A Física da nova geração de autores | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Segunda-feira, 29/5/2006
A Física da nova geração de autores
Ram Rajagopal

+ de 4900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Even an ape can do research"
Richard P. Feynman

Um jovem americano resolve seguir carreira acadêmica em Física, depois de uma experiência reveladora num Kibutz. Faz sua pós-graduação em Berkeley e como tese propõe uma solução interessante para entender um problema em Física Quântica (em dimensões infinitas como ele gosta de dizer). Seus artigos chamam a atenção dos acadêmicos da California Institute of Technology, um dos maiores centros de pesquisa em Física do mundo. Ele acaba por receber uma grande oferta para um Físico recém-doutorando: uma bolsa de três a quatro anos para pesquisar e ensinar o que quiser naquele campus.

Depois da euforia pela notícia, as dúvidas começam a surgir no jovem: "será que serei capaz de ter outra idéia?", "será que farei pesquisa relevante?", "será que vou satisfazer as expectativas dos professores de Caltech?", "será que vou ser lembrado por algo que fiz?". Fica ainda mais tenso quando descobre que nas salas ao lado da sua ficam duas das grandes figuras do século em Física: Murray Gell-Mann, que ainda não havia ganho o Nobel, e Richard Feynman, já de posse do seu Nobel. No fim do corredor se encontra também John Schwarz, um dos proponentes da então desacreditada e nascente Teoria das Cordas.

Nervoso e sem saber direito o que fazer, sabendo que sim, tem algum talento - "será que não foi sorte de principiante?" - mas em dúvida quanto à capacidade de pesquisa, o jovem procura a orientação dos mais experientes professores do departamento. Desencantado com o mau humor crônico de Gell-Mann, encontra em Feynman o mentor involuntário que lhe informa com convicção: "faça Física por prazer, porque a ama. Trabalhe em problemas que lhe pareçam interessantes, e não naqueles que sejam interessantes para outros ou porventura estejam em voga. Não pule para aquilo que você não acredita, só porque está sem idéias (ou seja, não faça pesquisa em Teoria das Cordas só porque algum professor importante apoia esta idéia). E finalmente, não me peça para te dizer o que fazer, isto só você vai poder determinar, sozinho...".

O jovem é Leonard Mlodinow, autor de Feynman's Rainbow: A search for beauty in Physics and in Life. Após cerca de um ano de conversas com o mestre Feynman, Leonard acaba seguindo carreira como roteirista - escreveu inclusive roteiros para série Jornada nas Estrelas -, e escritor, ao descobrir que gosta mais de escrever do que de pesquisar. Ao informar Feynman que estava escrevendo como hobby, recebeu dele esta ótima resposta, que traduzo do livro livremente:

"Eu uma vez pensei em escrever fiçcão, eu mesmo. Sim, eu já dei palestras; isto é, eu falei e elas foram gravadas. Mas esta é uma saída fácil. Por isso, numa festa no departamento de letras, eu perguntei a eles, só por curiosidade, como eu faria para escrever um livro de ficção e este professor, que respeito profundamente, disse Tudo que você tem que fazer é escrever.

"Peguei uma cópia dos Contos dos Irmãos Grimm. Eu pensei, eles não devem ser muito difíceis de escrever... Eles podem fazer o que eu quiser, porque têm anjos, ogros e coisas assim. Então podem fazer o que quiser, têm várias formas de mágica. Então eu disse, vou inventar uma destas histórias.

"Eu não consegui inventar nada que não fosse uma combinação do que eu já havia lido. Eu senti, infelizmente, que quando eu recombinava as coisas, não gerava uma trama profundamente diferente, com alguma sacada, algo diferente, alguma surpresa. No entanto, a próxima história do livro tinha alguma forma de surpresa, diferentemente das outras histórias. Haviam ogros nela novamente, mas a natureza da trama, o desfecho era bem diferente. E eu disse 'Não há mais possibilidades aqui'. Então eu lia a próxima e era completamente diferente. Então eu acho que não tenho o tipo de imaginação para criar uma boa nova história.

"Mas isso não quer dizer que não tenho uma boa imaginação. De fato, eu acho que é muito mais díficil fazer o que um cientista faz, entender ou imaginar o que aí está, do que imaginar ficção, isto é, coisas que não estão aí. Para realmente entender como as coisas funcionam em pequenas ou grandes escalas (físicas) requer muita imginação, pois elas funcionam de maneira completamente diferente do que você espera! Precisamos de muita imaginação para visualizar um átomo, para imaginar que existem átomos e como eles devem estar operando. Ou para fazer a Tabela Períodica dos Elementos.

"No entanto, a imaginação do cientista é sempre diferente da do escritor, pelo fato de que é verificada. Um cientista imagina algo, e Deus diz 'incorreto' ou 'até agora, tudo bem'. Deus é o experimento, obviamente, e Deus talvez diga 'Ah, não, aquilo não está de acordo'. Você diz: 'Eu imagino que funciona assim. E, se funciona, então você deve ver isso como consequência'. Então outras pessoas olham e não vêem. Falta de sorte sua. Seu palpite estava errado. Você não tem isso ao escrever (ficção).

"Um escritor ou artista pode imaginar algo e certamente pode não estar satisfeito com isso artisticamente ou esteticamente, mas isto não tem o mesmo grau de precisão e absolutez com que o cientista lida. Para o cientista existe este Deus do Experimento que pode dizer: 'Isso é lindo meu amigo, mas não é real.' Isto é uma grande diferença.

"Suponha que houvesse algum grande Deus da Estética. E que toda vez que você fizesse uma pintura, não importando o quanto ela te satisfizesse, não importando nada, mesmo que algumas vezes não te satisfizesse, de qualquer maneira você a submetesse para o grande Deus da Estética e o deus dissesse 'isto é bom' ou 'isto é ruim'. Depois de um tempo, o problema para você seria desenvolver um senso estético que se encaixasse com esta coisa, não somente com seus sentimentos e idéias pessoais. Isto é mais parecido com o tipo de criatividade que temos em ciência.

"Também a escrita, diferentemente da matemática ou da ciência, não é um corpo do conhecimento que está expandindo e tudo é posto junto, num gigantesco ser sendo construído por pessoas em conjunto, em que há progresso. Será que você pode dizer: 'Todo dia estamos nos tornando escritores melhores porque vimos o que foi escrito antes?'. Que nós escrevemos melhor porque outros caras mostraram como fazer isso ou aquilo antes, e portanto agora podemos seguir adiante? É assim em ciência e matemática. Por exemplo, eu li Madame Bovary, que achei maravilhoso. Claro que não era nada além de uma descrição de uma pessoa comum. Eu não estou certo da minha noção de história, mas creio que Madame Bovary era no início de sua escrita, um romance sobre pessoas comuns. Eu acho que se os romances de outros parecessem mais com isso, eu ficaria feliz. Mas os romances modernos não são feitos com aquele tipo de trabalho artesanal e cuidadoso, com aquela atenção para detalhes. Os poucos romances modernos que eu dei uma olhada, não pude aturá-los."

As palavras de Feynman de 1980 parecem ter sido ditas sob medida para explicar os movimentos de "novos autores" que acontecem no Brasil. E servem também como um bom conselho para todos que querem escrever um romance moderno. Esqueçam o Deus da Estética, desenvolvam um trabalho artesanal e cuidadoso, com atenção para detalhes.

Feynman's Rainbow é um alerta sobre um fenômeno curioso que observo na literatura e na crítica literária brasileira: a obsessão com o que será pensado daqui há 150 anos. Será que "minha obra vai entrar para História"? Será que "estou escrevendo o livro da década"? Ninguém sabe o que vai acontecer daqui há 150 anos. É imprevisível. Mas se você escreve com prazer, com atenção e carinho para a arte de escrever, desenvolvendo suas ferramentas literárias a perfeição, pode ter certeza que está fazendo o certo. Mesmo que seu livro seja irrelevante, ao menos te deu prazer.

Justamente por não ter um entendimento profundo da criatividade, da história, da possibilidade de continuamente se fazer história, inclusive na literatura, é que nos obcecamos com questões desnecessárias e cuja resposta correta é imprevisível. Sim, você - autor da geração 00, 99, 80 - tem o direito de escrever coisas ruins, coisas pela metade, coisas bonitas mas chatas, coisas feias mas interessantes, livros de sucesso, ou sem sucesso. Tem inclusive o direito de gostar ou desgostar de qualquer livro. E nada disso vai qualificar ou desqualificar uma geração ou um autor... E ninguém, nem mesmo o Deus do Experimento vai poder te dizer se o que você fez é relevante ou não no big scheme of things. Se você perguntá-lo provavelmente dirá: "desencana, vai para casa, ler, escrever, ou quem sabe, assistir televisão. Mas se divirta com o que faz".

Post Scriptum
Se querem ler bons livros, recentes, deêm uma olhada em Johaben: Diário de um Construtor do Templo de Zé Rodrix e 120 Horas de Luis Eduardo Matta. Dois livros feitos com carinho e por artesãos das letras, com toda atenção para detalhes que uma boa obra requer.


Ram Rajagopal
Berkeley, 29/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meus melhores livros de 2008 de Rafael Rodrigues
02. O futebol intelectualizado de Evandro Ferreira
03. Bárbaros e bárbaros de Rafael Azevedo


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006
05. Reflexão para eleitores - 4/9/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2006
13h22min
Interessante tudo o que vc escreveu no seu artigo. Entretanto, o que mais me chamou a atenção foi o seguinte: "Será que 'minha obra vai entrar para História'? Será que 'estou escrevendo o livro da década'?". Isso mostra claramente a necessidade que a maioria tem de se perpetuar de alguma forma, seja através de algo que fez, dos filhos que teve ou mesmo crendo que terá uma outra vida aqui ou em outro lugar qualquer. O fato é que o homem não aceita sua finitude e com isso inventa mil maneiras de se "religare". Talvez deixe até de viver em plenitude o momento presente na expectativa de ser "alguém" daqui há 150 anos. Feynman tem razão quando diz que devemos fazer o melhor e o mais prazeroso agora, enquanto temos a certeza de sermos ou de estarmos... O amanhã é ainda uma incógnita onde seremos ou não.
[Leia outros Comentários de regina mas]
22/6/2006
19h54min
Ainda hei de ler o "120 horas". Estou curioso... "mas creio que Madame Bovary era no início de sua escrita, um romance sobre pessoas comuns"... Adorei todos os trechos que vc separou desse Feynman. Preciso ler maios coisas dele. Abraços
[Leia outros Comentários de Franz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEDICINA LIVRO DE BOLSO
VARIOS
AMERICANA
(1996)
R$ 9,90



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 20,00



NUGAE - TEORÍA DE LA TRADUCCIÓN
LEONOR SILVESTRI
SIMURG
(2003)
R$ 15,00



PARCERIA PÚBLICO-PRIVADO
E. SAMEK LODOVICI (ORG)
SUMMUS
(1993)
R$ 5,00



A IMPRENSA E O CAOS NA ORTOGRAFIA
MARCOS DE CASTRO
RECORD
(2008)
R$ 39,90



SCARPETTA
PATRÍCIA CORNWELL
PARALELA
(2012)
R$ 9,80



A LEI DE MURPHY - SEGUNDA PARTE
ARTHUR BLOCH
RECORD
(1980)
R$ 10,00



PORTUGAL E A EUROPA, 100 OBRAS PORTUGUESAS DE REFERÊNCIA SOBRE A EU...
JORGE COUTO
BIBLIOTECA NACIONAL
(2000)
R$ 22,66



FILOSOFAR PELO FOGO ANTOLOGIA DE TEXTO ALQUÍMICOS
FRANÇOISE BONARDEL
MADRAS
(2012)
R$ 68,61



DIÁRIO DE UM CRÍTICO DE 1974 A 1976
TEMÍSTOCLES LINHARES
IMPRENSA OFICIAL
(2001)
R$ 8,90





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês