Indignação, de Philip Roth | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A derrota do Marketing Político
>>> Jorge Drexler, no Bourbon Street, em 2009
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Eu me pergunto para onde vai a imprensa...
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
Mais Recentes
>>> Debaixo das Rodas de Hermann Hesse pela Civilização Brasileira (1971)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Escândalos na Primavera de Lisa Kleypas pela Arqueiro
>>> Debaixo das Rodas de Hermann Hesse pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Pecados no Inverno de Lisa Kleypas pela Arqueiro
>>> Canto General 1 e 2 de Pablo Neruda pela Losada (1971)
>>> Uma Noite Inesquecível de Lisa Kleypas pela Arqueiro (2017)
>>> Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva de Isabel Alarcão pela Cortez (2004)
>>> Formação de Professores – Pensar e Saber de Nilda Alves (Org.) pela Cortez (2001)
>>> Educação Unisinos – Nº 13 – Volume 7 de Vários Autores pela Unisinos (2003)
>>> Pedagogia e Pedagogos, Para Que? de José Carlos Libâneo pela Cortez (2002)
>>> Curso de Medicina da Unisc: A Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) de Giana Diesel Sebastiany e Marília Dornelles Bastos pela Edunisc (2011)
>>> Sobre o Tempo de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1998)
>>> Grupos de Sensibilização e Criatividade – GSC – Prevenção em Saúde Mental e Desenvolvimento Sociocultural de Vanda Spieker de Oliveira pela Redes (2009)
>>> Edgar Morin – A Educação e a Complexidade do Ser e do Saber de Izabel Cristina Petraglia2001 - 5ª Ed.Vozes pela Vozes (2001)
>>> Tecnologias do Conhecimento – Os Desafios da Educação de Ladislau Dowbor pela Vozes (2001)
>>> Desenvolvimento e Aprendizagem na Escola: Aspectos Culturais, Neurológicos e Psicológicos de Elvira Souza Lima pela Gedh (1997)
>>> Ciclos de Formação - Uma Reorganização do Tempo Escolar de Elvira Souza Lima pela Sobradinho 107 (2000)
>>> Identidades Culturais na Pós-Modernidade de Stuart Hall pela DP&A (1997)
>>> Lições de Aula – Aula Inaugural Proferida no Collège de France de Pierre Bourdieu pela Ática (1994)
>>> A Desconstrução do Futuro – Juventudes, Reforma do Ensino Médio e Retrocessos das Políticas Educacionais de Gabriel Grabowski pela Carta (2019)
>>> Ofício de Mestre – Imagens e Auto-Imagens de Miguel G. Arroyo pela Vozes (2000)
>>> A Prática Reflexiva no Ofício de Professor: Profissionalização e Razão Pedagógica de Philippe Perrenoud pela Artmed (2002)
>>> Carta a Um Jovem Professor de Philippe Meirieu pela Artmed (2006)
>>> Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação Infantil de Vários Autores pela Ulbra (2010)
>>> Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro de Edgar Morin pela Cortez (2001)
>>> Pro-Posições – Volume 24 – Nº 2 (71) - Dossiê: Formação Docente Para a Diversidade... de Vários Autores pela Unicamp (2013)
>>> Mudar - Caminhos para a Transformação Verdadeira de Flávio Gikovate pela Mg (2014)
>>> O Retorno de Eliana Machado Coelho pela Panorama (2000)
>>> Lei, Graça e Verdade de Osvaldo Polidoro pela Dz (2020)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1987)
>>> Alquimia Interior de Zulma Reyo pela Ground (1989)
>>> Pra Lá de Bagda de Joana Godoy pela Chiado (2012)
>>> Cristo Negro?! de Manuel Pacheco Júnior pela Chiado (2012)
>>> Sim, sou Gay... e daí? de Valdeck Almeida de Jesus pela Chiado (2012)
>>> Nassau - O guardião do tesouro de Salomão de L. V. Stoll Nardi pela Record (2010)
>>> Off de Robert de Andrade pela Chiado (2004)
>>> O par de Tênis de Pedro Bandeira pela Moderna (2001)
>>> Cotoxó em Veneza de Paulo C. Rangel pela Ftd (1996)
>>> O mundo virtual de Alexander Besher pela Ediouro (1994)
>>> O primeiro beijo de Marcia Kupstas pela Moderna (2002)
>>> Viver vale a pena de Lucilia Junqueira de Almeida Prado pela Moderna (2000)
>>> Budapeste de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2003)
>>> Sábado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2008)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Redes Sociais -Twitter,Orkut e Facebook -Oque é certo e errado nas redes sociais de Revista exame pela Abril (2013)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 27/10/2009
Indignação, de Philip Roth
Rafael Rodrigues

+ de 8800 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Philip Roth em Nova York. Crédito da foto: Corbis.

Philip Roth, considerado por muitos como o maior escritor norte-americano vivo, tem sido, ao longo de sua carreira, agraciado com os mais diversos prêmios literários ― dentre eles o Pulitzer, conquistado em 1998 pelo romance Pastoral Americana. Há anos seu nome é um dos mais especulados para vencer o Nobel de Literatura. Além disso, é o único autor americano que, em vida, teve sua obra publicada pela prestigiada editora (que se diz sem fins lucrativos) Library of America.

Com um currículo desses, Philip Roth poderia simplesmente ter parado de escrever. Ou fazer como a maioria dos escritores consagrados, que, a partir de determinado ponto de suas carreiras, parecem ter resolvido publicar trabalhos no máximo razoáveis, que em nada condizem com suas melhores obras, muitas vezes fazendo arremedos de si mesmos ― como vem acontecendo com Dalton Trevisan e Rubem Fonseca, por exemplo, e, dizem as línguas ferinas, com Gabriel García Márquez e João Ubaldo Ribeiro.

Mas não. Roth vem, do alto de seus 76 anos, publicando livros que, se não são obras-primas, ao menos correspondem às expectativas dos leitores e dos críticos. Homem Comum, por exemplo, penúltimo livro do autor publicado no Brasil, é uma obra tão impactante que ecoa na mente do leitor durante meses ― e isso pode durar anos. Nele, Philip Roth fez uso de toda a simplicidade de que foi capaz para contar a história de um homem comum, um homem irrelevante para o resto do mundo ― como é a maioria dos homens. Seu talento para executar esta novela, uma obra valorosa, foi interpretado por mim mesmo, anos atrás, como uma tentativa não tão bem-sucedida de escrever uma obra-prima. Felizmente, tenho agora a possibilidade de reconhecer minha avaliação falha e de não cometer novamente o mesmo erro com Indignação (Companhia das Letras, 2009, 176 págs.), mais recente romance de Roth publicado aqui.

A narrativa simples, linear, tradicional ― ou seja, sem floreios ou transgressões narrativas ―, além do estilo curto e grosso de Homem Comum estão presentes no novo romance. E, da mesma forma que a obra anterior não arrebata o leitor logo nas primeiras páginas, Indignação faz isso aos poucos, de maneira gradual, precisa e poderosa. Mas se em Homem Comum a velhice era motivo de ojeriza, no novo livro a juventude é que é a vilã. Marcus Messner, um jovem de dezoito anos, é o protagonista e narrador do livro. Nascido em Newark, mesma cidade onde nasceu Philip Roth, Marcus é filho de um açougueiro kosher ― isso significa que a carne vendida por ele obedece a lei judaica; vale citar a explicação de Marcus sobre a diferença entre uma carne kosher e uma carne "não kosher": "(...) para tornar o animal kosher, era necessário retirar todo o sangue. Num abatedouro não kosher, podem dar um tiro no animal, podem dar uma pancada para deixá-lo inconsciente, podem matá-lo da forma que quiserem. Mas, para ser kosher, o animal tem de morrer devido à perda de sangue.". Este trecho, mais próximo do fim do livro, dá uma maior noção a respeito da personalidade do pai de Marcus, porque mesmo depois de seu negócio perder clientes para um supermercado recém-inaugurado que vendia carne mais barata, mesmo ela não sendo kosher, ele manteve a tradição judaica, embora isso representasse uma considerável queda no rendimento do negócio.

Narrando a história de sua vida, Marcus revela também um pouco da história da família Messner e da situação política de seu tempo ― a ação do romance acontece durante o final do ano de 1950 e vai até o início de 1952, ou seja, um pouco depois do início e pouco antes do fim da Guerra da Coréia, que termina em 1953. Logo no início do livro ficamos sabendo que dois primos de Marcus morreram em combate durante a Segunda Guerra Mundial. Com a Guerra da Coréia acontecendo, Marcus tem medo de ser ele próprio recrutado e morrer como os primos. Mas medo maior tem seu pai, que, desesperado, tentando evitar que o filho tenha o mesmo destino de seus dois sobrinhos, faz justamente o contrário e o empurra, involuntariamente, para as frentes de batalha.

Durante as primeiras páginas de Indignação, tem-se a impressão de que este é um livro, acima de tudo, sobre a relação entre pai e filho ― tanto que a mãe de Marcus tem uma participação mínima na história, se comparada com a do seu pai. O tema é, sem dúvida, bastante presente, mas não chega a ser o principal. O cerne de Indignação é, na verdade, a inconsequência juvenil, a sensação que os jovens têm de que podem abraçar o mundo, a arrogância que os faz pensar que sempre têm razão e que seus pais, nascidos em "outro tempo", não sabem mais de nada, afinal, o mundo mudou, o mundo sempre muda, a toda hora.

Mas é o próprio Marcus, e não seu pai, quem sela seu destino. Estudante de direito na pequena universidade Robert Treat, localizada no centro de Newark, ele é o primeiro Messner a entrar na faculdade. Jovem batalhador, que desde cedo ajudava o pai no açougue, Marcus é o aluno perfeito, o filho (único) perfeito. Tira notas altas, é bem comportado, o orgulho dos pais. Nada mais justo que seu pai ter uma grande preocupação com o futuro do filho. Mas a preocupação é excessiva e ele passa a monitorar todos os seus passos, inclusive saindo de casa para procurá-lo quando ele não retorna no horário combinado, mesmo que o atraso seja de poucos minutos:

"(...) o que tinha enlouquecido meu pai era a preocupação de que seu adorado filho único estivesse tão despreparado para os perigos da vida quanto qualquer outra pessoa prestes a se tornar um adulto; enlouquecido ao fazer a assustadora descoberta de que um menino cresce, fica alto, supera seus pais, e que não é mais possível mantê-lo sob controle, que é necessário cedê-lo ao mundo."

Não suportando os exageros do pai, Marcus abandona a Robert Treat e ingressa na pequena e religiosa universidade de Winesburg, a oitocentos quilômetros de casa ― mesmo sendo ele um ateu convicto. O contato com seus pais agora seria apenas por telefone e, apesar do esforço necessário para mantê-lo na nova universidade ― seu pai dispensara um ajudante, forçando sua mãe a voltar a trabalhar no açougue ―, para Marcus o que importa é que ele finalmente se livrara do zelo excessivo de seu pai.

Em seu início na Winesburg, Marcus divide o quarto com mais três colegas, e tem com Bertram Flusser, o mais falastrão e o único inconveniente de todos, um desentendimento que o força a procurar outro quarto; e acaba encontrando, desta vez tendo como companheiro o silencioso e compenetrado Elwyn Ayres Jr. No começo Marcus não se incomoda com o fato de seu colega praticamente não interagir com ele, mas em pouco tempo isso passa a aborrecê-lo. Some-se a isso o fato de Elwyn ofender a garota com quem Marcus tivera um envolvimento e por quem se apaixonara e temos novamente o jovem Messner procurando outro quarto para ocupar. Desta vez consegue um vazio: o pior cômodo da universidade, não ocupado por alguém há anos.

Nesse ponto do romance entra em cena o diretor de alunos da Winesburg, Hawes D. Caudwell, que tem uma função importantíssima na obra, apesar de sua participação não ser tão longa. O diretor convoca Marcus para uma conversa, afinal, não é comum um aluno mudar-se de quarto duas vezes em poucos meses. Mas não apenas de quarto, e sim também de universidade/cidade. É quando Roth mostra um outro olhar para a história, uma outra visão que não a de Marcus. Para o protagonista, tudo o que importa são seus estudos. Ele deseja tirar as melhores notas e ser o orador da turma. Ele quer apenas fazer a faculdade e não ser convocado para a guerra. Ou, se for convocado, que ao menos seja para ocupar o posto de tenente, e não o de soldado raso (o que aconteceria se ele fosse convocado sem ter ainda terminado a graduação, ou se fosse expulso da universidade...). É por isso que ele faz o possível para se esquivar dos problemas que aparecem. Mas o que Marcus pensa ser "evitar", o diretor Caudwell entende como "fugir". Ou seja: Marcus fugiu de seu pai, fugiu de Betram Flusser e fugiu de Ewleyn Jr. Se há algo a lhe importunar, assim diz o diretor, Marcus não tenta conversar, compreender, chegar a um acordo: ele prefere sair pela porta dos fundos.

E é justamente isso que sela o destino de Marcus. Ao tentar evitar problemas, ele se embrenha ainda mais neles. E atrai outros. O que se vê, a partir daí, é um jovem frágil, inconsequente, impetuoso e cheio de ódio. Talvez Marcus estivesse apenas, enquanto livre do trabalho que fazia no açougue, se vingando de todos aqueles anos nos quais cortou carnes, lavou latões de gordura e eviscerou galinhas pela cloaca, tudo a mando e por causa do pai, tudo feito a contragosto. Interpretar a transformação de comportamento de Marcus desta maneira não a torna correta, mas ao menos a explica.

Ao fim da obra temos, em vez de um jovem inteligente, cordato, razoavelmente belo, de boa índole e com um grandioso futuro pela frente, um rapaz perdido, com sua vida comprometida por suas próprias ações e decisões. As últimas páginas do romance, assumidas por outro narrador, pois Marcus já não é capaz de prosseguir contando sua história, resumem o propósito de Indignação: mostrar ao leitor "a forma terrível e incompreensível pela qual nossas escolhas mais banais, fortuitas e até cômicas conduzem a resultados tão desproporcionais". Indignação é, tanto pela forma, quanto pelo conteúdo, um livro soberbo que, se não é uma obra-prima, chega muito perto disso.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 27/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. Pendurados no Pincel de Marilia Mota Silva
04. 40 com corpinho de 39 de Ana Elisa Ribeiro
05. Arte virtual: da ilusão à imersão de Gian Danton


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2010
15h37min
Acabei de ler o "Indignação". Sua resenha ficou ótima! Não teria mais nada a acrescentar. Valeu!
[Leia outros Comentários de Wellington Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1001 DICAS SOBRE O NOVO CPC - LEI 13. 105 DE 2015
FERNANDA TARTUCE
FOCO JURÍDICO
(2015)
R$ 30,00



HITCHCOCK MISTÉRIO MAGAZINE - VOLUME 1 - Nº 2
ALFRED HITCHCOCK
ARTENOVA
R$ 8,00



NOVO DICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA 9ª ED.
AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA FERREIRA
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 70,00
+ frete grátis



POR QUE OS HOMENS FAZEM SEXO E AS MULHERES FAZEM AMOR ?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2000)
R$ 7,90



ACONSELHAMENTO PSICOLÓGICO
RUTH SCHEEFFER
ATLAS
(1981)
R$ 7,50



THE ISLAND OF SHEEP
JOHN BUCHAN
WORDSWORTH
(1998)
R$ 10,00



ÁGAPE
MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 6,90



BIOLOGIA - VOLUME ÚNICO - SÉRIE NOVO ENSINO MÉDIO
PAULINO WILSON ROBERTO
ATICA
(2004)
R$ 5,00



QUER SENTIR - SE BEM? TRNASFORME A SUA VIA COM A ANÁLISE TRANSACCIONAL
ANDRÉ SENLLE
PLÁTANO
(1999)
R$ 22,33



CONSTRUÇÃO DO MUNDO - GEOGRAFIA GERAL E DO BRASIL
MAGNOLI DEMETRIO & ARAUJO REGINA
MODERNA
(2005)
R$ 45,00





busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês