Iraque: plano de guerra | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Segunda-feira, 28/4/2003
Iraque: plano de guerra
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Pobres miseráveis desnudos, onde quer que estejam,
Que aguardam o golpe dessa impiedosa tormenta,
Como suas cabeças desabrigadas, seus ventres vazios,
Seus rotos e imundos farrapos poderão protegê-los
De intempéries como estas?"
(Rei Lear - Shakespeare)

Segundo anota Robert Kurz, "a economia deficitária dos EUA é condicionada por uma economia deficitária externa. Desde o final dos anos 70, o déficit na balança comercial e de capital da superpotência ocidental cresce continuamente. Os Estados Unidos consomem cada vez mais, ao passo que produzem cada vez menos; eles compram a crédito, sem poupar. Eles sorvem o capital monetário do mundo, para desse modo sorver os fluxos de mercadoria do mundo".

Se aceitamos essa tese, que se traduz nos termos de que "a debilidade da última potência mundial é também a debilidade da Europa e a de todas as demais regiões do mundo", podemos crer que o capital mundial está entrando numa enorme crise.

Dentro deste contexto, o que significa a guerra contra o Iraque?

Significa que os EUA, dentro de sua crise atual, está buscando retomar sua posição de hegemonia imperial econômica e, conseqüentemente, a salvação da economia mundial. E no mundo da política imperial, segundo Kurz, "o melhor é sempre aquele que pode mostrar o maior porrete para o golpe fatal".

Então nos perguntamos: esta é uma guerra justa?

Para aprofundar a questão precisamos pensar um pouco no próprio motor do capitalismo. E nosso velho Marx, que via "a classe burguesa com a mais revolucionária da história", pois foram "os primeiros a mostrar do que a atividade humana é capaz", nos dá algumas pistas.

"O constante revolucionar da produção, a ininterrupta perturbação de todas as relações sociais, a interminável incerteza e agitação distinguem a época burguesa de todas as épocas anteriores. Todas as relações fixas, imobilizadas, com sua aura de idéias e opiniões veneráveis, são descartadas; todas as novas relações, recém-formadas, se tornam obsoletas antes que se ossifiquem. Tudo o que é sólido desmancha no ar, tudo o que é sagrado é profanado, e os homens são finalmente forçados a enfrentar com sentidos mais sóbrios suas reais condições de vida e sua relação com outros homens". (Marx - O Manifesto Comunista)

Dentro deste ponto de vista, como ficamos nós, os membros da sociedade capitalista? Ficamos em uma situação estranha e paradoxal. Nossas vidas são controladas por uma classe dominante de interesses bem definidos não só na mudança, mas na crise e no caos. "Ininterrupta perturbação, interminável incerteza e agitação", em vez de subverter essa sociedade, resultam de fato no seu fortalecimento. Catástrofes são transformadas em lucrativas oportunidades para o desenvolvimento e a renovação; a desintegração trabalha como força mobilizadora e, portanto, integradora. O único espectro que realmente amedronta a moderna classe dominante e que realmente põe em perigo o mundo criado por ela à sua imagem é aquilo por que as elites tradicionais (e, por extensão, as massas tradicionais) suspiram: uma estabilidade sólida e prolongada. Neste mundo, estabilidade tão somente significa entropia, morte lenta, uma vez que nosso sentido de progresso e crescimento é o único meio que dispomos para saber, com certeza, que estamos vivos. Dizer que nossa sociedade está caindo aos pedaços é apenas dizer que ela está viva e em forma.

Pensando dessa forma poderíamos justificar um dos aspectos mais bárbaros da história da "vontade de poder" humana: a guerra. E, claro, apoiaríamos a guerra contra o Iraque. Mas existem questões que vão além deste raciocínio, e é bom que saibamos quais são. Este é o projeto do livro Iraque: plano de guerra, de Milan Raí, editado no calor dos acontecimentos, pela Editora Bertrand Brasil.

Uma vasta gama de questões são discutidas no livro, desde o problema do controle do petróleo da região iraquiana até as políticas de governabilidade da área por setores manipulados pelo poder imperial americano.

A questão mais importante do livro, sem dúvida, é expor as formas de manipulação, através da propaganda oficial, da opinião pública sobre a legitimidade da guerra. Táticas que se baseiam na "Nova concepção estratégica", da ONU, que prevê intervenções militares e ataques preventivos, uso da idéia de um combate a redes de terrorismo, destruição de arsenal de guerra biológicos ou nucleares, etc. São estas as bases centrais da justificativa.

No capítulo sobre a reação ao terrorismo, fortemente exaltada pela maioria americana depois do "11 de Setembro", existe um ensaio de Noam Chomsky, denominado "A Reação Sensata ao Terrorismo", onde o autor apresenta várias contradições na política/doutrina Bush de "prevenção terrorista" com maciços bombardeios. A principal delas é a discordância americana com a Assembléia-Geral da ONU na questão dos povos submetidos a regimes racistas e colonialistas e à ocupação estrangeira, no qual os EUA "entendiam que se tratava de uma justificativa à resistência contra o regime sul-africano, um aliado dos EUA responsável pela morte de 1,5 milhão de pessoas e por prejuízos no valor de 60 bilhões de dólares causados aos países vizinhos, apenas entre 1980-88, sem contar o que causou de prejuízos ao próprio país."

O livro Iraque: plano de guerra traz inúmeras informações precisas sobre questões das políticas internacionais referentes ao oriente médio e sua história, as várias políticas internacionais de controle da região são discutidas sistematicamente, aponta as contradições das razões da guerra contra o Iraque, o universo das sanções internacionais à região, como dá voz a uma comunidade internacional contrária à guerra, formada por políticos, intelectuais, jornalistas, setores do poder americano e militares de vários países - muitas dessas opiniões apareceram na mídia, outras foram cerceadas.

É um livro que nos ajuda a entender as razões dos propósitos desta guerra, nos faz comungar com o pensamento de figuras internas aos conflitos e com aqueles se opõem à guerra por questões humanitárias, já que não vêm justificativa nenhuma no assassinato de milhares de crianças, civis, jovens soldados, apenas porque o capital deve se reproduzir na busca da mais-valia colonialista.

Além de apresentar depoimentos importantes, com os de figuras com o ex-presidente Carter, traz documentos que não circulam na mídia brasileira, enriquecendo quem quer aprofundar-se na questão da guerra do Iraque. Um destes documentos é o "Acordo petróleo-por-comida", proposto nos anos 90 por Londres e Washington, rejeitado pelo Iraque por trazer no seu cerne um projeto de sanção econômica. Uma das diretrizes deste acordo diz o seguinte: "O Iraque tem permissão de vender petróleo no mercado aberto. O comprador deposita o dinheiro numa conta especial, sob tutela da ONU, num banco em Nova York. O Iraque não tem acesso direto ao dinheiro auferido com a venda do petróleo, mas pode encomendar mercadorias civis a serem pagas pela conta sob tutela. Do montante auferido, 59% estão disponíveis para compras humanitárias, para o sul e o centro, controlados por Bagdá; 13% vão para o norte, curdo; 25% são desviados para compensações de guerra; 2,2% cobrem custos de administração da ONU, e 0,8% sustenta a UNMOVIC."

Segundo o autor, um acordo humilhante como esse foi elaborado meticulosamente para ser rejeitado. Não era um acordo humanitário, era uma arma de propaganda, bem-sucedida, para desencadear o ataque que os EUA há muito planejavam ao Iraque.

A guerra está aí, com disparos de mísseis e bombas norte-americanas e inglesas. Com ela, além do conjunto de mortes, a deteriorização da infra-estrutura civil e militar do Iraque. Os fabricantes de armas e o império americano dormirão tranqüilos, enquanto a humanidade, como um todo, permanecerá envolta em mais um pesadelo (com as tradicionais cenas de famílias enterrando cadáveres em valas comuns ou em caixões com jovens soldados envoltos em bandeiras do império anglo-americano). É a péssima primeira parte do primeiro pesadelo deste século que se inicia. Quanto ao desdobramento, talvez outros pesadelos como o de 11 de setembro se repitam vindo a se juntar aos terríveis sonhos já existentes.

Voltando a Marx: a que levará esta eterna crise do capital, que volta e meia ronda o mundo produzindo incessantes guerras colonialistas? Marx dizia que o periódico retorno das crises poriam em questão a existência de toda a sociedade burguesa, cada vez mais radicalmente. Nessas crises recorrentes "grande parte não só dos produtos existentes, mas das forças produtivas anteriormente criadas, é sistematicamente destruída". Mas, dada a capacidade burguesa de tirar proveito da destruição e do caos, não há qualquer razão aparente para que essas crises não possam prosseguir numa espiral interminável, destruindo pessoas, famílias, corporações, cidades, porém deixando intactas as estruturas e o poder da vida social burguesa.

O capitalismo está se revolucionando a ponto de chegar onde Marx previu: as forças coletivas seriam condenadas à obsolecência. Basta ver que o grande número de protestos pelo mundo, a fim de impedir a guerra, não foi ouvido por aqueles que foram eleitos como representantes dessas pessoas. A guerra foi concretizada. Segundo Marx, os operários, e conseqüentemente suas associações (sindicatos, associações humanistas, etc), seriam "fruto de uma moda passageira..., nada mais que uma invenção dos tempos modernos, como o próprio maquinário." Como poderão eventuais vínculos humanos remanescentes crescer e frutificar num solo assim precário e movente?

Para ir além



Visite também o site do grupo pacifista ARROW:
nonviolence.org/vitw


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 28/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De tinta e fio é feito o homem de Elisa Andrade Buzzo
02. Networking para crianças? de Raquel Oguri Ribeiro
03. O cinema visita a funilaria de Vicente Escudero
04. Baudelaire, um pária genial (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Palmada dói de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2003
16h33min
Muito bem lembrado pelo articulista Jardel, o texto que não sai de moda" O manifesto comunista" do nosso "velho" Kal Marx. O articulista consegue num texto bem argumentado situar bem o texto de Marx para comentar os conflitos de hoje.
[Leia outros Comentários de mário alex]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês