Quem tem medo do Besteirol? | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/5/2005
Quem tem medo do Besteirol?
Andréa Trompczynski
+ de 8000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Miguel Falabella? Humpf. Mauro Rasi? Humpf. Besteirol? Humpf, humpf, eu resmungava, arqueando uma sombrancelha, do alto de meu pedestal de quem havia lido uns clássicos a mais. Tinha comprado os pesados volumes de Guerra e Paz, no intuito de impressionar um namorado "intelectual-de-óculos-quadradinho" que me levava para assistir filmes iranianos. Era aquela época da qual fala o Polzonoff, em que é preciso dizer que se gosta de filme iraniano. Eu ria, escondido dele, do Caco Antibes na televisão, assistia a antigos videotapes da TV Pirata e acompanhava, fascinada, a todos os movimentos do Teatro Besteirol. Mas me calava, porque a censura da intelligentsia brasileira não permitia que eu dissesse tal heresia. Ainda não permite, na verdade, mas estou velha e não ligo mais para essas coisas.

Para o novato no meio cultural, somos um mundo dourado. Pois saiba, novato, vivenciamos as mesmas mesquinharias de qualquer outro grupo de seres humanos. De uma academia de ginástica, por exemplo. Suponhamos uma conversa num grupo de amealhadores de músculos. Há uma clara competicão entre os mais musculosos, e, comentam sobre as antigas maneiras de aumentar a massa muscular, ostentando como troféus, os bíceps poderosos. Falam de como "Rocky, o lutador" é que estava certo, arrastando toras na neve. Se alguém, por outro método, consegue os mesmos músculos, isto não presta. Não é bom. Bom mesmo é arrastar toras na Sibéria. Se a maioria agora faz Pilates e consegue resultados satisfatórios e, tem bom momentos com Pilates, não pode ser isto algo bom. É provável que o maiorzão, que leu algo do Nelson Rodrigues, comprado por engano como livro pornográfico, diga alto: "toda maioria é burra".

A maioria gosta do Besteirol, e não daquele teatro tão difícil quanto arrastar toras na neve; daí a dificuldade dos intelectuais brasileiros gostarem, ou admitirem que gostam, deste gênero. Quem tem medo do Besteirol?, de Flávio Marinho, define-o como "um espetáculo de esquetes defendido por uma dupla de atores que vive muito de referências e citações de filmes, peças, programas de TV e da observação do comportamento urbano da zona sul carioca. (...) Exige da platéia uma certa dose de informação". Que tipo de informacão? Das chanchadas da Atlândida aos musicais da Metro, a "música" de Eduardo Dusek, a Sessão da Tarde, além de conhecer o teatro "cabeça", sentir um sono incontrolável durante suas apresentações, e, ter uma família com o comportamento típico de uma família da Classe Média.

Certamente, diria aquele namorado intelectual, este é um movimento teatral alienado. Flávio Marinho contra-atacaria com as palavras de Miguel Falabella: "Alienados seríamos se não refletíssemos sobre a frenética sociedade de consumo em que nos tranformamos. Alienados seríamos se ficássemos restritos aos clássicos, aos grandes autores, em montagens bem-comportadas, para ganhar o beneplácito dos senhores da cultura. Levamos a chanchada e a paródia à cena, sim. Com muito prazer. Porque estamos cada vez mais atentos à realidade à nossa volta." O humor do Besteirol derramava suas críticas, para o bom-entendedor. E, geniais, Falabella e Mauro Rasi, ainda conseguiam divertir o mau-entendedor sem que ele soubesse que ria de si próprio.

Eles conseguiram fazer a intelligentsia atirar longe seus monóculos, levantar forçosamente das poltronas de couro de suas bibliotecas para, citando Becket, Sartre, e o que mais pudessem, tentar explicar o que era aquele fenômeno teatral. Miguel Falabella argumenta com os críticos, obviamente, com adoráveis besteiras : "Há fumaça no ar. Dispara-se em todas as direções. Adjetivos andam à espreita, atacando jovens membros da cena carioca. Guilherme Karam foi atropelado por um 'descartável', ficando de cama três dias, sofrendo de aguda crise de identidade. Vicente Pereira viu-se face a face com um temível 'besteirol' e só conseguiu escapar graças à pronta intervenção de populares que atacaram o monstro. Felipe Pinheiro, perseguido por um 'teatro-brincadeira, recebeu do facínora uma terrível revelcão: seus hilariantes 'esquetes' tinham suas origens, pasmem!, nos esfumaçados cabarés da Alemanha dos anos 1920. Em estado de choque, o ator declarou: 'não morro sem ver Berlim'." Foi um escândalo.

Ah, leitor jovem, se estiver iniciando no mundo intelectual, não declare sua paixão pelo Besteirol. Você poderá assumí-la depois de velho, que lá perde-se a vergonha e os parâmetros. Nós, os velhos, já não tememos mais os intelectuais que arrastam os volumes de Guerra e Paz no gelo da intelectualidade brasileira.

Dançamos na faixa de pedestres, comemos pipoca na rua, vamos ver o Falabella, rimos de nossa própria decrepitude.

Coisa inaceitável na Sibéria.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 12/5/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro
02. Memória insuficiente de Vicente Escudero
03. Ler, escrever e fazer contas, só que hoje de Ana Elisa Ribeiro
04. Livros no Google de Wellington Machado
05. O naufrágio é do escritor de Vicente Escudero


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Para amar Agostinho - 26/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/5/2005
11h51min
Andréa, não só rio do besteirol, como eu o assumo como estilo de vida. Sou patético, graças a mim. Ou a algum deus, talvez. Assim como assumo o dramalhão também. Se eu tivesse um nome composto de novela latina, minha vida seria perfeita... mas, voltando ao besteirol, eu não vou às peças do Falabella porque o que eu posso ver ali, eu vejo nas ruas. Vejo em mim, na minha mãe, amigos, inimigos, todos. É isso, eu gozo de decadência. E acho que não poderia ser melhor. Beijão!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
13/5/2005
21h01min
Muitos pseudo-intelectuais acham que só há "inteligência" nos clássicos, nos gregos, alemães etc. Eu prefiro me lembrar do professor Darcy Ribeiro que dizia que só os imbecís não vêem novela. Aliás, o besteirol é fonte de muita renda, vide Seinfield, The Nanny, Absoluty Fabolous, etc...
[Leia outros Comentários de Gui ]
30/5/2005
02h19min
Sou um leitor jovem e não tenho medo de demonstrar que gosto de besteirol...parece que você fala apenas em humor besteirol, mas pra mim o besteirol é simplesmente qualquer espécie de arte que, apesar de não ter valor, entretém...e aí incluiria muitos filmes do Spielberg, e a série Guerra nas Estrelas...talvez quem sabe, até o tarantino não passa de um besteirol...mas me divirto muito com esses filmes. O que discordo é que se atribua qualquer valor à essa arte...ela pode chegar a ter importãncia histórica como Star Wars, mas valor artístico não (nem falo isso porque ache que você atribua algum valor à ela, não, apenas cito)
[Leia outros Comentários de rafael]
26/2/2008
16h37min
SENSACIONAL este seu texto, Andrea! Gostaria de ter sido a autora. Eu simplesmente AMAVA Mauro Rasi e acho os textos dele uma verdadeira obra de arte. Adoro Cerimônia do Adeus, Pérola, Viagem a Forli... ler seu texto me fez um bem danado. Vc pensa sobre o besteirol o mesmo que eu, só que teve uma invejável competência para falar sobre. Grande abç, PARABÉNS, e, se me permitir, vou "usá-lo" sempre q couber o assunto. Prossiga no métier pois o mundo precisa de gente com sua cabeça libertária e sua maestria no expressar idéias. VIVA!!!
[Leia outros Comentários de Aurora Miranda Leão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meals For Good Health
Karen Graham
Canadian Diabetes Association
(1998)



Às Margens do Sena
Reali Jr.
Ediouro
(2007)



Milho pra Galinha, Mariquinha
Marisa Raja Gabaglia
Sabiá
(1972)



Pérola e a Bolsa Perdida
Wendy Harmer
Fundamento
(2006)



A Revolução Dos Bichos
George Orwell
Companhia Das Letras
(2007)



Cultura e Comunicação
Edmund Leach
Edições 70
(2009)



O Primo do Amigo do meu Irmão
Angela CArneiro
Quinteto
(1994)



Arbitragem e Poder Judiciário - Proposta para um Diálogo
Maria Carolina Nery
Revista dos Tribunais
(2020)



Passageiro do Fim do Dia
Rubens Figueiredo
Companhia das Letras
(2010)



Livro Literatura Brasileira Surpresa
Fernando Alberto
Mente Cerebro
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês