De volta à cultura audiovisual | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2011
De volta à cultura audiovisual
Marta Barcellos

+ de 3100 Acessos

"Recebi um monte de torpedos e mensagens de parabéns no Facebook", me conta uma amiga. "Odiei." Sua revolta, no dia seguinte ao aniversário, tinha um motivo: gente que antes telefonava, e conversava, agora digita duas palavras e pronto. Eu argumento que outras tantas, que não lembrariam nem ligariam, acabam fazendo contato, quem sabe marcando um encontro. Particularmente, sempre achei celular tocando algo meio invasivo - prefiro mensagens de texto. Mas ela não se convenceu. Está no time dos que acreditam que a era digital afastou - e não aproximou - as pessoas.

É uma discussão sem fim. Os relacionamentos sofrem o impacto das mudanças tecnológicas, e como a coisa modifica-se a cada dia, a etiqueta e as nuances das novas formas de comunicação entre as pessoas, também. Há quem surfe nas ondas sem nem perceber que elas já mudaram, de tão excitados e adaptados. Sabem intuitivamente qual mídia é adequada a qual situação social ou profissional. No extremo oposto, estão aqueles que correm atrás do prejuízo, se intimidam com as novidades e esperam para "ver se pega", antes de se dar ao trabalho de aprender como funciona.

Tento chegar a uma conclusão (a conexão melhorou ou complicou as relações?) e entro no Facebook para dar uma espiada. Sinto-me lendo a Caras. Ou melhor, vendo, porque assim como a revista o Facebook é cada vez mais visual. Gente bonita e alegre, bebês e cachorrinhos, pratos de comida apetitosa, grupos abraçados sorrindo. Gente sozinha só com paisagem ao fundo, molduras de viagens. Pipocam por ali também alguns "posts" que em outros tempos estariam em blogs. Ninguém compartilha tristezas, expõe uma angústia ou fraqueza, nem reclama da vida - só dos políticos no noticiário ou do avião que atrasou. Engraçado como não há lamentos sobre o ônibus lotado.

Nos sites e nas redes sociais, escreve-se cada vez menos. Minha sensação, do estouro dos blogs pra cá, é que as imagens estão substituindo os textos, agora que vídeos e fotos ficaram tão fáceis de fazer e compartilhar. Os poucos textos deixaram de ser burilados: agora têm função de legenda ou de transcrição do que seria falado - como o torpedo que substitui o telefonema de parabéns. A internet está cada vez mais audiovisual.

Uma das explicações para o pouco hábito da leitura no Brasil é o de que pulamos o estágio da cultura letrada, passando diretamente da cultura oral para a eletrônica e visual, em função da nossa origem colonial e do descaso histórico com a educação. Sim, Portugal tem tudo a ver com isso, como mostrou uma reportagem recente do Wall Street Journal (intitulada "Educação ruim perpetua atraso português") que apontava o país como o menos escolarizado da Europa Ocidental - condição que só veio à tona por ter se tornado uma dolorosa vulnerabilidade em meio à crescente crise econômica no continente.

A reportagem mostrava números que me surpreenderam: apenas 28% da população portuguesa entre 25 e 64 anos têm curso médio completo. Na Alemanha, são 85%; na República Tcheca, 91%; nos Estados Unidos, 89%. O problema, para nós, é que o atraso português com o ensino parece ter se perpetuado também do outro lado do Atlântico. Por aqui, alguns dados recentes são aterradores: somente 26% dos brasileiros alfabetizados conseguem ler e entender um texto longo, segundo o Diagnóstico do Setor Livreiro no Brasil. Outra pesquisa, encomendada pelo Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), atestou que 15% dos universitários nunca leram um livro.

Nosso terrível legado histórico poderia estar com os anos contados, sem depender tanto dos avanços políticos e econômicos, graças à internet. A promessa da chamada inclusão digital era a de promover um pequeno grande milagre cultural e educacional. De fato, os primeiros tempos dessa cultura digital deram a impressão de abrir um novo espaço para a escrita. A internet começou letrada, digitada, lida. Nunca se leu ou escreveu tanto, constataram os pesquisadores para calar os nostálgicos das cartas e dos manuscritos. O conhecimento estaria ao alcance de todos - os que soubessem ler, e os que seriam estimulados a desenvolver sua capacidade de analisar e interpretar para acessar esse conhecimento e as oportunidades dele originadas.

No entanto, a internet evoluiu, tecnologicamente falando. Se o conteúdo antes escrito for todo substituído pelas formas audiovisuais, babau. Em termos de Brasil, poderemos voltar àquele estágio de país grato pelas telenovelas que bem ou mal educavam um pouco a população iletrada (ou aquela que não sabe interpretar um texto longo). Pensaremos que a cultura pop difundida pelo Youtube é melhor do que nada. Ou seja, podemos perder a chance de educar por meio do texto e da complexidade própria das narrativas escritas e da cultura letrada.

Posso estar sendo pessimista ou nostálgica, como os que preferiam as cartas aos e-mails. É possível que essa nova cultura audiovisual - frenética e interativa, com efeitos diferentes do entorpecimento gerado pela televisão - tenha lá as suas vantagens em relação à cultura letrada. De qualquer forma, na comparação com outros países, seremos como Portugal em relação aos seus vizinhos europeus. Teremos pulado uma etapa que lá na frente pode se revelar muito, muito importante. Em Portugal, a força de trabalho está despreparada para gerar o crescimento econômico necessário ao enfrentamento da crise simplesmente porque toda uma geração de jovens não acha necessário estudar para conseguir emprego.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 10/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dez obras da literatura latino-americana de Marília Almeida


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês