Meu Gozo Decadente | Alessandro de Paula

busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Miguel Wisnik lança VÃO, seu novo álbum de músicas inéditas no Sesc 24 de Maio nos dias 20 e 21/8
>>> Cia. Palhadiaço abre inscrições grátis para Oficina de Máscaras Utilitárias
>>> Realização do IV LEM Gastronomia - Luís Eduardo Magalhães Ba
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Serge Daney: o cinema como espelho
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
>>> Orkut, um sonho impossível?
>>> A política de uma bunda
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Um aborrecimento e uma surpresa
>>> Chaves do Inferno
>>> Legado para minha filha
>>> Discurso de Obama no Nobel
Mais Recentes
>>> Raptado (historia Em Quadrinho) de Santiago Nazarian; Fiona Macdonald; Penko Gelev pela Ibep Nacional (2008)
>>> A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson pela Ibep Nacional (2005)
>>> Ventana Al Espanol de Mais de um Autor pela Santillana Español (2016)
>>> Psicoterapia Centrada En El Cliente de Carl R. Rogers pela Paidos (1972)
>>> Como Pintar Com Aerógrafo de Miquel Ferron pela Desenhar e Pintar (1997)
>>> Os Três Incríveis de Stella Carr pela Moderna
>>> A Matemática na Escola Primária: uma Observação do Cotidiano de Maria Lucia Fraga pela Epu (1988)
>>> Ganz Leicht Ist Es Nicht de Aron Breuckner Mayer pela Epu (1977)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
>>> Introdução Ilustrada à Genética Com Muito Humor de L. Gonick pela Harbra (1995)
>>> Os Meninos da Biblioteca de Rômolo Dhipólito; João Luiz Marques pela Biruta (2015)
>>> Segredos de Minha Vida Em Hollywood de Jen Calonita pela Galera (2007)
>>> Xangô, O Trovão de Reginaldo Prandi & Pedro Rafael pela Comp (2003)
>>> Quem matou Nola Payne? de Walter Mosley pela Landscape (2005)
>>> Os 50 + Importantes Livros Em Sustentabilidade de Da Editora pela Fundação Peiropolis (2012)
>>> Principles of Economics de Richard W. Tresch pela Desconhecida
>>> Isabella de Medici/A vida gloriosa e o trágico fim de uma princesa da renascença de Caroline P. Murphy pela Record (2011)
>>> A casa dos Blessings/um relato magistral uma história de amor e redenção de Anna Quindlen pela Objetiva (2003)
>>> A Volta de Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Companhia Nacional
>>> Lições de Medicina Legal de A Almeida Jr e J B de o e Costa Jr pela Companhia Nacional (1996)
>>> Romeo e Giulietta de Shakespeare pela i Unita
>>> Play Dirty de Sara Brow pela Pocket Books
>>> Explosão de estrelas de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Comakership - a Nova Estratégia para os Suprimentos de Giorgio Merli pela Qualitymark (1994)
>>> O mistério da cripta amaldiçoada de Eduardo Mendoza pela Planeta Literário (2011)
COMENTÁRIOS

Quinta-feira, 12/5/2005
Comentários
Leitores


Meu Gozo Decadente
Andréa, não só rio do besteirol, como eu o assumo como estilo de vida. Sou patético, graças a mim. Ou a algum deus, talvez. Assim como assumo o dramalhão também. Se eu tivesse um nome composto de novela latina, minha vida seria perfeita... mas, voltando ao besteirol, eu não vou às peças do Falabella porque o que eu posso ver ali, eu vejo nas ruas. Vejo em mim, na minha mãe, amigos, inimigos, todos. É isso, eu gozo de decadência. E acho que não poderia ser melhor. Beijão!!!

[Sobre "Quem tem medo do Besteirol?"]

por Alessandro de Paula
12/5/2005 às
11h51 200.204.153.101
(+) Alessandro de Paula no Digestivo...
 
Críticos são necessários?
A verdade é que a paciência deve vir dos dois lados. Mas, se há uma diferença tão grande entre o mundo do crítico e o do leitor, por que as críticas cinematográficas ainda são lidas? O crítico deve "pensar como público" para atingir o leitor? O fato é que quem questiona as opiniões dos críticos é porque lê, e lê porque gosta, porque precisa desse "adendo do filme", por mais que discorde dele. O leitor precisa saber alguma coisa para escolher que filme quer ver. Não que todos os críticos sejam bons, mas depois desse seu texto (escelente, aliás), verei com outros olhos as críticas publicadas nos jornais. Parabéns.

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Erika Ferreira
11/5/2005 às
21h13 200.217.18.63
(+) Erika Ferreira no Digestivo...
 
Talvez
Talvez, uma resposta seja que todos querem mesmo é o familiar. E da mesma maneira imaginam o papel do crítico como sendo o do colega que vai receitar algo familiar. O crítico também tem um segundo papel neste tipo de pensamento: o homem que será o objeto de tudo que achamos ridículo e discordamos... Afinal, nada melhor do que ter um nome associado a coisas que não queremos saber, entender ou discutir. Alie isso a boa quantidade de críticos que agem como torcida em arquibancada, e você tem uma plausível receita para explicar o que está acontecendo... Duas questões tostines: Se os críticos são tão irrelevantes porque as pessoas ainda os leem antes ou depois de ir ao cinema? E o pior, porque alguém deixaria de ir ou iria a um filme devido a opinião de um único indivíduo, mesmo que seja mais qualificado? Acho que para você desenvolver seu próprio gosto, tem que assistir muitas coisas diferentes, e no processo quem sabe descobre como apreciar um filme... Viajando um pouco, acho que é o mal dos dias de hoje: tudo tem que ser perfeito, não basta apreciar o que cada coisa oferece de bom....

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Ram
11/5/2005 às
15h48 69.232.215.23
(+) Ram no Digestivo...
 
Sociedades perdidas...
Gostei muito do texto, mas será que o tema que você discute não é simplesmente uma característica inerente do homem? Na maior parte das situações não existe uma dicotomia clara entre o bem e o mal. Na verdade, sempre depende de contexto, cultura e informação. A maior parte das pessoas em qualquer sociedade quer ser respeitada como sendo moral e justa. Mas são raríssimos aqueles que vivem o seu senso de justiça quando este impõe perda ou sacrifício para si próprio. Eu fico imaginando uns séculos atrás, quando a escravidão populava todos os cantos do globo, e países europeus iam colonizando até outras nações que já possuiam cultura elevada e história. Não estou nem comentando a situação dos indígenas que os europeus consideravam selvagens... Mas sim China, Índia, Indonésia,... Será que a sociedade daquela época não via a condição do homem escravo como sendo deprimente? Uma sub-humanização? A crença cristã já estava estabelecida, e nas palavras de Cristo se viam claras a condenação ao tratamento de homens como sendo sub-humanos... Ou seja, haviam elementos necessários para este tipo de justiça. No entanto, por séculos as economias se beneficiaram da exploração inescrupulosa alheia. Ou será que portugueses, espanhóis e ingleses ignoravam o que era escravidão, exploração de colônias e tudo mais? No fundo talvez o grande problema seja que a sociedade se indispõe com o indivíduo que decide pensar por si próprio, sem fazer parte de corrente alguma... A seleção natural acaba relegando estas pessoas a poeira ou a algumas prateleiras da biblioteca. Mas pouco se manifesta a verdadeira contribuição: pensem sozinhos e sem preconceito! Quanto ao nazismo, a coisa mais horripilante ainda é saber que Hitler foi tão calculado que no início do regime procurou facções zionistas que estivessem dispostas a denunciar outros judeus. E estas facções denunciaram até que o horror chegou ao apogeu. Talvez o que Hitler fez foi materializar a crueldade. É um ato difícil, plástico, e obviamente terrível. Ter algo palpável como um campo de concentração para demonstrar a fé em suas crenças. Muitos outros líderes não fizeram isso historicamente, ou faziam escondido, e talvez por isso seja mais fácil perdoar e esquecer inconsistências históricas... Se cada líder e sociedade hoje materializasse os seus preconceitos e inconsistências, garanto que seria caos... Apesar das imagens hoje estarem um pouco banalizadas... Talvez seja outro fator a se considerar: a banalização da informação.

[Sobre "A queda"]

por Ram
11/5/2005 às
14h28 69.232.215.23
(+) Ram no Digestivo...
 
entre o homem e a arte
Se é consolo saber, Marcelo, não é só nos domínios do cinema que falta paciência. Já experimentou ler as críticas de teatro nos jornais? A distância entre o crítico e o público é cada vez maior porque a distância entre o homem e a arte é muito grande. O papel do crítico é atuar como uma ponte entre a obra e o público, oferecendo referências para a fruição sem invadir o espaço opinativo do leitor. Mas como ser ponte, quando não há o que ligar? O artista fala uma língua diferente do chamado "homem médio".

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Evandro Medeiros
10/5/2005 às
16h53 200.216.198.67
(+) Evandro Medeiros no Digestivo...
 
Jô, o bonzão
Realmente o Jô é uma mala gorda. Seu único mérito foi ter nascido em família rica que o fez viajar pelo mundo e aprender a falar alguns idiomas. Mas tem muito marinheiro do cais do porto que tb fala. Mas a pseudocultura embasada em ponto eletrônico é mesmo de amargar. Não tem graça, é chato, é arrogante, se acha o bom da bocada. Só imagino se fosse mesmo inteligente. E se fosse bonito, então? Faz várias coisas pra esconder que que faz tudo mal. O David Letterman tb é chato (mas nem tanto) mas pelo menos é o original. Assistir à cópia-carbono é perda de tempo. Gostaria de ver o Jô entrevistar alguém realmente inteligente, com cultura e sem medo de dizer o que pensa. Melhor ainda seria se o ponto eletrônico falhasse. Acho que a maior parte dos neurônios e da cultura do gordo localiza-se dentro de uma das orelhas.

[Sobre "Anti-Jô Soares"]

por Walter P. Carpes Jr.
10/5/2005 às
16h28 150.162.15.23
(+) Walter P. Carpes Jr. no Digestivo...
 
Li e gostei
Penso e ajo da mesma forma que você. Obrigada.

[Sobre "A síndrome da rejeição via internet"]

por Raydália
10/5/2005 às
13h46 200.230.190.102
(+) Raydália no Digestivo...
 
Da'-lhe Bortolotto
Ainda bem que o Brasil nao "veta" autores, atores e diretores que vão mostrar a inteligência e a criatividade em pátrias do Primeiro Mundo... Da'-lhe BORTOLOTTO neles...ainda bem que temos um Italiano na França e no Brasil...

[Sobre "Ainda bem que existe a França"]

por Pedrinho Renzi
10/5/2005 às
12h59 200.210.29.131
(+) Pedrinho Renzi no Digestivo...
 
Apenas uma ressalva
Ótimo, Marcelo. Apenas uma ressalva: se "ela" achou o pior filme da vida dela um filme que agradou a você, a conclusão não poderia ser que ela viu poucos filmes na vida, mas sim que ela viu excelentes filmes na vida, a ponto de um bom filme ser o pior... Valeu! André.

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por André Pires
10/5/2005 às
11h51 201.19.7.82
(+) André Pires no Digestivo...
 
uma bunda em close...
Acredito que o cinema hoje em dia tem sido interpretado pelas pessoas da mesma forma como elas interpretam a TV cotidiana. As pessoas avaliam se um filme é bom (ou não) através da quantidade de cenas banais ofertadas: um tiro certeiro, uma bunda em close... e é só! As pessoas estão perdendo a paciência e a capacidade de refletir sobre cenas mais bem trabalhadas do que somente isso. Não têm "paciência" pra assistir uma boa produção ("Má educação", de Pedro Almodóvar, por exemplo), um filme introspectivo ("Moça do Brinco de Pérola", de Peter Webber, outro magnífico exemplo). Essa falta de paciência e sensibilidade esbarra no maior problema do mundo atual: a velocidade de informação! Cabe a nós, sensíveis pelo mundo das artes, despertar, ao menos em nosso meio, a curiosidade da descoberta por esse mundo onde o tempo está a nosso favor, onde um minuto pode até definir a vida de um personagem, mas venha cá, isso acontece de forma tão bem programada que esse um minuto se torna uma eternidade... e a impaciência, se quiser, por favor, que assente ao nosso lado e espere passar um desse eterno minuto por que o filme ainda está no "ar"... Marcelo, parabéns por continuar nos incitando a curiosidade pela sétima arte. E aos outros, paciência!

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Maurícia M. Cocate
10/5/2005 às
10h36 200.165.22.91
(+) Maurícia M. Cocate no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Países de Língua Portuguesa e a China Num Mundo Globalizado
Wei Dan
Almedina
(2009)



Auto Amor e Outras Potências da Alma
Andrei Moreira
Ame
(2017)



Paraty: História, Festas, Folclore, Monumentos
Thereza & Tom Maia
Expressão e Cultura
(1991)



Pequeno Dicionário de Regência Verbal
Bárbara Vasconcelos de Carvalho
Lotus



Silvia Poppovic e Você
Silvia Poppovic
Mandarim
(2000)



O Cortiço
Aluísio Azevedo
Atica
(1984)



How Professors Think
Michele Lamont
Harvard University P
(2010)



Cadernos Cedes 64 V. 24 (set/dez 2004) - a Filosofia e Seu Ensino
Cedes - Centro de Estudos Educação e Sociedade
Cedes



O Estado e a Revolução - Estante do Pensamento Social Nº 05 Capa Dura
Lenine ( Lenin ) / Aristides Lobo Tradutor
Guaíra



Sonetos
Luís de Camões
Martin Claret
(2000)





busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês