Vai lavar uma pia de louça que passa | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/10/2013
Vai lavar uma pia de louça que passa
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos

Parece piadinha machista, mas não é. Um dia desses, reclamei no Facebook que estava com preguiça de lavar louça. Os talheres sujos se acumulavam na pia e eu não queria tomar tempo do trabalho, mesmo que pouco, pra fazer o serviço. Uma amiga comentou na postagem que lavar louça era como meditar. Em certo ponto, acredito que ela tem razão.

Louça chata é aquela do dia a dia, que tira o tempo do trabalho, do descanso, do lazer ou de qualquer outra coisa melhor/mais importante que se tenha para fazer. É aquela tarefa repetitiva, monótona, sem sentido. Você lava a louça, ela suja, você lava de novo, e assim vai. Mas aquela louça grande, que enche a pia depois de uma refeição especial, é diferente: lavar os pratos, copos e talheres que foram anfitriões de um encontro entre amigos, da reunião de família ou de um jantar romântico, ah, aí sim, é como meditar. Lava-se não apenas a louça, também a alma. É purificador. Depois de água, esponja e detergente, tudo fica mais brilhante, inclusive os pensamentos.

E se os pratos saíram da mesa para a pia praticamente limpos, dá aquele orgulho: as pessoas gostaram da sua comida. Tem coisa melhor do que ver gente se deliciando com algo que você cozinhou? Tem: ver o homem que você ama raspar o prato. Pode ser o amor da sua vida ou o amor daquela noite. Mas que delícia, no dia seguinte, ao encher pratos e copos de espuma, lembrar do apetite dele. Enfim, voltemos à meditação.

Como a meditação, esse lavar-louças terapêutico tem um método. E acredito que ele varia de pessoa pra pessoa. O meu é o seguinte: primeiro, é preciso preparar o ambiente. Tirar todas as coisas da mesa, guardar o que pode ser guardado, para não ocupar espaço na cozinha. Botar os restos de comida no lixo. Organizar os utensílios por categoria: os copos, os pratos, os talheres, as travessas, as panelas, os plásticos. Encher a chaleira e colocar água pra ferver. Guardar a louça seca que porventura esteja no escorredor. Colocar as luvas de borracha (água, especialmente quente, e detergente, são péssimos para a pele das mãos). Depois desses preparativos, a louça está pronta para ser lavada e a cabeça pode se deixar levar, já que são as mãos que vão trabalhar.

Gosto de colocar boa parte da louça dentro da pia. Assim, enquanto vou lavando algumas, a água vai caindo nas outras, amolecendo a sujeira. Molho a esponja, coloco detergente e começo pelos copos e xícaras, como minha mãe me ensinou. Ah, antes de continuar, um parêntesis sobre o detergente: gosto daqueles transparentes, porque me passam uma sensação maior de limpeza e de pureza. Sem falar que não "poluem" visualmente a pia. Acho que a marca Ypê (olha o jabá aí, gente!) é de boa qualidade e atende essa minha exigência estética. Fecha parêntesis.

Pois bem, os copos. Se teve vinho na refeição, fiz questão de usar minhas taças bojudas de cristal, que são meu orgulho (posso abrir mais um parêntesis? A Danuza Leão diz que o Brasil é o único lugar onde se chama copo de vinho de "taça". Em outros idiomas temos glass, verre, bicchiere... Fecha parêntesis de novo). Elas serão lavadas por primeiro, com bastante cuidado, e serão colocadas pra secar em segurança na mesa da sala, onde a chance de serem atingidas pelos meus movimentos espaventados é bem menor.

Depois dos copos e das xícaras, vêm os pratos de sobremesa. E em seguida os pratos da refeição. A cada grupo que é ensaboado, a torneira fica fechada. Quando as peças são enxaguadas, já fazem uma espécie de pré-lavagem naquelas que estão na pia. Economiza água sem prejudicar o desempenho da tarefa - assim como a gente não deve desperdiçar energia com pensamentos/coisas/pessoas que não vão agregar nada em nossa vida.

Uma parte importante é a organização dos utensílios no escorredor. A ordem ao lavar deve levar isso em conta. Copos ficam no suporte específico. Xícaras e canecas mais largas podem ir sobre eles. Pratos grandes mais ao fundo, depois os menores. Por fim, os potes e travessas no espaço que restou, sempre com os menores embaixo e os maiores em cima, para aproveitar espaço. As peças mais delicadas ou muito grandes, coloco na mesa mesmo. E os talheres vão para algum recipiente grande, porque nessas ocasiões são muitos e ficam caindo do lugar destinado a eles no escorredor (pense numa coisa irritante).

Depois de tudo lavado, inclusive as panelas, é a vez da lixeirinha de lixo orgânico e o suporte do detergente, os cantinhos da pia, ou seja, de fazer aquela limpezinha detalhada que nenhuma diarista faria, mesmo que eu tivesse uma. Quando tudo isso tá pronto, vem a melhor parte. A apoteose. O namastê.

A cozinha do meu apartamento foi comprada numa loja de bairro, uma casas bahia da vida. É uma cozinha branca, modular, simples mas bonitinha (e boa, porque tem seis anos e continua firme e forte). Não fazia questão de marca e nem que fosse planejada. Guardei minhas exigências para outra parte: a pia. O tampo não podia, em hipótese alguma, ser de aço inox. Tinha que ser de granito. E quando fui escolher a cor da pedra, percebi que só seria feliz com o verde labrador, a mais cara de todas.

Limpar esse granito depois de lavar toda louça é um prazer quase sensual. Por mais que tenha usado água quente da torneira nas etapas anteriores, ela não é quente o bastante. Lembram que eu coloquei água pra ferver antes de começar os trabalhos? Pois bem, agora a chaleira está chiando, impaciente, e a água borbulha alucinadamente. Desligo o fogo e verto a água sobre o granito e a cuba de aço. Quase posso ver a gordura se dissolvendo, as partículas de sujeira se desintegrando, tudo sendo carregado para o ralo. Com a ajuda de um rodinho, tiro o excesso de água, que seca rapidinho porque está muito quente. Minha pedra fica linda, imaculada e seca. Purificada e serena, como eu.


Adriana Baggio
Curitiba, 30/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês