O prazer de ter escrito | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
Mais Recentes
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
>>> ERKS – Mundo Interno de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine July 2020 de Tenet pela Time (2020)
>>> Creative Review de Annual 2020 pela Creative Review (2020)
>>> Monocle Magazine July/August 2020 de Special Edition pela Winkontent (2020)
>>> Mojo 321 August 2020 de Paul Weller pela Mojo (2020)
>>> Mojo 320 July 2020 de Talking Heads pela Mojo (2020)
>>> Mojo 319 June 2020 de Nick Cave pela Mojo (2020)
>>> O Livro do Pênis de Maggie Paley pela Conrad (2001)
>>> A Colheita dos Grãos: Odes Sonoras de Filippi Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2007)
>>> Introdução ao Estudos Linguísticos de Francisco da Silva Borba pela Pontes (1991)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> Linguística Textual - Introdução de Leonor |Lopes Fávero e Ingedore G. Villaça Koch pela Cortez (1988)
>>> Aulas Vivas de Marcos Tarciso Masetto pela Mg (1992)
>>> A Lenda do Baal Schem de Martin Buber pela Perspectiva (2003)
>>> La Théologie de La foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> O Professor como Agente Político de Maria Anita e Viviane Martins pela Loyola (1987)
>>> Estilística da Língua Portuguesa de M Rodrigues Lapa pela Acadêmica (1968)
>>> Extensão ou Comunicação? de Paulo Freire pela Paz e Terra (1977)
>>> Conversas com quem gosta de Ensinar de Rubem Alves pela Cortez (2005)
>>> Reflexões sobre a Prática Docente de Maria Oly Pey pela Loyola (1992)
>>> O que é teoria? de Otaviano Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> A Dieta Ideal de Marcio Atalla e Desere Coelho pela Paralela (2015)
>>> Rádio : 24 Horas de Jornalismo de Marcelo Parada pela Panda Books (2004)
>>> Dicionário da Língua Portuguesa Medieval de Joaquim Carvalho da Silva pela Eduel (2007)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Quarta-feira, 15/7/2009
O prazer de ter escrito
Luiz Rebinski Junior

+ de 4300 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Não gosto de escrever, gosto de ter escrito. Ouvi essa frase de alguém citando algum figurão premiado de nossa literatura e achei fantástica. Escrever, realmente, é uma coisa dolorosa, trabalhosa, de operário mesmo. Sempre desconfiei de gente que diz que escreve por puro prazer. Quem escreve diariamente sabe que não é bem assim. O gostoso é você ver o branquinho do Word se enchendo de parágrafos bem torneados, formando uma massa homogênea de palavras. O bacana de escrever é saber que alguém vai ler o que saiu da tua cabeça, vai contestar, elogiar ou detestar suas ideias. É assim que a coisa anda. E a maneira como isso acontece é através da escrita, então, não tem jeito, escrever passa a ser fundamental.

Mas não é um lance fisiológico, vital, como alguns românticos juram de pé junto ser. Nunca vi ninguém morrer porque deixou de escrever. Para quem lê e escreve com certa regularidade, a leitura é muito mais urgente do que a escrita. É claro que quem está acostumado a bater com os dedinhos nas teclas sempre fica na fissura de escrever algo. Mas aí é muito mais uma necessidade de se expressar, e não de simplesmente "escrever". A tal força interior da escrita, que arrebata muitos escritores por aí, talvez seja apenas uma necessidade da cachola de botar pra fora o excesso de ideias que se acumula de vez em quando.

Quando os escritores dizem que o lance da escrita é noventa por cento transpiração, só estão sendo sinceros. Mas a confusão entre transpiração e inspiração (ou insight) até que é compreensível. Isso porque às vezes as pessoas esquecem que, ainda que braçal, escrever também é uma atividade intelectual. Pra esvaziar a mente, é preciso botar algo nela, não? Então, se você não tem nada na cabeça, não adianta ser um exímio digitador. O negócio funciona assim: primeiro você lê, vê e escuta, pra depois regurgitar tudo na tela do computador. Esse é o ciclo da escrita. Mesmo na ficção é assim. Ficcionistas adoram dizer que, para ser convincente, é preciso conhecer bem aquilo que se escreve, viver intensamente etc. etc. E nisso eu assino embaixo. Ou seja, é preciso primeiro experiência, para só depois soltar, com um mínimo de técnica, algo no papel.

E o processo de escrita está, também, ligado ao tempo que quem escreve dispõe. No jornalismo, por que os textos de revistas são mais bacanas do que os de jornal? Porque no jornal a coisa é toda atabalhoada, o negócio é terminar a matéria para rodar o jornal do dia seguinte. E escrever nessas condições não é lá muito saudável para o texto. Aliás, escrever não é tão complicado assim, o problema é revisar, acertar as arestas, tirar os excessos e burilar o produto final.

O problema é quando você volta àquele parágrafo que inicialmente lhe parecia genial e que acaba se revelando uma grande porcaria, que nem você sabe o que quer dizer. Então você se pergunta o que é pior: não conseguir iniciar nem a primeira linha de um texto ou ter que reescrever uma bobagem que de início lhe pareceu genial? Acho, particularmente, a segunda mais incômoda, porque te trava em uma ideia que, de antemão, você já sabe que é ruim, mas que, por preguiça de tentar outro caminho ou pura teimosia, você resolve bater na mesma tecla até achar uma saída.

Mas o bom mesmo de escrever é quando a coisa deslancha, você vai batendo nas teclinhas e o cérebro vai mandando mais e mais frases. Aí a coisa fica bonita, é até divertido. Nessa hora, escrever nem se parece com trabalho de pedreiro, fica uma coisa prazerosa, gostosa mesmo. Mas isso não é sempre que acontece. Pelo contrário, é lá de vez em quando. É mais ou menos como naqueles dias em que a cerveja desce mais redondo do que o normal, quando você sente, depois da primeira garrafa, que vai tomar um porre daqueles.

Por outro lado, já fiquei horas na frente de um computador sem conseguir concluir um mísero parágrafo. Não é uma sensação boa, posso dizer. Na verdade, é uma coisa detestável. Você fica ali, escrevendo e reescrevendo e nada te satisfaz. Mas o engraçado da escrita é que, pelo menos para mim, ela só funciona se meu corpo estiver legal, a cabeça boa e o sangue sem um decigrama de álcool. Bêbado ou de ressaca, não consigo nem escrever bilhete. Por isso duvido muito daqueles escritores com ares beatnik que dizem escrever sob efeito de álcool e outras droguinhas. Se para ler o negócio já fica punk, tendo que voltar na mesma linha umas quatro ou cinco vezes para entender, imagine para escrever, só sai merda.

E quando acontece de travar, não sair da mesma linha ou parágrafo, a melhor coisa é desligar o computador e ir fazer outra coisa, esquecer tudo e recomeçar mais tarde, de preferência no outro dia, depois de uma boa noite de sono. O que não se pode fazer quando se lida com prazos, aí a coisa tem que sair de qualquer jeito. Mas aí o segredo é não deixar a coisa degringolar, a água bater na bunda, porque se isso acontecer, babau qualidade, perfeccionismo e o escambau.

Mas escrever é divertido. Principalmente pela liberdade que o ato de escrever proporciona a quem se aventura a rabiscar algo, produzir. É realmente muito estimulante perceber que você é dono do que está fazendo e que, para o bem e para o mal, só depende de você o resultado final (até rimou!). Acho que foi isso que sempre moveu os grandes nomes da literatura, principalmente aqueles mais vanguardistas, tipo Faulkner, Joyce e Rosa. É claro que não podemos esquecer do lance da cachola, lá do começo do texto. Esses caras eram bitolados, gênios, falavam mais de dez línguas, como o nosso Guima. Tinham de sobra o que colocar no papel. Mas foram movidos, principalmente, por essa liberdade, que às vezes assusta mais do que estimula, proporcionada pela escrita. É como se eles não tivessem nada a perder com suas experiências. Afinal de contas, ninguém nasce escrevendo coisas geniais. Até Joyce escreveu livros mais convencionais, como Dublinenses, por exemplo, que é uma coletânea de contos bastante acessível. Só mais tarde o caolho meteu o pé na jaca e virou a literatura de perna pro ar. Mas foi um que soube como manejar bem a liberdade que a escrita lhe deu.

É claro que não sou James Joyce, mas tenho uma leve impressão que, assim como eu com meus textinhos mal escritos, o irlandês sentia mais prazer em ver o seu Ulisses bonitão em capa dura do que em lembrar dos sete anos que passou escrevendo a obra. Pode crer.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 15/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
04. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
05. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2009
10h05min
Escrever é um ato obsessivo! Vira mania tão logo iniciemos a salutar prática da escrita; quer dizer, para quem gosta e conhece um mínimo de regras simples, como ler muito, analisar o que escreve, ter bom senso e conhecimento sobre o que pretende escrever. Quem não lê muito não consegue escrever nada, pode crer! Eu mesmo tenho 36 livros escritos, 3 publicados e aguardando a boa vontade das editoras em receber os outros para análise. É normal receber a manjada resposta dos editores: "Seu texto é ótimo, mas nossa agenda está lotada até o final do ano". Infelizmente, só os Paulos Coelhos é que têm vez no mundo literário desse nosso país que lê muito pouco; e, se não lê, escreve pouco, salvo escritores de blogs e poetas em profusão.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
15/7/2009
15h50min
Gostei do texto, Luiz. Aliás, um texto falando sobre a arte de produzir textos. Muito bacana! Realmente não é todo o dia que temos inspiração e que as frases saem soltas, com coerência, conteúdo e elegância. Essa busca do aperfeiçoamento contínuo às vezes é até angustiante. Mas, enfim, quem escreve, ou tenta, deve ser movido antes de tudo por muita paixão, e, principalmente, por uma habilidade capaz de tocar o coração dos poucos que leem. Abraço.
[Leia outros Comentários de Júlio França]
15/7/2009
23h27min
Ufa! Me sinto bem melhor após esta leitura... Realmente, tem horas que o conflito enamorado entre o branco do Word e o embaralhaço da cabeça é mais dramático que romântico. É como um adolescente louco para beijar a garota que o inspira e, antes disso, dizer-lhe o que deseja, travado! Um papel em branco, ou o branco do Word, causa, de fato, um frisson! É como se apaixonar todas as vezes, e ficar arquitetando a conquista. Neurose mesmo! Passo horas e até um dia inteiro olhando a tela em branco, tomo café, almoço e janto virando o pescoço diante dela, o que geralmente se repete por dias com o mesmo "mísero" projeto de texto. Que prazer há nisso? Eu estou falando desses loucos (como eu) que se colocam na marra diante da tela e se torturam! Apenas estes poderão compreender o êxtase e a dor que é obrar cada uma das concordâncias. A leitura do texto sobre o qual comento me deu família! Sou da família destes! Saber que não sofro sozinho me tranquiliza. Obrigado! Mas... essa loucura tem cura?
[Leia outros Comentários de Alex Merino]
16/7/2009
11h53min
De fato, escrever não é difícil. Como dizia o Gousteau, do filme "Ratatouille", "qualquer um pode cozinhar"... aproveitando o gancho do Gilmar Mendes (hehe) - "qualquer um pode escrever". E voltando ao Gousteau, "mas só aqueles que têm coragem se destacam". É a mais pura verdade.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
1/8/2009
20h23min
Caro, delícia de leitura! Essas doses de sensatez me servem também de acalanto, já que (e pedindo desculpas pelo lugar-comum) todo parto natural é doloroso e sabemos bem da delicadeza da gestação - os homens também já ouviram falar. Não existe possibilidade de o texto nascer sem passar pelo parto. As melhores inspirações pra você!
[Leia outros Comentários de Marcia Silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA DA V ABRINDO A CAIXA DE PANDORA
CATHERINE BLACKLEDGE
DEGUSTAR
(2004)
R$ 90,00



O VELOCINO DE OURO DA MITOLOGIA GREGA - 1950
ARNALDO DE OLIVEIRA BARRETO
MELHORAMENTOS
(1950)
R$ 25,00



SOBREVIVER, CRESCER E PERPETUAR: TECNOLOGIA EMPRESARIAL VOL. 1
NORBERTO ODEBRECHT
ODEBRECHT
(2011)
R$ 14,90



PREACHER PROUD AMERICANS
GARTH ENNIS
VERTIGO
(1997)
R$ 18,00



TRAJETÓRIAS GEOGRÁFICAS - 4ª EDIÇÃO
ROBERTO LOBATO CORRÊA
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 62,95



O SACRIFÍCIO DA INOCÊNCIA
TAYLOR CALDWELL
RECORD
(1976)
R$ 5,00



CIÊNCIA HOJE VOL. 4 NO. 24 MAIO/JUNHO 1986
LUIZ PINGUELLI ROSA, RAUL EKERMAN E OUTROS
SBPC
(1986)
R$ 9,00



RAUL SOARES: UM LÍDER DA REPÚBLICA VELHA
AFRANIO DE CARVALHO
FORENSE
(1978)
R$ 27,28



NOVAS CARTAS DO EXTREMO OCIDENTE
ANDRÉ LEVY
COMPANHIA DAS LETRAS
(1988)
R$ 5,50



REBELIÃO EM MILAGRO
JOHN NICHOLS
BEST SELLER
(1998)
R$ 7,90





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês