Digestivo Cultural, há dez anos combatendo Cebolas | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Digestivo 10 Anos

Quarta-feira, 13/10/2010
Digestivo Cultural, há dez anos combatendo Cebolas
Guilherme Pontes Coelho

+ de 4200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Boy Looking Shocked by Large Onions, Terry Cryer
Boy Looking Shocked by Large Onions, Terry Cryer/Corbis© (1978)


A lista dos livros que mais me influenciaram tem poucas unanimidades canônicas. Victor Hugo, Guimarães Rosa, Shakespeare. Os demais são uma imensidão de autores, uns ainda vivos, outros já mortos, e tanto uns como outros de situação incerta no quesito cânone. Há também os não-canônicos, graças a Deus; assim como os eternos, e bem-vindos, "jovens autores". Devo acrescentar que os cultores da canonicidade marcam presença: Harold Bloom, Edmund Wilson e o maravilhoso Otto Maria Carpeaux. Mas nomes imponentes são minoria na short list "livros que me influenciaram", eu confesso.

Você, que gosta de ler, sabe que a lista de livros influenciadores pode não ser quilométrica ― mas é mutável. Há livros, contudo, que resistem mais tempo às nossas mudanças pessoais. No meu caso, um desses promete ser A última casa de ópio, do jornalista americano Nick Tosches. A razão disso é o Princípio Cebola.

Antes de lê-lo, o livro de Tosches, publicado aqui em 2006 pela Conrad (tradução de Michelle de Aguiar Vartuli), ganhou minha simpatia por causa da orelha, onde li que o autor havia escrito para Vanity Fair e Rolling Stone, publicações que adoro. O próprio livro era um artigo dele para Vanity Fair, publicado em setembro de 2000, disponível no site da revista. E ópio era um assunto que me interessava em 2006, época em que andei devorando Confissões de um comedor de ópio, de Thomas de Quincey.

Toda a jornada de Tosches à procura de uma casa de ópio genuína, nos moldes daquelas orientais que, aqui no Ocidente, não sobreviveram ao século XX, é uma reação a isto: "A nossa era é, cada vez mais, a era do pseudoconhecimento, o modo pelo qual tentamos tolamente nos diferenciar da maioria medíocre". São palavras do Tosches, à pagina 13.

Pois eu li o livrinho e desde então o Princípio Cebola tem me servido.

Tosches fala da cebola Walla Walla, servida no restaurante de um amigo. Cultivada em Walla Walla, cidade norte-americana do estado de Washington, a cebola contem baixo teor de enxofre, por isso é mais doce. Sai da terra (saía, em 2000) custando um dólar a unidade de 400g. No restaurante do amigo, de "cucina toscana", o prato era: meia cebola matizada com caviar de beluga. O caviar, àquela época, custava menos de um dólar o grama. Um mais outro dava "cerca de cinco ou seis pratas".

O amigo restaurateur, empresário ciente do apetite por fetiches, vendia a cebola como iguaria rara. Por ela, cobrava 35 dólares.

Para ilustrar melhor o Princípio Cebola, os vinhos, por favor.

Há quase uma década, quando comecei a participar de jantares, digamos, adultos, um tema recorrente e, para mim, entediante era ― e continua sendo ― a degustação de vinhos. Raro um jantar sem vinhos. Quando há vinhos à mesa, raríssimo o jantar em que os comensais não se entreguem aos prazeres refinados da enologia.

Desde a primeira vez em que vi o gesto de levar a bordalesa cheia ao nariz, farejar, farejar mais um pouco, depois tragar com parcimônia, apreciando todas as reações do vinho no interior da boca, desde a primeira vez em que vi esta cena soube que havia algo tremendamente equivocado. O desenrolar da cena é a pior parte. É quando o connoisseur emite seus juízos sobre a bebida. Quando ele especifica os supostos sabores detectados. Diz coisas como "aromas de cassis doce, chocolate, violetas, tabaco, e doce baunilha acarvalhada"; "um traço de pimentão se esconde no cassis". São aspas do Tosches e com mais aspas dele continuo: "Como um nariz tão sofisticado pode não ter detectado a merda de vaca com a qual essa celebrada propriedade de Bordeaux fertiliza suas videiras? Um verdadeiro conhecedor de vinho, se tal coisa existisse, detectaria o pesticida e o esterco antes de tudo: ele não seria um goûter de vin, e sim um goûter de merde." Estava lá, à página 14 d'A última casa de ópio, tudo o que eu pensava sobre sommeliers amadores.

A aparência rarefeita de uma ideia, transformada em conhecimentos ilusórios e/ou condutas falsificadas. O Princípio Cebola aplica-se a muita coisa. A volúpia fabricada das deusas do Photoshop, a musculatura de silicone dos cultuadores do corpo, os especialistas em redes sociais (que proliferam incessantemente por cissiparidade), a literatura pouco literária dos escritores metalinguísticos, a ininteligibilidade de instalações artísticas (uma boa parte delas), o jornalismo das revistas semanais, os livros do Gabriel Chalita, o humor do Casseta & Planeta. Manifestações do Princípio Cebola. Não é uma questão de gato por lebre. É de algo supostamente semelhante a um gato por uma coisa falaciosa e exageradamente lebre.

Hoje, se me perguntam, durante um jantar, que álcool gostaria de beber, peço Heineken ou vodka (Belvedere ou Wyborowa). Se só houver vinho, ou se estiver com saudade dele, eu o aceito, mas, se pedirem para discorrer sobre pimentões escondidos, vou emitir o único julgamento possível: "Hm, que gostoso!"

O cuidado para não topar com manifestações do Princípio Cebola não me deixa em paz. Vai além de bebidas e pessoas. Ele está presente em quase tudo o que leio; e em tudo o que leio de jornalismo, uma das minhas três leituras prediletas. Adoro jornalismo, sobretudo o "cultural". Gostava menos quando fazia faculdade de comunicação social. Passei a gostar mais quando me livrei dos professores. Mais ainda com o crescimento da internet. Ela é uma destruidora de Cebolas. Tem destruído os jornais, grandes Cebolas. Minhas leituras jornalísticas enriqueceram com a rede. Cebolas nunca mais.

Algumas publicações do mundo de papel merecem minha leitura. A revista piauí e a edição brasileira da Rolling Stone, que por tanto tempo esperei por aqui. A revista Brasileiros também, uma publicação só possível no Brasil de hoje. Pratico a compra ocasional das gringas New Yorker e Atlantic (não acho Vanity Fair nas bancas de Brasília). Elas não são publicações Cebola, inclusive pela maneira como a maioria delas é editada na internet, com sites usáveis e, principalmente, plurais. Pluralidade que veio com a ferramenta que só a internet pôde proporcionar: o blog.

Blogs se traduzem numa palavra: autenticidade. São antídotos ao pseudoconhecimento, porque seus autores escrevem a partir da experiência e porque querem. Blogs são antídotos contra Cebolas. Podem não achar isso, podem dizer que a blogosfera é que é a casa do pseudoconhecimento. Bem, sinto muito, quem diz isso não lê a mesma internet que eu e você. Você está aqui, no Digestivo.

Contra Cebolas, é Jardel Dias Cavalcanti falando de dor e êxtase e Wellington Machado sobre os quase livros. Luiz Rebinski Junior e o gosto por ter escrito, Rafael Fernandes e a indústria da música. É Eliza Andrade Buzzo e a vida subterrânea que mora em frente. Ana Elisa Ribeiro e as agruras da geração Y. É Marta Barcellos monstrando o que é gostar de homem. Rafael Rodrigues e a boa literatura brasileira. É Vicente Escudero, sobre o Digestivo Cultural.

Há dez anos combatendo Cebolas.

Nota do Editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 13/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
02. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
05. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


Mais Especial Digestivo 10 Anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2010
05h26min
Bom, acho que não entendi esse texto. O que é um texto cebola? Isso decididamente não ficou claro para mim.
[Leia outros Comentários de Carolina Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SANTA RITA - HISTÓRIAS DA CIDADE MORTA E OS DIAS ANTIGOS
JOSÉ CONDÉ
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1961)
R$ 15,00



LOGÍSTICA DE TRANSPORTE INTERNACIONAL
SAMIR KEEDI
ADUANEIRAS
(2007)
R$ 15,00



RUNNING TRAINING LIKE A BUSINESS
DAVID VAN ADELSBERG & EDWARD A. TROLLEY
BERRETT-KOEHLER
(2005)
R$ 40,00



APRENDIZADO EM CRÍTICA
RODOLFO GOMES PESSANHA
ACHIMÉ
(1984)
R$ 30,00



MICROECONOMIA - PRINCÍPIOS E APLICAÇÕES
ROBERT ERNEST HALL; MARC LIEBERMAN
THOMSON
(2003)
R$ 35,00



PLANIFICACION REGIONAL Y URBANA EN AMERICA LATINA
NÃO INFORMADO
S. A. SANTIAGO DE CHILE
(1974)
R$ 50,00



CORRETAGEM E TRANSAÇÃO IMOBILIÁRIA NO NOVO CÓDIGO CIVIL
GABRIEL J P JUNQUEIRA
EDIPRO
(2004)
R$ 35,00



QUEM PAGA A CONTA?
PAULO RENATO SOUZA
BRASILIENSE
(1989)
R$ 10,00



NEM MARX NEM JESUS
JEAN FRANÇOIS REVEL
ARTENOVA
(1973)
R$ 11,61



OS AGENTES DO CRESCIMENTO SUSTENTADO
MIGUEL IGNATIOS
MARKET BOOKS BRASIL
(2001)
R$ 4,99





busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês