No line on the horizon, do U2 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 24/2/2009
No line on the horizon, do U2
Rafael Rodrigues

+ de 7700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No line on the horizon, décimo segundo trabalho de estúdio da banda de rock irlandesa U2, já nasce grande. Só de versões comercializadas, o disco terá cinco: uma "normal", em formato jewel case (leia-se caixa de acrílico), e quatro limitadas, que variam da mais simples ― em digipack, com encarte um pouco maior que o da versão "normal" e um minipôster da banda ― até a mais luxuosa ― contendo, além do CD, um DVD com o filme Linear, do cineasta britânico Anton Corbijn ― diretor do clipe de "Get on your boots", primeiro single do disco ―, um livro de capa dura com 64 páginas e um pôster.

O U2 é uma das raras bandas que pode se vangloriar de seu pior trabalho ser um bom disco. No caso, o equivocado Zooropa, no qual entre canções boas, mas que nem de longe fazem jus à reputação do grupo, podemos encontrar ao menos quatro de indiscutível qualidade, à altura da banda: "Numb", "Lemon" (belíssimas, apesar de poucos gostarem) e as maravilhosas "Stay (Faraway, so close)" e "The first time".

Pode-se dizer que Zooropa é uma tentativa mal-sucedida do estupendo Pop, lançado quatro anos depois, disco que é uma das obras-primas da banda e que, infelizmente, não foi bem recebido nem pela crítica nem pelo público, sendo ainda hoje alvo de críticas. Assumidamente prematuro, foi lançado às pressas, depois de uma gravação conturbada; o próprio Bono Vox já declarou que, se pudesse, regravaria o disco. Essa "pressa" fica mais evidente em uma das músicas de Pop, "Last night on earth", uma canção poderosa, mas que aparenta ter sido editada de maneira displicente. A maior prova de que o disco foi lançado antes do tempo e de que a própria banda de certa forma se arrepende disso está na coletânea The best of 1990-2000, na qual três faixas de Pop ― "Gone", "Discothèque" e "Staring at the sun" ― ganharam novas versões.

Zooropa e Pop sucedem Achtung baby, que inaugura de maneira sublime uma nova fase na carreira do grupo, encerrada de maneira brilhante por The Joshua Tree. (Entre os dois há Rattle and Rum, mas é um disco no qual predominam covers e versões ao vivo, poucas são as músicas inéditas.) Esta "nova fase" é marcada por uma espécie de atualização sonora. Até The Joshua Tree há ainda no U2 uma quase vontade de não se deixar levar totalmente pela indústria da música, como se isso significasse uma ruptura com suas raízes e sua nação. A banda era, sim, um grande sucesso em todo o mundo, mas nada comparado ao que veio depois. E isso veio com Achtung baby, lançado em 1991, que é considerado um dos melhores álbuns do grupo, atrás apenas de ― ou empatado com ― The Joshua Tree. É em Achtung baby que o U2 começa a flertar com o pop e a música eletrônica, fugindo um pouco do tom épico dos discos anteriores ― The Joshua Tree e The unforgettable fire. Em seus sucessores (os já mencionados Zooropa e Pop), essas características estariam ainda mais presentes.

Citar essa quase fuga das raízes e entrada no cenário luminoso da música eletrônica é importante para entender o novo álbum da banda, No line on the horizon, a ser lançado dia 27 de fevereiro na Irlanda e em 02 de março no resto do mundo (exceto nos Estados Unidos, onde o disco será lançado dia 03 de março). É também necessário um breve olhar sobre All that you can't leave behind e How to dismantle an atomic bomb, lançados em 2000 e 2004, respectivamente.

Quando a banda, depois do mal desempenho de Pop junto à crítica e ao público, anunciou que entraria em estúdio, a expressão mais utilizada era "volta às raízes". Depois de uma incursão à música "de discoteca", a banda desejava fazer o bom e velho rock'n'roll de sempre (do qual nunca se afastou, é bom deixar claro; nem mesmo em Pop), e o álbum citado como referência era, justamente, The Joshua Tree. De certa forma, All that you can't leave behind é uma "recriação" de TJT, mas guardando-se as devidas proporções, é claro. O disco de 2000 nada tem, a rigor, do glorioso álbum de 1987. Enquanto que em All that you can't leave behind os integrantes aparecem, nas fotos do encarte, num aeroporto, no encarte de TJT vemos a banda em fotos tiradas em campos. Em um, o clima é de modernidade; no outro, é bucólico. Sinal de que a banda estava se ajustando aos "novos tempos", mas de maneira sóbria (as fotos no aeroporto são discretas e em preto e branco, longe do excesso de cores, poses e adereços dos tempos de Zooropa e Pop). Não obstante essa diferença de ares e paisagens, o som de ambos discos é o U2 em estado puro. São os álbuns nos quais o U2 é mais U2. Houve quem criticasse o uso de equipamentos modernos e a descarada intenção de criar um hit ("Elevation" e seus sintetizadores), mas a verdade é que em All that can't leave behind pode-se sentir um pouco da aura épica do U2, presente com toda a magnitude em The Joshua Tree e, com um pouco menos de vigor, em Achtung baby.

Já em How to dismantle an atomic bomb a banda optou por seguir a trilha que o disco anterior indicava: a mescla de rock com músicas mais introspectivas, deixando um pouco de lado a influência eletrônica. É um álbum valoroso, de extrema qualidade, todas as canções poderiam ser músicas de trabalho. Pode-se dizer que How to dismantle an atomic bomb é um All that you can't leave behind mais maduro, apesar de a inspiração para ambos discos serem um pouco diferentes (o impacto do novo século/milênio que se desenhava foi o mote de All..., e a situação geopolítica do mundo pós-11 de setembro foi o que guiou a composição de How...).

Agora, em No line on the horizon, a banda traz o melhor do melhor de todos os seus discos. Não é à toa que Steve Lillywhite (que, juntamente com os lendários Brian Eno e Daniel Lanois, produziu o disco) vem dizendo que este é o melhor trabalho do U2 até hoje. Há, no novo álbum, a presença de Achtung baby e Pop, em músicas como a contagiante "Get on your boots"; em "Magnificent" há um quê de The Joshua Tree; "Moment of surrender" lembra um pouco The unforgettable fire; "I'll go crazy if i don't go crazy tonight" poderia estar em All that you can't leave behind ou em How to dismantle an atomic bomb. Mas, também, há canções completamente diferentes do U2 ― e, paradoxalmente, tão U2 quanto qualquer outra. A faixa-título, por exemplo. É diferente de tudo o que a banda já fez, mas nada é tão Bono-Edge-Mullen-Clayton quanto. Mesmo caso de "Stand up comedy" e "Fez ― Being born", por exemplo; esta última inicia sombria, soturna, mas caminha para um refrão redentor; "Stand up..." é uma mistura excepcional de pop/rock, com uma pitada de funk e, por mais incrível que possa parecer, rap. Outra canção brilhante é "Unknown Caller", muitíssimo bem construída e arranjada, com vocais perfeitos de Bono e The Edge.

Com mais de trinta anos de estrada, milhões de discos vendidos e dezenas de Grammys na estante, o U2 poderia perfeitamente encerrar sua carreira ou colocar no mercado álbuns não mais que razoáveis. Felizmente, não é este o caso. O que se vê é uma banda sem medo de arriscar e mudar ― inclusive o visual (Bono voltou a usar o cabelo curto, o "corte de exército" da época de Pop). Um grupo que não tem vergonha de assumir posturas políticas e pacifistas em seus discos e em suas vidas pessoais (vide a cruzada solitária de Bono em busca de um mundo menos desigual e belicoso). Uma banda que, de tempos em tempos, presenteia seus fãs com uma obra-prima ― como agora ―, e nos faz acreditar um pouco que o mundo ainda pode ser melhor e que, para isso, basta fazer como eles: dar sempre o melhor de nós.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 24/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
03. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. Gênios e loucos - 10/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/2/2009
20h53min
Fantástico seu texto. Muito bem colocado. Pena que boa parte da mídia brasileira não entendeu bem o que este novo disco significa. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Wesley]
3/3/2009
20h49min
Parabéns pela excelente crítica feita a "No line on the horizon": o álbum simplesmente me emociona do começo ao fim... O que os caras fizeram foi arrepiante! Faltou citar a equilibrada dose de new age e synthpop diluída em meio a várias faixas, que, é claro, são essencialmente rock'n'roll do melhor... Outro ponto que foi muito bem exposto foi sobre o álbum "Pop". Posso ser incompreendido, mas esse álbum foi demais... É um dos meus preferidos até hoje. Sem contar que fui ao Popmart, no Morumbi, em 1998. Ouvir Mofo ao vivo foi animal!!! O campo parecia que ia desabar...
[Leia outros Comentários de Vinicius Campos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POESIA INDIANISTA - VOLUME 1
GONÇALVES DIAS
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 15,00



INVENTÁRIO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA BIBLIOTECA NACIONAL 1796-1950
MINISTÉRIO DA CULTURA
BIBLIOTECA NACIONAL
(1996)
R$ 39,08



O DINHEIRO
BIBLIOTECA SALVAT DE GRANDES TEMAS
ED. DO BRASIL
(1980)
R$ 14,00



SÃO PAULO EM GUERRA - 1924
GUAZZELLI
DE MÃO EM MÃO
(2012)
R$ 20,00



ECONOMIA INTERNACIONAL E COMÉRCIO 9ª EDIÇÃO - 3308
JAYME DE MARIZ MAIA
ATLAS
(2004)
R$ 10,00



POLITICA MONETARIA NORTEAMERICANA
E. A. GOLDENWEISER
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(1956)
R$ 110,00



IGREJAS DE SÃO PAULO
LEONARDO ARROYO
JOSÉ OLYMPIO
(1954)
R$ 30,00



LITERATURA Y EXILIO INTERIOR (ESCRITORES Y SOCIEDAD EN LA ESPAÑA
PAUL LLIE
EDITORIAL FUNDAMENTOS
(1981)
R$ 49,82



KALKI
GORE VIDAL
ROCCO
(2000)
R$ 15,00



PSICO-HIGIENE E PSICOLOGIA INSTITUCIONAL
JOSÉ BLEGER
ARTES MÉDICAS
(1989)
R$ 30,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês