Paixão: dor e êxtase | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
COLUNAS

Terça-feira, 11/5/2010
Paixão: dor e êxtase
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6100 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Dedicado a N.

"Este terrível filtro que me condena ao suplício, fui eu, eu mesmo quem o preparou... E o bebi em grandes goles de delícia." (Tristão e Isolda).

A paixão é um doce tormento. Todos sabem. O amor feliz não existe na história da literatura ocidental, escreveu Denis de Rougemont no seu famoso livro O amor e o ocidente. Temos a prova. E sabemos que isso não se resume apenas à literatura, mas às nossas próprias vidas.

Werther se matou com a arma que Carlota limpou momentos antes do tiro fatal que daria no próprio peito. Ele diz: "Elas passaram pelas tuas mãos, e lhes limpaste a poeira! Beijo estas armas mil vezes, pois foram tocadas por ti! A morte me vem como sempre desejei, pelas suas mãos". Sabendo da morte de Werther, por suicídio, "a vida de Carlota perigou por muito tempo".

Jeanne Hebuterne pulou da janela, estando grávida, porque seu amado, o pintor Modigiliani, havia morrido. Romeu e Julieta enlouqueceram e abraçaram o Nada com os corações partidos.

Tristão e Isolda mergulharam nas águas tenebrosas dos próprios sentimentos amorosos e Richard Wagner inspirou-se neles para compor a mais impressionante ópera da história, terminando a música com a mais dolorosa expressão de dor jamais criada por um músico: "Canção de amor e morte". Sobre o cadáver de Tristão, Isolda canta o Liebestod, e as duas almas se fundem numa só, no hálito do universo. Através do tecido orquestral Wagner faz sobressair nos acordes tristes e impressionantes do oboé o tema da magia do amor e do desejo ardente de Isolda pela união com a morte.

"Bem-me-quer, mal-me-quer", dizia Margarida no famoso trecho do Fausto, de Goethe, que nos mostra como o amor pode nos levar a estados perigosos. De sua alma atormentada pela ausência do amado sai o lamento doloroso:

"Foge-me o sossego!... Ah! Não encontro jamais, jamais, a paz do meu coração enfermo! Em toda a parte onde não o vejo, vejo um túmulo! O mundo inteiro se cobre de luto! Sinto a cabeça estalar, o espírito aniquilar-se! Fiquei o dia todo à janela para vê-lo ou para correr ao seu encontro. Seu andar altivo, seu porte majestoso, o sorriso de sua boca, o poder de seus olhos. E o encanto de sua palavra, o aperto da sua mão! E, ah, seu beijo! Sinto um aperto no coração quando ele se aproxima! Ah! Porque não posso agarrá-lo e prendê-lo para sempre! E beijá-lo à vontade! E acabar os meus dias sob os seus beijos!"

Madame Bovary delirava para lá e para cá, destruindo tudo à sua volta, porque estava em busca do que apenas alguns homens podem ter na vida: o amor absoluto.

Petrarca compôs os mais belos sonetos de amor à Laura, inventando a paixão e seus intermináveis delírios incontroláveis. E Dante precisou de Beatriz para viver a Vita Nuova e compor sua obra marcante.

Empédocles, filósofo da Antiguidade grega, dizia que o amor, Eros, é uma força que tende a unificação dos seres.

Quando se apaixona o sujeito é banhado numa emoção sublime, como relata Werther, o mais apaixonado dos amantes: "Uma serenidade maravilhosa, semelhante às doces manhãs de primavera, que gozo tão intensamente, tomou posse de minha alma inteira".

Para o racionalismo psicanalítico, a loucura de Werther é explicável: "a plenitude é inatingível porque o amor é proibido. Eis a estratégia do mito do amor: a conversão do impossível em interdição a fim de que seja mantida a promessa de felicidade". No amor, "da esperança ao fracasso, o sonho se transforma em martírio a serviço do gozo. Nega-se a castração para sustentar a ilusão de que o amado tem o que falta ao amante". (Ver Nadiá Ferreira no seu livro A teoria do Amor).

Os poetas, ao contrário da tradição racionalista, aceitam a indefinição da origem do amor. Veja-se Fernando Pessoa: "Porque quem ama nunca sabe o que ama/ Nem sabe por que ama, nem o que é amar...".

Segundo Jacques Lacan, as fantasias do amor quebram o limite entre a realidade e a mentira, conduzindo o homem a esbarrar em alguma coisa da ordem do intransponível.

Para o poeta Mário Alex Rosa, "Amor matemática não exata/ cálculo que não se calcula/ soma diminui multiplica/ na medida do impossível".

Ama-se para aceitar as meias-verdades ou se ama para encontrar toda a verdade?, pergunta Nadiá Ferreira em seu livro.

O apaixonado é uma espécie de Antígona que só pode vislumbrar a vida sob a forma do que está perdido. O amor cortês se fincava na tríade prisão da qual não se pode fugir ao se amar: sujeito/ objeto/ falta. Quem escapa disso até hoje?

O amor não gera só amor, gera desamor, ódio, nas palavras de Camões: "Mas como causar pode seu favor/ Nos corações humanos amizade,/ Se tão contrário a si é o mesmo amor?".

Freud, no seu livro Para além do princípio do prazer, reúne amor e morte, como os românticos, pois o anseio básico é o do Nirvana, o desejo de apagar a "febre chamada viver". Desejo de viver e de morrer. Todo apaixonado diz: "eu quero morrer!".

No estado de paixão o amado é divinizado, torna-se valor onipotente, por isso todos os dissabores são atribuídos a ele e somente a ele.

A paixão é o único lugar possível para o encontro total entre o Eu e as pulsões profundas da sexualidade. Por isso se diz que é mais intenso, mais gostoso e mais vibrante fazer amor quando se está apaixonado.

O amor místico não se diferencia da paixão. Como é o caso das descrições de São João da Cruz, com sua exclamação: "Ó queimadura suave", ou Santa Tereza, que quando em êxtase era possuída pelo amor divino, que assim descreveu: "É um martírio ao mesmo tempo delicioso e cruel. A alma desejaria que seu tormento nunca acabasse. Uma vez submetida a esse suplício, ela desejaria que durasse o que lhe resta de vida. Desse desejo que num instante penetra toda a alma nasce uma dor que a faz elevar-se acima de si própria e da criação".

Segundo Helmut Hatzfeld, nos seus Estudos sobre o Barroco, para Dante o amor é o grande segredo que enobrece a humanidade, a caritas que tudo abrange, que encerra dentro de si o amor sublime. A sua musa, Beatriz, além de ser a amada de sua juventude e o amor sublime e ideal, encarna também esse amor-caritas. Mas quando no inferno faz arder Francesca e Paolo, vítimas do amor sensual, Dante se sente intimidado, porque a força catastrófica da paixão o comove e abala: "Amor, che a nullo amato amar perdona". ("Inferno", Canto V, verso 105)

A paixão é também amor narcísico, como revela os sonetos de amor de Camões: "Transforma-se o amador na coisa amada/ por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar,/ pois em mim tenho a parte desejada".

Ainda Camões define muito bem o poder do amor sobre nós: "É estar preso por vontade;/ É servir a quem vence, o vencedor;/ É ter com que nos mata lealdade".

O amor às vezes é motivo de prazer e dor ao mesmo tempo, satisfação e insatisfação, como nos ensina o poema "Inferno de Amar", de Almeida Garret: "Este inferno de amar ― como eu amo!/ Quem me pôs aqui na alma... quem foi?/ Esta chama que alenta e consome,/ Que é a vida ― e que a vida destrói!/ Como é que se veio atear,/ Quando, ai quando se há de ela apagar?"

O amor romântico alimentava-se da infelicidade, da busca do sofrimento e de amar-se mais o amor que o próprio objeto amado. A dor sendo um meio privilegiado de conhecimento deve ser buscada incessantemente. Acaba-se por amar a chama ardente da paixão e a consciência do que arde em nós no momento do amor. O que se ama é o romance, com suas intensidades, variações, adiamentos, seu crescendo, até a catástrofe final ― uma viagem de autoconhecimento.

O coração apaixonado é caprichoso, como diz Werther: "Trato meu coração como se trata uma criança doente: satisfazendo a todos os seus caprichos". E não poderia ser diferente, dadas as exigências da paixão.

Diferente do desejo, que é apressado e fugaz, como disse Rougemont, "o amor é lento e difícil, compromete toda uma vida e exige esse mesmo compromisso para revelar sua verdade".

O pensador francês Roland Barthes escreveu em seu livro Fragmentos de um discurso amoroso que "o suicídio de Werther era a sua morte enquanto sujeito amoroso". Não só dele, Barthes, mas de todos nós que um dia nos apaixonamos perdidamente.

Pode-se saber tudo sobre a paixão, o que não é suficiente para se escapar de suas garras e ter paz dentro de seus deliciosos tormentos.

Termino com um trecho da ópera Tristão e Isolda, de Wagner, onde podemos encontrar algumas palavras sobre a impossibilidade da explicação do mistério do amor: "Esse mistério, não posso revelar-te. Mas onde estive? Não saberia dizer... Era lá onde sempre estive e onde estarei sempre: o vasto império da noite eterna. Nesse lugar, apenas uma ciência nos é dada: o divino, o eterno, o esquecimento original. Oh! Se eu pudesse contar! Se tu pudesses compreender-me".

Aviso aos navegantes: para provar do manjar dos deuses, para poder triunfar no amor, é preciso se submeter completamente à sua vontade, pois, uma vez declarada, a paixão exige muito mais do que satisfação; ela quer tudo, sobretudo o impossível: o infinito num ser finito.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
02. Lourival, Dorival, assim como você e eu de Elisa Andrade Buzzo
03. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... de Renato Alessandro dos Santos
04. Ao pai do meu amigo de Julio Daio Borges
05. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2010
23h14min
Texto fantástico!
[Leia outros Comentários de Luiz Fernando Alves]
31/5/2010
11h24min
Sr. Jardel, simplesmente sublime seu artigo. Amei. Bjs., Lu.
[Leia outros Comentários de Luciene Felix]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês