Cenas de um país machista | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto cultural leva cinema até paradas de descanso de caminhoneiros
>>> HOMENS NO DIVÃ Ano XV
>>> Paulo Goulart Filho é S. Francisco de Assis na peça de Dario Fo
>>> Momo e o Senhor do Tempo estreia dia 15 de janeiro
>>> Rafa Castro leva canções de Teletransportar ao palco do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> O balé dos coletivos
>>> Meu malvado favorito
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos)
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Leituras, leitores e livros – Final
>>> A culpa é dos escritores, também
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
Mais Recentes
>>> La Tartamudez - Naturaleza y Tratamiento de E. Pichon S. Borel-maisonny pela Toray-masson S. A (1979)
>>> Gonçalo Ivo de Frederico Morais pela Salamandra (1997)
>>> In My Shoes - Confissões de uma Designer de Sapatos de Tamara Mellon pela Companhia Nacional (2014)
>>> Robinson Crusoé - Reencontro Infantil de Daniel Defoe - Laura Bacellar Adap Ivan Zigg Ilust pela Scipione (2012)
>>> Kit 3 Livros Sobre Maria - Cristão Católico de Anthony Mellace / Annie Kirkwood pela Nova era / Mageart / Pallotti
>>> Homem Aranha Aranhaverso Vol 03 de Nova Marvel pela Panini (2016)
>>> Robinson Crusoé - Reencontro Infantil de Daniel Defoe - Laura Bacellar Adap Ivan Zigg Ilust pela Scipione (2012)
>>> Viagem ao Centro da Terra - 1965 de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> Vade Mecum Civil 2014 - 8ª Edição Legislação Específica 2014 de Fábio de Vasconcellos Menna pela Rideel (2014)
>>> Santa Teresinha - Não Morro Entro na Vida de Santa Teresinha / Padre Agostinho Legros Tradutor pela Paulinas (1981)
>>> Coração de Onça - Capa Dura - 1951 de Ofélia e Narbal Fontes pela Saraiva (1951)
>>> Colônias Espirituais de Lúcia Loureiro pela Mnêmio Túlio (1997)
>>> Mundo Estranho Especial o Guia de Turismo do Terror - Abril 2016 de Abril pela Abril (2016)
>>> Diálogo Com o Mundo 2 - Educação Em Valores e Cidadania de Deizi Terezinha Delovo Edson Gabriel Garcia pela Cortez (2007)
>>> Coleção Explorando o Ensino Geografia, Volume 8 de Coleção Explorando o Ensino pela Unesco - Me (2006)
>>> Os 11 Maiores Mistérios do Universo - Super Interessante de Reinaldo José Lopes / Super Interessante pela Abril (2014)
>>> Uma Nova Aquarela de Dagmar Silva Pinto de Castro e Outros pela Umesp (2010)
>>> Vade Mecum - Rt 2011 - 6ª Edição - Capa Dura de Vários Autores pela Revista dos Tribunais (2011)
>>> A Cidade e as Serras - Livro Novo - Leitura Fuvest de Eça de Queirós pela Ciranda Cultural (2015)
>>> Vade Mecum 2013 - Com Foco no Exame da Oab e Em Concursos Públicos de Carmem Becker Org pela Impetus (2013)
>>> Dorme , Menino , Dorme de Laura Herrera / July Macuada pela Livros da Matriz / Fundação It (2015)
>>> Cadernos de Literatura Brasileira - Jorge Amado 03 de Antonio Fernando de Franceschi pela Instituto Moreira Salles (1997)
>>> Mundo Estranho Especial o Guia de Turismo do Terror - Abril 2016 de Abril pela Abril (2016)
>>> A Tempestade e a Comedia dos Erros - de Bolso de William Shakespear / Carlos Alberto Nunes Trad pela Clássicos de Bolso (1966)
>>> Vade Mecum Manole Questões da Oab e Concursos Indicados nos Próprios T de Costa Machado Org pela Manole (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 17/6/2008
Cenas de um país machista
Daniel Lopes

+ de 6600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Na manhã do sábado, 7 de junho último, um repórter fotográfico do maior jornal de Teresina deu palestra aos estudantes do curso de jornalismo da universidade estadual. Muita conversa vai, muita conversa vem, e o palestrante passa enfim para a exposição de fotos. Entre as quais, algumas suas, de alto ou nenhum valor artístico. Uma deste último grupo, bem recente, causou polêmica quando publicada, e custou muitas broncas e acusações de sensacionalismo ao fotógrafo.

É o seguinte (e peço perdão por perturbar o aprazível dia do leitor em busca de cultura): em uma decrépita casa de prostituição na periferia de Teresina, um homem matou uma mulher por estrangulamento e com algumas facadas. Após o óbito, ele ainda quebrou no meio um cabo de vassoura e enfiou uma das partes na vagina da vítima.

Corta para o dia seguinte ao crime. O citado fotógrafo chega ao afastado local. Para sua surpresa, ele é o único lá. O policial de vigília, ao saber de sua profissão, e acostumado aos maus hábitos dos profissionais de imprensa, apressa-se a descobrir o corpo, para ser fotografado. Mas o fotógrafo, de acordo com seu próprio relato, virou o rosto antes do corpo ser completamente exposto e disse ao policial para não fazer aquilo. Mesmo não entendendo esse jornalista excêntrico, o oficial da lei obedeceu. Com o corpo semi-coberto, a foto foi tirada.

Eis a foto: uma das paredes e o muro que limita o prostíbulo deixaram um espaço ínfimo entre eles, um corredor longo. Na véspera havia chovido, de modo que se viam pequenas poças d'água. O corpo está coberto com um papelão de publicidade, da cabeça até pouco depois dos joelhos. As pernas estão ligeiramente abertas, e já quase perto dos calcanhares acumula-se, junto com a água da chuva, uma pequena quantidade de sangue.

A cena é chocante, não pela brutalidade que explicita, mas pela brutalidade que evoca. Talvez o motivo dela ter recebido tantas críticas seja exatamente esse: ao contrário das fotos de decapitados ou de restos de acidentados, a imagem não possui aquele excesso de vermelho que, no fundo, anestesia nossa consciência e nos deixa indiferentes, nos habituando à barbárie. Ao contrário, pela mesquinhez de sangue, pela expressão apenas intuível no rosto da vítima, a fotografia nos faz pensar para além da dor. Ou seja, ao que leva à dor, ao que permite a dor. A quem infligiu a dor, e com que liberdade. É uma fotografia desconfortável.

Mas não é só isso. Apenas depois de tirada a foto, com o sangue mais frio, o fotógrafo disse que foi perceber o que havia no papelão que cobria o corpo da mulher assassinada. Era o anúncio de Juliana Paes e a cerveja do "Bar da Boa". Ao lado da modelo em pose sensual, o preço módico. Da bebida.

Enquanto isso, na ficção...
Naquele sábado, ao chegar em casa pela noite, cansado, com a cabeça perturbada, me esperava em um pacote o romance À beira do corpo, do gaúcho Walmir Ayala (1933-1991). Como não estava com vontade de sair pra lugar nenhum, dediquei o fim de semana ao livro. Algumas coisas só acontecem comigo.


Ayala: ficcionista, poeta e ensaísta

Obra de 1964, reeditada ano passado pela editora mineira Leitura, À beira do corpo é o romance de um crime. Que vitimou Bianca, a bela e branca Bianca, e seu amante Sebastião, o tenente Sebastião. O autor dos disparos foi Vicente, o ferreiro Vicente, que surpreendeu os dois no quarto mesmo do casal; a mulher pensava que o marido ia passar dois dias em viagem, mas aquela foi apenas a armadilha do marido para pegá-los juntos. A história se passa em Vila Nova, interior do Rio Grande do Sul.

A maior parte do livro é narrada por... um verme. Mas não sorria. Nenhum dos atores desse drama, nem mesmo os que acabam assassinados, tem mais noção de moral e mais escrúpulos do que esse mísero verme. Ele dá seu relato a partir do caixão de Bianca, enquanto passeia pelas partes do corpo em decomposição. Não obstante o abjeto do narrado, é um ser com veleidades poéticas, esse verme. Solene, são muitas as vezes que inicia uma oração com "eu, o verme". Verme consciente não apenas dos atos da Bianca dona do corpo que agora lhe hospeda, mas inclusive de seus pensamentos, bem como dos atos e pensamentos de todos os outros personagens. Algo improvável, é verdade, mas o que se há de fazer ― trata-se de um verme onisciente.

Nos últimos capítulos, a narração passa da primeira pessoa verminosa para a terceira pessoa. Ou melhor, para várias primeiras pessoas. É quando ocorre o julgamento de Vicente, que faz sua narrativa dos eventos trágicos e é interceptado em momentos pela irmã de criação de Bianca e pela ex-empregada do casal, que fazem o mesmo.

No julgamento de Vicente ― segundo o verme em suas primeiras impressões, "homem nada belo, nada altivo, mas investido de uma humanidade que dava caráter a cada atitude" ― há um pequeno rebuliço quando o réu confessa que, não tivesse Bianca sido tomada pelo medo quando lhe viu de arma na mão, mas, em vez disso, tivesse se arrependido a seus pés, "talvez lhe perdoasse". Então, no tribunal, "na pausa um murmúrio correu: os homens encararam duramente aquela confissão". Onde já se viu, um marido sequer aventar a hipótese de não pôr cabo na vida da mulher adúltera! O perdão não tem lugar na vida dos pios cristãos da tradicional Vila Nova.

Não precisamos ir além dessa cena no julgamento para constatar a principal denúncia levantada por Walmir Ayala em seu romance: os malefícios de uma comunidade machista, com uma religiosidade de moral maleável, e profundamente hipócrita. Hipócrita, sim. É impossível não ver os murmurantes senhores do tribunal nos "bons pais de família" a quem a doméstica Flora tem que se entregar na casa da patroa francesa. Diz ela a Bianca:

"É tanto homem por noite... tanto. Se eu pudesse lhe dizer quem tem andado pela minha cama. Homem assim. Importantes. Eles me pedem de não contar nada, por nada deste mundo. (...) A gente termina por odiar os homens. O que a gente tem que fazer, sem querer! Depois eles vão embora. Bons pais de família".

Ao padre Nilo, Bianca não entrega os pontos. Quando indagada como ficará sua alma em tal situação, a jovem retruca: "Não sei o que ela é [a alma]. Mas o meu corpo eu sei. Ele [Sebastião] me tem ensinado na freqüência da nossa loucura o que é o meu corpo". De fato, a filosofia hedonista de Bianca produz uma visão do ideal bem diferente daquela da doutrina do padre ― ela conclui em certo ponto que "um paraíso sem Deus era mais fácil". Quer dizer, seria impossível existir um lugar bom que ao mesmo tempo possuísse um pecado definido e pronto para ser empregado para (des)qualificar qualquer ato de prazer. Essa divergência de pontos de vista justifica o silêncio do padre Nilo durante o processo do marido assassino.

Piero, o pai de Bianca, em nenhum momento é alheio aos dramas de... Vicente. Antes de ir flagrar a mulher com o amante, o incrédulo Vicente vai ter com o sogro, na esperança de que este possa esclarecer a situação com um "nada disso é verdade", ou "não se preocupe, Bianca não seria capaz disso que andam dizendo". Mas qual o quê. O que Piero diz é que é tudo verdade ― "Eu não a eduquei para isto, mas é verdade. Todo o mundo sabe. Não sou eu que vou negar". Vai além e determina o fim trágico da filha ao dar um revólver ao genro ― "Você deve fazer o que qualquer homem de dignidade em seu lugar faria". E uma página depois, para incentivar o irresoluto Vicente: "Mas não creio que é só seu [o problema]. Ela ainda é minha filha. E eu não quero que meu nome esteja ligado a uma vagabunda".

Ao término da leitura, fiquei pensando. E se, em vez de encontrar a esposa e o amante em situação inexplicável, Vicente tivesse tido a certeza da traição por um outro meio, digamos, lendo no diário da esposa (se existisse um) os detalhes de uma noite de amor torrencial entre os dois? Nesse caso, e supondo-se que Sebastião tivesse se mudado para uma cidade contígua, iria Vicente atrás dele para lhe tirar a vida? Ou se satisfaria em matar a mulher ali próxima e dar o caso como encerrado, pouco importando a participação de Sebastião no "crime"?

Porque pelos fatos narrados por Flora, pelo comportamento de Piero e padre Nilo, pela situação de prisioneira das infelizes esposas de Vila Nova e as atitudes pouco ortodoxas de seus bons maridos e "bons pais de família", a impressão inescapável é que a culpa, agora e sempre, por um adultério é da mulher, primeira ou unicamente. Crime passível de morte, prescrita por uma tradição que não logrou influenciar uma constituição nacional, mas para a qual nunca se lixou mesmo.

Começar e praticamente acabar de ler um romance com esse conteúdo no mesmo dia em que fiquei sabendo do caso da mulher assassinada na periferia de Teresina, me fez arrepiar um pouco, ao pensar no grau da barbárie brasileira, presente em todo lugar, no século passado e no século presente, da capital do Piauí ao interior do Rio Grande do Sul, da ficção à ― pior, sempre pior ― realidade.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 17/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem é o autor de um filme? de Luiz Rebinski Junior
02. Lavoura da discórdia de Lucas Rodrigues Pires
03. Um recomeço? de Paulo Polzonoff Jr


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2008
01. Não gostar de Machado - 3/6/2008
02. Chris Hedges não acredita nos ateus - 1/7/2008
03. Neruda, oportunista fantasiado de santo - 18/3/2008
04. 20 anos de Trapo - 25/9/2008
05. Cenas de um país machista - 17/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/6/2008
10h12min
Bom texto, boa resenha! Seja neste século ou em séculos passados, a tal da honra ainda é vista da maneira mais sórdida possível. E isso aos nossos olhos, debaixo de nossos narizes! O livro parece interessante. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
17/6/2008
11h13min
É tão triste ver a maneira como nossa sociedade trata as mulheres, faz com que a gente se sinta um pedaço de carne comprado na feira. No meu trabalho vejo casos, inúmeros, de filhas que são estupradas por pais e padrastos, e ainda são achincalhadas pelas propias mães, também mulheres, por terem "seduzido" o "seu homem". Somos vítimas e autoras desse machismo, pois somos nós que ensinamos que certas coisas não são coisas de homem... E eles também são vítimas de uma sociedade que brutaliza sentimentos, coisifica pessoas fazendo você pensar que pode ser dono de um corpo, de uma vida, de uma mulher. Essa imagem descrita por ti, Daniel, há de rodar muito na minha cabeça.
[Leia outros Comentários de Gerusa]
17/6/2008
19h07min
Como sempre, suas resenhas fazem mais que informar. Induzem (no bom sentido) a ler o referido livro. Muito interessante o verme narrador. O tema é mais que atual e discutível. Entra para a lista. Parabéns! Quanto ao fotógrafo, difícil separar a curiosidade mórbida sensacionalista da arte de fotografar o sentimento. Beijo.
[Leia outros Comentários de Dai]
28/6/2008
23h20min
Daniel, adorei seu texto sobre a foto... você leu "Waiting for the Barbarians"? É exatamente o que Coetzee faz em alguns momentos: só sugere a dor, a tortura... nem sempre ele dá ao leitor. Como a foto, ele aciona os mecanismos internos do leitor para que este construa o mal (e a violência) de acordo com suas próprias experiências e conhecimento de mundo. Gostei! Muito!
[Leia outros Comentários de Marilia Bandeira]
7/1/2014
23h27min
Não se trata de uma resenha pura e simples, mas de sensibilíssima observação e análise apaixonada de um dos nossos melhores romances escritos pelo grande poeta que foi W. A.! Fui seu amigo, publicou meus primeiros poemas em suas generosas antologias de novíssimos poetas, e aplaudiu meus primeiros filmes com o entusiasmo de quem aposta no talento de um iniciante que era eu.Amigo, sobre ele fiz um filme-requiem após seu precoce desaparecimento, "Tanto que a gente gostava dele " . Parabéns pelo seu belo texto !
[Leia outros Comentários de Luiz Carlos Lacerda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os rituais do tombamento e a escrita da história
Márcia Scholz de Andrade Kersten
UfPr
(2000)



Teoria e Prática dos Títulos de Crédito
Amador Paes de Almeida
Saraiva
(2006)



Dor de cabeça, o que ela quer com você?
Dr. Mario Peres
Imegrare
(2008)



Frankenstein
Mary Shelley; Leonardo Chianca; Guazzelli
Dcl
(2007)



Competência e Competências - Contribuição Crítica ao Debate
Esméria Rovai
Cortêz
(2010)



Gente Como a Gente
Judith Guest
Abril Cultural
(1982)
+ frete grátis



Frei Luís de Sousa: um Auto de Gil-vicente
Almeida Garrett
Ediouro
(2002)



Brasil - Alternativas e Saídas (lacrado)
Helio Jaguaribe
Paz & Terra
(2008)



Garoto Linha Dura
Stanislaw Ponte Preta
Circulo do Livro



A Fuga do Mal
Dr Jacobo Polakiewicz
Maayanot
(2012)





busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês