Iraque: plano de guerra | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Segunda-feira, 28/4/2003
Iraque: plano de guerra
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Pobres miseráveis desnudos, onde quer que estejam,
Que aguardam o golpe dessa impiedosa tormenta,
Como suas cabeças desabrigadas, seus ventres vazios,
Seus rotos e imundos farrapos poderão protegê-los
De intempéries como estas?"
(Rei Lear - Shakespeare)

Segundo anota Robert Kurz, "a economia deficitária dos EUA é condicionada por uma economia deficitária externa. Desde o final dos anos 70, o déficit na balança comercial e de capital da superpotência ocidental cresce continuamente. Os Estados Unidos consomem cada vez mais, ao passo que produzem cada vez menos; eles compram a crédito, sem poupar. Eles sorvem o capital monetário do mundo, para desse modo sorver os fluxos de mercadoria do mundo".

Se aceitamos essa tese, que se traduz nos termos de que "a debilidade da última potência mundial é também a debilidade da Europa e a de todas as demais regiões do mundo", podemos crer que o capital mundial está entrando numa enorme crise.

Dentro deste contexto, o que significa a guerra contra o Iraque?

Significa que os EUA, dentro de sua crise atual, está buscando retomar sua posição de hegemonia imperial econômica e, conseqüentemente, a salvação da economia mundial. E no mundo da política imperial, segundo Kurz, "o melhor é sempre aquele que pode mostrar o maior porrete para o golpe fatal".

Então nos perguntamos: esta é uma guerra justa?

Para aprofundar a questão precisamos pensar um pouco no próprio motor do capitalismo. E nosso velho Marx, que via "a classe burguesa com a mais revolucionária da história", pois foram "os primeiros a mostrar do que a atividade humana é capaz", nos dá algumas pistas.

"O constante revolucionar da produção, a ininterrupta perturbação de todas as relações sociais, a interminável incerteza e agitação distinguem a época burguesa de todas as épocas anteriores. Todas as relações fixas, imobilizadas, com sua aura de idéias e opiniões veneráveis, são descartadas; todas as novas relações, recém-formadas, se tornam obsoletas antes que se ossifiquem. Tudo o que é sólido desmancha no ar, tudo o que é sagrado é profanado, e os homens são finalmente forçados a enfrentar com sentidos mais sóbrios suas reais condições de vida e sua relação com outros homens". (Marx - O Manifesto Comunista)

Dentro deste ponto de vista, como ficamos nós, os membros da sociedade capitalista? Ficamos em uma situação estranha e paradoxal. Nossas vidas são controladas por uma classe dominante de interesses bem definidos não só na mudança, mas na crise e no caos. "Ininterrupta perturbação, interminável incerteza e agitação", em vez de subverter essa sociedade, resultam de fato no seu fortalecimento. Catástrofes são transformadas em lucrativas oportunidades para o desenvolvimento e a renovação; a desintegração trabalha como força mobilizadora e, portanto, integradora. O único espectro que realmente amedronta a moderna classe dominante e que realmente põe em perigo o mundo criado por ela à sua imagem é aquilo por que as elites tradicionais (e, por extensão, as massas tradicionais) suspiram: uma estabilidade sólida e prolongada. Neste mundo, estabilidade tão somente significa entropia, morte lenta, uma vez que nosso sentido de progresso e crescimento é o único meio que dispomos para saber, com certeza, que estamos vivos. Dizer que nossa sociedade está caindo aos pedaços é apenas dizer que ela está viva e em forma.

Pensando dessa forma poderíamos justificar um dos aspectos mais bárbaros da história da "vontade de poder" humana: a guerra. E, claro, apoiaríamos a guerra contra o Iraque. Mas existem questões que vão além deste raciocínio, e é bom que saibamos quais são. Este é o projeto do livro Iraque: plano de guerra, de Milan Raí, editado no calor dos acontecimentos, pela Editora Bertrand Brasil.

Uma vasta gama de questões são discutidas no livro, desde o problema do controle do petróleo da região iraquiana até as políticas de governabilidade da área por setores manipulados pelo poder imperial americano.

A questão mais importante do livro, sem dúvida, é expor as formas de manipulação, através da propaganda oficial, da opinião pública sobre a legitimidade da guerra. Táticas que se baseiam na "Nova concepção estratégica", da ONU, que prevê intervenções militares e ataques preventivos, uso da idéia de um combate a redes de terrorismo, destruição de arsenal de guerra biológicos ou nucleares, etc. São estas as bases centrais da justificativa.

No capítulo sobre a reação ao terrorismo, fortemente exaltada pela maioria americana depois do "11 de Setembro", existe um ensaio de Noam Chomsky, denominado "A Reação Sensata ao Terrorismo", onde o autor apresenta várias contradições na política/doutrina Bush de "prevenção terrorista" com maciços bombardeios. A principal delas é a discordância americana com a Assembléia-Geral da ONU na questão dos povos submetidos a regimes racistas e colonialistas e à ocupação estrangeira, no qual os EUA "entendiam que se tratava de uma justificativa à resistência contra o regime sul-africano, um aliado dos EUA responsável pela morte de 1,5 milhão de pessoas e por prejuízos no valor de 60 bilhões de dólares causados aos países vizinhos, apenas entre 1980-88, sem contar o que causou de prejuízos ao próprio país."

O livro Iraque: plano de guerra traz inúmeras informações precisas sobre questões das políticas internacionais referentes ao oriente médio e sua história, as várias políticas internacionais de controle da região são discutidas sistematicamente, aponta as contradições das razões da guerra contra o Iraque, o universo das sanções internacionais à região, como dá voz a uma comunidade internacional contrária à guerra, formada por políticos, intelectuais, jornalistas, setores do poder americano e militares de vários países - muitas dessas opiniões apareceram na mídia, outras foram cerceadas.

É um livro que nos ajuda a entender as razões dos propósitos desta guerra, nos faz comungar com o pensamento de figuras internas aos conflitos e com aqueles se opõem à guerra por questões humanitárias, já que não vêm justificativa nenhuma no assassinato de milhares de crianças, civis, jovens soldados, apenas porque o capital deve se reproduzir na busca da mais-valia colonialista.

Além de apresentar depoimentos importantes, com os de figuras com o ex-presidente Carter, traz documentos que não circulam na mídia brasileira, enriquecendo quem quer aprofundar-se na questão da guerra do Iraque. Um destes documentos é o "Acordo petróleo-por-comida", proposto nos anos 90 por Londres e Washington, rejeitado pelo Iraque por trazer no seu cerne um projeto de sanção econômica. Uma das diretrizes deste acordo diz o seguinte: "O Iraque tem permissão de vender petróleo no mercado aberto. O comprador deposita o dinheiro numa conta especial, sob tutela da ONU, num banco em Nova York. O Iraque não tem acesso direto ao dinheiro auferido com a venda do petróleo, mas pode encomendar mercadorias civis a serem pagas pela conta sob tutela. Do montante auferido, 59% estão disponíveis para compras humanitárias, para o sul e o centro, controlados por Bagdá; 13% vão para o norte, curdo; 25% são desviados para compensações de guerra; 2,2% cobrem custos de administração da ONU, e 0,8% sustenta a UNMOVIC."

Segundo o autor, um acordo humilhante como esse foi elaborado meticulosamente para ser rejeitado. Não era um acordo humanitário, era uma arma de propaganda, bem-sucedida, para desencadear o ataque que os EUA há muito planejavam ao Iraque.

A guerra está aí, com disparos de mísseis e bombas norte-americanas e inglesas. Com ela, além do conjunto de mortes, a deteriorização da infra-estrutura civil e militar do Iraque. Os fabricantes de armas e o império americano dormirão tranqüilos, enquanto a humanidade, como um todo, permanecerá envolta em mais um pesadelo (com as tradicionais cenas de famílias enterrando cadáveres em valas comuns ou em caixões com jovens soldados envoltos em bandeiras do império anglo-americano). É a péssima primeira parte do primeiro pesadelo deste século que se inicia. Quanto ao desdobramento, talvez outros pesadelos como o de 11 de setembro se repitam vindo a se juntar aos terríveis sonhos já existentes.

Voltando a Marx: a que levará esta eterna crise do capital, que volta e meia ronda o mundo produzindo incessantes guerras colonialistas? Marx dizia que o periódico retorno das crises poriam em questão a existência de toda a sociedade burguesa, cada vez mais radicalmente. Nessas crises recorrentes "grande parte não só dos produtos existentes, mas das forças produtivas anteriormente criadas, é sistematicamente destruída". Mas, dada a capacidade burguesa de tirar proveito da destruição e do caos, não há qualquer razão aparente para que essas crises não possam prosseguir numa espiral interminável, destruindo pessoas, famílias, corporações, cidades, porém deixando intactas as estruturas e o poder da vida social burguesa.

O capitalismo está se revolucionando a ponto de chegar onde Marx previu: as forças coletivas seriam condenadas à obsolecência. Basta ver que o grande número de protestos pelo mundo, a fim de impedir a guerra, não foi ouvido por aqueles que foram eleitos como representantes dessas pessoas. A guerra foi concretizada. Segundo Marx, os operários, e conseqüentemente suas associações (sindicatos, associações humanistas, etc), seriam "fruto de uma moda passageira..., nada mais que uma invenção dos tempos modernos, como o próprio maquinário." Como poderão eventuais vínculos humanos remanescentes crescer e frutificar num solo assim precário e movente?

Para ir além



Visite também o site do grupo pacifista ARROW:
nonviolence.org/vitw


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
02. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos
04. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges
05. Intervenção militar constitucional de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2003
16h33min
Muito bem lembrado pelo articulista Jardel, o texto que não sai de moda" O manifesto comunista" do nosso "velho" Kal Marx. O articulista consegue num texto bem argumentado situar bem o texto de Marx para comentar os conflitos de hoje.
[Leia outros Comentários de mário alex]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português Linguagens 7ª Série Manual Professor
Willian Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães
Atual
(2006)



Economia Bandida (lacrado)
Loretta Napoleoni
Bertrand Brasil
(2010)



DEF 2000/01 Dicionário de Especialista farmacêuticas
Não informado
Jornal Brasileiro de Medicina
(2000)



Finanças Corporativas
José Carlos Franco de Abreu Filho
Fgv
(2008)



Teoria do Reforço para Professores
Madeline Hunter
Vozes
(1981)



Guerra Civil
Stuart Moore
Novo Século
(2016)



Como Lidar com a Mídia
Paulo Henrique Amorim
Geração
(2019)



Completa Biblioteca do Ensino Atual - História, Soc., Filos e Psic.
Não informado
Difusão Cultural do Livo
(2006)



O Caso - Sem Aviso - O Bagalô - Segundas Chances
r Lee Child - David Rosenfelt - Sarah Jio - Nick Trout
Seleções Reader`s Digest
(2015)



Brasil Iluminado
Gustavo Soares
Arteensaio
(2011)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês