Instantes: a história do poema que não é de Borges | Isabel Furini | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
>>> Novos Melhores Blogs
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
Mais Recentes
>>> Em Busca de um Final Feliz de Katherine Boo pela Novo Conceito (2013)
>>> O Codigo Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Conquista da Confiança, A Conquista do poder de Michelle Celmer, Catherine Mann pela A Conquista (2015)
>>> Poder & Paixão - Atraente Desafio, Fruto de uma Noite - Edição 224 de Jennifer Hayward, Jennie Lucas pela Harlequin (2014)
>>> São Paulo 1975 - Crescimento e Pobreza de Vários pela Loyola
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2008)
>>> Futebol 2001 de José Ângelo Garsia pela Summus Editorial (2001)
>>> Preparar Apontar Fogo! Emoção em caça e pesca de Synesio Ascencio pela Troféu (1973)
>>> Fiesta - Curtindo Cada Segundo de Kate Cann pela Arxjovem (2003)
>>> Pesca Esportiva Maritima de Irineu Fabichak pela Nobel (1982)
>>> Diários do Vampiro - Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2010)
>>> ABC da Caça - Coleção Cultura e Tempos Livres de Fabiãn Abril pela Presença (1978)
>>> De Volta para Casa de Mary Sheldon pela Record (2004)
>>> Buracos Negras - Palestras da BBC Reith Lectures de Stephen Hawking pela Intríseca (2017)
>>> Poder Sexual Feminino de Márcia Goldschmidt pela Gente (2000)
>>> Iacocca – Uma autobiografia de Lee Iacocca e William Novak pela Cultura (1985)
>>> Voltando Para Casa com o Seu Bebê - Do Nascimento à Realidade de Laura A. Janna e Jennifer Shu pela Martins Fontes (2010)
>>> A Dominação Masculina - a Condição Feminina e a Violência Simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> Pais Brilhantes, Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Os Elementos - Capa Dura de Euclides pela Unesp (2009)
>>> Mauricio: A História Que Não Está No Gibi de Maurício De Sousa pela Sextante (2017)
>>> O Possuído - A besta toma posse de Tim LaHaye, Jerry B. Jenkins pela United Press (2010)
>>> Direita e Esquerda de Norberto Bobbio pela Unesp (2011)
>>> Sobre Educação, Política e Sindicalismo de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> Mensagem do Outro Lado do Mundo de Marlo Morgan pela Rocco (2019)
>>> Dicionário de Políticas Públicas de Geraldo Di Giovanni/Marco Aurélio Nogueira (orgs) pela Unesp (2018)
>>> Zoom - Cinco Páginas Animadas de Chris Davis pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Livro Nozes & Companhia - Um Livro de Receitas de Editora Lisma pela Lisma (2006)
>>> A Última Grande Lição - O Sentido da Vida de Mitch Albom pela Sextante (2010)
>>> A casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Nova Fronteira
>>> Livro Coleção Fono na Escola de Márica Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> Livro Irmãs vampiras - uma missão bem dentuça de Franziska Gehm pela V e R (2019)
>>> Infância dos Mortos de José Louzeiro pela Record (1981)
>>> Livro Dificuldades de Aprendizagem de Ana Maria Salgado Gómez pela Grupo Cultural (2018)
>>> O Misterioso Sr. Quin de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2017)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> O Siciliano de Mario Puzo pela Circulo do Livro (1984)
>>> Cid-10 - Vol. 1: Classificação Estatistica Internacional de Doenças de Oms pela Edusp (2010)
>>> O Espírito de Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1981)
>>> Conversa na Catedral de Mario Vargas Llosa pela Circulo do Livro (1969)
>>> Livro Nada a perder 2 de Edir Macedo pela Planeta (2013)
>>> Livro Mundo Afora de Mel Lisboa pela Globo (2007)
>>> A Nova Ordem Mundial e os Conflitos Armados - Bilingue/ Capa Dura de Daniel Amin Ferraz/ Denise Hauser Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Livro Maternidade Tardia. Mulheres Profissionais em Busca da Realização Plena de Sylvia Ann Hewlett pela Novo Século (2008)
>>> El Domador de Monstruos de Ana Maria Machado pela Sm (2007)
>>> Desafios do Trabalho de Ladislau Dowbor , Odair Furtado , leonardo Trevisan ,Hélio Silva pela Vozes (2004)
>>> Livro Bênção Diária 2 de Max Lucado pela Thomas Nelson (2014)
>>> Livro O grande livro das parlendas de Paulo F Netho pela Ciranda Cultural (2015)
>>> Sucessões - Teoria, Prática e Jurisprudência...Na Vigência do Código Civil 1916... de Wilson de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 24/8/2010
Instantes: a história do poema que não é de Borges
Isabel Furini

+ de 19300 Acessos
+ 13 Comentário(s)

Acho que foi em 2005. Eu orientava oficinas de textos no Solar do Rosário, em Curitiba, quando uma amiga falou do poema intitulado "Instantes" (ou "Momentos"), com "dicas" de mente positiva, de autoria de Jorge Luis Borges. Minha primeira reação foi gritar: Não pode ser de Borges! Ela insistiu, dizendo que o texto estava circulando pela internet.

Eu retruquei: Borges escrever um texto de mente positiva? É algo assim como Drácula revelar seu amor pelo leite!

O poeta cego, escrevendo temas de positivismo mental? Borges? Aquele cego de voz amarga que eu havia escutado em uma palestra em 1970, quando estudava filosofia em meu país? A turma o escutou em silêncio, olhando-o como a um ídolo. Apesar de muitos o odiarem por sua posição política (extrema direita).

Ele divertiu a plateia com frases irônicas como: "as pessoas têm o mau costume de morrer", e "minha mãe tem tantos anos que ela não é eterna, ela é imortal". Depois falou dos paradoxos de Zenão de Eleia.

Só participei dessa palestra. Se fosse hoje, não perderia uma única oportunidade de escutá-lo. Mas, na época, eu era jovem e estava mais interessada em passar longas horas em bares, discutindo temas de filosofia com meus amigos Alice, Jorge e Cristina, que em escutar um gênio como Borges. Vocês sabem como é... aos 20 anos, a gente se acha dono do mundo ― e demora um tempo até entender que o mundo é que é o dono da gente.

Escutei dizer que Borges reclamava de tudo ― mas isso é cultural. Afirmam que os argentinos nascemos reclamando do médico e das enfermeiras. E nossas primeiras frases não são "eu amo a minha mãe", nem "eu amo meu pai", mas "mamãe, a fralda está apertada", "a mamadeira está fria"...

Lembrei-me do conto "O Imortal". O final reduz o conhecimento e a vida humana a palavras... O narrador afirma: "Palavras, palavras deslocadas e mutiladas, palavras de outros, foi a pobre esmola que lhe deixaram as horas e os séculos". Esse Borges irônico, mordaz, cáustico, filosófico, amante dos livros de Schopenhauer e dos paradoxos de Zenão, havia escrito um texto de mente positiva, antes de morrer? Isso não seria o paradoxo de Zenão de Eleia, mas o Paradoxo de Borges.

Bem longe dos textos positivos (ajudam as pessoas, mas não têm valor do ponto de vista da literatura), Borges sempre foi um aristocrata da palavra. Adorava reformular o mundo. Sua visão não podia ser contida nem limitada no acontecer diário. Em um texto, ele alega que existem dois Borges, um que levanta da cama, toma o café, faz a barba. O outro Borges, ele vê nas enciclopédias, nas revistas literárias. E termina, deixando uma dúvida sobre o leitor: "não sei quem está escrevendo esta página, se eu ou ele".

O que deslumbra em Borges é sua escrita que nos leva por caminhos imprevisíveis. É sua visão do mundo. Sua linguagem cultíssima, consolidada por muitas horas de leitura e estudos. Borges provoca, desestrutura e mostra ao leitor que o mundo pode ser interpretado de outras maneiras. O poema: "Instantes", de autoria de Nadine Stair, é como um acalanto. Os poemas de Borges são turbilhões. Estéticos. Intensos. Avassaladores. Sacodem nossa sensibilidade.

A literatura era sua matéria prima. Ele foi um pensador. Um criador apaixonado, de visão singular. Os textos de Borges dão asas ao leitor, enquanto os textos de mente positiva têm um enfoque unilateral do mundo.

Vejamos o poema:

Instantes
"Se eu pudesse viver novamente a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais.
Seria mais tolo ainda do que tenho sido, na verdade
bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico, correria mais riscos, viajaria mais,
contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas,
nadaria em mais rios.
Iria a mais lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e menos lentilha,
teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveram sensata e produtivamente
cada minuto da sua vida; claro que tive momentos de alegria.
Mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter somente bons momentos.
Porque se não sabem, disso é feito a vida, só de momentos.
Não percam o agora.
Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e
continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua,
contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, como sabem, tenho 85 anos
e sei que estou morrendo."

As mensagens do poema "Instantes" são belíssimas, mas foi escrito por Nadine Stair. Outros afirmam que existe uma publicação desse poema na Seleções Reader's Digest de outubro de 1953, do escritor e humorista Don Herold (1889-1966). Acho que, como humorista, ele deve estar rindo no céu, vendo a confusão que seu poema foi capaz de causar nesta Terra.

Abordei o assunto porque uma pessoa ― também poeta ― disse-me que, para ela, o poema era de Borges, e que havia uma confabulação para ocultar seu arrependimento da forma como havia vivido. A verdade é que todos estamos arrependidos de alguma coisa ― ainda que nem sempre o confessemos. Morrer é fechar o livro, sabendo que não poderemos escrever nem mais uma linha.

Enquanto somos jovens, a luta pela vida nos arrasta como um maremoto, mas, com os anos, declinamos de muitos de nossos sonhos e lutas.

Pensar que Borges poderia ter refletido sobre o assunto... talvez. Isso não sei. Porém, acreditar que Borges pudesse ter sido o autor desse poema repetitivo, sem metáforas, sem jogos linguísticos, sem pensamento crítico, sem o estilo borgiano, é um pouco de ingenuidade.

A viúva do escritor, Maria Kodama, declarou que teve de ir à Justiça deixar registrado que o texto não era de Borges e que ela, como sua herdeira, se negava a receber os direitos autorais dele advindos.

Esclareço que eu gostei da mensagem, mas seria muito estranho atribuí-la a Borges. Lembremos que ele mesmo afirmou: "Não criei personagens. Tudo o que escrevo é autobiográfico. Porém, não expresso minhas emoções diretamente, mas por meio de fábulas e símbolos. Nunca fiz confissões...".

Borges nunca gostou de elogios diretos. A um jornalista que o chamou "um dos grandes literatos de nosso século", Borges respondeu: "é que este foi um século muito medíocre".

Vamos ver a diferença de linguagem, de estilo e de postura, lendo um fragmento de um poema (verdadeiro) de Borges. Você estará de acordo comigo, os estilos são muito diferentes.

As coisas (Tradução de Ferreira Gullar)
"(...) O rubro espelho ocidental em que arde
uma ilusória aurora. Quantas coisas,
limas, umbrais, atlas e taças, cravos,
nos servem como tácitos escravos,
cegas e estranhamente sigilosas!
Durarão muito além de nosso olvido:
E nunca saberão que havemos ido."

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no seu blog, Falando de Literatura.


Isabel Furini
Curitiba, 24/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
03. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
04. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
05. As sobras completas, poesias de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Isabel Furini
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2010
18h44min
Parabéns, Isabel. Como sempre, inovando e esclarecendo. Acontece que milhares de textos andam pelo mundo assinados por vários autores. Continue assim e sucesso no blog. Abraços.
[Leia outros Comentários de Angela Reale]
25/8/2010
21h16min
Acredito que Borges, fã que era de H.P. Lovecraft e seus livros apócrifos, ele mesmo tendo inovado ao escrever ensaios sobre livros que não existiram e até a história de Pierre Menard, veria com bom humor essa confusão toda. Talvez até concordasse com a poeta que afirmou que o poema era mesmo de um Borges que teria se arrependido depois - só pelo efeito. Típico do mestre.
[Leia outros Comentários de Noah Mera]
30/8/2010
14h31min
Leitura deliciosa. Além de elucidar a não autoria do poema, faz a nós, brasileiros, ficarmos mais curiosos sobre Borges, maravilhoso escritor argentino que nos é pouco conhecido (fora dos meios literários). E além do mais, justiça seja feita, como já diz a Bíblia: "dai a César o que é de César".
[Leia outros Comentários de Alessandra Magalhães]
30/8/2010
16h09min
Sempre me incomodou essa atribuição do "Instantes" a Borges. Seria a negação de toda uma vida criativa, o repúdio tardio à sua própria obra. A comparação entre os dois poemas mostra que "Instantes" não é de Borges. Por outro lado, caso "Instantes" fosse obra psicografada, ela teria as mesmas qualidades das obras pós-vida de autores famosos, recebidas por médiuns espíritas. Os críticos apontam que o "plano astral" ou "espiritual" faz muito mal ao estilo dos artistas, ficando praticamente irreconhecíveis.
[Leia outros Comentários de José Frid]
6/9/2010
10h41min
Cada vez que alguém reforça a verdade de que este texto de autoajuda não é de Borges, fico feliz. Talvez o poeta se divertisse com esta confusão, uma vez que ele próprio usava a dúvida como estilo literário. Mas para seus admiradores é irritante alguém acreditar que este amontoado de clichês fez parte da sua obra. Parabéns à autora pelo texto e por nos devolver um fragmento, este verdadeiro, do grande mestre argentino.
[Leia outros Comentários de Helena]
7/9/2010
09h03min
Excelente artigo de Isabel Furini. Vou ler mais coisas de Borges, depois dessa aula magna... Parabéns.
[Leia outros Comentários de Valdeck Almeida]
7/9/2010
10h49min
Um belo texto sobre o Borges. Agora, esse poema está mais para Pedro Bial! Descadaramente não é do Borges. Penso aqui comigo: tenho visto dezenas de poemas assinados por Drummond, Bandeira, Cecília etc., correndo pela rede que são de autoria duvidosa...
[Leia outros Comentários de L Rafael Nolli ]
7/9/2010
11h13min
Finalmente alguém revela esse fato. Desde a primeira vez que li o poema desconfiei desse tomaria mais sorvete e menos lentilha que decididamente não combina com ele.
[Leia outros Comentários de J MAURICIO GUIMARAES]
7/9/2010
14h18min
Isabel, parabéns pela peneirada crí­tica no texto "Instantes". O bom dessa história toda é que o poema é bom. Não fosse, não seria atribuído a Borges. Sua autoria, no caso, pouco importa. Importa apenas saber que tivemos Borges, que "assina" até poemas nossos, como querí­amos fossem seus.
[Leia outros Comentários de Gildemar Pontes]
7/9/2010
19h09min
A discrepância é óbvia mesmo. Como aquele texto "Mude" que foi atribuído a Clarice Lispector (qualquer pessoa com o mínimo de bom senso percebe que ela JAMAIS escreveria aquilo); mais tarde foi reconhecido o verdadeiro autor: Edson Marquez. Enfim, o mundo literário é cheio dessas coisas, desde os primórdios: será que William Shakespeare realmente pisou sobre essa terra? "Maktub" já existia antes de Paulo Coelho? Quem foi que escreveu a Biblia, mesmo? Ah, sim, sinto muito, mas aquele "Filtro solar" também não é do Bial...
[Leia outros Comentários de Camila Silveira]
8/9/2010
18h17min
Excelentes esclarecimentos da Isabel. Concordo com a opinião da Camila Silveira e acrescento que o mundo virtual é cheio de textos cuja autoria é atribuída a autores famosos e que não tem nada a ver com eles. Também encontrei uma "preciosidade", o livro "O Aleph", de Paulo Coelho. Mas não é que o Jorge Luis Borges também escreveu um livro com esse título? Donde concluo que Paulo Coelho adora o Borges...
[Leia outros Comentários de Luzia Helena ]
8/9/2010
19h10min
Não dá mesmo para atribuir este poema a Borges, e quase acho engraçado visualizar a Sra. Kodama recusando-se a receber os direitos autorais, rsrsrsrs!!! Mas serviu de matéria-prima para um belo ensaio por parte de nossa cara Isabel! Destarte os questionamentos sobre o valor literário, a falsa atribuição do poema dá margem a uma situação que o próprio autor poderia abordar em um de seus contos...
[Leia outros Comentários de Adalgiso Junior]
30/12/2013
10h47min
Mas Don Herold morreu com 77...
[Leia outros Comentários de lisandro do amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BH120
SYLVIO COUTINHO BERNARDO MAGALHAES
MERCANTIL DO BRASIL- PRODIGITAL
(2016)
R$ 100,00



O MISTERIO DO LIVRO SEM MISTERIO
CRISTINA AGOSTINHO
FTD
R$ 8,00



O AUTISMO E O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS CONCEITUAIS NO PROFESSOR
DENISE DE OLIVEIRA VIEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 629,00



ESTUDO SEMIÓTICO DE CANÇÕES DE ADONIRAN BARBOSA
CARLOS VINICIUS VENEZIANI DOS SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 314,00



ÍNDICE DAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA ELETRÔNICA DAS FUNDAÇÕES - IGEF
SUELEN BEVILAQUA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



10266A PROGRAMING IN C# WITH MICROSOFT VISUL STUDIO 2010 - 2 VOLUMES
NÃO IDENTIFICADO (839)
MICROSOFT
(2010)
R$ 60,00



OS CEM MELHORES CONTOS BRASILEIROS DO SÉCULO
ITALO MORICONI; DIVERSOS AUTORES
OBJETIVA
(2001)
R$ 20,00



MANIFESTAÇÕES DO SAGRADO NA ÉPICA MEDIEVAL - UM RECORTE EM TRÊS TEXTOS
SÉRGIO RUBENS BARBOSA DE ALMEIDA (AUTOGRAFADO)
UEL
(2000)
R$ 14,50



LASER B2 STUDENTS BOOK WITH CD-ROM
MALCOLM MANN E STEVE TAYLORE -KNOWLES (COM CDROM)
MACMILLAN
(2008)
R$ 25,28



ANÁLISE DE CLUSTER VIA COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA
LÁZARO NOGUEIRA PENA NETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês