Desenhando desde criança | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2009
Desenhando desde criança
Diogo Salles

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Diogo Salles © 1986

Todo artista, quando vai falar de si ou de seu trabalho, invariavelmente, se rende ao velho clichê "eu desenho desde que me entendo por gente". Para um profissional do traço, convenhamos, é uma maneira muito pobre de ilustrar a própria história. Sempre procurei fugir desse roteiro que começa e termina num lugar-comum. Claro que estamos falando de um dom que se manifestou desde cedo ― é assim com todo mundo que desenha profissionalmente. Mas recorrer ao clichê sempre deixa o interlocutor com pensamentos vagos, sem as tais imagens que falam mais do que mil palavras.

Foi através da minha mãe que herdei o gene artístico. E ela logo percebeu isso, procurando me instigar, me colocando em aulas de artes desde cedo. Gostaria muito de ter guardado desenhos que fiz nessa época, mas, infelizmente, nunca fui um guardião ferrenho da minha própria arte. O único trabalho que resistiu ao tempo foi esta pintura a guache sobre entalhe em madeira ― feita aos dez anos de idade ― que você vê acima. De qualquer forma, ela não dá a idéia exata do que estou falando. E agora precisarei bem mais do que mil palavras para que você visualize o quadro todo.

Uma das minhas recordações mais nostálgicas é quando eu, ainda guri, usava uma pedra, telha ou tijolo para desenhar no asfalto. As dimensões daquele pedaço de asfalto eram muito maiores do que qualquer cartolina. As possibilidades, enfim, poderiam ir ao infinito. Ou quase, se por ali não passassem carros. Eu via aquilo de uma maneira bem pessoal. A pedra era o giz e o asfalto, a minha lousa. Eu desenhava o contorno da minha mão, desenhava o contorno das sombras de outras pessoas, desenhava quadrinhos, personagens de desenhos animados, linhas de campos de futebol. Não havia regras para nada. O chão era o limite ― e o espaço parecia sempre insuficiente.

Quando eu ia à praia, o processo se repetia. Eu usava gravetos (ou o dedo) para desenhar na areia mais próxima ao mar. Ali não passavam carros. Ótimo. Eu tinha quilômetros de praia à minha inteira disposição. O problema é que, quando a maré subia, apagava tudo em segundos. Quando eu não gostava do desenho, tudo bem, mas quando eu gostava da "obra", ficava imaginando meios de eternizá-la. Não tinha jeito. A maré não fazia distinção alguma entre o que eu julgava belo ou feio.

No asfalto, ao menos, eu podia selecionar melhor minha exposição, pois eu usava uma tecnologia altamente avançada para "deletar" esboços e rabiscos indesejáveis: água da torneira ligada à mangueira. Isso é o mais gostoso de lembrar: de como tudo era tão básico, tão rústico. Um artista ainda em gestação, idéias malucas, uma pedra... e o chão, simplesmente. Arte em estado mais orgânico, impossível. Hoje, quando me vejo escravo da tecnologia, do Photoshop, da tablet, procuro me lembrar desses dias, para tentar reencontrar o básico, arejar a cabeça e buscar novas idéias. A tecnologia proporciona ferramentas fantásticas, mas não podemos fazer da arte sua refém.

Ainda me recordo que, lá pela quarta série, havia a aula de "Estudos Sociais". Dona Sueli era uma professora muito exigente. Dura, quando necessário, mas querida e respeitada. Bem, eu não tinha do que reclamar, pois uma das tarefas semanais era desenhar num caderno os temas dados em classe. A cada nova matéria dada, todos se desesperavam. "Como vou desenhar isso?", diziam os mais apocalípticos. Para mim era só festa. Já nessa época eu pegava referências de cartuns e dos quadrinhos que eu colecionava e tentava fazer do meu jeito. Seria um prenúncio para a charge? É bem possível.

Na entrega dos trabalhos, Dona Sueli era implacável com trabalhos feitos "nas coxas". Sua caneta "Pilot" vermelha era lacônica e letal: "Refazer!". Comigo ela sempre se derretia em elogios. Era a única aula onde eu desfrutava de algum prestígio, já que nas outras matérias eu não passava de um aluno mediano. Logo me tornei uma espécie de consultor dos trabalhos dos colegas. Ajudava a alguns com dicas, ajudava outros a desenhar uns detalhes, deixava que copiassem de mim... Tudo bem. Dona Sueli sabia de tudo, claro, mas se eu fizesse o trabalho inteiro para alguém, ela pegaria.

Tudo ia bem até o dia em que, inebriado pela soberba, deixei meu reinado ruir. Comecei a achar que não precisava me esforçar muito para ser "o cara". Fiquei desleixado. Nova entrega de trabalhos e, antes de começar, Dona Sueli adiantou que a classe estava de parabéns e que só houve um único "refazer". Alívio geral ― e curiosidade, para saber quem era a bola de vez. Para mim, pouco importava. Era só esperar por mais um momento de glória. E todos sendo chamados, um a um. Nada do meu nome surgir. Estranho. Será que meu dia do "refazer" havia chegado? Fui o último a ser chamado. Sim, era eu. Dona Sueli disse, perante a uma classe estarrecida, que eu podia fazer muito melhor do que aquilo e que estava muito decepcionada comigo. REFAZER, em letras garrafais. Fim da aula. Ninguém acreditava. Toda a classe correu para ver o meu trabalho. Alguns até trouxeram os seus para comparar. O meu era o melhor, segundo o consenso. Ninguém conseguia explicar o que tinha acabado de acontecer. A única explicação que encontrei ali era que Dona Sueli sempre cobraria muito mais de mim do que de um aluno que não sabia desenhar. Se você sabe fazer melhor, então faça melhor ― esse parecia ser o recado. Lição aprendida.

Alguns anos mais tarde, aos 13 anos, fiz um curso de artes onde eu desenhava no estúdio do professor. Em meio a uma imensa mesa posava uma mulher nua para que todos estudassem as formas, o volume, luz e sombra etc. Único moleque do curso, eu era imaturo demais para encarar alguém que estava pelado a poucos metros e fingir normalidade. Às vezes eu queria rir. Em outras, eu pensava em zombar da modelo no papel ― o que eu poderia chamar de primeiro impulso à caricatura. Por sorte, não o fiz (não era a hora). Todas as outras alunas (mulheres, em grande maioria) já eram adultas (algumas com a idade da minha mãe) e levavam aquilo a sério. Estavam lá para trabalhar, não para brincar. Se tivesse alguém da minha idade lá, nem sei o que poderia ter acontecido. Naquela época o sadismo já começava a se manifestar no meu traço. Bastaria outro garoto mal-intencionado ao meu lado para que coisas terríveis acontecessem. Por sorte, escapamos todos ilesos.

Mas foi nesse curso que descobri possuir um dom que hoje, vinte anos depois, ainda uso no trabalho. Ao final da aula, o professor sempre fazia uma espécie de "rali", onde a modelo mudava de pose a cada 30 segundos e cada um se virava como podia para desenhá-la do jeito que fosse possível. Ali descobri uma rapidez e fluência que eu nem imaginava que tinha ao desenhar. Hoje, de certa forma, lanço mão desse recurso para fazer caricaturas ao vivo.

É engraçado, hoje, lembrar de todas as influências, desde os primórdios. No começo eram os personagens do Mauricio de Sousa e do Walt Disney, onde eu até conseguia imitar bem os traços. Mas eu tentava, sempre sem sucesso, reproduzir a arte final dos desenhos. Depois vieram os quadrinhos de heróis, mas não me tornei um grande colecionador. Eu preferia imaginar enredos de ação e violência e simplesmente desenhar, sem um roteiro definido. Curioso é que eu nem me preocupava em mostrar aos outros o resultado. Era só desenhar, por gosto, sem compromissos, sem julgamentos. Na pré-adolescência, sucumbi às tentações dos desenhos pornográficos. Minha diversão era desenhar personagens famosos praticando sexo selvagem. Mais tarde, já no colegial, comecei a ensaiar as primeiras caricaturas e os alvos preferenciais eram, obviamente, os professores. Gargalhada geral. Mas eu queria ir além. Comecei a desenhar os colegas de classe. Alguns se incomodaram no início, mas depois aceitaram a brincadeira.

Porém, algo se perdeu no meio do caminho. Passaram-se alguns anos em que o desenho ficou adormecido, relegado à condição de um mero adereço que eu possuía. Minha disposição em me tornar um profissional "competitivo" no "mercado de trabalho" não mais condizia com a atitude infantil de desenhar cartuns. Não por acaso, esse período é o que eu mais renego em toda a minha vida. O desenho não era um acessório que eu poderia optar por usar (ou não) naquele utópico emprego que nunca vinha. O desenho já era o "emprego". Sempre foi. Mais uma lição aprendida: não tente ser outra pessoa, seja você mesmo. Por mais que tentemos, jamais poderemos fugir de quem realmente somos.

Sempre tive ojeriza a essa obrigação de ser o melhor, de ter que competir com todo mundo para mostrar que somos os primeiros da fila. E não por que eu tenha encarnado o loser ou por que me falte autoconfiança (muito pelo contrário), mas porque sempre acreditei que a grande competição da vida de um ser humano é consigo mesmo. Vivo torcendo o nariz para desenhos antigos, raramente me dou por satisfeito com o resultado de uma charge ou caricatura. Sempre acho que eu posso fazer melhor. Procuro sempre a autosuperação, sem jamais esquecer da autocrítica. Só recentemente, Millôr Fernandes abriria os meus olhos para essa questão: "O humor é a vitória de quem não quer concorrer".

Minha mãe sempre reprovou certas atitudes minhas quando criança. A pior delas, segundo sua ótica, era a minha predileção pelo escatológico. Sempre me contorcia em risadas convulsivas com piadas de pum, arroto, cocô, meleca e tudo o que fosse contra as regras da etiqueta e da higiene. Alguns desenhos meus refletiam essa estranha devoção. Os anos se passaram e muita coisa mudou. Deixei de lado alguns hobbies bastante discutíveis ― como brigar com os meus irmãos e brincar com fogo ― mas continuei a cultivar a escatologia, que se revelaria patológica. Mas tudo o que é ruim sempre pode piorar: fiz do escatológico a minha profissão. Na charge política posso desenhar coisas muito mais nojentas do que pum, arroto, cocô ou meleca... E ainda ganho dinheiro com isso.


Diogo Salles
São Paulo, 20/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
02. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
03. Um Oscar para Stallone de Luís Fernando Amâncio
04. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait
05. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/1/2009
20h48min
Diogo, me emocionei com o seu texto. Em especial por ser uma testemunha de toda esta caminhada. Me orgulha saber que, desde o parágrafo no qual você relata os desenhos escolares, estou acompanhando sua trajetória. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
1/2/2009
01h35min
Gostei do seu texto, eh muito original. Eu sempre tive vontade de desenhar e nunca consegui aprender rs
[Leia outros Comentários de João Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês