Quem tem medo do Besteirol? | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONTOS DE AXÉ - 18 histórias inspiradas nos arquétipos dos orixás
>>> Feriado em família no Shopping Granja
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/5/2005
Quem tem medo do Besteirol?
Andréa Trompczynski

+ de 7300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Miguel Falabella? Humpf. Mauro Rasi? Humpf. Besteirol? Humpf, humpf, eu resmungava, arqueando uma sombrancelha, do alto de meu pedestal de quem havia lido uns clássicos a mais. Tinha comprado os pesados volumes de Guerra e Paz, no intuito de impressionar um namorado "intelectual-de-óculos-quadradinho" que me levava para assistir filmes iranianos. Era aquela época da qual fala o Polzonoff, em que é preciso dizer que se gosta de filme iraniano. Eu ria, escondido dele, do Caco Antibes na televisão, assistia a antigos videotapes da TV Pirata e acompanhava, fascinada, a todos os movimentos do Teatro Besteirol. Mas me calava, porque a censura da intelligentsia brasileira não permitia que eu dissesse tal heresia. Ainda não permite, na verdade, mas estou velha e não ligo mais para essas coisas.

Para o novato no meio cultural, somos um mundo dourado. Pois saiba, novato, vivenciamos as mesmas mesquinharias de qualquer outro grupo de seres humanos. De uma academia de ginástica, por exemplo. Suponhamos uma conversa num grupo de amealhadores de músculos. Há uma clara competicão entre os mais musculosos, e, comentam sobre as antigas maneiras de aumentar a massa muscular, ostentando como troféus, os bíceps poderosos. Falam de como "Rocky, o lutador" é que estava certo, arrastando toras na neve. Se alguém, por outro método, consegue os mesmos músculos, isto não presta. Não é bom. Bom mesmo é arrastar toras na Sibéria. Se a maioria agora faz Pilates e consegue resultados satisfatórios e, tem bom momentos com Pilates, não pode ser isto algo bom. É provável que o maiorzão, que leu algo do Nelson Rodrigues, comprado por engano como livro pornográfico, diga alto: "toda maioria é burra".

A maioria gosta do Besteirol, e não daquele teatro tão difícil quanto arrastar toras na neve; daí a dificuldade dos intelectuais brasileiros gostarem, ou admitirem que gostam, deste gênero. Quem tem medo do Besteirol?, de Flávio Marinho, define-o como "um espetáculo de esquetes defendido por uma dupla de atores que vive muito de referências e citações de filmes, peças, programas de TV e da observação do comportamento urbano da zona sul carioca. (...) Exige da platéia uma certa dose de informação". Que tipo de informacão? Das chanchadas da Atlândida aos musicais da Metro, a "música" de Eduardo Dusek, a Sessão da Tarde, além de conhecer o teatro "cabeça", sentir um sono incontrolável durante suas apresentações, e, ter uma família com o comportamento típico de uma família da Classe Média.

Certamente, diria aquele namorado intelectual, este é um movimento teatral alienado. Flávio Marinho contra-atacaria com as palavras de Miguel Falabella: "Alienados seríamos se não refletíssemos sobre a frenética sociedade de consumo em que nos tranformamos. Alienados seríamos se ficássemos restritos aos clássicos, aos grandes autores, em montagens bem-comportadas, para ganhar o beneplácito dos senhores da cultura. Levamos a chanchada e a paródia à cena, sim. Com muito prazer. Porque estamos cada vez mais atentos à realidade à nossa volta." O humor do Besteirol derramava suas críticas, para o bom-entendedor. E, geniais, Falabella e Mauro Rasi, ainda conseguiam divertir o mau-entendedor sem que ele soubesse que ria de si próprio.

Eles conseguiram fazer a intelligentsia atirar longe seus monóculos, levantar forçosamente das poltronas de couro de suas bibliotecas para, citando Becket, Sartre, e o que mais pudessem, tentar explicar o que era aquele fenômeno teatral. Miguel Falabella argumenta com os críticos, obviamente, com adoráveis besteiras : "Há fumaça no ar. Dispara-se em todas as direções. Adjetivos andam à espreita, atacando jovens membros da cena carioca. Guilherme Karam foi atropelado por um 'descartável', ficando de cama três dias, sofrendo de aguda crise de identidade. Vicente Pereira viu-se face a face com um temível 'besteirol' e só conseguiu escapar graças à pronta intervenção de populares que atacaram o monstro. Felipe Pinheiro, perseguido por um 'teatro-brincadeira, recebeu do facínora uma terrível revelcão: seus hilariantes 'esquetes' tinham suas origens, pasmem!, nos esfumaçados cabarés da Alemanha dos anos 1920. Em estado de choque, o ator declarou: 'não morro sem ver Berlim'." Foi um escândalo.

Ah, leitor jovem, se estiver iniciando no mundo intelectual, não declare sua paixão pelo Besteirol. Você poderá assumí-la depois de velho, que lá perde-se a vergonha e os parâmetros. Nós, os velhos, já não tememos mais os intelectuais que arrastam os volumes de Guerra e Paz no gelo da intelectualidade brasileira.

Dançamos na faixa de pedestres, comemos pipoca na rua, vamos ver o Falabella, rimos de nossa própria decrepitude.

Coisa inaceitável na Sibéria.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 12/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis de Jardel Dias Cavalcanti
02. Arte virtual: da ilusão à imersão de Gian Danton
03. Senhores turistas, apressem-se! de Carla Ceres
04. História da leitura (IV): a ascensão do romance de Marcelo Spalding
05. As minas de ouro (ou Os sebos) de Ivan Bilheiro


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/5/2005
11h51min
Andréa, não só rio do besteirol, como eu o assumo como estilo de vida. Sou patético, graças a mim. Ou a algum deus, talvez. Assim como assumo o dramalhão também. Se eu tivesse um nome composto de novela latina, minha vida seria perfeita... mas, voltando ao besteirol, eu não vou às peças do Falabella porque o que eu posso ver ali, eu vejo nas ruas. Vejo em mim, na minha mãe, amigos, inimigos, todos. É isso, eu gozo de decadência. E acho que não poderia ser melhor. Beijão!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
13/5/2005
21h01min
Muitos pseudo-intelectuais acham que só há "inteligência" nos clássicos, nos gregos, alemães etc. Eu prefiro me lembrar do professor Darcy Ribeiro que dizia que só os imbecís não vêem novela. Aliás, o besteirol é fonte de muita renda, vide Seinfield, The Nanny, Absoluty Fabolous, etc...
[Leia outros Comentários de Gui ]
30/5/2005
02h19min
Sou um leitor jovem e não tenho medo de demonstrar que gosto de besteirol...parece que você fala apenas em humor besteirol, mas pra mim o besteirol é simplesmente qualquer espécie de arte que, apesar de não ter valor, entretém...e aí incluiria muitos filmes do Spielberg, e a série Guerra nas Estrelas...talvez quem sabe, até o tarantino não passa de um besteirol...mas me divirto muito com esses filmes. O que discordo é que se atribua qualquer valor à essa arte...ela pode chegar a ter importãncia histórica como Star Wars, mas valor artístico não (nem falo isso porque ache que você atribua algum valor à ela, não, apenas cito)
[Leia outros Comentários de rafael]
26/2/2008
16h37min
SENSACIONAL este seu texto, Andrea! Gostaria de ter sido a autora. Eu simplesmente AMAVA Mauro Rasi e acho os textos dele uma verdadeira obra de arte. Adoro Cerimônia do Adeus, Pérola, Viagem a Forli... ler seu texto me fez um bem danado. Vc pensa sobre o besteirol o mesmo que eu, só que teve uma invejável competência para falar sobre. Grande abç, PARABÉNS, e, se me permitir, vou "usá-lo" sempre q couber o assunto. Prossiga no métier pois o mundo precisa de gente com sua cabeça libertária e sua maestria no expressar idéias. VIVA!!!
[Leia outros Comentários de Aurora Miranda Leão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Metodologia do trabalho científico.
Antonio Joaquim Severino
Cortez
(2000)



Histórias da Turma
Marcia Kupstas
Atual
(1991)



Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia.
José de Souza Martins
Livros Tecnicos
(1977)



Textos Anarquistas
Zilá Bernd e Outros
L&pm Editores
(1999)
+ frete grátis



Crônicas de Frenelda
Fernanda do Valle
Clio
(2017)



Imagem Impresa y Conocimiento - Análisis de La Imagem Prefotográfica
W. M. Ivins Jr.
Gustavo Gili
(1975)



Coment Devenir Une Vraie Parisienne
Héléne et Iréne Lurçat
Parigramme



Espumas Flutuantes
Castro Alves
Ediouro
(1997)



La Ideologia Alemana
Marx; Engels
Pueblos Unidos
(1973)



Você é Insubstituível Pocket
Augusto Cury
Sextante
(2002)





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês