Para amar Agostinho | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
>>> Diversões
Mais Recentes
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
>>> Tratado da Correção do Intelecto e outros textos - Coleção Os Pensadores de Espinosa pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/5/2005
Para amar Agostinho
Andréa Trompczynski

+ de 8000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Andei pela vida como Diógenes, com uma lanterna nas mãos. Ele, procurando um homem justo, eu, um homem santo para seguir. Muitos tentavam abrir-me os olhos dizendo ser aquilo algo impossível; outros viram em mim a loucura quando afirmei já não ter mais a fúria da liberdade com que num dia remoto declamei o "Cântico Negro", de José Régio. Outros ainda, com boas intenções, mostraram-me seus santos, canonizados, mas não me serviam, eram perfeitos demais.

Meu Santo de adoração seria essencialmente humano. Do gênero masculino, porque nos homens há menos superficialidades. De acordo com meu egoísmo, eu descobriria com ele não haver coisas em demasia a mudar em mim mesma. De acordo com minha vaidade, ele seria justo e piedoso com o gênero humano. Quando confessasse sua própria alma, a analisaria francamente, e, não tão francamente, se a questão fosse justificar seus erros. Cantaria a superioridade do espírito em relação ao corpo e a perfeição divina, sem esquecer as belezas da natureza humana. Sua inteligência iria sobressair nos racicíonios que levariam às respostas, e em alguns casos, nos que levariam à ausência delas. Um santo escritor e filósofo, que buscasse a Deus sem medo ou vergonha -há nos homens comuns vergonha em buscar a Deus.

Exigências demais? Pois saiba, leitor, que encontrei-o há cerca de um mês: seu nome é Aurelius Agustinus, natural de Tagaste, da província romana da Numídia. Apesar de algumas dimensões, como tempo e distância, me separarem de Santo Agostinho, sinto-me mais próxima dele do que de alguns homens meus contemporâneos.

(Quem poderá explicar o poder da afinidade das almas? Ela vence distâncias e séculos para que possam os espíritos conversar.)

Leio Confissões sorrindo. Agostinho se parece a um menino, tentando pedir desculpas a Deus por seus desregramentos passados, com explicações para toda e qualquer torpeza: se em criança, era um egoísta que apenas desejava os seios da mãe e satisfação, argumenta com versículos bíblicos que nem mesmo a alma de um recém-nascido é inocente "fui concebido em iniquidade e em pecado me alimentou, no ventre, minha mãe", e corrobora a impureza de todas as crianças dizendo ter sido testemunha ocular de uma que nem sequer falava, já olhando invejosa para o irmão. Se usou de retóricas maniqueístas e disso se arrependeu, diz que a culpa não é das palavras "vasos escolhidos e preciosos" mas do "vinho do erro que por eles nos davam a beber os mestres embriagados". Também não é dele a culpa das próprias opiniões que no passado formou, e sim de "ler aqueles livros dos platônicos e de ser induzido por eles".

Durante todas as suas Confissões, implora por humildade e promete a Deus o despojamento do orgulho, para depois trair-se num arroubo de vaidade, quando diz que fosse o Gênesis de autoria dele e não de Moisés, o escreveria com "uma tal arte de expressão e uma tal modalidade de estilo que até esses que não podem compreender como é que Deus cria se não recusassem a acreditar nas minhas palavras, por ultrapassarem as suas forças".

Todo o problema do mal, para ele, se resume em que se fomos ou estamos corrompidos, é porque somos bons, somente o bem pode ser corrompido. O mal é apenas ausência do bem, como a obscuridade é carência de luz. Mas como pode Agostinho contradizer-se tanto, até o ponto de se tornar "meia-luz" ou "meio-corrompido"? Poderia a ausência de luz dar-se pela metade, e o homem que se diz humílimo em reconhecer os grandes mistérios conhecidos só por Deus pedir a ele o conhecimento do passado e do futuro, como ele mesmo fosse Deus? Pois Agostinho tem o descaro de pedir a seu Deus o conhecimento do passado e do futuro, em ambição desmedida.

O seu amor a Deus é paixão e temor, como se teria por um amante possessivo e vingativo, a quem se ama e agrada por um fundo de medo, foi a Ele prometido como a uma noiva e fugiu do grande compromisso por 32 anos. Sabia que a noiva exigia fidelidade e vida casta, e buscou antes de se voltar a ela, todos os prazeres mundanos. Um dia, num jardim em Milão, no ano 386, a liberdade enfim cobrou seu preço em milhões de culpas. Agostinho chorava angustiado quando teve a revelação que o converteu ao cristianismo: ouviu uma voz infantil cantando "toma e lê, toma e lê". Avistou a Bíblia sobre uma mesa, aberta nas palavras de Paulo de Tarso: "Não caminheis em glutonarias e embriaguez, não nos prazeres impuros do leito, não em contendas e emulações, mas revesti-vos de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não cuideis da carne com demasiados desejos". Mônica, a mãe, exultava com a salvação do filho.

A mãe exercia sobre ele enorme influência e era, na visão do filho, um ser intocável, sem nenhuma falha, somente "testemunhos de santidade". Que mágicas há nas doces -e algumas vezes não tão doces- manipulações maternas que fazem os filhos a tudo mais cegar? Agostinho volta à ela com mais fervor do que voltaria sua alma a Deus. E só se voltou a Deus por que ela assim o desejou.

Agostinho provou-me que somos, em essência, somente vaidade e temor de sermos castigados por causa desta. Aprendeu que apenas a devemos usar no caminho certo. Que é a vaidade usada nas "casas de perdição", e nas mesquinharias do mundo, perto da vaidade usada nos caminhos de Deus? A vaidade abençoada pela própria mãe ou justificada por versículos bíblicos, é para Agostinho, a boa vaidade. Esta passa desapercebida aos doutos e grandes senhores da Igreja, que o classificam como o grande pensador do cristianismo e o rotulam de coisas tantas que nem me interessaram saber -e era antes meu costume ler as opiniões dos doutos antes de obras da importância de Confissões.

Ah, senhores doutos, espero pelo dia em que deixem de classificá-lo, como Grande Isso ou Grande Aquilo na história da Igreja, para amá-lo como homem. Fariam então para ele um altar desavergonhado, com flores tão vaidosas quanto Agostinho, e velas de medo dos horrores do inferno pregado pela mãe. E iriam devagar com o andor, que os santos, olhados com calma, são de barro tal qual os homens.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 26/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Chavão de Eduardo Carvalho


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/5/2005
13h56min
Olá, Andréa! Há tempos não lia nada escrito por vc... fiquei surpreso com o teor deste texto. Para amenizar um pouco, pesquise Michel Onfray, "Deus está nu", O filósofo francês que diz que as três grandes religiões monoteístas vendem ilusões e devem ser desmascaradas como o rei da fábula de Andersen. Um beijão do seu amigo!
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
28/5/2005
01h16min
Andréa, Vez por outra acompanho teus textos. Também sou fã de Agostinho.
[Leia outros Comentários de Jose]
28/5/2005
13h05min
Será que faz diferença para eles serem de barro ou não? Acho que não. É como pensar que faz diferença para um Gauss se ele é considerado um gênio ou não... Mas para os alunos da universidade faz muita diferença conhecer um Gauss, do que conhecer as idéias da minha tese de mestrado... Por isso ele é um santo :).
[Leia outros Comentários de Ram]
29/5/2005
10h55min
Andrea, Certos temas estão sempre atuais desde que sejam abordados com competência. É o caso do polêmico SANTO AGOSTINHO. A Veja de hoje publica uma matéria com o escritor irlandes Peter Brown sobre ELE. Mais uma vez meus cumprimentos pela sensibilidade do seu artigo no Digestivo.
[Leia outros Comentários de Fernando Lyra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ensaios de Teodiceia: Sobre a Bondade de Deus, - 1ª Edição
G. W. Leibniz
Estação Liberdade
(2017)



Turismo e Planejamento Sustentável. A proteção do meio ambiente.
Doris Ruschmann
Papirus
(1999)



Os Seres e as Cores Nas Terras do do Sem-fim
José Carlos Capinan e Outros
Petrobrás
(1993)



Antropos e Psique - o Outro e Sua Subjetividade - 1ª Edição
Silas Guerreiro
Olho Dágua
(2000)



O Livro do Chá - 1ª Edição
Kakuzo Okakura
Estação Liberdade
(2008)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Memórias de um fusca
Orígenes Lessa
Ediouro
(1972)



Formação do Brasil Contemporâneo - 1ª Edição
Caio Prado Jr.
Companhia das Letras
(2014)



Eu vi Onde Termina o Mar
Rosalie Gallo y Sanches
Ie
(2003)



Repertorio de Jurisprudencia Trabalhista - Vol. 9
Joao de Lima Teixeira Filho
Renovar
(2000)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês