Digestivo Cultural, há dez anos combatendo Cebolas | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS >>> Especial Digestivo 10 Anos

Quarta-feira, 13/10/2010
Digestivo Cultural, há dez anos combatendo Cebolas
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Boy Looking Shocked by Large Onions, Terry Cryer
Boy Looking Shocked by Large Onions, Terry Cryer/Corbis© (1978)


A lista dos livros que mais me influenciaram tem poucas unanimidades canônicas. Victor Hugo, Guimarães Rosa, Shakespeare. Os demais são uma imensidão de autores, uns ainda vivos, outros já mortos, e tanto uns como outros de situação incerta no quesito cânone. Há também os não-canônicos, graças a Deus; assim como os eternos, e bem-vindos, "jovens autores". Devo acrescentar que os cultores da canonicidade marcam presença: Harold Bloom, Edmund Wilson e o maravilhoso Otto Maria Carpeaux. Mas nomes imponentes são minoria na short list "livros que me influenciaram", eu confesso.

Você, que gosta de ler, sabe que a lista de livros influenciadores pode não ser quilométrica ― mas é mutável. Há livros, contudo, que resistem mais tempo às nossas mudanças pessoais. No meu caso, um desses promete ser A última casa de ópio, do jornalista americano Nick Tosches. A razão disso é o Princípio Cebola.

Antes de lê-lo, o livro de Tosches, publicado aqui em 2006 pela Conrad (tradução de Michelle de Aguiar Vartuli), ganhou minha simpatia por causa da orelha, onde li que o autor havia escrito para Vanity Fair e Rolling Stone, publicações que adoro. O próprio livro era um artigo dele para Vanity Fair, publicado em setembro de 2000, disponível no site da revista. E ópio era um assunto que me interessava em 2006, época em que andei devorando Confissões de um comedor de ópio, de Thomas de Quincey.

Toda a jornada de Tosches à procura de uma casa de ópio genuína, nos moldes daquelas orientais que, aqui no Ocidente, não sobreviveram ao século XX, é uma reação a isto: "A nossa era é, cada vez mais, a era do pseudoconhecimento, o modo pelo qual tentamos tolamente nos diferenciar da maioria medíocre". São palavras do Tosches, à pagina 13.

Pois eu li o livrinho e desde então o Princípio Cebola tem me servido.

Tosches fala da cebola Walla Walla, servida no restaurante de um amigo. Cultivada em Walla Walla, cidade norte-americana do estado de Washington, a cebola contem baixo teor de enxofre, por isso é mais doce. Sai da terra (saía, em 2000) custando um dólar a unidade de 400g. No restaurante do amigo, de "cucina toscana", o prato era: meia cebola matizada com caviar de beluga. O caviar, àquela época, custava menos de um dólar o grama. Um mais outro dava "cerca de cinco ou seis pratas".

O amigo restaurateur, empresário ciente do apetite por fetiches, vendia a cebola como iguaria rara. Por ela, cobrava 35 dólares.

Para ilustrar melhor o Princípio Cebola, os vinhos, por favor.

Há quase uma década, quando comecei a participar de jantares, digamos, adultos, um tema recorrente e, para mim, entediante era ― e continua sendo ― a degustação de vinhos. Raro um jantar sem vinhos. Quando há vinhos à mesa, raríssimo o jantar em que os comensais não se entreguem aos prazeres refinados da enologia.

Desde a primeira vez em que vi o gesto de levar a bordalesa cheia ao nariz, farejar, farejar mais um pouco, depois tragar com parcimônia, apreciando todas as reações do vinho no interior da boca, desde a primeira vez em que vi esta cena soube que havia algo tremendamente equivocado. O desenrolar da cena é a pior parte. É quando o connoisseur emite seus juízos sobre a bebida. Quando ele especifica os supostos sabores detectados. Diz coisas como "aromas de cassis doce, chocolate, violetas, tabaco, e doce baunilha acarvalhada"; "um traço de pimentão se esconde no cassis". São aspas do Tosches e com mais aspas dele continuo: "Como um nariz tão sofisticado pode não ter detectado a merda de vaca com a qual essa celebrada propriedade de Bordeaux fertiliza suas videiras? Um verdadeiro conhecedor de vinho, se tal coisa existisse, detectaria o pesticida e o esterco antes de tudo: ele não seria um goûter de vin, e sim um goûter de merde." Estava lá, à página 14 d'A última casa de ópio, tudo o que eu pensava sobre sommeliers amadores.

A aparência rarefeita de uma ideia, transformada em conhecimentos ilusórios e/ou condutas falsificadas. O Princípio Cebola aplica-se a muita coisa. A volúpia fabricada das deusas do Photoshop, a musculatura de silicone dos cultuadores do corpo, os especialistas em redes sociais (que proliferam incessantemente por cissiparidade), a literatura pouco literária dos escritores metalinguísticos, a ininteligibilidade de instalações artísticas (uma boa parte delas), o jornalismo das revistas semanais, os livros do Gabriel Chalita, o humor do Casseta & Planeta. Manifestações do Princípio Cebola. Não é uma questão de gato por lebre. É de algo supostamente semelhante a um gato por uma coisa falaciosa e exageradamente lebre.

Hoje, se me perguntam, durante um jantar, que álcool gostaria de beber, peço Heineken ou vodka (Belvedere ou Wyborowa). Se só houver vinho, ou se estiver com saudade dele, eu o aceito, mas, se pedirem para discorrer sobre pimentões escondidos, vou emitir o único julgamento possível: "Hm, que gostoso!"

O cuidado para não topar com manifestações do Princípio Cebola não me deixa em paz. Vai além de bebidas e pessoas. Ele está presente em quase tudo o que leio; e em tudo o que leio de jornalismo, uma das minhas três leituras prediletas. Adoro jornalismo, sobretudo o "cultural". Gostava menos quando fazia faculdade de comunicação social. Passei a gostar mais quando me livrei dos professores. Mais ainda com o crescimento da internet. Ela é uma destruidora de Cebolas. Tem destruído os jornais, grandes Cebolas. Minhas leituras jornalísticas enriqueceram com a rede. Cebolas nunca mais.

Algumas publicações do mundo de papel merecem minha leitura. A revista piauí e a edição brasileira da Rolling Stone, que por tanto tempo esperei por aqui. A revista Brasileiros também, uma publicação só possível no Brasil de hoje. Pratico a compra ocasional das gringas New Yorker e Atlantic (não acho Vanity Fair nas bancas de Brasília). Elas não são publicações Cebola, inclusive pela maneira como a maioria delas é editada na internet, com sites usáveis e, principalmente, plurais. Pluralidade que veio com a ferramenta que só a internet pôde proporcionar: o blog.

Blogs se traduzem numa palavra: autenticidade. São antídotos ao pseudoconhecimento, porque seus autores escrevem a partir da experiência e porque querem. Blogs são antídotos contra Cebolas. Podem não achar isso, podem dizer que a blogosfera é que é a casa do pseudoconhecimento. Bem, sinto muito, quem diz isso não lê a mesma internet que eu e você. Você está aqui, no Digestivo.

Contra Cebolas, é Jardel Dias Cavalcanti falando de dor e êxtase e Wellington Machado sobre os quase livros. Luiz Rebinski Junior e o gosto por ter escrito, Rafael Fernandes e a indústria da música. É Eliza Andrade Buzzo e a vida subterrânea que mora em frente. Ana Elisa Ribeiro e as agruras da geração Y. É Marta Barcellos monstrando o que é gostar de homem. Rafael Rodrigues e a boa literatura brasileira. É Vicente Escudero, sobre o Digestivo Cultural.

Há dez anos combatendo Cebolas.

Nota do Editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 13/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um conto-resenha anacrônico de Cassionei Niches Petry
02. Jô Soares (1938-2022) de Julio Daio Borges
03. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
04. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
05. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


Mais Especial Digestivo 10 Anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2010
05h26min
Bom, acho que não entendi esse texto. O que é um texto cebola? Isso decididamente não ficou claro para mim.
[Leia outros Comentários de Carolina Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Reflexões Estratégicas Repensando a Defesa Nacional
Mario Cesar Flores
Realizações
(2002)



Cartas a um jovem lider
Cesar Souza
canpus
(2010)



O Amante
Marguerite Duras
globo
(2003)



Revista Unifieo - Ano II - Número 4 - Janeiro de 2001
Vários
Desconhecida
(2001)



O Átomo Ou a Moderna Ciencia Atomica Tomo I
Jaime Maria del Barrio
Pax
(1946)



Renascer - Liberte-se de seu Passado
Deike Begg
jose olympio
(2001)



O Passado de Dolores
Miriam Valle Campos
eme
(2007)



Dicionario Globo - Portugues-espanhol / Espanhol-portugues
Globo
Globo



Gorda de Vida Fácil e Magra
Roberto Ribeiro de Andrade
Do Autor
(1988)



Histologia
Leeson / Leeson
Interamericana
(1977)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês