Para amar Agostinho | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/5/2005
Para amar Agostinho
Andréa Trompczynski

+ de 7400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Andei pela vida como Diógenes, com uma lanterna nas mãos. Ele, procurando um homem justo, eu, um homem santo para seguir. Muitos tentavam abrir-me os olhos dizendo ser aquilo algo impossível; outros viram em mim a loucura quando afirmei já não ter mais a fúria da liberdade com que num dia remoto declamei o "Cântico Negro", de José Régio. Outros ainda, com boas intenções, mostraram-me seus santos, canonizados, mas não me serviam, eram perfeitos demais.

Meu Santo de adoração seria essencialmente humano. Do gênero masculino, porque nos homens há menos superficialidades. De acordo com meu egoísmo, eu descobriria com ele não haver coisas em demasia a mudar em mim mesma. De acordo com minha vaidade, ele seria justo e piedoso com o gênero humano. Quando confessasse sua própria alma, a analisaria francamente, e, não tão francamente, se a questão fosse justificar seus erros. Cantaria a superioridade do espírito em relação ao corpo e a perfeição divina, sem esquecer as belezas da natureza humana. Sua inteligência iria sobressair nos racicíonios que levariam às respostas, e em alguns casos, nos que levariam à ausência delas. Um santo escritor e filósofo, que buscasse a Deus sem medo ou vergonha -há nos homens comuns vergonha em buscar a Deus.

Exigências demais? Pois saiba, leitor, que encontrei-o há cerca de um mês: seu nome é Aurelius Agustinus, natural de Tagaste, da província romana da Numídia. Apesar de algumas dimensões, como tempo e distância, me separarem de Santo Agostinho, sinto-me mais próxima dele do que de alguns homens meus contemporâneos.

(Quem poderá explicar o poder da afinidade das almas? Ela vence distâncias e séculos para que possam os espíritos conversar.)

Leio Confissões sorrindo. Agostinho se parece a um menino, tentando pedir desculpas a Deus por seus desregramentos passados, com explicações para toda e qualquer torpeza: se em criança, era um egoísta que apenas desejava os seios da mãe e satisfação, argumenta com versículos bíblicos que nem mesmo a alma de um recém-nascido é inocente "fui concebido em iniquidade e em pecado me alimentou, no ventre, minha mãe", e corrobora a impureza de todas as crianças dizendo ter sido testemunha ocular de uma que nem sequer falava, já olhando invejosa para o irmão. Se usou de retóricas maniqueístas e disso se arrependeu, diz que a culpa não é das palavras "vasos escolhidos e preciosos" mas do "vinho do erro que por eles nos davam a beber os mestres embriagados". Também não é dele a culpa das próprias opiniões que no passado formou, e sim de "ler aqueles livros dos platônicos e de ser induzido por eles".

Durante todas as suas Confissões, implora por humildade e promete a Deus o despojamento do orgulho, para depois trair-se num arroubo de vaidade, quando diz que fosse o Gênesis de autoria dele e não de Moisés, o escreveria com "uma tal arte de expressão e uma tal modalidade de estilo que até esses que não podem compreender como é que Deus cria se não recusassem a acreditar nas minhas palavras, por ultrapassarem as suas forças".

Todo o problema do mal, para ele, se resume em que se fomos ou estamos corrompidos, é porque somos bons, somente o bem pode ser corrompido. O mal é apenas ausência do bem, como a obscuridade é carência de luz. Mas como pode Agostinho contradizer-se tanto, até o ponto de se tornar "meia-luz" ou "meio-corrompido"? Poderia a ausência de luz dar-se pela metade, e o homem que se diz humílimo em reconhecer os grandes mistérios conhecidos só por Deus pedir a ele o conhecimento do passado e do futuro, como ele mesmo fosse Deus? Pois Agostinho tem o descaro de pedir a seu Deus o conhecimento do passado e do futuro, em ambição desmedida.

O seu amor a Deus é paixão e temor, como se teria por um amante possessivo e vingativo, a quem se ama e agrada por um fundo de medo, foi a Ele prometido como a uma noiva e fugiu do grande compromisso por 32 anos. Sabia que a noiva exigia fidelidade e vida casta, e buscou antes de se voltar a ela, todos os prazeres mundanos. Um dia, num jardim em Milão, no ano 386, a liberdade enfim cobrou seu preço em milhões de culpas. Agostinho chorava angustiado quando teve a revelação que o converteu ao cristianismo: ouviu uma voz infantil cantando "toma e lê, toma e lê". Avistou a Bíblia sobre uma mesa, aberta nas palavras de Paulo de Tarso: "Não caminheis em glutonarias e embriaguez, não nos prazeres impuros do leito, não em contendas e emulações, mas revesti-vos de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não cuideis da carne com demasiados desejos". Mônica, a mãe, exultava com a salvação do filho.

A mãe exercia sobre ele enorme influência e era, na visão do filho, um ser intocável, sem nenhuma falha, somente "testemunhos de santidade". Que mágicas há nas doces -e algumas vezes não tão doces- manipulações maternas que fazem os filhos a tudo mais cegar? Agostinho volta à ela com mais fervor do que voltaria sua alma a Deus. E só se voltou a Deus por que ela assim o desejou.

Agostinho provou-me que somos, em essência, somente vaidade e temor de sermos castigados por causa desta. Aprendeu que apenas a devemos usar no caminho certo. Que é a vaidade usada nas "casas de perdição", e nas mesquinharias do mundo, perto da vaidade usada nos caminhos de Deus? A vaidade abençoada pela própria mãe ou justificada por versículos bíblicos, é para Agostinho, a boa vaidade. Esta passa desapercebida aos doutos e grandes senhores da Igreja, que o classificam como o grande pensador do cristianismo e o rotulam de coisas tantas que nem me interessaram saber -e era antes meu costume ler as opiniões dos doutos antes de obras da importância de Confissões.

Ah, senhores doutos, espero pelo dia em que deixem de classificá-lo, como Grande Isso ou Grande Aquilo na história da Igreja, para amá-lo como homem. Fariam então para ele um altar desavergonhado, com flores tão vaidosas quanto Agostinho, e velas de medo dos horrores do inferno pregado pela mãe. E iriam devagar com o andor, que os santos, olhados com calma, são de barro tal qual os homens.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 26/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz em agosto de Luiz Rebinski Junior
02. Infeliz ano novo de Guilherme Conte
03. Vida mais ou menos de Daniell Rezende
04. Quase uma despedida de Eduardo Carvalho
05. São Paulo, PS de Urariano Mota


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/5/2005
13h56min
Olá, Andréa! Há tempos não lia nada escrito por vc... fiquei surpreso com o teor deste texto. Para amenizar um pouco, pesquise Michel Onfray, "Deus está nu", O filósofo francês que diz que as três grandes religiões monoteístas vendem ilusões e devem ser desmascaradas como o rei da fábula de Andersen. Um beijão do seu amigo!
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
28/5/2005
01h16min
Andréa, Vez por outra acompanho teus textos. Também sou fã de Agostinho.
[Leia outros Comentários de Jose]
28/5/2005
13h05min
Será que faz diferença para eles serem de barro ou não? Acho que não. É como pensar que faz diferença para um Gauss se ele é considerado um gênio ou não... Mas para os alunos da universidade faz muita diferença conhecer um Gauss, do que conhecer as idéias da minha tese de mestrado... Por isso ele é um santo :).
[Leia outros Comentários de Ram]
29/5/2005
10h55min
Andrea, Certos temas estão sempre atuais desde que sejam abordados com competência. É o caso do polêmico SANTO AGOSTINHO. A Veja de hoje publica uma matéria com o escritor irlandes Peter Brown sobre ELE. Mais uma vez meus cumprimentos pela sensibilidade do seu artigo no Digestivo.
[Leia outros Comentários de Fernando Lyra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERCEIRA ETAPA DA REFORMA PROCESSUAL CIVIL
FLÁVIO CHEIM JORGE & FREDIE DIDIER JR ET ALII
SARAIVA
(2006)
R$ 25,00



ENGLISH GRAMMAR IN USE - 2ªEDITION
RAYMOND MURPHY
CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS
(1994)
R$ 35,00



MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL
MAHARISHI MAHESH YOGI
ARTENOVA
(1976)
R$ 30,00



O ÍNCOLA E O BANDEIRANTE NA HISTÓRIA DE SÃO PAULO
CEL. PEDRO DIAS DE CAMPOS
FRANCISCO ALVES
(1951)
R$ 32,00



FOI DADA A PARTIDA: TRIBUTO AO HIPÓDROMO DA GÁVEA
RAFAEL CAVALCANTI
EUROPA
(1998)
R$ 26,82



SISTEMA DE MÉTODOS DE APRENDIZAGEM - HISTÓRIA GERAL I
CERED
CERED
(1987)
R$ 14,00



A FORMAÇÃO DAS ALMAS - O IMAGINÁRIO DA REPÚBLICA DO BRASIL
JOSÉ MURILO DE CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 20,00



DESNUTRIÇÃO E APRENDIZAGEM - ENSAIOS 76
JOVELINA BRAZIL DANTAS
ÁTICA
(1981)
R$ 9,00



NIEMEYER - UM ROMANCE
TEIXEIRA COELHO
ILUMINURAS
(2001)
R$ 6,28



AND THE WINNER IS... OS BASTIDORES DO OSCAR
EMANUEL LEVY
TREJETÓRIA EDITORIAL
(1990)
R$ 12,00





busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês