Desenhando desde criança | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2009
Desenhando desde criança
Diogo Salles

+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Diogo Salles © 1986

Todo artista, quando vai falar de si ou de seu trabalho, invariavelmente, se rende ao velho clichê "eu desenho desde que me entendo por gente". Para um profissional do traço, convenhamos, é uma maneira muito pobre de ilustrar a própria história. Sempre procurei fugir desse roteiro que começa e termina num lugar-comum. Claro que estamos falando de um dom que se manifestou desde cedo ― é assim com todo mundo que desenha profissionalmente. Mas recorrer ao clichê sempre deixa o interlocutor com pensamentos vagos, sem as tais imagens que falam mais do que mil palavras.

Foi através da minha mãe que herdei o gene artístico. E ela logo percebeu isso, procurando me instigar, me colocando em aulas de artes desde cedo. Gostaria muito de ter guardado desenhos que fiz nessa época, mas, infelizmente, nunca fui um guardião ferrenho da minha própria arte. O único trabalho que resistiu ao tempo foi esta pintura a guache sobre entalhe em madeira ― feita aos dez anos de idade ― que você vê acima. De qualquer forma, ela não dá a idéia exata do que estou falando. E agora precisarei bem mais do que mil palavras para que você visualize o quadro todo.

Uma das minhas recordações mais nostálgicas é quando eu, ainda guri, usava uma pedra, telha ou tijolo para desenhar no asfalto. As dimensões daquele pedaço de asfalto eram muito maiores do que qualquer cartolina. As possibilidades, enfim, poderiam ir ao infinito. Ou quase, se por ali não passassem carros. Eu via aquilo de uma maneira bem pessoal. A pedra era o giz e o asfalto, a minha lousa. Eu desenhava o contorno da minha mão, desenhava o contorno das sombras de outras pessoas, desenhava quadrinhos, personagens de desenhos animados, linhas de campos de futebol. Não havia regras para nada. O chão era o limite ― e o espaço parecia sempre insuficiente.

Quando eu ia à praia, o processo se repetia. Eu usava gravetos (ou o dedo) para desenhar na areia mais próxima ao mar. Ali não passavam carros. Ótimo. Eu tinha quilômetros de praia à minha inteira disposição. O problema é que, quando a maré subia, apagava tudo em segundos. Quando eu não gostava do desenho, tudo bem, mas quando eu gostava da "obra", ficava imaginando meios de eternizá-la. Não tinha jeito. A maré não fazia distinção alguma entre o que eu julgava belo ou feio.

No asfalto, ao menos, eu podia selecionar melhor minha exposição, pois eu usava uma tecnologia altamente avançada para "deletar" esboços e rabiscos indesejáveis: água da torneira ligada à mangueira. Isso é o mais gostoso de lembrar: de como tudo era tão básico, tão rústico. Um artista ainda em gestação, idéias malucas, uma pedra... e o chão, simplesmente. Arte em estado mais orgânico, impossível. Hoje, quando me vejo escravo da tecnologia, do Photoshop, da tablet, procuro me lembrar desses dias, para tentar reencontrar o básico, arejar a cabeça e buscar novas idéias. A tecnologia proporciona ferramentas fantásticas, mas não podemos fazer da arte sua refém.

Ainda me recordo que, lá pela quarta série, havia a aula de "Estudos Sociais". Dona Sueli era uma professora muito exigente. Dura, quando necessário, mas querida e respeitada. Bem, eu não tinha do que reclamar, pois uma das tarefas semanais era desenhar num caderno os temas dados em classe. A cada nova matéria dada, todos se desesperavam. "Como vou desenhar isso?", diziam os mais apocalípticos. Para mim era só festa. Já nessa época eu pegava referências de cartuns e dos quadrinhos que eu colecionava e tentava fazer do meu jeito. Seria um prenúncio para a charge? É bem possível.

Na entrega dos trabalhos, Dona Sueli era implacável com trabalhos feitos "nas coxas". Sua caneta "Pilot" vermelha era lacônica e letal: "Refazer!". Comigo ela sempre se derretia em elogios. Era a única aula onde eu desfrutava de algum prestígio, já que nas outras matérias eu não passava de um aluno mediano. Logo me tornei uma espécie de consultor dos trabalhos dos colegas. Ajudava a alguns com dicas, ajudava outros a desenhar uns detalhes, deixava que copiassem de mim... Tudo bem. Dona Sueli sabia de tudo, claro, mas se eu fizesse o trabalho inteiro para alguém, ela pegaria.

Tudo ia bem até o dia em que, inebriado pela soberba, deixei meu reinado ruir. Comecei a achar que não precisava me esforçar muito para ser "o cara". Fiquei desleixado. Nova entrega de trabalhos e, antes de começar, Dona Sueli adiantou que a classe estava de parabéns e que só houve um único "refazer". Alívio geral ― e curiosidade, para saber quem era a bola de vez. Para mim, pouco importava. Era só esperar por mais um momento de glória. E todos sendo chamados, um a um. Nada do meu nome surgir. Estranho. Será que meu dia do "refazer" havia chegado? Fui o último a ser chamado. Sim, era eu. Dona Sueli disse, perante a uma classe estarrecida, que eu podia fazer muito melhor do que aquilo e que estava muito decepcionada comigo. REFAZER, em letras garrafais. Fim da aula. Ninguém acreditava. Toda a classe correu para ver o meu trabalho. Alguns até trouxeram os seus para comparar. O meu era o melhor, segundo o consenso. Ninguém conseguia explicar o que tinha acabado de acontecer. A única explicação que encontrei ali era que Dona Sueli sempre cobraria muito mais de mim do que de um aluno que não sabia desenhar. Se você sabe fazer melhor, então faça melhor ― esse parecia ser o recado. Lição aprendida.

Alguns anos mais tarde, aos 13 anos, fiz um curso de artes onde eu desenhava no estúdio do professor. Em meio a uma imensa mesa posava uma mulher nua para que todos estudassem as formas, o volume, luz e sombra etc. Único moleque do curso, eu era imaturo demais para encarar alguém que estava pelado a poucos metros e fingir normalidade. Às vezes eu queria rir. Em outras, eu pensava em zombar da modelo no papel ― o que eu poderia chamar de primeiro impulso à caricatura. Por sorte, não o fiz (não era a hora). Todas as outras alunas (mulheres, em grande maioria) já eram adultas (algumas com a idade da minha mãe) e levavam aquilo a sério. Estavam lá para trabalhar, não para brincar. Se tivesse alguém da minha idade lá, nem sei o que poderia ter acontecido. Naquela época o sadismo já começava a se manifestar no meu traço. Bastaria outro garoto mal-intencionado ao meu lado para que coisas terríveis acontecessem. Por sorte, escapamos todos ilesos.

Mas foi nesse curso que descobri possuir um dom que hoje, vinte anos depois, ainda uso no trabalho. Ao final da aula, o professor sempre fazia uma espécie de "rali", onde a modelo mudava de pose a cada 30 segundos e cada um se virava como podia para desenhá-la do jeito que fosse possível. Ali descobri uma rapidez e fluência que eu nem imaginava que tinha ao desenhar. Hoje, de certa forma, lanço mão desse recurso para fazer caricaturas ao vivo.

É engraçado, hoje, lembrar de todas as influências, desde os primórdios. No começo eram os personagens do Mauricio de Sousa e do Walt Disney, onde eu até conseguia imitar bem os traços. Mas eu tentava, sempre sem sucesso, reproduzir a arte final dos desenhos. Depois vieram os quadrinhos de heróis, mas não me tornei um grande colecionador. Eu preferia imaginar enredos de ação e violência e simplesmente desenhar, sem um roteiro definido. Curioso é que eu nem me preocupava em mostrar aos outros o resultado. Era só desenhar, por gosto, sem compromissos, sem julgamentos. Na pré-adolescência, sucumbi às tentações dos desenhos pornográficos. Minha diversão era desenhar personagens famosos praticando sexo selvagem. Mais tarde, já no colegial, comecei a ensaiar as primeiras caricaturas e os alvos preferenciais eram, obviamente, os professores. Gargalhada geral. Mas eu queria ir além. Comecei a desenhar os colegas de classe. Alguns se incomodaram no início, mas depois aceitaram a brincadeira.

Porém, algo se perdeu no meio do caminho. Passaram-se alguns anos em que o desenho ficou adormecido, relegado à condição de um mero adereço que eu possuía. Minha disposição em me tornar um profissional "competitivo" no "mercado de trabalho" não mais condizia com a atitude infantil de desenhar cartuns. Não por acaso, esse período é o que eu mais renego em toda a minha vida. O desenho não era um acessório que eu poderia optar por usar (ou não) naquele utópico emprego que nunca vinha. O desenho já era o "emprego". Sempre foi. Mais uma lição aprendida: não tente ser outra pessoa, seja você mesmo. Por mais que tentemos, jamais poderemos fugir de quem realmente somos.

Sempre tive ojeriza a essa obrigação de ser o melhor, de ter que competir com todo mundo para mostrar que somos os primeiros da fila. E não por que eu tenha encarnado o loser ou por que me falte autoconfiança (muito pelo contrário), mas porque sempre acreditei que a grande competição da vida de um ser humano é consigo mesmo. Vivo torcendo o nariz para desenhos antigos, raramente me dou por satisfeito com o resultado de uma charge ou caricatura. Sempre acho que eu posso fazer melhor. Procuro sempre a autosuperação, sem jamais esquecer da autocrítica. Só recentemente, Millôr Fernandes abriria os meus olhos para essa questão: "O humor é a vitória de quem não quer concorrer".

Minha mãe sempre reprovou certas atitudes minhas quando criança. A pior delas, segundo sua ótica, era a minha predileção pelo escatológico. Sempre me contorcia em risadas convulsivas com piadas de pum, arroto, cocô, meleca e tudo o que fosse contra as regras da etiqueta e da higiene. Alguns desenhos meus refletiam essa estranha devoção. Os anos se passaram e muita coisa mudou. Deixei de lado alguns hobbies bastante discutíveis ― como brigar com os meus irmãos e brincar com fogo ― mas continuei a cultivar a escatologia, que se revelaria patológica. Mas tudo o que é ruim sempre pode piorar: fiz do escatológico a minha profissão. Na charge política posso desenhar coisas muito mais nojentas do que pum, arroto, cocô ou meleca... E ainda ganho dinheiro com isso.


Diogo Salles
São Paulo, 20/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um clássico argentino de Daniel Lopes


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/1/2009
20h48min
Diogo, me emocionei com o seu texto. Em especial por ser uma testemunha de toda esta caminhada. Me orgulha saber que, desde o parágrafo no qual você relata os desenhos escolares, estou acompanhando sua trajetória. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
1/2/2009
01h35min
Gostei do seu texto, eh muito original. Eu sempre tive vontade de desenhar e nunca consegui aprender rs
[Leia outros Comentários de João Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JOY - CAPA DURA
JOY LAUREY
CÍRCULO DO LIVRO
(1992)
R$ 7,00



OPERAÇÃO RHINEMANN
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1974)
R$ 5,00



SALMOS NA LINGUAGEM DE HOJE
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL
SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL
(1979)
R$ 15,00



SEGREDOS DOS HOMENS MAIS RICOS
STEVEN K. SCOTT
THOMAS NELSON
(2011)
R$ 14,90



A COMÉDIA HUMANA
HONORÉ DE BALZAC
GLOBO
(1954)
R$ 32,11
+ frete grátis



CRIATIVIDADE EM PROPAGANDA
ROBERTO MENNA BARRETO
SUMMUS
(1982)
R$ 33,00



DESCUBRA O VALOR DO TERÇO
JOÃO MOHANA
LOYOLA
(1980)
R$ 4,00



SÉRIES MONOGRAFIAS DANTE PAZZANESE - VOL. 1 -2003
VARIOS AUTORES
REVINTER
(2002)
R$ 5,50



BRASIL O TIME QUE PERDEU A COPA E CONQUISTOU O MUNDO
PAULO ROBERTO FALCÃO
AGE
R$ 41,76



FÉRIAS DO ORFANATO
ODETTE DE BARROS MOTT
DO BRASIL S/A
(1986)
R$ 8,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês