Indignação, de Philip Roth | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
Mais Recentes
>>> Livro - Sigma de Saudade de Stamátios Zannis Philippoussis pela São Paulo (2004)
>>> Angola e Brasil Nas Rotas do Atlântico Sul de Selma Pantoja pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Festa de criança - para gostar de ler junior de Luis Fernando Verissimo e caulos pela Atica (2022)
>>> Livro - A Construção da Verdade Autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Humanitas (2001)
>>> Livro - Programa de Transição - para a Revolução Socialista de Leon Trotsky pela Antidoto (1978)
>>> Box Hush, Hush: Sussurro- 4 volumes de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2010)
>>> Fidélio - Col. Folha Grandes Óperas Vol. 2 de Beethoven (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - Eles Não São Anjos Como Eu - Coleção Veredas de Marcia Kupstas pela Moderna (2004)
>>> Eugene Onegin - 08 - Coleção folha grandes óperas de P. I. Tchaikovky (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> La Bohème - Col. Folha Grandes Óperas 6 de Giacomo Puccini (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - O Cortiço de Aluísio de Azevedo pela Círculo do Livro
>>> Livro - A Obra-Prima de Cada Autor - Manifesto do Partido Comunista de Max e Engels pela Martin Claret (2004)
>>> Livro - Os Pensadores - Nietzsche de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1999)
>>> Livro - Judeus sem Dinheiro de Michael Gold, Mário Molina pela Record (1958)
>>> Pão diário vol.22 - Paisagem: Uma meditação para cada dia do ano: Volume 22 de Não informado pela Publicações Pão Diário (2018)
>>> Jesus de Nazaré de Normann J. Bull pela Paulinas (1984)
>>> Livro - Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> Livro - A Vênus de Quinze Anos - Flossiê - Série Sexo de Guilherme da Silva Braga; Charles Swinburne pela Hedra (2014)
>>> The Ridiculous Race: 26,000 Miles, 2 Guides, 1 Globe, No Airplanes de Steve Hely; Vali chandrassekavan pela Holt Paperbacks; (2008)
>>> Livro - O Pequeno Príncipe - Com Aquarelas do Autor de Antoine de Saint-exupéry pela Agir (1991)
>>> Tudo bem ser diferente de Todd Parr (Autor) pela Panda Books (2013)
>>> Livro - Salmos: Mistérios Revelados de Moacyr Martins pela Empório do Livro (1998)
>>> Livro - Holocausto: o Massacre de 6 Milhões de Ben Abrahan pela Confederação Israelita do Brasil (1976)
>>> Livro - Os Três Monges de Luis Carlos Carneiro pela Lake (1997)
>>> Livro - Passo a Passo - Francês de Charles Berlitz pela Wmf Martins Fontes (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 27/10/2009
Indignação, de Philip Roth
Rafael Rodrigues

+ de 10000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Philip Roth em Nova York. Crédito da foto: Corbis.

Philip Roth, considerado por muitos como o maior escritor norte-americano vivo, tem sido, ao longo de sua carreira, agraciado com os mais diversos prêmios literários ― dentre eles o Pulitzer, conquistado em 1998 pelo romance Pastoral Americana. Há anos seu nome é um dos mais especulados para vencer o Nobel de Literatura. Além disso, é o único autor americano que, em vida, teve sua obra publicada pela prestigiada editora (que se diz sem fins lucrativos) Library of America.

Com um currículo desses, Philip Roth poderia simplesmente ter parado de escrever. Ou fazer como a maioria dos escritores consagrados, que, a partir de determinado ponto de suas carreiras, parecem ter resolvido publicar trabalhos no máximo razoáveis, que em nada condizem com suas melhores obras, muitas vezes fazendo arremedos de si mesmos ― como vem acontecendo com Dalton Trevisan e Rubem Fonseca, por exemplo, e, dizem as línguas ferinas, com Gabriel García Márquez e João Ubaldo Ribeiro.

Mas não. Roth vem, do alto de seus 76 anos, publicando livros que, se não são obras-primas, ao menos correspondem às expectativas dos leitores e dos críticos. Homem Comum, por exemplo, penúltimo livro do autor publicado no Brasil, é uma obra tão impactante que ecoa na mente do leitor durante meses ― e isso pode durar anos. Nele, Philip Roth fez uso de toda a simplicidade de que foi capaz para contar a história de um homem comum, um homem irrelevante para o resto do mundo ― como é a maioria dos homens. Seu talento para executar esta novela, uma obra valorosa, foi interpretado por mim mesmo, anos atrás, como uma tentativa não tão bem-sucedida de escrever uma obra-prima. Felizmente, tenho agora a possibilidade de reconhecer minha avaliação falha e de não cometer novamente o mesmo erro com Indignação (Companhia das Letras, 2009, 176 págs.), mais recente romance de Roth publicado aqui.

A narrativa simples, linear, tradicional ― ou seja, sem floreios ou transgressões narrativas ―, além do estilo curto e grosso de Homem Comum estão presentes no novo romance. E, da mesma forma que a obra anterior não arrebata o leitor logo nas primeiras páginas, Indignação faz isso aos poucos, de maneira gradual, precisa e poderosa. Mas se em Homem Comum a velhice era motivo de ojeriza, no novo livro a juventude é que é a vilã. Marcus Messner, um jovem de dezoito anos, é o protagonista e narrador do livro. Nascido em Newark, mesma cidade onde nasceu Philip Roth, Marcus é filho de um açougueiro kosher ― isso significa que a carne vendida por ele obedece a lei judaica; vale citar a explicação de Marcus sobre a diferença entre uma carne kosher e uma carne "não kosher": "(...) para tornar o animal kosher, era necessário retirar todo o sangue. Num abatedouro não kosher, podem dar um tiro no animal, podem dar uma pancada para deixá-lo inconsciente, podem matá-lo da forma que quiserem. Mas, para ser kosher, o animal tem de morrer devido à perda de sangue.". Este trecho, mais próximo do fim do livro, dá uma maior noção a respeito da personalidade do pai de Marcus, porque mesmo depois de seu negócio perder clientes para um supermercado recém-inaugurado que vendia carne mais barata, mesmo ela não sendo kosher, ele manteve a tradição judaica, embora isso representasse uma considerável queda no rendimento do negócio.

Narrando a história de sua vida, Marcus revela também um pouco da história da família Messner e da situação política de seu tempo ― a ação do romance acontece durante o final do ano de 1950 e vai até o início de 1952, ou seja, um pouco depois do início e pouco antes do fim da Guerra da Coréia, que termina em 1953. Logo no início do livro ficamos sabendo que dois primos de Marcus morreram em combate durante a Segunda Guerra Mundial. Com a Guerra da Coréia acontecendo, Marcus tem medo de ser ele próprio recrutado e morrer como os primos. Mas medo maior tem seu pai, que, desesperado, tentando evitar que o filho tenha o mesmo destino de seus dois sobrinhos, faz justamente o contrário e o empurra, involuntariamente, para as frentes de batalha.

Durante as primeiras páginas de Indignação, tem-se a impressão de que este é um livro, acima de tudo, sobre a relação entre pai e filho ― tanto que a mãe de Marcus tem uma participação mínima na história, se comparada com a do seu pai. O tema é, sem dúvida, bastante presente, mas não chega a ser o principal. O cerne de Indignação é, na verdade, a inconsequência juvenil, a sensação que os jovens têm de que podem abraçar o mundo, a arrogância que os faz pensar que sempre têm razão e que seus pais, nascidos em "outro tempo", não sabem mais de nada, afinal, o mundo mudou, o mundo sempre muda, a toda hora.

Mas é o próprio Marcus, e não seu pai, quem sela seu destino. Estudante de direito na pequena universidade Robert Treat, localizada no centro de Newark, ele é o primeiro Messner a entrar na faculdade. Jovem batalhador, que desde cedo ajudava o pai no açougue, Marcus é o aluno perfeito, o filho (único) perfeito. Tira notas altas, é bem comportado, o orgulho dos pais. Nada mais justo que seu pai ter uma grande preocupação com o futuro do filho. Mas a preocupação é excessiva e ele passa a monitorar todos os seus passos, inclusive saindo de casa para procurá-lo quando ele não retorna no horário combinado, mesmo que o atraso seja de poucos minutos:

"(...) o que tinha enlouquecido meu pai era a preocupação de que seu adorado filho único estivesse tão despreparado para os perigos da vida quanto qualquer outra pessoa prestes a se tornar um adulto; enlouquecido ao fazer a assustadora descoberta de que um menino cresce, fica alto, supera seus pais, e que não é mais possível mantê-lo sob controle, que é necessário cedê-lo ao mundo."

Não suportando os exageros do pai, Marcus abandona a Robert Treat e ingressa na pequena e religiosa universidade de Winesburg, a oitocentos quilômetros de casa ― mesmo sendo ele um ateu convicto. O contato com seus pais agora seria apenas por telefone e, apesar do esforço necessário para mantê-lo na nova universidade ― seu pai dispensara um ajudante, forçando sua mãe a voltar a trabalhar no açougue ―, para Marcus o que importa é que ele finalmente se livrara do zelo excessivo de seu pai.

Em seu início na Winesburg, Marcus divide o quarto com mais três colegas, e tem com Bertram Flusser, o mais falastrão e o único inconveniente de todos, um desentendimento que o força a procurar outro quarto; e acaba encontrando, desta vez tendo como companheiro o silencioso e compenetrado Elwyn Ayres Jr. No começo Marcus não se incomoda com o fato de seu colega praticamente não interagir com ele, mas em pouco tempo isso passa a aborrecê-lo. Some-se a isso o fato de Elwyn ofender a garota com quem Marcus tivera um envolvimento e por quem se apaixonara e temos novamente o jovem Messner procurando outro quarto para ocupar. Desta vez consegue um vazio: o pior cômodo da universidade, não ocupado por alguém há anos.

Nesse ponto do romance entra em cena o diretor de alunos da Winesburg, Hawes D. Caudwell, que tem uma função importantíssima na obra, apesar de sua participação não ser tão longa. O diretor convoca Marcus para uma conversa, afinal, não é comum um aluno mudar-se de quarto duas vezes em poucos meses. Mas não apenas de quarto, e sim também de universidade/cidade. É quando Roth mostra um outro olhar para a história, uma outra visão que não a de Marcus. Para o protagonista, tudo o que importa são seus estudos. Ele deseja tirar as melhores notas e ser o orador da turma. Ele quer apenas fazer a faculdade e não ser convocado para a guerra. Ou, se for convocado, que ao menos seja para ocupar o posto de tenente, e não o de soldado raso (o que aconteceria se ele fosse convocado sem ter ainda terminado a graduação, ou se fosse expulso da universidade...). É por isso que ele faz o possível para se esquivar dos problemas que aparecem. Mas o que Marcus pensa ser "evitar", o diretor Caudwell entende como "fugir". Ou seja: Marcus fugiu de seu pai, fugiu de Betram Flusser e fugiu de Ewleyn Jr. Se há algo a lhe importunar, assim diz o diretor, Marcus não tenta conversar, compreender, chegar a um acordo: ele prefere sair pela porta dos fundos.

E é justamente isso que sela o destino de Marcus. Ao tentar evitar problemas, ele se embrenha ainda mais neles. E atrai outros. O que se vê, a partir daí, é um jovem frágil, inconsequente, impetuoso e cheio de ódio. Talvez Marcus estivesse apenas, enquanto livre do trabalho que fazia no açougue, se vingando de todos aqueles anos nos quais cortou carnes, lavou latões de gordura e eviscerou galinhas pela cloaca, tudo a mando e por causa do pai, tudo feito a contragosto. Interpretar a transformação de comportamento de Marcus desta maneira não a torna correta, mas ao menos a explica.

Ao fim da obra temos, em vez de um jovem inteligente, cordato, razoavelmente belo, de boa índole e com um grandioso futuro pela frente, um rapaz perdido, com sua vida comprometida por suas próprias ações e decisões. As últimas páginas do romance, assumidas por outro narrador, pois Marcus já não é capaz de prosseguir contando sua história, resumem o propósito de Indignação: mostrar ao leitor "a forma terrível e incompreensível pela qual nossas escolhas mais banais, fortuitas e até cômicas conduzem a resultados tão desproporcionais". Indignação é, tanto pela forma, quanto pelo conteúdo, um livro soberbo que, se não é uma obra-prima, chega muito perto disso.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 27/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A medida do sucesso de Fabio Gomes
02. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Carles Camps Mundó e a poética da desolação de Jardel Dias Cavalcanti
05. Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade de Yuri Vieira


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2010
15h37min
Acabei de ler o "Indignação". Sua resenha ficou ótima! Não teria mais nada a acrescentar. Valeu!
[Leia outros Comentários de Wellington Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Molecagem 2ªedição (1988)
Luiz Claudio Cardoso
Scipione
(1988)



Trade Marks e Symbols - 2 Volumes
Yasaburo Kuwayama
Vnr
(1973)



A Bíblia um Diário de Leitura
Luiz Paulo Horta
zahar
(2011)



O Livro Egípcio dos Mortos
E. A. Wallis Budge
Pensamento
(1993)



O Caminho para a Distância
Vinicius de Moraes
cia das letras
(2008)



Capitães do Brasil: A Saga dos Primeiros Colonizadores
Eduardo Bueno
objetiva
(1999)



O Aprendizado da Alegria
Virgínia Cavalcanti
objetiva
(1990)



Os Números Governam Sua Vida
Kaiser Fung
Dvs
(2011)



Que Serei?
Cecília Bueno dos Reis Amoroso
Melhoramentos
(1970)



Stress e Qualidade de Vida no Trabalho - Stress Social - Enfrentamento
Ana Maria Rossi, Pamela L. Perrewe, James A. Meurs
Atlas
(2011)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês