A última casa de ópio, de Nick Tosches | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> S. O. S Corpo Viagem ao Mundo da Contracepção de Rose Marie Muraro pela Rosa dos Tempos (1991)
>>> Uma Vida Em Alta Velocidade Em Depoimento a Peter Golenbock de Emerson Fittipaldi e Peter Golenbock pela Objetiva (2003)
>>> Uma Mulher Egípcia de Jehan Sadat pela Bibliex (2005)
>>> Econometric Methods de J. Johnston pela Mcgraw Hill (ny) (1972)
>>> O Continente Desaparecido de Gianni Minà pela Record (2007)
>>> Era uma Vez Fh: o Humor na História do Brasil de 1994 a 2002 de Chico Caruso pela Devir (2002)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2000)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 (2ª Ed.) de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2001)
>>> Ciclos de Formação: uma Reorganização do Tempo Escolar de Elvira Souza Lima pela Sobradinho 107 (2002)
>>> Perdão: o Segredo da Cura Total de Roberto Mcalister (2ª Edição) pela Carisma (1982)
>>> A Luz Imortal de Vasco da Gama de João Lyra Filho pela Club de Regatas Vasco da Gama (1969)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho pela Nau (2013)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho e Outros (orgs) pela Nau (2013)
>>> Esquerda no Brasil: uma História Nas Sombras de História Viva, Nº 5 - Temas Brasileiro pela Duetto
>>> Entre sem Bater: o Humor na Imprensa - do Barão de Itararé ao Pas de Luís Cunha Pimentel pela Ediouro (2004)
>>> E Agora, Che? a Revolução das Bananas de Humberto Borges pela Europa (rj) (1980)
>>> Arbeitswert, Mehrwert Und Verteilung: Zur Problematik Von Theorie de Gerhard Himmelmann (em Alemão) pela Westdeutscher Verlag (1974)
>>> El Hombre Ilustrado de Ray Bradbury pela Minotauro (buenos Aires) (1980)
>>> Profissionais de Saúde: Vivendo e Convivendo Com Hivaids de Elaine Gomes e Dalton Luiz de Paula Ramos pela Santos (2002)
>>> Namoros Com a Medicina - 4ª Edição de Mário de Andrade pela Martins e Itatiáia (1980)
>>> Los Pajaros Regresan de La Niebla de Pedro Rivera (dedicatória) pela Ministerio de Educacion Panamá (1970)
>>> Racionalidade Retórica; América Latina; Onda Movimentalista e Açã de Estudos Leopoldinenses Vol 33 Nº 151 de 1997 pela Univ do Vale do Rio dos Sinos (1997)
>>> O Imperador da Fome de Newton Belleza pela Edições o Cruzeiro (1974)
>>> Vocabulário e Texto do Disco de Sons de Curso de Conversação: Alemão pela Linguaphone Institute
>>> Billy Hooten Owlboy: the Girl With the Destructo Touch de Thomas E. Sniegoski pela A Yearling Book (2007)
>>> Brésil, Pays Du Ballon Rond : Essai de Betty Milan pela Laube (frança) (1998)
>>> Taxionomia Contratual de Marcos Cavalcante de Oliveira pela Forense (1981)
>>> Leurope Au Moyen Age de Georges Duby pela Flammarion (1993)
>>> Liturgia, de Coração de Ione Buyst pela Paulus (2003)
>>> Acaso, Necessidade, Acção: Entre Aristóteles e Verdi de Revista Travessias, Nº 2e3 de 2000e01 pela Faperj (2000)
>>> Ill Let You Go: a Novel de Bruce Wagner pela Random House (new York) (2003)
>>> Catálogo da Secção Ivan Lins de Universidade Gama Filho - Biblioteca Central pela Univ Gama Filho (1977)
>>> Las Ruedas de un Alma de Dr Philip S. Berg pela Ci de La Cabala (jerusalem-ny) (1986)
>>> Quien Es y Quien Fue El Conde St Germain: Metafísica 3 de Conde St. Germain pela Ecologic Argentina (1986)
>>> A Idade Média:a Expansão do Oriente e o Nascimento da Civilização Ocid de Édouard Perroy pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Ciência Tecnologia Teologia de João Vieira Martins (2ª Edição) pela Marques Saraiva (2000)
>>> O Conselho de Segurança Após a Guerra do Golfo de Antonio de Aguiar Patriota pela Fundação Alexandre de Gusmão (2010)
>>> Castro Alves: Imagens Fragmentadas de um Mito de Edilene Matos pela Fapesp (2001)
>>> Teoria Geral das Obrigações. Parte Geral de Leonardo Pantaleão pela Manole (2007)
>>> Transferências de Impostos aos Estados e Municípios de Aloísio B de Araujo, Maria Helena e Claudio M pela Ipea (rj) (1973)
>>> Alma y Espiritu: Profundo Análisis y Cuidadosa Interpretación Al de Felas Du Richard, S I pela Luis Carmo (1989)
>>> Grammaire de Lespagnol de Bernard Pottier pela Puf (1972)
>>> La Sociologie Du Langage (que Sais-je?) de Pierre Achard pela Puf (1993)
>>> Agricultura e Perestroika de Dados Vol 32 Nº 2 de 1989 (revista) pela Vértice (1989)
>>> Carnaval Brasileiro: da Origem Européia ao Símbolo Nacional de Revista Brasileira para Progresso Ciência, 8 pela Sbpc (1987)
>>> Los Primitivos Reyes de Noruega de Tomás Carlyle pela Espasa (buenos Aires) (1944)
>>> Bunge and Born: Crecimiento y Diversificación de un Grupo Economi de Jorge Schvarzer pela Cisea (1989)
>>> You Can Draw de Adrian Hill pela Hart Publishing (nova Iorque) (1966)
>>> Dicionário de Medicina Natural (capa Dura) de Readers Digest pela Readers Digest (1998)
>>> The Complete Works of O. Henry - Vol. Ii (capa Dura) de O. Henry ; Fareword Harry Hansen pela Doubleday & Company (1953)
COLUNAS

Terça-feira, 19/8/2008
A última casa de ópio, de Nick Tosches
Rafael Rodrigues

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você pode comprar um livro porque alguém lhe indicou, ou por ter lido uma matéria sobre ele. Você pode também comprar um livro porque ele está em alguma lista de mais vendidos. Mas existem casos mais curiosos. Existem pessoas que compram livros pela capa, ou por causa do título. Não sem antes ler a orelha dele, claro. Há ainda pessoas que, antes de decidirem levar uma obra para casa, lêem os primeiros e os últimos parágrafos. Sim, lêem o fim do livro. Gostando de ambos, compram. Já fiz isso, uma vez, e não me arrependo. Mas sou do tipo que compra livros por intuição.

Não a intuição sozinha, pura, é claro. Acontece assim: você está em uma livraria e vê um livro na estante, quase que escondido, entre outros títulos. Você resolve folheá-lo. A capa é muito bonita, os dizeres da orelha são atraentes, mas, como você sabe, não se pode confiar em capas bonitas e orelhas elogiosas. Além disso, você não conhece o autor. Nenhum de seus amigos literatos recomendou que você o lesse. É muito provável que eles também não o conheçam. Você fica com o livro nas mãos por alguns segundos, enquanto pensa em tudo isso. Você sente o peso do livro, sente a capa, abre-o para sentir o cheiro. Você se interessa pelo livro, sente (alguma coisa lhe diz) que ele tem potencial, mas não o compra de imediato. Você o devolve ao seu lugar de origem e vai tomar um café. Alguns dias depois, acontece novamente: pega o mesmo livro, folheia-o a esmo, pensa em comprá-lo. Mas, não se sabe por qual motivo, não compra. Tempos depois, você o toma novamente em suas mãos e lê o primeiro parágrafo:

"Veja bem, eu precisava ir pro inferno. Eu estava, pode-se dizer, com saudade de casa. Mas antes, à guisa de explicação, a cebola."

É o início de A última casa de ópio (Conrad, 2006, 94 págs.), do jornalista e escritor americano Nick Tosches. "À guisa"? Quem mais usa "À guisa" hoje? Vocês conseguem perceber a beleza da expressão? "À guisa"! Um início genial, pois. Só isso já valeria o livro. Finalmente, você o compra. Depois de lidas as primeiras páginas, percebe que ele não é só um belo início. Mistura de história, jornalismo investigativo e road book, A última casa de ópio, narra a busca de Tosches por uma casa de ópio. O ópio, como todos sabem, é uma droga ilícita. Mas, para Tosches, o ópio é uma espécie de substância sagrada. E ele diz: "Sim, eu nasci para fumar ópio, nasci para fumá-lo numa casa de ópio". Mas, o leitor pergunta, por que o ópio? E por que a casa de ópio? Perguntas que o próprio Tosches faz no livro e também as responde: "A resposta pode ser dada numa palavra só: romance".

"Visões de locais escuros, de decadência luxuosa, com cortinas de brocado e almofadas de veludo, recendendo uma mistura de fumaça e aroma de incensos e da própria substância celestial, proibida, fabulosa. Serviçais silenciosos e solícitos. Atemporalidade. Santuário. Membros adoráveis despontando das vestes entreabertas de relaxadas e exóticas concubinas, docemente intoxicadas. Sonhos dentro de sonhos. Romance."

À primeira vista pode parecer que Tosches é um jornalista drogado e porra-louca. Mas ele faz questão de deixar claro que sua busca por ópio e por uma casa de ópio não é uma loucura sua: "Não me entendam mal: sou contra as drogas, há muito tempo renunciei ao seu uso e abracei o caminho espiritual apontado por A profecia celestina e aquele cara com a testa grande e brilhosa. Drogas matam". Tosches é só um homem com um objetivo, nada mais. E muita determinação em alcançá-lo. A diferença é que seu objetivo é um tanto quanto alternativo, digamos.

Tosches diz que nos Estados Unidos seria quase impossível conseguir ópio. Mais difícil ainda seria encontrar uma casa de ópio: "Por dois anos, com a ajuda de muitas pessoas, até de algumas não estranhas às camadas menos respeitáveis da sociedade, eu procurei". Esgotadas as suas possibilidades nos Estados Unidos ― e também na Europa, onde ele também procurou por uma casa de ópio ― ele decide ir ao Oriente. Talvez lá consiga encontrar o que tanto procura.

O mais interessante em A última casa de ópio não é nem o seu desfecho, mas sim o seu durante. Uma vez García Márquez disse algo mais ou menos assim: "se é necessário descrever a porta de um hotel em Paris, saiba quantos degraus tem a escada que vem depois dela, não importa se essa informação, no final, vai aparecer ou não". É o que faz Nick Tosches em seu livro: ele não apenas narra sua busca incessante por uma casa de ópio, mas conta a história da droga desde sua origem até sua derrocada e seu conseqüente quase total desaparecimento, além de mostrar o quão degradante pode ser viver em cidades como Hong Kong e Bangcoc. O livro é de uma riqueza jornalística que impressiona.

E depois de passar por apuros, becos escuros e lidar com pessoas de caráter duvidoso em busca de sua "droga sagrada", Tosches parece enxergar melhor as coisas. Tanto que logo no início do livro ele faz duras críticas às nossa sociedade: "A nossa era é, cada vez mais, a era do pseudoconhecimento, o modo pelo qual tentamos totalmente nos diferenciar da maioria medíocre".

Grata surpresa, A última casa de ópio pode ser lido de diversas maneiras: relato de viagem, jornalismo, história, crítica social. E é tudo ao mesmo tempo. Mas nem por isso deixa de ser um livro divertido, instigante e às vezes até esculachado. Mais um fruto do jornalismo gonzo. Se você gosta de jornalismo e literatura e não conhece o gênero nem Nick Tosches, não sabe o que está perdendo...

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 19/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A literatura e seus efeitos - 29/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/8/2008
12h07min
Rafael, esse livro do Tosches é realmente uma viagem muito boa. E é bem pequeno, a gente tasca ele em meia hora.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
20/8/2008
10h31min
Interessantíssimo! Gostei! Parece que esse Tosches sabe das coisas. Outro dia vi em um documentário plantações de papoulas no Oriente (e o comércio da droga como uma questão de sobrevivência desse povo esmagado pela guerra). O negócio é violento, e os consumidores de heroína vendem realmente até a alma para umedecer as veias. Não me pareceu que a extração do ópio esteja em decadência, pelo contrário, as plantações de papoulas são vastas e a procura pela droga é crescente. Quero conferir esse livro. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
20/8/2008
10h43min
Adriana, umas das coisas que Tosches fala no livro e que eu não falei na resenha é que o ópio vem sendo utilizado mais para a fabricação de outras drogas. O consumo puro e romântico do ópio é raridade, segundo ele. Na verdade, pelo que Tosches diz, não existe mais o ópio puro, mas sim uma variante manipulada, suja e ruim dele. Obrigado pelo comentário, abraço!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2008
00h01min
Você tem razão. Mas esse livro me remeteu ao documentário que vi recentemente. Pois bem, o ópio, como Sherlock Holmes usava, realmente, deve ser coisa rara. O Guga tem uma música que ele compôs há muitos anos que diz: "Uma papoula é tão bonita, mas é a morte a quem se trai, eu quis apenas te mostrar a flor que matou nossso pai". Valeu pela explicação. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONATA DE OUTONO - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1978)
R$ 12,00



A UTOPIA - UM CONVITE À FILOSOFIA
JEAN-YVES LACROIX
JORGE ZAHAR RIO DE JANEIRO
(1996)
R$ 12,00



LYGIA PAPE, INTRINSECAMENTE ANARQUISTA
DENISE MATTAR
RELUME DUMARÁ
(2003)
R$ 13,00



OS ANOS 80: CONTAGEM REGRESSIVA PARA O JUÍZO FINAL
HAL LINDSEY
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 9,00



DESCOBERTA DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM MINERAÇÃO DE DADOS
FELIPE FERRÉ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS NO BRASIL
MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA, FABRÍCIO E. ARAÚJO UND ALEXANDRE A. MEXIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



POPE JOAN
LAWRENCE DURRELL
SPHERE BOOKS
(1971)
R$ 27,28



RABISCADO NO TEATRO
STÉPHANE MALLARMÉ
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 41,83



PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS
PEDRO PASSARINHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



INDICADORES CARDIOVASCULARES E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS
JANAISA GOMES DIAS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês