Se o Lula falasse inglês... | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
58271 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Hebraica recebe exposição de Victor Brecheret
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA TRAZ GUI MONTEIRO E CONVIDADOS ESPECIAIS PARA A PROGRAMAÇÃO DO SOM NA PRAÇA
>>> Omodé: O Pequeno Herói Preto no Sesc Bom Retiro
>>> Estímulo Mostra de Dança do 40 Festival de Dança de Joinville trará para o palco do Juarez Machado
>>> Sesc Sorocaba apresenta Nas Águas do Imaginar com a Companhia de Danças de Diadema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
>>> Diogo Salles no Roda Viva
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
Colunistas
Últimos Posts
>>> Interney sobre inteligência artificial (2023)
>>> Uma história do Yahoo! (2014)
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Culture to Digest
>>> Um travesseiro nada confortável
>>> O site da cultura brasileira
>>> Saudações
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Paco Entre Dos Aguas (1976)
>>> Apologia dos Cães
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> Calcanhotto, Lancellotti, Veloso e Antunes no Auditório Ibirapuera
>>> Formando Não-Leitores
Mais Recentes
>>> Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade de Vários Autores pela Altaya (1998)
>>> A Revolução Americana de Vários Autores pela Três
>>> A Poética visual contemporânea de Juan Muzzi de Alberto Beuttenmuller pela Do Autor (2011)
>>> Contando a arte de Juan Muzzi de Oscar D Ambrosio pela Nova America (2007)
>>> The Microeconomics of Public Policy Analysis de Lee S Friedman pela Princeton University Press (2002)
>>> Anjos e demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Como fazer amigos e influenciar pessoas de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor campeão de Audiência de Doug Lemov pela Fundação Lemann (2011)
>>> O Caçador de Pipas de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2005)
>>> Rodadas Pedagógicas de Vários Autores pela Penso (2014)
>>> Lessons of Hope - hOw to fix our schools de Joel Kleen pela Harper Collins (2014)
>>> Memoria Social - Urugaya Tu Eres Parte : No te quedes aparte de Oriana Jara , Brígida Scaffo pela São Paulo (2011)
>>> Ensino Híbrido de Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto, Fernando de Melo pela Instituto Península (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Jardim dos Livros (2007)
>>> Tenho Algo a Lhe Dizer - coleção encontro 2 de Pe Carlos Afonso Schmitt pela Paulinas (1976)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela A Cidade do SOl (2007)
>>> Esperança Além da Crise de Mark Finley pela Casa Publicadora Brasileira Tatui (2021)
>>> É Apenas o Vértice do Mundo Interior de Vladmir Pablik pela Não encontrada
>>> Como Avaliar um Livro Didático: Língua Portuguesa de Francisco Gomes de Matos; Nelly Carvalho pela Pioneira (1984)
>>> Ondas: um dia de nuvens listradas vindas do mar de KAtia Maciel pela Mis (2009)
>>> Experiências Inovadoras de ensino e aprendizagem de Edson Sadao Iizuka pela Tikinet (2015)
>>> Estado, Governo e Sociedade de Norberto Bobbio pela Paz e Terra (2012)
>>> As crianças mais Inteligentes do Mundo e como elas chegam lá de Amanda Ripley pela Três Estrelas (2014)
>>> Gestão de Custos e Formação de Preços 461 de Adriano Leal Bruni pela Atlas (2010)
>>> Ultra Metabolismo 461 de Mark Hyman pela Sextante (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/7/2005
Se o Lula falasse inglês...
Andréa Trompczynski
+ de 9700 Acessos
+ 12 Comentário(s)

Tudo seria diferente se o Lula falasse inglês. Que atire o primeiro pote de barro quem discordar de que não passamos de, como dizia Assis Chateaubriand, uns índios botocudos. Digo isso porque, nos últimos dias, hospedei um amigo de educação britânica e, por muitas vezes, quis enfiar minha cabeça num cesto.

Também morei numa cidade de colonização britânica por um certo tempo, e percebi que o aprendizado da língua inglesa é bem mais que apenas um idioma. É uma questão de educação, polidez e respeito ao próximo. No início, a rudeza tende a gritar contra o excesso de boas-maneiras e saímos a defender nosso país. Depois, a britanidade vence. A maneira como eles se importam se você está ou não apreciando seu chá não é uma superficialidade, eles realmente estão se importando com isso. Aquele círculo de individualidade que aprendemos nas aulas de inglês, que não se deve invadir, cerca de um metro, torna um abraço algo de um valor inestimável. Há coisas engraçadas na língua, como os adultos entarem sempre indo up em tudo: wake up, get up, e as crianças, forçadamente, tendo que irem down: slow down, calm down, sit down.

E se não fazem certas coisas que por aqui andam fazendo, é por elegância e respeito ao próximo, palavras que, para alguns, nada significam. A polidez, como o nome diz, é, sim, superficial, mas, como hábito, ela se torna uma característica profunda da personalidade e quando eles lhe perguntarem se você está apreciando seu dia, creia, eles desejam realmente saber.

Se o Lula falasse inglês e tivesse assimilado um pouco da cultura britânica, teria me poupado uma grande vergonha. Meu amigo aqui estava quando o Lula apareceu numa entrevista ao Fantástico. "Este é o seu Presidente?", ele perguntou. Baixei os olhos, dizendo que sim, aquele era meu presidente. Ele poupou-me, sem dúvida, dos comentários, mas nem foi necessário dizer que Lula se sentava como se estivesse num churrasco com amigos na laje de sua casa. Gesticulava por demais para um Presidente da República. Depois, no mesmo programa, Lula apareceu falando em português para uma platéia de língua inglesa. Vexame, o presidente de uma nação continental não falava inglês. Por sorte, meu amigo não entendia tão bem o português para perceber os deslizes de nosso presidente até mesmo na língua pátria.

Antes do programa terminar, tentei diminuir o problema e contar a ele a história de tempos áureos onde tivemos um presidente sociólogo, que perguntava, antes de discursar, fosse aonde fosse: "em que língua quereis que vos fale?", mas, começara a reportagem sobre o dinheiro dentro das cuecas e malas e pensei que ele não iria mesmo acreditar.

Fui para a rede dormir, sem ao menos tirar a tinta de beterraba do corpo.

Um livro esplêndido
Pequeno Dicionário de Percevejos, coletânea dos melhores contos de Nelson de Oliveira, tem somente um defeito: poderia ser mais resistente. Porque eu o apertei em muitos momentos, acariciei sua capa, andei com ele pela rua junto ao coração, por isso, ele está a se desmanchar um pouco. Nelson, artesão e musicista da palavra, não é um homem, é vento, como o menino-vento que foi no conto "Éramos Todos Bandoleiros". Tem que se ler em voz alta, como os loucos.

"Literatura é morder o próprio rabo - em público. E há senhores que fazem isso há tanto tempo - às favas o pudor! - que já passaram a embolsar, sem enrubescer, altas somas de dinheiro pelo espetáculo. Literatura é pão e circo - instante em que o grotesco deixa de ser obsceno." (Nelson de Oliveira)

Um livro péssimo
Alguns tradutores deveriam ser banidos: "Algumas redes rasgadas secavam ao sol", em O Enigma Maria Madalena, de Gerald Messadié, tradução de Maria Helena Kühner, fez-me lembrar de de "o rato roeu a roupa do rei de Roma". "Três homens calafetavam um barco com nafta", lembrou-me outra dessas brincadeiras de infância. Mas, cada livro tem o tradutor que merece. Este conta a história de um Jesus que não morreu na cruz, ficou curando as feridas, protegido e escondido por todos e viveu até a velhice. Prefiro a Bíblia. Ou, se é para criar histórias sobre Jesus, leio O Código da Vinci.

Inglês Enrolation
Num comercial de cerveja, o rapaz se depara com uma linda loira americana e seu cérebro procura palavras em inglês para poder flertar com a garota. Obviamente, não encontra e decide pela língua "enrolation". Descobri que a "enrolation" não é uma opção preguiçosa apenas do rapaz. Os empregados das companhias aéreas têm um inglês sofrível, e, pelo que tenho visto, a maioria das pessoas está como a personagem do filme Terminal.


Ainda sobre o filme Terminal
Vemos a Krakhovia explodindo e nem sequer sentimos vergonha. Dizemos, orgulhosos: "oh, é a nossa casa, as praias são lindas. E tem carnaval e futebol." Quanto a mim, volto em breve para aquela linda cidade de colonização britânica. Sem levar nenhuma saudades da Krakhovia a explodir. Este país é carnaval e futebol.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 28/7/2005

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. As urbes e o pichador romântico de Pilar Fazito


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andra Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Para amar Agostinho - 26/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/7/2005
03h01min
já estaria ótimo! Mas, nem isso! Nosso presidente mostrou que para administrar um país, além de ser um exímio na área, também é preciso ter, ao menos, um pouco de cultura (para não dizer MUITA cultura).
[Leia outros Comentários de FrOg]
29/7/2005
11h59min
Parece que o problema do Lula está sempre na língua... Talvez fosse melhor se ele não falasse. Quanto a polidez britânica, eu fico suspeitando depois que conheço os adolescentes ingleses que passavam o verão em Manhattan. Parecem mini-hooligans... Em Londres, a polidez britânica se resume as altas castas da sociedade. E é isso que falta no Brasil. Altas castas de qualidade. Nossas altas castas são xinfrins e vagabundas. :).
[Leia outros Comentários de Ram]
29/7/2005
16h05min
Creio que o ponto relevente dessa história toda a respeito do nosso presidente não seja a maneira com que se expressa. Se ele se porta como um operário ou um lord, ou ainda se gosta de cachaça e torce para o Corinthians. O que importa são ações de governo, que tragam prosperidade e perspectiva de crescimento para a população. O que todos deveriam lembrar é do lado profissional do governo de Lula. Mas, até aqui, isso deixa a desejar.
[Leia outros Comentários de Sergio Capozzielli]
30/7/2005
00h45min
Longe de mim a intenção de defender o Lula, que aliás julgo péssimo presidente, mas não concordo com ser vexame o fato de o presidente de uma nação continental não falar inglês. A propósito, além do inglês, que outro idioma fala o Sr. Bush, um homem que, antes de tomar posse como presidente, jamais estivera na Europa? O Lula é primário, mas, por incrível que pareça, perto de certos "vultos" da atualidade, não fica muito mal.
[Leia outros Comentários de José L. Fernandes]
30/7/2005
22h51min
"Fui para a rede dormir, sem ao menos tirar a tinta de beterraba do corpo." Querida Andréa: Escrevo entre os acessos de riso e, provavelmente, não esquecerei tão cedo desta fabulosa expressão. Permita-me roubá-la na primeira oportunidade. Um grande abraço Daubi www.clicerechim.com.br
[Leia outros Comentários de Daubi]
1/8/2005
01h02min
Andrea, continuo te lendo. Não é que eu queira defender o Lula. Acho que aí há uma questão de gosto. Um dos comentários já falou no monoglota(?) Bush. Por outro lado, o FHC era poliglota, falava inglês, francês, o escambau. Será que foi um presidente melhor?
[Leia outros Comentários de Jose Alfredo]
2/8/2005
00h21min
Sem comentários, Andrea. Não defendo nem um pouco o Lula ou qualquer outro presidente. Eles estão lá para trabalhar e não para receber apoio, assim como nós trabalhamos não porque recebemos apoio, mas ou porque gostamos, ou porque necessitamos, etc. Mas odiei o texto. Assim como demonstras claramente o teu preconceito por alguém não falar tal língua, tomar chá ou ser metódico, tomo a liberdade de dizer que odiei o texto, por não me transmitir nada além de um incômodo muito pessoal teu. Uma coisa é questionares o fato do cachorro do vizinho ameaçar a vida de teu filho de cinco anos. Isto sim, vai lá, é uma questão relevante, acredito. Outra coisa e não te agradares com o telhado da casa dele, com o tamanho de seu nariz ou algo do tipo. Guarde isto com você, não interessa. Conviva com aquilo. É a minha opinião sobre assuntos deste interesse. Eu sou o outro vizinho, que só tomou a liberdade de te dizer isto porque começaste. Prefiro que mudes um pouco a maneira de educar teus filhos, aliás, e, entre nós (disfarçando o riso), pra mim o telhado da tua casa é tão feio quanto o do outro vizinho. Beijão, Andrea, escreve se puder
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
7/8/2005
23h03min
Excelentes os comentários. São bem claros: feitos por maus brasileiros, ou brasileiros frustrados por não serem americanos ou ingleses. Do tipo que acha que Londres ou Miami são Meca. Educação inglesa? Leia a história inglesa na India e na Africa e vc verá o que é a cortesia inglesa. Quanto ao fato de alguém se sentar assim ou assado é café pequeno. Posso me sentar até de ponta cabeça, o que importa é a moral e ética, palavras antigas e em desuso em Patropi. Os comentários deixam claro que pensamos como colonizados e que nosso sentimento de inferioridade está cada vez mais forte. Mas isso é histórico e a meu ver incurável.
[Leia outros Comentários de Phylos]
16/8/2005
19h30min
Parei de ler seu artigo quando você comentou que se envergonhou do Lula por ele se portar não adequadamente, como deveria um presidente da nação. Puxa, o que eu gosto no Lula (e olha que adoro gente educada e também já estive em Londres por duas vezes e adoro os britânicos, com sua educação e polidez) é o fato de ele ser espontâneo, ter vindo do nada e galgado tais degraus. Não tenha vergonha do Lula; seria ter vergonha de ser pobre. Vivemos num país em desenvolvimento que já foi muito pobre. Não se esqueça de suas origens porque hospedou um britânico em sua casa; não se esqueça das estrepolias do príncipe Charles. Somos todos humanos, uns mais ricos e bem comportados, outros menos. Abraço!
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
26/8/2005
10h48min
E o que pensar dos "povos bárbaros", que não falavam latim na época do Império Romano?
[Leia outros Comentários de José Mrcius]
30/8/2005
09h10min
Quantos idiomas fala George Bush, o presidente da nação mais poderosa do planeta? Abraço!
[Leia outros Comentários de Títo]
4/9/2005
12h50min
Lula fala meio idioma. Bush fala bem dois idiomas. Lula não foi à escola, e se recusa a aprender qualquer coisa, citando livros de auto-ajuda como guia para administrar um país do tamanho do Brasil. Bush tem um diploma de Yale, com CR melhor que Kerry, e um MBA da Harvard. Por pior aluno que ele tenha sido, ele aprendeu alguma coisa nestas aulas todas... Eu nem concordo com a política do Bush, mas ele está a anos luz do nosso querido Lula. Imagina só se o Bush fizesse (e falasse) 1/10 do que o Lulinha "Comando Para Matar Celso Daniel" fez, ele estaria na penitenciária... Não tem nada de errado ir a Yale e fazer MBA em Harvard. É infinitamente melhor que largar a escola na sexta série.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Pequena Porta-estandarte
Daniel Renard
Seed
(1996)



Dietoterapia na Prática Médica
Nilton M. Braga de Oliveira
Cultura Médica
(1975)



Life Beginner A1 Workbook com CD
Helen Stephenson
Cengage Learning



Livro - O Luxo Eterno; da Idade do Sagrado ao Tempo das Marcas
Gilles Lipovetsky
Companhia das Letras
(2005)



Gordelícias
Simone Gutierrez - Cacau Protásio - Mariana Xavier - Fabiana Carla
Academia
(2017)



Becky Bloom - delírios de consumo na 5ª avenida
Sophie Kinsella
Record
(2004)



Grandes Monumentos da Humanidade 8
Vários Autores
Delta
(1982)



Maintenance Practices in Today's Paper Industry
Ken L. Patrick
A Pulp Paper



Administração da Produção
Joseph G. Monks
Mc Graw Hill
(1987)



A Preface to Milton
Lois Potter
Longman
(1971)





busca | avançada
58271 visitas/dia
1,3 milhão/mês