A boa literatura brasileira | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS

Terça-feira, 6/10/2009
A boa literatura brasileira
Rafael Rodrigues

+ de 3900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Faz meses que estou rodeado de livros de autores nacionais. Recentemente resenhei aqui Fichas de vitrola & outros contos, de Jaime Prado Gouvêa; acolá eu resenhei Elza, a garota, de Sérgio Rodrigues; Leite derramado, de Chico Buarque e De paixões e de vampiros, de Ruy Espinheira Filho; terminei de ler há pouco tempo Cine Privê, excelente livro de contos de Antonio Carlos Viana; e estou lendo, agora, os romances Suíte Dama da Noite, de Manoela Sawitzki e Mundos de Eufrásia, de Claudia Lage. Mas não sem antes ter lido Mentiras do Rio (Record, 2009, 144 págs.), de Sergio Leo, vencedor do Prêmio SESC de Literatura 2008 na categoria Conto.

Além desses, tenho recebido muita coisa interessante. Comecei a ler alguns e só não continuei por conta de compromissos mais urgentes. Exemplos: A boca da verdade, de Mario Sabino; Um náufrago que ri, de Rogério Menezes; Delacroix escapa das chamas, de Edson Aran e Retrato desnatural, de Evando Nascimento (para ficar só entre os que eu realmente li mais de vinte páginas). Todos esses livros me agradaram muito, principalmente Um náufrago que ri, que tem um gato como narrador.

Dos onze títulos citados até agora ― não citarei mais nenhum outro, acho ― apenas três não foram publicados este ano. Semanas atrás, quando me dei conta disso, fiquei intrigado. Eu pensava: "Que raios está acontecendo? De onde saiu tanto livro bom ao mesmo tempo?". E isso porque estou falando apenas dos que estão aqui ao alcance dos meus olhos gastos. Se eu for fazer uma viagem à roda do meu quarto, teria de citar pelo menos mais uns sete. O que não seria de todo ruim... Mas enfim.

A questão é que, ao que me consta, desde 2003 não são publicados tantos livros bons de autores nacionais. De lá para cá muita coisa boa foi lançada, óbvio. Mas de 2008 para cá a quantidade e a qualidade parece ter, no mínimo, dobrado. Arrisco dizer que, desde quando comecei a acompanhar os lançamentos e a ler mais os autores nacionais (ou seja, 2003), a literatura brasileira vive seu melhor momento. Por isso, fiquei surpreso ao ler o artigo "Cadê a boa literatura brasileira", de Luis Antonio Giron, publicado recentemente na revista Época.

No texto, ele afirma que "A grande literatura brasileira tão cultuada já não existe mais" e que "As editoras (...) não se esforçam. Não apostam em bons autores, preferindo investir naqueles escritores que deem retorno". Não obstante algumas verdades ditas por Giron ― autor de um belo livro de contos, aliás, Até nunca mais por enquanto ― ao longo do texto, os dois primeiros parágrafos dele ― dos quais foram retirados os trechos em aspas ― são um tanto quanto desalentadores, para não dizer pessimistas e, para mim, irreais. Porque, acredito eu, acontece justamente ao contrário.

Não acho que "a grande literatura brasileira (...) já não existe mais". A não ser que estejamos falando de obras-primas de Machado, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha. Aí, tudo bem. Realmente, não lembro agora de escritor contemporâneo que se equipare a algum dos três caciques. E, francamente, acho isso muito bom. Não precisamos de outro Machado, Rosa ou Euclides. Precisamos ler e reconhecer os autores contemporâneos, aqueles com os quais podemos interagir, ler entrevistas, vê-los em Bienais falando sobre suas obras e sua carreira.

Como disse, tenho gostado ― e muito ― do que tenho lido ultimamente de autores nacionais. Mas muito, mesmo. Mentiras do Rio, por exemplo. É um livro fantástico. Venho tentando acompanhar os vencedores do Prêmio SESC, porque um concurso como esse, cujos vencedores são publicados pela maior casa editorial do país ― a Record; e me corrijam se eu estiver errado ―, teoricamente é sinal de alta qualidade. Atenção para o "teoricamente".

Li os vencedores da categoria Conto de 2005 e 2006. Nenhum dos dois livros me agradou ― principalmente o de 2006, que me deixou muito aborrecido. Pulei o premiado em 2007 por precaução e, por ter chegado até mim o vencedor de 2008, resolvi ler, mesmo estando com "um pé atrás", achando que era mais um livro "mais ou menos". Felizmente, fiquei empolgadíssimo com "Mentiras do Rio" desde o primeiro conto, "Cabeça de porco", uma história delicada sobre a solidão e a necessidade de companhia que a maioria das pessoas tem ― apesar de o título não insinuar isso. "Congresso de pijama", o conto seguinte, traz um grupo de amigos e conhecidos que, durante um churrasco, brincam de ser outras pessoas: dois "são" deputados, outro "é" um juiz e "há" também um corretor de imóveis; além desses, outros coadjuvantes completam a história, que, além de divertida, faz pensar nas mentiras que contamos para nós mesmos ― e como elas, muitas vezes, nos iludem e nos fazem acreditar que são verdades. O terceiro conto, "Monólogo do flanelinha", é um contaço. Muito bem escrito, muitíssimo bem enredado, excelente.

Aliás, é assim todo o livro: bem escrito, com histórias muito interessantes, em sua maioria inusitadas e divertidas ― mesmo que não engraçadas ―, e todas de enorme qualidade literária. Para não falar sobre todos os contos, destaco "Mentira", uma história que lembra o primeiro conto de Fichas de vitrola, pelo fato de o narrador falar abertamente com o leitor sobre a escritura do texto; "Não dá para voltar ao Rio", no qual Sergio Leo brinca com os diversos caminhos que o personagem poderia seguir durante o desenrolar da história e como suas escolhas o levam a um assalto que chega a ter um final engraçado porém revelador; e "Uma janela para a Zona Norte", que versa também sobre a solidão, como o primeiro conto, mas, enquanto este é divertido, aquele é melancólico, quase triste.

Mentiras do Rio é uma das várias provas de que os autores contemporâneos têm, sim, muita qualidade. O que acontece é que livros como este, de Sergio Leo, não têm grande exposição na imprensa. Livros como esse não têm o reconhecimento que deveriam ter. Enquanto determinados escritores, quando lançam um livro novo, são resenhados por 97 críticos literários e setecentos e trinta e oito blogueiros, autores como Sergio Leo, Jaime Prado Gouvêa, Rogério Menezes e tantos outros não têm a atenção que merecem.

Na minha opinião, a maioria dos leitores brasileiros e até mesmo boa parte dos críticos literários prefere não arriscar leituras. Acabam lendo e comentando obras de escritores consagrados ou daqueles quase consagrados sempre em voga. Acho que falta um espírito mais aventureiro, de desbravador. Há alguns anos eu sinceramente não recomendaria a ninguém fazer isso. Mas, agora, se o leitor aceita um conselho, aqui vai: na próxima vez em que for a uma livraria, se dirija à seção de autores nacionais e se deixe levar por alguma capa ou título que lhe chame a atenção. Retire o livro da estante, leia a orelha ou as primeiras páginas. Esqueçam, só por um momento, aquelas recomendações de sempre. Permita-se descobrir um livro bom, do qual você não tinha ouvido falar ainda ― ou sobre o qual tinha lido apenas um texto, como este.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 6/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sociedade dos Poetas Mortos de Rafael Rodrigues
02. Gênios e loucos de Rafael Rodrigues


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
04. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
05. Gênios e loucos - 10/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2009
22h35min
A maior parte dos críticos ou comentaristas prefere comentar o que vende mais, assim são mais lidos.
[Leia outros Comentários de Alfonso Kleinmayer]
9/10/2009
16h39min
Caro Rafael, são textos como este que dignificam a missão de ler na internet... Coisa que tem se tornado difícil, nessa chuva de trolls arruaceiros, que vivem empestando a vida de quem navega (e se informa) decentemente... Boa pedida; e pode saber que já tirei bons frutos que ajudarão a compor a minha estante... Um abraço!
[Leia outros Comentários de Georgio Rios]
19/10/2009
16h11min
Rafael, não deixa de ser louvável sua atitude em falar bem da literatura contemporânea nacional. Mas acredito que você possa articular um texto com opiniões mais consistentes que não "interessante", "bom", "gostei do que li" acrescidas a sinopses dos livros. Aceite como uma crítica de sugestão e não como uma ataque.
[Leia outros Comentários de Fabiula]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês