10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 2/6/2009
10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
Diogo Salles

+ de 11500 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Arte sobre capa por Diogo Salles

O time está perdendo o campeonato. Precisa desesperadamente de um gol para levar a decisão para os pênaltis. O adversário faz cera, gasta o tempo, catimba o quanto pode. O time está cada vez mais nervoso, afobado. Os laterais nem se preocupam mais em chegar à linha de fundo. Cruzam bolas e mais bolas na área em busca de um cabeceio salvador. Já estamos nos descontos e o craque do time insiste em prender a bola, em fazer firulas e mostrar por que ele é titular da seleção brasileira. O técnico precisa tomar uma atitude. O que ele faz?

1) Anda calmamente até a beirada do campo e pede, pausada e educadamente ao jogador: "Desculpe incomodar, mas gostaria de pedir ao senhor que passe a bola ao seu companheiro mais bem-colocado. Muito obrigado".

2) Corre até a beira do gramado (quase invadindo o campo) e berra: "Caralho! Passa a bola, seu fominha filho da puta!"

Não há registros de que tenha existido alguém tão obsequioso como esse técnico imaginário da opção 1. E olha que, no futebol (especialmente no brasileiro), já aconteceu de tudo. Gandulas invadindo o campo e impedindo gols do adversário, jogador recebendo dois cartões amarelos no mesmo jogo, teve até juiz fazendo gol... Não dá pra imaginar que qualquer boleiro ou torcedor jamais tenha ouvido (ou dito) um palavrão num jogo. Quem nunca mandou o bandeirinha tomar no cú por causa daquele impedimento mal-marcado? É por isso que as mães dos árbitros se tornaram as figuras mais lembradas dentro de um estádio. Quem já foi a um jogo sabe muito bem do que estou falando: o palavrão, no calor jogo, é inevitável.

Causou polêmica aqui em São Paulo a atitude da Secretaria de Educação do Estado de distribuir, para alunos da 3ª série, o livro Dez na área, um na banheira e ninguém no gol (Via Lettera, 2002, 112 págs.). O livro é uma compilação de HQs (histórias em quadrinhos) e foi organizado por Orlando Pedroso, ilustrador da Folha de S. Paulo. Lançado às vésperas da Copa de 2002, contou com cartunistas premiados como Allan Sieber, Spacca, Osvaldo, Custódio, Fábio Moon e Gabriel Bá. Com um timaço desses, era improvável que o livro se tornasse uma cartilha politicamente correta ― ainda bem.

Curioso é que, já no prefácio, o ex-craque e atual cronista Tostão deixa a dúvida no ar: "Faltava uma obra como essa para crianças e adultos". Logo na primeira história, Lélis ambienta um clássico jogado no presídio. E não demoraria muito para acusarem o livro de "fazer apologia ao PCC". Mais para frente, Caco Galhardo satiriza as mesas redondas, misturando futebol com "piadas de conotação sexual", como foram classificadas. De fato, não é mesmo um livro adequado para crianças de 9 anos. Para o público adolescente, porém, é uma ótima leitura. Mas falemos disso mais tarde...

O tratamento que a mídia deu a esse episódio foi um caso à parte. Quando saiu a notícia, seria o mínimo esperar que entrevistassem o responsável pela publicação ou alguém da Associação dos Cartunistas do Brasil, certo? Nada disso, partiram logo para a caça às bruxas. E não demoraria muito para vermos alguns dos cartunistas que colaboraram no livro dando entrevistas e tendo de explicar um dano que eles nem sequer causaram. Foi patético ver gente como Ratinho criticando o livro ― logo ele, que nunca economizou palavrões em horário nobre na TV. Se boa parte da imprensa foi míope ao cobrir o assunto, o mesmo não podemos dizer do Blog dos Quadrinhos, que teve equilíbrio, ponderou ambos os lados e, principalmente, não enxerga o quadrinho de uma forma depreciativa e infantilizada.

Em meio a tanta controvérsia, um consenso surge entre as discordâncias: a Secretaria de Educação foi incompetente e extremamente infeliz na escolha do livro. É fato que quem escolheu o livro, não o leu. Desculpem a pergunta, mas seria plausível dizer que muitos outros livros escolhidos também não tenham sido lidos? Ou será que rola um jabá nas secretarias dos governos? De qualquer maneira, é muito mais fácil culpar os quadrinistas pelo conteúdo "profano" do livro do que assumir qualquer responsabilidade por mais esse erro crasso. Se tem alguma coisa que foi mesmo "um horror" e "de muito mau gosto", foi o diálogo entre a jornalista Carla Vilhena e governador José Serra no SPTV.

É até estranho lembrar que quando eu era moleque (lá nos jurássicos anos 80), eu jogava bola na rua, colecionava figurinha e lia gibis do Mauricio de Sousa. As opções eram bem mais limitadas. Hoje a molecada está muito mais "antenada" nas tecnologias ― e, por isso mesmo, mais distante dos livros. Com a internet há muito mais acesso à informação e mais opções de entretenimento, com games, jogos on-line, celulares turbinados, perfis em redes sociais, vídeos no YouTube. Se aos 12 anos eu já via filmes pornô e só desenhava coisas pornográficas durante as aulas (do tipo Pato Donald enrabando a Margarida e etceteras), é muito pouco provável que a garotada de hoje não faça nada parecido (isso se não fizerem pior).

Mais estranho ainda é que, logo aqui, em pleno país da bunda, a sociedade se escandalize com a leitura do Dez na área, mas não reclame de dançarinas de palco mostrando seus úteros em programas dominicais na TV. Ou que participantes de reality shows façam uma "sessão privê" para que os assinantes do pay-per-view assistam tudo, sem cortes, ao lado de suas famílias. Outro dia fui numa festa de uma criança de 6 anos num desses buffets infantis e não pude deixar de reparar na trilha sonora que rolava por lá, cuja letra dizia o seguinte: "Beijo na boca é coisa do passado/ a moda agora é... é namorar pelado". Me corrijam se estiver errado, mas esses programas de TV e músicas popularescas não têm nenhuma conotação sexual? Não sei vocês, mas eu prefiro mil vezes ver crianças lendo Dez na área do que vê-las descer "na boquinha da garrafa" ou "ficando atoladinhas".

Quer saber? Talvez seja melhor mesmo levar as crianças para a igreja, para que rezem mais e fiquem longe das perversões desses quadrinistas (ardam no inferno, seus tarados!). Se forem corretamente catequizadas, aprenderão logo cedo sobre o não-uso da camisinha e poderão engravidar e ter filhos antes mesmo de chegar à puberdade. Só não se esqueçam de esconder da criançada todos os crimes praticados pela igreja, senão elas vão achar que a pedofilia também é uma coisa normal...

Tudo bem que estou um pouco velho para isso, mas eu consigo me ver com 15 anos lendo Dez na área. E, se eu tivesse um filho adolescente, recomendaria a leitura sem problema. Lembro que, no primeiro colegial, tive de ler Dom Casmurro para depois fazer uma prova a respeito. Só não me lembro se tirei zero ou colei nessa prova, pois, por muitos e muitos anos, não guardei um único registro da história contida no livro. A única coisa que ficou gravada na minha memória é que uma menina que sentava perto de mim tinha anotado em sua agenda "Prova: Domcas Murro". Quando tive de ler Machado de Assis na marra, aquilo me marcou negativamente. Para mim, era mais uma lição de casa, chata e obrigatória como todas as outras. O resultado não poderia ter sido mais desastroso. E só agora, quase vinte anos depois (é, estou velho mesmo), estou podendo reparar esse erro. Acho que eu não estava preparado para Machado de Assis ― não daquele jeito. Claro que todos nós devemos ler e conhecer os cânones, mas enfiar literatura goela abaixo não resolve o problema (não resolveu para mim).

Que me perdoem os ortodoxos, mas já passou da hora de reconhecer que esse método de ensino está falido, a começar pelo processo de seleção das bibliotecas (se é que existe mesmo algum). Já passou da hora também de enxergar as HQs de forma menos paternalista. Pode-se argumentar que os quadrinhos são "cultura de massa" ― o que é verdade ―, mas não podemos esquecer que eles também podem ser literatura. A cada dia chegam ao mercado novas adaptações literárias ― as últimas são O pagador de promessas e Jubiabá. Basta escolher com cuidado. Como fazer crianças e adolescentes se interessarem por livros? Essa é a grande pergunta. Talvez apostar e investir mais em graphic novels de grandes autores seja mesmo o caminho. Deixar de lado o falso moralismo também vai ajudar muito. Demorou um pouco, mas a adaptação de O Alienista entrou enfim para o PNBE e certamente será uma maneira muito mais palatável de introduzir Machado de Assis à garotada. O que sabemos é que se insistirem nessa teoria engessada de aplicar provas sobre livros, vão continuar perdendo de goleada para a internet e para o videogame (aliás, esse método é tão anacrônico que já caiu para a segunda divisão há muito tempo). Está na hora de pensar em outras maneiras de botar essa molecada para descobrir o prazer da leitura. Caso contrário, cada vez mais veremos batalhões de adolescentes obesos pendurados no MSN o dia inteiro.

Para encerrar, tomo aqui a liberdade para recomendar a você, leitor (e aos adolescentes) o livro Dez na área, um na banheira e ninguém no gol ― com certeza, uma leitura ducaralho.

Para ir além






Para ir mais além ainda
Actions & Comics: Mega post de HQ nacional (mais de 3,43 GB de HQ).


Diogo Salles
São Paulo, 2/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
05. A utopia das paredes de vidro de Carla Ceres


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
03. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/6/2009
11h39min
Diogo, infelizmente a sociedade é hipócrita e aceita as bobagens que a TV passa, mas condena os quadrinhos como se fosse o mal encarnado! Quanto à secretária de educação, esse problema com o álbum não é o primeiro e nem será o último! É só lembrar dos dois paraguais, que, segundo o Serra, foi um erro simples! Imagina se fosse complexo, né? Quanto ao quadrinhos, da minha parte, vou continuar a usar, mesmo que ele tenha passado para o lado negro da força!!! :) Parabéns pelo texto e Sucesso!!!
[Leia outros Comentários de Cláudia Dans]
2/6/2009
21h43min
Dá-lhe, Diogo! Eu vi o fim da Guerra Fria, eu vi o Muro de Berlim desabar, eu via a URSS se estilhaçar, eu vejo o neoliberalismo naufragando, contundo e contido, afinal, quando verei este lero-lero do politicamente correto (bando de bundões) desaparecer da face do planeta Terra?! Adorei o artigo, Diogo! Abs do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
4/6/2009
21h37min
Muito legal o comentário do Sílvio Medeiros, acima. Assino! Olha, confesso que, de início, estive entre os que malharam o erro de avaliação da secretaria. Embora continue criticando por não ser exatamente uma obra para crianças, eis que me vejo de olhos abertos para outro episódio de imbecilidade coletiva. É o politicamente correto! Viva a leitura! Viva os quadrinhos!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
20/6/2009
11h54min
O problema é que seu filho não vai falar os palavrões só pra você. Vai falar para as professoras dele. E eu, como professora, não falo palavrões em classe e não aceito ouvir também. Ao que parece, estou educando seu filho por minha conta, não? Coitado dele.
[Leia outros Comentários de Barbara Pollac]
25/6/2009
23h12min
Fantástico! Se o livro é bom eu não sei, não li, mas seu texto está perfeito. Concordo com tudo, inclusive com o ótimo comentário do Silvio Medeiros. Barbara, no texto o Diogo critica que esse livro tenha sido passado para crianças de 9 anos, acho que você não entendeu.
[Leia outros Comentários de Hoel Sette]
29/9/2009
08h22min
Os palavrões fazem parte da nossa vida, e como parte de nosso cotidiano é incluído na boa literatura (não na hipócrita barroca e menos na narcisista parnasiana), são palavras como qualquer outra. E porque não as introduzir na escola? Mas a escola é uma merda, tudo é feito sem amor, não se ensina para a vida, não estimula a paixão. Estou cheio desse falso moralismo da nossa sociedade que agora não é enfiado na cabeça de nossas crianças apenas pela religião (principalmente cristã), mas também pela escola, que deveria ser um ambiente livre para o aprendizado, livre de moralismos. Nas temos essas professoras que acham que devem educar o filho dos outros.
[Leia outros Comentários de Luiz Portela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dr. Bactéria um Guia para Passar Sua Vida a Limpo
Roberto Martins Figueiredo
Globo
(2007)



Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Poesia Sempre Ano 2 Nº 4 (1994)
Fundação Biblioteca Nacional
Fbn (rj)
(1994)



Frei Bolinha. Companheiro de São Francisco
Sérgio Lapstina
Mercuryo
(2003)



Sucessoes e Direito Sucessorio - Volume I
Doutor Jose Tavares
Cia Ed Americana



Os lençóis e os sonhos
Orlando Senna
Record
(2009)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Herivelto Como Conheci - Autografado
Yaçanâ Martins e Cacau Hygino
Espassum
(2010)



Die Wehrmacht: Eine Bilanz
Guido Knopp (capa Dura)
C Bertelsmann
(2007)



Robin dos Bosques - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês