De volta à cultura audiovisual | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
>>> Eu não pulei carnaval
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Grüβ Gott
>>> Blogs vs. sites de notícias
Mais Recentes
>>> Tijon, Gongón e Outros Escritos de Miguel Ángel Asturias pela Labortexto (1999)
>>> Vista do Amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das Letras (1988)
>>> Moha o Louco Moha o Sábio de Tahar Ben Jelloun pela Francisco Alves (1985)
>>> A Neve do Almirante de Alvaro Mutis pela Companhia das Letras (1990)
>>> O Pau de Sebo de René Depestre pela Marco Zero (1983)
>>> O Misterioso Desaparecimento da Marquesinha de Loria de José Donoso pela Difel (1984)
>>> O Itinerário da Derrota de Ruy Carlos Ostermann pela Artes Ofícios (1992)
>>> Cem Anos de Paixão - uma Mitologia Carioca no Futebol de Cláudia Mattos pela Rocco
>>> Evolução na Comunicação de Giovanni Giovannini pela Nova Fronteira (1987)
>>> Mito e Sexualidade de Jamake Highwater pela Saraiva (1992)
>>> Revista Educar transforma Ano 01 Nº01 de Vários pela Ática / Scipione (2015)
>>> Português em outras palavras : Jogos de RPG de Rosana Rios e Maria Sílvia Gonçalves pela Scipione
>>> A Formação do Homem de Estelle Friedman pela Fundo de Cultura (1964)
>>> O Homem e a Evolução de John Lewis pela Paz e Terra (1968)
>>> A Demolição do Homem - Crítica à Falsa Religião do Progresso de Konrad Lorenz pela Brasiliense (1982)
>>> A Demolição do Homem - Crítica à Falsa Religião do Progresso de Konrad Lorenz pela Brasiliense (1982)
>>> A Demolição do Homem - Crítica à Falsa Religião do Progresso de Konrad Lorenz pela Brasiliense (1982)
>>> Farsa Ecológica de Roberto Freire pela Guanabara (1992)
>>> Operação Trotski de Jose Ramon Garmabella pela Record (1980)
>>> A Busca - uma Jornada pelo Caminho Interior de Jean Sulzberger pela Pensamento (1995)
>>> A Revolução Brasileira - Perspectivas Em 1977 de Caio Prado Júnior pela Brasiliense (1978)
>>> A Encomenda de A. M. Homes pela Nova Fronteira (2007)
>>> Haiti, Depois do Inferno - Memórias de um Repórter no Maior Terremoto de Rodrigo Alvarez pela Globo (2010)
>>> Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social de Fernando Braga da Costa pela Globo (2004)
>>> Sonhando a Guerra de Gore Vidal pela Nova Fronteira (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2011
De volta à cultura audiovisual
Marta Barcellos

+ de 2700 Acessos

"Recebi um monte de torpedos e mensagens de parabéns no Facebook", me conta uma amiga. "Odiei." Sua revolta, no dia seguinte ao aniversário, tinha um motivo: gente que antes telefonava, e conversava, agora digita duas palavras e pronto. Eu argumento que outras tantas, que não lembrariam nem ligariam, acabam fazendo contato, quem sabe marcando um encontro. Particularmente, sempre achei celular tocando algo meio invasivo - prefiro mensagens de texto. Mas ela não se convenceu. Está no time dos que acreditam que a era digital afastou - e não aproximou - as pessoas.

É uma discussão sem fim. Os relacionamentos sofrem o impacto das mudanças tecnológicas, e como a coisa modifica-se a cada dia, a etiqueta e as nuances das novas formas de comunicação entre as pessoas, também. Há quem surfe nas ondas sem nem perceber que elas já mudaram, de tão excitados e adaptados. Sabem intuitivamente qual mídia é adequada a qual situação social ou profissional. No extremo oposto, estão aqueles que correm atrás do prejuízo, se intimidam com as novidades e esperam para "ver se pega", antes de se dar ao trabalho de aprender como funciona.

Tento chegar a uma conclusão (a conexão melhorou ou complicou as relações?) e entro no Facebook para dar uma espiada. Sinto-me lendo a Caras. Ou melhor, vendo, porque assim como a revista o Facebook é cada vez mais visual. Gente bonita e alegre, bebês e cachorrinhos, pratos de comida apetitosa, grupos abraçados sorrindo. Gente sozinha só com paisagem ao fundo, molduras de viagens. Pipocam por ali também alguns "posts" que em outros tempos estariam em blogs. Ninguém compartilha tristezas, expõe uma angústia ou fraqueza, nem reclama da vida - só dos políticos no noticiário ou do avião que atrasou. Engraçado como não há lamentos sobre o ônibus lotado.

Nos sites e nas redes sociais, escreve-se cada vez menos. Minha sensação, do estouro dos blogs pra cá, é que as imagens estão substituindo os textos, agora que vídeos e fotos ficaram tão fáceis de fazer e compartilhar. Os poucos textos deixaram de ser burilados: agora têm função de legenda ou de transcrição do que seria falado - como o torpedo que substitui o telefonema de parabéns. A internet está cada vez mais audiovisual.

Uma das explicações para o pouco hábito da leitura no Brasil é o de que pulamos o estágio da cultura letrada, passando diretamente da cultura oral para a eletrônica e visual, em função da nossa origem colonial e do descaso histórico com a educação. Sim, Portugal tem tudo a ver com isso, como mostrou uma reportagem recente do Wall Street Journal (intitulada "Educação ruim perpetua atraso português") que apontava o país como o menos escolarizado da Europa Ocidental - condição que só veio à tona por ter se tornado uma dolorosa vulnerabilidade em meio à crescente crise econômica no continente.

A reportagem mostrava números que me surpreenderam: apenas 28% da população portuguesa entre 25 e 64 anos têm curso médio completo. Na Alemanha, são 85%; na República Tcheca, 91%; nos Estados Unidos, 89%. O problema, para nós, é que o atraso português com o ensino parece ter se perpetuado também do outro lado do Atlântico. Por aqui, alguns dados recentes são aterradores: somente 26% dos brasileiros alfabetizados conseguem ler e entender um texto longo, segundo o Diagnóstico do Setor Livreiro no Brasil. Outra pesquisa, encomendada pelo Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), atestou que 15% dos universitários nunca leram um livro.

Nosso terrível legado histórico poderia estar com os anos contados, sem depender tanto dos avanços políticos e econômicos, graças à internet. A promessa da chamada inclusão digital era a de promover um pequeno grande milagre cultural e educacional. De fato, os primeiros tempos dessa cultura digital deram a impressão de abrir um novo espaço para a escrita. A internet começou letrada, digitada, lida. Nunca se leu ou escreveu tanto, constataram os pesquisadores para calar os nostálgicos das cartas e dos manuscritos. O conhecimento estaria ao alcance de todos - os que soubessem ler, e os que seriam estimulados a desenvolver sua capacidade de analisar e interpretar para acessar esse conhecimento e as oportunidades dele originadas.

No entanto, a internet evoluiu, tecnologicamente falando. Se o conteúdo antes escrito for todo substituído pelas formas audiovisuais, babau. Em termos de Brasil, poderemos voltar àquele estágio de país grato pelas telenovelas que bem ou mal educavam um pouco a população iletrada (ou aquela que não sabe interpretar um texto longo). Pensaremos que a cultura pop difundida pelo Youtube é melhor do que nada. Ou seja, podemos perder a chance de educar por meio do texto e da complexidade própria das narrativas escritas e da cultura letrada.

Posso estar sendo pessimista ou nostálgica, como os que preferiam as cartas aos e-mails. É possível que essa nova cultura audiovisual - frenética e interativa, com efeitos diferentes do entorpecimento gerado pela televisão - tenha lá as suas vantagens em relação à cultura letrada. De qualquer forma, na comparação com outros países, seremos como Portugal em relação aos seus vizinhos europeus. Teremos pulado uma etapa que lá na frente pode se revelar muito, muito importante. Em Portugal, a força de trabalho está despreparada para gerar o crescimento econômico necessário ao enfrentamento da crise simplesmente porque toda uma geração de jovens não acha necessário estudar para conseguir emprego.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 10/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
02. O pior cego de Luís Fernando Amâncio
03. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
04. Hércules reduzido a lenda de Carla Ceres
05. O Ouro do Brasil de Marilia Mota Silva


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Terrorista
John Updike
Companhia das Letras
(2007)
R$ 35,00



Aprenda a Velejar
João G. Schmidt
Ediouro
(1979)
R$ 40,00



Os Autores Latinos do Colegio Universitario
Orlando Fonseca
Companhianacional
(1938)
R$ 39,00



A Fúria - Diários de um Vampiro
L.J. Smith
Galera
(2010)
R$ 8,00



Literatura Comentada Gonçalves Dias
Beth Brait
Nova Cultural
(1988)
R$ 12,00



Vínculos e instituições
Olga B. Ruiz Correa
Escuta
(2002)
R$ 30,00



iv - XvIII Siegle les Grands Auteurs Francais Du Programme
Andre Lagarde e Laurent Michard
Bordas
(1959)
R$ 50,00



Medalhão Mágico
Mariana Lucera
Ársis
(2013)
R$ 10,00



Felizes para Sempre: a Ciência para um Casamento Perfeito!
Tara Parker-Pope
Universo dos Livros
(2010)
R$ 12,90



Organic Chemistry
Wiliam Albert Noyes
Hery Holt and Company
R$ 46,00





busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês