O prazer de ter escrito | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Quarta-feira, 15/7/2009
O prazer de ter escrito
Luiz Rebinski Junior

+ de 4000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Não gosto de escrever, gosto de ter escrito. Ouvi essa frase de alguém citando algum figurão premiado de nossa literatura e achei fantástica. Escrever, realmente, é uma coisa dolorosa, trabalhosa, de operário mesmo. Sempre desconfiei de gente que diz que escreve por puro prazer. Quem escreve diariamente sabe que não é bem assim. O gostoso é você ver o branquinho do Word se enchendo de parágrafos bem torneados, formando uma massa homogênea de palavras. O bacana de escrever é saber que alguém vai ler o que saiu da tua cabeça, vai contestar, elogiar ou detestar suas ideias. É assim que a coisa anda. E a maneira como isso acontece é através da escrita, então, não tem jeito, escrever passa a ser fundamental.

Mas não é um lance fisiológico, vital, como alguns românticos juram de pé junto ser. Nunca vi ninguém morrer porque deixou de escrever. Para quem lê e escreve com certa regularidade, a leitura é muito mais urgente do que a escrita. É claro que quem está acostumado a bater com os dedinhos nas teclas sempre fica na fissura de escrever algo. Mas aí é muito mais uma necessidade de se expressar, e não de simplesmente "escrever". A tal força interior da escrita, que arrebata muitos escritores por aí, talvez seja apenas uma necessidade da cachola de botar pra fora o excesso de ideias que se acumula de vez em quando.

Quando os escritores dizem que o lance da escrita é noventa por cento transpiração, só estão sendo sinceros. Mas a confusão entre transpiração e inspiração (ou insight) até que é compreensível. Isso porque às vezes as pessoas esquecem que, ainda que braçal, escrever também é uma atividade intelectual. Pra esvaziar a mente, é preciso botar algo nela, não? Então, se você não tem nada na cabeça, não adianta ser um exímio digitador. O negócio funciona assim: primeiro você lê, vê e escuta, pra depois regurgitar tudo na tela do computador. Esse é o ciclo da escrita. Mesmo na ficção é assim. Ficcionistas adoram dizer que, para ser convincente, é preciso conhecer bem aquilo que se escreve, viver intensamente etc. etc. E nisso eu assino embaixo. Ou seja, é preciso primeiro experiência, para só depois soltar, com um mínimo de técnica, algo no papel.

E o processo de escrita está, também, ligado ao tempo que quem escreve dispõe. No jornalismo, por que os textos de revistas são mais bacanas do que os de jornal? Porque no jornal a coisa é toda atabalhoada, o negócio é terminar a matéria para rodar o jornal do dia seguinte. E escrever nessas condições não é lá muito saudável para o texto. Aliás, escrever não é tão complicado assim, o problema é revisar, acertar as arestas, tirar os excessos e burilar o produto final.

O problema é quando você volta àquele parágrafo que inicialmente lhe parecia genial e que acaba se revelando uma grande porcaria, que nem você sabe o que quer dizer. Então você se pergunta o que é pior: não conseguir iniciar nem a primeira linha de um texto ou ter que reescrever uma bobagem que de início lhe pareceu genial? Acho, particularmente, a segunda mais incômoda, porque te trava em uma ideia que, de antemão, você já sabe que é ruim, mas que, por preguiça de tentar outro caminho ou pura teimosia, você resolve bater na mesma tecla até achar uma saída.

Mas o bom mesmo de escrever é quando a coisa deslancha, você vai batendo nas teclinhas e o cérebro vai mandando mais e mais frases. Aí a coisa fica bonita, é até divertido. Nessa hora, escrever nem se parece com trabalho de pedreiro, fica uma coisa prazerosa, gostosa mesmo. Mas isso não é sempre que acontece. Pelo contrário, é lá de vez em quando. É mais ou menos como naqueles dias em que a cerveja desce mais redondo do que o normal, quando você sente, depois da primeira garrafa, que vai tomar um porre daqueles.

Por outro lado, já fiquei horas na frente de um computador sem conseguir concluir um mísero parágrafo. Não é uma sensação boa, posso dizer. Na verdade, é uma coisa detestável. Você fica ali, escrevendo e reescrevendo e nada te satisfaz. Mas o engraçado da escrita é que, pelo menos para mim, ela só funciona se meu corpo estiver legal, a cabeça boa e o sangue sem um decigrama de álcool. Bêbado ou de ressaca, não consigo nem escrever bilhete. Por isso duvido muito daqueles escritores com ares beatnik que dizem escrever sob efeito de álcool e outras droguinhas. Se para ler o negócio já fica punk, tendo que voltar na mesma linha umas quatro ou cinco vezes para entender, imagine para escrever, só sai merda.

E quando acontece de travar, não sair da mesma linha ou parágrafo, a melhor coisa é desligar o computador e ir fazer outra coisa, esquecer tudo e recomeçar mais tarde, de preferência no outro dia, depois de uma boa noite de sono. O que não se pode fazer quando se lida com prazos, aí a coisa tem que sair de qualquer jeito. Mas aí o segredo é não deixar a coisa degringolar, a água bater na bunda, porque se isso acontecer, babau qualidade, perfeccionismo e o escambau.

Mas escrever é divertido. Principalmente pela liberdade que o ato de escrever proporciona a quem se aventura a rabiscar algo, produzir. É realmente muito estimulante perceber que você é dono do que está fazendo e que, para o bem e para o mal, só depende de você o resultado final (até rimou!). Acho que foi isso que sempre moveu os grandes nomes da literatura, principalmente aqueles mais vanguardistas, tipo Faulkner, Joyce e Rosa. É claro que não podemos esquecer do lance da cachola, lá do começo do texto. Esses caras eram bitolados, gênios, falavam mais de dez línguas, como o nosso Guima. Tinham de sobra o que colocar no papel. Mas foram movidos, principalmente, por essa liberdade, que às vezes assusta mais do que estimula, proporcionada pela escrita. É como se eles não tivessem nada a perder com suas experiências. Afinal de contas, ninguém nasce escrevendo coisas geniais. Até Joyce escreveu livros mais convencionais, como Dublinenses, por exemplo, que é uma coletânea de contos bastante acessível. Só mais tarde o caolho meteu o pé na jaca e virou a literatura de perna pro ar. Mas foi um que soube como manejar bem a liberdade que a escrita lhe deu.

É claro que não sou James Joyce, mas tenho uma leve impressão que, assim como eu com meus textinhos mal escritos, o irlandês sentia mais prazer em ver o seu Ulisses bonitão em capa dura do que em lembrar dos sete anos que passou escrevendo a obra. Pode crer.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 15/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
03. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
04. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
05. Uma noite de julho de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2009
10h05min
Escrever é um ato obsessivo! Vira mania tão logo iniciemos a salutar prática da escrita; quer dizer, para quem gosta e conhece um mínimo de regras simples, como ler muito, analisar o que escreve, ter bom senso e conhecimento sobre o que pretende escrever. Quem não lê muito não consegue escrever nada, pode crer! Eu mesmo tenho 36 livros escritos, 3 publicados e aguardando a boa vontade das editoras em receber os outros para análise. É normal receber a manjada resposta dos editores: "Seu texto é ótimo, mas nossa agenda está lotada até o final do ano". Infelizmente, só os Paulos Coelhos é que têm vez no mundo literário desse nosso país que lê muito pouco; e, se não lê, escreve pouco, salvo escritores de blogs e poetas em profusão.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
15/7/2009
15h50min
Gostei do texto, Luiz. Aliás, um texto falando sobre a arte de produzir textos. Muito bacana! Realmente não é todo o dia que temos inspiração e que as frases saem soltas, com coerência, conteúdo e elegância. Essa busca do aperfeiçoamento contínuo às vezes é até angustiante. Mas, enfim, quem escreve, ou tenta, deve ser movido antes de tudo por muita paixão, e, principalmente, por uma habilidade capaz de tocar o coração dos poucos que leem. Abraço.
[Leia outros Comentários de Júlio França]
15/7/2009
23h27min
Ufa! Me sinto bem melhor após esta leitura... Realmente, tem horas que o conflito enamorado entre o branco do Word e o embaralhaço da cabeça é mais dramático que romântico. É como um adolescente louco para beijar a garota que o inspira e, antes disso, dizer-lhe o que deseja, travado! Um papel em branco, ou o branco do Word, causa, de fato, um frisson! É como se apaixonar todas as vezes, e ficar arquitetando a conquista. Neurose mesmo! Passo horas e até um dia inteiro olhando a tela em branco, tomo café, almoço e janto virando o pescoço diante dela, o que geralmente se repete por dias com o mesmo "mísero" projeto de texto. Que prazer há nisso? Eu estou falando desses loucos (como eu) que se colocam na marra diante da tela e se torturam! Apenas estes poderão compreender o êxtase e a dor que é obrar cada uma das concordâncias. A leitura do texto sobre o qual comento me deu família! Sou da família destes! Saber que não sofro sozinho me tranquiliza. Obrigado! Mas... essa loucura tem cura?
[Leia outros Comentários de Alex Merino]
16/7/2009
11h53min
De fato, escrever não é difícil. Como dizia o Gousteau, do filme "Ratatouille", "qualquer um pode cozinhar"... aproveitando o gancho do Gilmar Mendes (hehe) - "qualquer um pode escrever". E voltando ao Gousteau, "mas só aqueles que têm coragem se destacam". É a mais pura verdade.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
1/8/2009
20h23min
Caro, delícia de leitura! Essas doses de sensatez me servem também de acalanto, já que (e pedindo desculpas pelo lugar-comum) todo parto natural é doloroso e sabemos bem da delicadeza da gestação - os homens também já ouviram falar. Não existe possibilidade de o texto nascer sem passar pelo parto. As melhores inspirações pra você!
[Leia outros Comentários de Marcia Silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AMOR E FOME
B. MANSTEIN
EDIÇÕES MELHORAMENTOS
(1971)
R$ 11,00



DICIONÁRIO, PORTUGUÊS - ESPANHOL
PORTO EDITORA
PORTO
(1989)
R$ 16,75



DIÁRIO DE UM BANANA #3: A GOTA DÁGUA
JEFF KINNEY
V&R
(2010)
R$ 10,00



O CATOLICISMO É 1 PLÁGIO?
MAX SUSSOL
IBEA - PARMA
R$ 18,00



LEIS PENAIS E PROCESSUAIS PENAIS COMENTADAS / CAPA DURA
GUILHERME DE SOUZA NUCCI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2010)
R$ 349,90



A ÚNICA ESPERANÇA
ALEJANDRO BULLÓN
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2013)
R$ 4,00



COMPLETE INDIAN COOKING
MRIDULA BALJEKAR E OUTROS
OM
(2005)
R$ 60,00



PRACTICAL ENDODONTICS
EDWARD BESNER, ANDREW MICHANOWICZ
MOSBY
(1993)
R$ 180,00



AMEAÇAS DO PÂNTANO
LALIRIE BRIDGES/ PAULIL ALEXANDER
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 4,00



MEMÓRIA POR CORRESPONDÊNCIA
EMMA REYES; HILDEGARD FEIST
COMPANHIA DAS LETRAS
(2016)
R$ 25,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês