Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O cliente encantado de Julio Lobos pela Hamburg (1995)
>>> Biplano de Richard Bach - Nota (prelúdio) Ray Bradbury pela Hemus
>>> Ganhe Mais Investindo em Opções de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Bem-vindo à Bolsa de Valores de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Francisco de Assis de João Nunes Maia pela Fonte Viva (1990)
>>> Palavras Abertas de Haley Caldas: Organização pela Crivo/ Belo Horizonte (2012)
>>> O Quinto Evangelho de Huberto Rohden pela Martin Claret
>>> Os Enigmas do Vaticano de Alfredo Lissoni pela Madras (2005)
>>> Henderson, o Rei da Chuva (Encadernado) de Saul Bellow pela Livros do Brasil/ Lisboa: Port
>>> Seu futuro astrológico de Linda Goodman pela Record (1968)
>>> Point, Ligne, surface: Contribution À L analyse des Éléments Picturaux de Kandinsky pela Éditions de Beaune/ Paris (1963)
>>> Vivendo Melhor Através da Numerologia - Guia Prático de Aparecida Liberato pela Best Seller (1999)
>>> Palavras essenciais de Paulo Coelho pela Vergara (1999)
>>> Um Gosto e Seis Vinténs de Somerset Maugham (William) pela Livros do Brasil Lisboa/ Portugal
>>> A Outra Comédia (encadernado) de William Somerset Maugham (Trad).: Genolino Amado pela Globo/ Porto Alegre (1956)
>>> O Agente Britânico de W. Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Destino de um Homem de William Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Manual do guerreiro da luz de Paulo Coelho pela Planeta (2007)
>>> Novelas (encadernado) de Alfred de Musset pela Editorial Gleba/ Lisboa
>>> Os Melhores Contos Indianos (1ª Série)/ Antologias Universais/ Encad. de Prabhakar Kanekar (Trad. Direta da Língua Marathi pela Portugália/ Lisboa (2019)
>>> Cavalheiro de Salão/(encadernado Em Couro) de W. Somerset Maugham/ Tradução: Mário Quintana pela Globo/ Porto Alegre (1959)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 12/7/2011
Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3700 Acessos

Em uma entrevista há muitos anos atrás, Gerald Thomas acendeu um cigarro e, citando Mallarmé, disse para a jornalista: "eu preciso de uma cortina de fumaça entre eu e o mundo". Esse filtro entraria para a própria linguagem do seu teatro, na forma da cortina de filó como metáfora do impedimento da possibilidade de um entendimento direto e objetivo do que ali se vê. Seu teatro dialogoa com a frase de Mallarmé: "Nommer um object c´est supprimer les trois quarts de la jouissance".

Aviso aos navegantes: Gerald Thomas, antes de tudo, não é um encenador de teatro tradicional. Partindo disso, não se pode avaliar seu trabalho sob as rédeas de um olhar tradicionalista, cartesiano, aristotélico. Se o público não consegue digerir o inusitado, que leia ao menos A obra aberta, de Umberto Eco, e atente-se aos comentários sobre Webern, Berio, Mallarmé e Finnegans Wake de Joyce, Stockhausen e Calder.

Gerald faz um teatro de significados abertos, uma espécie de work in progess. Seus mestres são Beckett, Artaud, Joyce, Duchamp, John Cage, Haroldo de Campos, Andy Warhol, Francis Bacon, Rembrandt, Schoenberg, Luciano Berio, Bunüel e por aí vai - todos libertários e transgressores.

Gerald Thomas e Samuel Beckett em Paris

Sua busca sempre foi "por um teatro imagístico, visionário, abstrato, de metáforas visuais e sensoriais", como ele mesmo disse. Se o público não se deixar atingir pelo poder das "metáforas visuais" do seu teatro não entenderá nada mesmo e perderá o que é precioso e único na força do seu trabalho. É o que o diferencia do teatro "falado", "verborrágico", que se apresenta por aí. Para ele, o teatro é o lugar da arte total, no sentido wagneriano mesmo, onde tanto a luz, como as palavras, os gestos e a música são personagens integrados na criação das "metáforas visuais".

Gerald não ignora o que acontece no mundo: "eu não posso ignorar nada", ele disse ao programa Starte, ao incorporar dia a dia elementos das tensões internacionais atuais ao seu trabalho Trhoats. Como ele se transforma a cada salto que o mundo dá, seu teatro vai junto. Work in progress. Se o mundo é confusamente recriado a cada dia, porque o teatro mascararia isso inventando uma ordem, uma beleza, uma harmonia falsas? Diz Gerald: "A arte impura é justamente onde vejo a beleza. Pureza é uma noção besta, infantil, quase nazista do estado das coisas". O que ele quer (e diz isso sem pudor) é "poluir ao máximo a falsidade perversa escondida atrás do terrível conceito de pureza".

Seu trabalho com os atores é radical, no sentido de desconstrução das técnicas aprendidas na tradição do corpo que cospe textos. Retornando o corpo e a fala dos atores a um estado de pânico inicial, desconfortável, mas alerta, Gerald rompe com o sentido imediatamente dado pela gramática às palavras, buscando o seu sentido mais onomatopaico e concreto.

"Se um espetáculo meu significar uma única coisa eu me retiro de cena ou me suicido", diz Gerald. A língua é fascista, avisava Barthes, porque é o código da lesgislação que é a linguagem. Mas a criação não, pois nela se pode trapacear com a língua. É a arte que desconfigura o discurso oficial da língua, da gramática, do poder. É a arte que "inventa línguas na malícia da maravilha", como diz Caetano Veloso. O teatro de Gerald escapa da "língua fascista" como o diabo da cruz: ele busca destruir os chavões dos significados esperados.

Como artista de vanguarda que é, Gerald Thomas mostrou a bunda para o público carioca que o vaiou por ter colocado Tristão e Isolda no gabinete do Dr. Sigmund Freud (Gerald admira Freud, mas também O anti-édipo de Deleuze/Guatarri). Foi processado por uma elite carioca para lá de conservadora, em arte e moralmente (o que nos deixa pasmos!). Atentado ao pudor? Sim, moral e estético. Depois dos mestres da desconstrução, quem ainda tem medo de Gerald Thomas?

Muitas outras vezes vaiado, ele diz: "eu sou muito orgulhoso das vaias que recebi". Gerald não mede seu teatro apenas pelos elogios que recebe, mas pelas críticas que o faz reavaliar sempre seu próprio trabalho. Por isso sua angústia, seu desejo, às vezes, de parar. Mas, não parará nunca, pois incomodado que é pelo mundo, quer incomodar também o mundo.

Gerald publicou neste ano o livro Nada prova nada!, pela Ed. Record, onde, numa série de artigos publicados em jornais e no seu blog, expõe suas idéias sobre afetos artísticos com textos sobre Susan Sontag, Beuys, Kazuo Ohno, John Lennon, Beckett, Cage, Arthur Miller e outros. Também apresenta-se ali um olhar caleidoscópio sobre fatos do mundo contemporâneo, da política às perversidades do capitalismo. Há no livro uma belíssima apresentação do músico Philip Glass, com quem Gerald tem trabalhado desde sua ópera Matogrosso. Não é um livro escrito sob a ótica da análise fria dos fatos, ali transborda revolta, insatisfação, angústias pessoais e sociais. Livro que nos trás de volta a uma clave próxima à perplexidade crítico-emotiva de um Glauber Rocha (e tantos outros artistas afetados) com "as dores do mundo".

Angustiado com os rumos da arte em tempos de "meia-verdades", ainda em uma entrevista ao Starte, da Globo News, Gerald diz: "Hoje em dia não se faz teatro. O teatro não é um elemento de necessidade, de urgência. Porque o teatro é geralmente um lugar onde você pode fritar os testículos no momento em que nenhuma mídia permite que você se expresse. Hoje em dia através da internet você pode falar o que você quiser. Então, o teatro não é um veículo organicamente necessário".

Talvez ele nem acredite nisso que falou, pois seu teatro continua cruel, visceral, neo-barroco (veja-se o uso dramático da luz, esse personagem tão caro a Rembrandt e Caravaggio), dizendo mais intensamente no palco aquilo que não se pode dizer na internet.

No próximo texto, farei uma análise do percurso do teatro de Gerald Thomas, suas influências estéticas e suas principais idéias sobre a arte de encenar, para que o leitor do Digestivo possa ter contato com a arte daquele que Haroldo de Campos chamou de "o mais importante criador de teatro no Brasil depois de Nelson Rodrigues, do Zé Celso do "Rei da Vela" e de Antunes Filho de "Macunaíma".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
02. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
03. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
04. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
05. Desejo do momento é o caramba de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VASTAS EMOÇÕES E PENSAMENTOS IMPERFEITOS
RUBEM FONSECA
PLANETA DE AGOSTINI
(2003)
R$ 10,00



FREI GALVÃO - SUA TERRA E SUA VIDA
THEREZA REGINA DE CAMARGO; TOM MAIA (DESENHOS
SANTUÁRIO
(1998)
R$ 18,28



O EREMITA DA FLORESTA EYCON
ELLIS PETERS
RECORD
(1998)
R$ 21,00



A GRANDE ESPERANCA
ELLEN G. WHITE
CPB DIDATICOS
(2011)
R$ 8,00



FÓRMULAS POLÍTICAS NO BRASIL HOLANDÊS - 2905
MÁRIO NEME
EDUSP
(1971)
R$ 10,00



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2004)
R$ 14,00



AUTOMOTIVO Nº 56 SURPREENDA SEUS CLIENTES
VÁRIOS AUTORES
SOM E ACESSÓROS
(2012)
R$ 13,90



ANAIS DA 54ª SOEAA
CONFEA
CONFEA
(1997)
R$ 15,00



BIOLOGIA 1
CÉSAR DA SILVA JÚNIOR E SEZAR SASSON ET AL...
SARAIVA
(2013)
R$ 10,00



ABC DO HOMEM SÓ A ARTE DE VIVER NOVAMENTE SEM FAMÍLIA
SANDRO TONI
GUIMARÃES
(1988)
R$ 15,63





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês