Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 12/7/2011
Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3800 Acessos

Em uma entrevista há muitos anos atrás, Gerald Thomas acendeu um cigarro e, citando Mallarmé, disse para a jornalista: "eu preciso de uma cortina de fumaça entre eu e o mundo". Esse filtro entraria para a própria linguagem do seu teatro, na forma da cortina de filó como metáfora do impedimento da possibilidade de um entendimento direto e objetivo do que ali se vê. Seu teatro dialogoa com a frase de Mallarmé: "Nommer um object c´est supprimer les trois quarts de la jouissance".

Aviso aos navegantes: Gerald Thomas, antes de tudo, não é um encenador de teatro tradicional. Partindo disso, não se pode avaliar seu trabalho sob as rédeas de um olhar tradicionalista, cartesiano, aristotélico. Se o público não consegue digerir o inusitado, que leia ao menos A obra aberta, de Umberto Eco, e atente-se aos comentários sobre Webern, Berio, Mallarmé e Finnegans Wake de Joyce, Stockhausen e Calder.

Gerald faz um teatro de significados abertos, uma espécie de work in progess. Seus mestres são Beckett, Artaud, Joyce, Duchamp, John Cage, Haroldo de Campos, Andy Warhol, Francis Bacon, Rembrandt, Schoenberg, Luciano Berio, Bunüel e por aí vai - todos libertários e transgressores.

Gerald Thomas e Samuel Beckett em Paris

Sua busca sempre foi "por um teatro imagístico, visionário, abstrato, de metáforas visuais e sensoriais", como ele mesmo disse. Se o público não se deixar atingir pelo poder das "metáforas visuais" do seu teatro não entenderá nada mesmo e perderá o que é precioso e único na força do seu trabalho. É o que o diferencia do teatro "falado", "verborrágico", que se apresenta por aí. Para ele, o teatro é o lugar da arte total, no sentido wagneriano mesmo, onde tanto a luz, como as palavras, os gestos e a música são personagens integrados na criação das "metáforas visuais".

Gerald não ignora o que acontece no mundo: "eu não posso ignorar nada", ele disse ao programa Starte, ao incorporar dia a dia elementos das tensões internacionais atuais ao seu trabalho Trhoats. Como ele se transforma a cada salto que o mundo dá, seu teatro vai junto. Work in progress. Se o mundo é confusamente recriado a cada dia, porque o teatro mascararia isso inventando uma ordem, uma beleza, uma harmonia falsas? Diz Gerald: "A arte impura é justamente onde vejo a beleza. Pureza é uma noção besta, infantil, quase nazista do estado das coisas". O que ele quer (e diz isso sem pudor) é "poluir ao máximo a falsidade perversa escondida atrás do terrível conceito de pureza".

Seu trabalho com os atores é radical, no sentido de desconstrução das técnicas aprendidas na tradição do corpo que cospe textos. Retornando o corpo e a fala dos atores a um estado de pânico inicial, desconfortável, mas alerta, Gerald rompe com o sentido imediatamente dado pela gramática às palavras, buscando o seu sentido mais onomatopaico e concreto.

"Se um espetáculo meu significar uma única coisa eu me retiro de cena ou me suicido", diz Gerald. A língua é fascista, avisava Barthes, porque é o código da lesgislação que é a linguagem. Mas a criação não, pois nela se pode trapacear com a língua. É a arte que desconfigura o discurso oficial da língua, da gramática, do poder. É a arte que "inventa línguas na malícia da maravilha", como diz Caetano Veloso. O teatro de Gerald escapa da "língua fascista" como o diabo da cruz: ele busca destruir os chavões dos significados esperados.

Como artista de vanguarda que é, Gerald Thomas mostrou a bunda para o público carioca que o vaiou por ter colocado Tristão e Isolda no gabinete do Dr. Sigmund Freud (Gerald admira Freud, mas também O anti-édipo de Deleuze/Guatarri). Foi processado por uma elite carioca para lá de conservadora, em arte e moralmente (o que nos deixa pasmos!). Atentado ao pudor? Sim, moral e estético. Depois dos mestres da desconstrução, quem ainda tem medo de Gerald Thomas?

Muitas outras vezes vaiado, ele diz: "eu sou muito orgulhoso das vaias que recebi". Gerald não mede seu teatro apenas pelos elogios que recebe, mas pelas críticas que o faz reavaliar sempre seu próprio trabalho. Por isso sua angústia, seu desejo, às vezes, de parar. Mas, não parará nunca, pois incomodado que é pelo mundo, quer incomodar também o mundo.

Gerald publicou neste ano o livro Nada prova nada!, pela Ed. Record, onde, numa série de artigos publicados em jornais e no seu blog, expõe suas idéias sobre afetos artísticos com textos sobre Susan Sontag, Beuys, Kazuo Ohno, John Lennon, Beckett, Cage, Arthur Miller e outros. Também apresenta-se ali um olhar caleidoscópio sobre fatos do mundo contemporâneo, da política às perversidades do capitalismo. Há no livro uma belíssima apresentação do músico Philip Glass, com quem Gerald tem trabalhado desde sua ópera Matogrosso. Não é um livro escrito sob a ótica da análise fria dos fatos, ali transborda revolta, insatisfação, angústias pessoais e sociais. Livro que nos trás de volta a uma clave próxima à perplexidade crítico-emotiva de um Glauber Rocha (e tantos outros artistas afetados) com "as dores do mundo".

Angustiado com os rumos da arte em tempos de "meia-verdades", ainda em uma entrevista ao Starte, da Globo News, Gerald diz: "Hoje em dia não se faz teatro. O teatro não é um elemento de necessidade, de urgência. Porque o teatro é geralmente um lugar onde você pode fritar os testículos no momento em que nenhuma mídia permite que você se expresse. Hoje em dia através da internet você pode falar o que você quiser. Então, o teatro não é um veículo organicamente necessário".

Talvez ele nem acredite nisso que falou, pois seu teatro continua cruel, visceral, neo-barroco (veja-se o uso dramático da luz, esse personagem tão caro a Rembrandt e Caravaggio), dizendo mais intensamente no palco aquilo que não se pode dizer na internet.

No próximo texto, farei uma análise do percurso do teatro de Gerald Thomas, suas influências estéticas e suas principais idéias sobre a arte de encenar, para que o leitor do Digestivo possa ter contato com a arte daquele que Haroldo de Campos chamou de "o mais importante criador de teatro no Brasil depois de Nelson Rodrigues, do Zé Celso do "Rei da Vela" e de Antunes Filho de "Macunaíma".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Juan José Morosoli - a solidão, a pureza, a viagem de Eduardo Maretti
02. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
03. Da Tolerância Religiosa de Ricardo de Mattos
04. O Amor é Sexualmente Transmissível de Isabella Ypiranga Monteiro
05. A Última Ceia de Leonardo da Vinci de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês