pela Nobuko (2004)
>>> El concepto del espacio arquitectónico de Giulio Carlo Argan pela Ediciones Nueva Visión (1984)
>>> Economia política da urbanização de Paul Singer pela Brasiliense (1987)
>>> Depois da arquitectura moderna de Paolo Portoghesi pela Edições 70 (1985)
>>> Contos escolhidos de Luís Pimentel pela Secult-BA (2006)
>>> Compreender Aristóteles de François Stirn pela Vozes (2006)
>>> Comédia em tom menor de Hans Keilson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Canto mínimo de Adelmo Oliveira pela Imago (2000)
>>> Breve história diplomática de Portugal de José Calvet de Magalhães pela Publicações Europa-América (1990)
>>> Breve história das relações diplomáticas entre Brasil e Portugal de José Calvet de Magalhães pela Paz & Terra (1999)
>>> Antropologia social de E. E. Evans Pritchard pela Edições 70 (2002)
>>> Adorno de Theodor W. Adorno pela Nova Cultural (2000)
>>> A língua e a cultura portuguesas no Tempo dos Filipes de Pilar Vásquez Cuesta pela Publicações Europa-América (1986)
>>> A imagem da cidade de Kevin Lynch pela Martins Fontes (1988)
>>> A história sem fim de Michael Ende pela Martins Fontes (1985)
>>> A hispanidade em São Paulo de Aracy A. Amaral pela Nobel (1981)
>>> A good scent from a strange mountain: stories de Robert Olen Butler pela Penguin (1993)
>>> A caligrafia do soluço & Poesia anterior de Florisvaldo Mattos pela Casa de Palavras (1996)
>>> A arquitetura de Günter Weimer pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992)
>>> Bíblia do Pescador 2010 de Mateus Zillig pela Grupo 1 (2010)
>>> Introdução à Economia de José Paschoal Rossetti pela Atlas (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/3/2014
Novos velhos e lagostas
Carla Ceres

+ de 2000 Acessos

Outro dia, uma adolescente com filhos perguntou se eu achava justo "esses novos velhos que não querem envelhecer como antigamente". Respondi com uma evasiva qualquer e deixei que ela definisse quem eram esses novos velhos (os pais dela), como se envelhecia antigamente (ficando em casa com os netos) e como se envelhece hoje (indo viajar). A indignação em causa própria me divertiu. No fundo, porém, algo me irritava. A jovem parecia acreditar que se pode escolher e controlar, por completo, a maneira como se quer envelhecer e, pior ainda, acreditava que outras pessoas tivessem o direito de julgar essa "escolha" como justa ou injusta.

A conversa me fez lembrar que, uma vez, dentro da Disney, fui impedida de beber numa boate, porque deixei o passaporte no hotel e a moça da portaria não acreditava que eu tivesse vinte e um anos. Pra piorar, quando me perguntou "How old are you?", dei um sorriso brincalhão e respondi "Very old". Depois dessa gracinha, não houve como convencê-la dos meus trinta e seis, quase trinta e sete anos. É natural que porteiros de casas noturnas, ainda mais num parque de diversões, fiquem atentos a menores de idade querendo encher a cara. Minha aparência só complicou as coisas. Sou baixinha, estava bem magra, usava aparelho nos dentes, salto baixo e quase nada de maquiagem.

Isso já faz dez anos. Tirei o aparelho, engordei um pouco, mas continuo pertencendo ao grupo dos "novos velhos" que praticam exercícios, usam roupas descontraídas e gostam de esportes radicais. Contrariei o que era de bom-tom no tempo de meus avós, não me deixei envelhecer com dignidade após o casamento. Deixar-se envelhecer incluía não apenas ficar fora de forma e assumir os cabelos brancos, mas, também, usar roupas fechadas e cabelos presos, manter uma expressão circunspecta, gesticular menos, caminhar mais lentamente. A própria existência do ideal de "deixar-se envelhecer" mostra o quanto o visual e o comportamento das senhoras casadas de antigamente nada tinha de natural. Era tão forçado quanto o das nossas atuais pré-adolescentes que se maquiam e usam salto alto para parecer mocinhas.

A natureza não planejou que envelhecêssemos nem determinou um comportamento ideal para essa fase da vida. Se dependêssemos apenas de seus desígnios, algum predador nos mataria antes de termos rugas de expressão. Não existem leões gagás passeando pelas savanas, mas já vi alguns em bons zoológicos. Num cativeiro confortável, os animais vivem até enjoar. Nosso cativeiro se chama civilização. Ainda nem sabemos qual é o limite biológico da nossa existência. Por enquanto, em condições favoráveis, duramos pouquinho mais de um século. Alguns seres vivos, como as lagostas, só morrem se forem vítimas de acidentes, predadores ou doenças. Seus corpos não apresentam sinais de envelhecimento. Apenas continuam crescendo e procriando cada vez melhor. O metabolismo, a energia e o apetite se mantêm ao longo dos anos. Nós não chegamos a esse ponto, ainda, mas os cientistas afirmam que o primeiro ser humano a viver até os cento e cinquenta anos já deve ter nascido.

Enquanto a ciência persegue o elixir da eterna juventude, precisamos lidar com as pressões socioculturais dos vários grupos interessados em ditar o modo correto de envelhecer. O pessoal da estética, em suas propagandas, insiste que devemos desejar uma aparência jovem e que, se não a desejamos, estamos deprimidos. Os filhos nos querem em casa, como babás dos netos ou, pior, deles mesmos, mas agir assim iria contra a imagem de idoso saudável vendida pelas agências de viagens. Temos que fazer sexo sem cair na farra. A opção pela abstinência sexual prejudicaria a indústria farmacêutica. A promiscuidade colocaria em risco a herança que deveríamos deixar a nossos zelosos parentes. Querem nos obrigar a um meio termo coletivo como se existisse uma única forma de envelhecer. Pelo bem de interesses alheios, esperam que nos tornemos o consumidor padrão de nossa faixa etária.

Acontece que o desgaste físico e o amadurecimento emocional nem sempre ocorrem na idade em que supostamente deveriam ocorrer. Muitas crianças amadurecem mais cedo, por enfrentar graves problemas familiares ou de saúde. Eu fui uma dessas. Passei por péssimos bocados até ter condições de recuperar parte da saúde e levar o mundo menos a sério. Fui adulta antes do tempo, rejuvenesci depois dos trinta e agora exerço os direitos de continuar vivendo em paz e envelhecer do meu jeito. Claro que não posso controlar o processo totalmente, mas ele também está longe de ter completo controle sobre mim.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 13/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. occupytheoffice de Lisandro Gaertner


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2014
01. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
02. Duas distopias à brasileira - 7/8/2014
03. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014
04. Adolescentes e a publicação prematura - 4/9/2014
05. Vaidade, inveja e violência - 8/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BECO DAS GARRAFAS, UMA LEMBRANÇA
MARCELLO CERQUEIRA
REVAN
(1994)
R$ 15,00



SEGREDOS PARA O SUCESSO E A FELICIDADE - 2ª EDIÇÃO
OG MANDINO
RECORD
(1997)
R$ 11,90



REVISTA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA - NÚMERO 14 - MULHERES, A REVOLUÇÃO MAIS LONGA
MOACIR FELIX (ED.)
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 15,00



DOMINANDO ECLIPSE
EDSON GONÇALVES
CIÊNCIA MODERNA
(2006)
R$ 35,00



PALÁCIO DA ALVORADA
GOVERNO FEDERAL
DO AUTOR
R$ 10,00



BANDEIRANTES - COLEÇÃO DE OLHO NO MUNDO RECREIO Nº 13
EDITORA KLICK
KLICK
(2000)
R$ 8,00



ANJOS - TUDO QUE VOCÊ QUERIA SABER Nº 1 - COM FITA K7
BIBA ARRUDA / MIRNA GRZICH
TRÊS
R$ 15,00



AS CRÔNICAS DE NÁRNIA - VOLUME ÚNICO
C. S. LEWIS
MARTINS FONTES
(2016)
R$ 49,90



O CASO ROSENBERG 50 ANOS DEPOIS
ASSEF KFOURI
CÓDEX
(2003)
R$ 15,00



JOURNAL OF THE BRAZILIAN COMPUTER SOCIETY Nº 3 VOL 6 APRIL 2000
SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO
SBC
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
29109 visitas/dia
737 mil/mês