A última casa de ópio, de Nick Tosches | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
36997 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em SP e público aprende a combater vilões com higiene
>>> Exposição de arte Dispositivos
>>> Cristina Guimarães lança EP Em Canto que marca seu reencontro com a voz cantada
>>> Desenhos de Tarsila do Amaral
>>> F.I.B.R.A. CONSOLIDA CENA INDEPENDENTE COM MAIS UMA EDIÇÃO EM VIAMÃO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A calça alta do Faulkner
>>> Rubem Braga e eu
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Dicas para você aparecer no Google
>>> This Week in Startups, com Jason Calacanis
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> A obra-prima de Raymond Chandler
>>> Meu beijo gay
>>> teenageangst
Mais Recentes
>>> Antes Que o Café Esfrie de Toshikazu Kawaguchi pela Valentina (2022)
>>> As Coisas Que Você Só Vê Quando Desacelera de Haemin Sunim pela Sextante (2017)
>>> A Raiva Não Educa. a Calma Educa de Maya Eigenmann pela Astral Cultural (2022)
>>> Especialista em Pessoas de Tiago Brunet pela Academia (2020)
>>> Coaching Ministerial de Ariel Nobre pela Literare Books (2017)
>>> O relato de Arthur Gordon Pym de Edgar Allan Poe pela L&PM Pocket (2010)
>>> Nelson Mandela de Vicky Shipton pela Scholastic (2011)
>>> O banquete de Platão pela L&PM Pocket (2017)
>>> Do contrato social de Jean Jacques Rousseau pela Martim Claret (2007)
>>> A magia dos números ao seu alcance de Helyn Hitchcock pela Pensamento (1993)
>>> Renúncia de Francisco Candido Xavier pela Federação Espirita Brasileira (1980)
>>> Three Short Stories of Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Penguin Readers (2008)
>>> Escola da fé I - Sagrada Tradição de Prof. Felipe Aquino pela Cléofas (2000)
>>> Talvez Você Deva Conversar Com Alguém de Lori Gottilieb pela Vestigio (2021)
>>> O grande mentecapito de Fernando Sabino pela Record (2010)
>>> Saboroso Cadáver de Agustina Bazterrica pela Darkside (2022)
>>> Física I mecânica de Young & Freedman pela Addison Wesley (2003)
>>> A Gente Mira no Amor e Acerta na Solidão de Ana Suy pela Paidós (2022)
>>> Em Busca de Mim de Em Busca de Mim pela Best Seller (2022)
>>> A Lion called Christian de Anthony Bourke e John Rendall pela Richmond (2012)
>>> Twenty Thousand Leagues Under the Sea: Level 1 de Jules Verne pela Penguin Readers (2008)
>>> Barack Obama - The story of one man's journey to the White House de Jane Rollason pela Richmond (2014)
>>> O Futuro do Poder de Joseph S. Nye Jr. pela Benvirá (2012)
>>> Bioética de Darlei Dall´Agnol pela Jorge Zahar (2005)
>>> Álbum de Casamento - Quarteto de Noivas 1 de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 19/8/2008
A última casa de ópio, de Nick Tosches
Rafael Rodrigues
+ de 8300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você pode comprar um livro porque alguém lhe indicou, ou por ter lido uma matéria sobre ele. Você pode também comprar um livro porque ele está em alguma lista de mais vendidos. Mas existem casos mais curiosos. Existem pessoas que compram livros pela capa, ou por causa do título. Não sem antes ler a orelha dele, claro. Há ainda pessoas que, antes de decidirem levar uma obra para casa, lêem os primeiros e os últimos parágrafos. Sim, lêem o fim do livro. Gostando de ambos, compram. Já fiz isso, uma vez, e não me arrependo. Mas sou do tipo que compra livros por intuição.

Não a intuição sozinha, pura, é claro. Acontece assim: você está em uma livraria e vê um livro na estante, quase que escondido, entre outros títulos. Você resolve folheá-lo. A capa é muito bonita, os dizeres da orelha são atraentes, mas, como você sabe, não se pode confiar em capas bonitas e orelhas elogiosas. Além disso, você não conhece o autor. Nenhum de seus amigos literatos recomendou que você o lesse. É muito provável que eles também não o conheçam. Você fica com o livro nas mãos por alguns segundos, enquanto pensa em tudo isso. Você sente o peso do livro, sente a capa, abre-o para sentir o cheiro. Você se interessa pelo livro, sente (alguma coisa lhe diz) que ele tem potencial, mas não o compra de imediato. Você o devolve ao seu lugar de origem e vai tomar um café. Alguns dias depois, acontece novamente: pega o mesmo livro, folheia-o a esmo, pensa em comprá-lo. Mas, não se sabe por qual motivo, não compra. Tempos depois, você o toma novamente em suas mãos e lê o primeiro parágrafo:

"Veja bem, eu precisava ir pro inferno. Eu estava, pode-se dizer, com saudade de casa. Mas antes, à guisa de explicação, a cebola."

É o início de A última casa de ópio (Conrad, 2006, 94 págs.), do jornalista e escritor americano Nick Tosches. "À guisa"? Quem mais usa "À guisa" hoje? Vocês conseguem perceber a beleza da expressão? "À guisa"! Um início genial, pois. Só isso já valeria o livro. Finalmente, você o compra. Depois de lidas as primeiras páginas, percebe que ele não é só um belo início. Mistura de história, jornalismo investigativo e road book, A última casa de ópio, narra a busca de Tosches por uma casa de ópio. O ópio, como todos sabem, é uma droga ilícita. Mas, para Tosches, o ópio é uma espécie de substância sagrada. E ele diz: "Sim, eu nasci para fumar ópio, nasci para fumá-lo numa casa de ópio". Mas, o leitor pergunta, por que o ópio? E por que a casa de ópio? Perguntas que o próprio Tosches faz no livro e também as responde: "A resposta pode ser dada numa palavra só: romance".

"Visões de locais escuros, de decadência luxuosa, com cortinas de brocado e almofadas de veludo, recendendo uma mistura de fumaça e aroma de incensos e da própria substância celestial, proibida, fabulosa. Serviçais silenciosos e solícitos. Atemporalidade. Santuário. Membros adoráveis despontando das vestes entreabertas de relaxadas e exóticas concubinas, docemente intoxicadas. Sonhos dentro de sonhos. Romance."

À primeira vista pode parecer que Tosches é um jornalista drogado e porra-louca. Mas ele faz questão de deixar claro que sua busca por ópio e por uma casa de ópio não é uma loucura sua: "Não me entendam mal: sou contra as drogas, há muito tempo renunciei ao seu uso e abracei o caminho espiritual apontado por A profecia celestina e aquele cara com a testa grande e brilhosa. Drogas matam". Tosches é só um homem com um objetivo, nada mais. E muita determinação em alcançá-lo. A diferença é que seu objetivo é um tanto quanto alternativo, digamos.

Tosches diz que nos Estados Unidos seria quase impossível conseguir ópio. Mais difícil ainda seria encontrar uma casa de ópio: "Por dois anos, com a ajuda de muitas pessoas, até de algumas não estranhas às camadas menos respeitáveis da sociedade, eu procurei". Esgotadas as suas possibilidades nos Estados Unidos ― e também na Europa, onde ele também procurou por uma casa de ópio ― ele decide ir ao Oriente. Talvez lá consiga encontrar o que tanto procura.

O mais interessante em A última casa de ópio não é nem o seu desfecho, mas sim o seu durante. Uma vez García Márquez disse algo mais ou menos assim: "se é necessário descrever a porta de um hotel em Paris, saiba quantos degraus tem a escada que vem depois dela, não importa se essa informação, no final, vai aparecer ou não". É o que faz Nick Tosches em seu livro: ele não apenas narra sua busca incessante por uma casa de ópio, mas conta a história da droga desde sua origem até sua derrocada e seu conseqüente quase total desaparecimento, além de mostrar o quão degradante pode ser viver em cidades como Hong Kong e Bangcoc. O livro é de uma riqueza jornalística que impressiona.

E depois de passar por apuros, becos escuros e lidar com pessoas de caráter duvidoso em busca de sua "droga sagrada", Tosches parece enxergar melhor as coisas. Tanto que logo no início do livro ele faz duras críticas às nossa sociedade: "A nossa era é, cada vez mais, a era do pseudoconhecimento, o modo pelo qual tentamos totalmente nos diferenciar da maioria medíocre".

Grata surpresa, A última casa de ópio pode ser lido de diversas maneiras: relato de viagem, jornalismo, história, crítica social. E é tudo ao mesmo tempo. Mas nem por isso deixa de ser um livro divertido, instigante e às vezes até esculachado. Mais um fruto do jornalismo gonzo. Se você gosta de jornalismo e literatura e não conhece o gênero nem Nick Tosches, não sabe o que está perdendo...

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 19/8/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva
02. Quem é Daniel Lopes de Daniel Lopes


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/8/2008
12h07min
Rafael, esse livro do Tosches é realmente uma viagem muito boa. E é bem pequeno, a gente tasca ele em meia hora.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
20/8/2008
10h31min
Interessantíssimo! Gostei! Parece que esse Tosches sabe das coisas. Outro dia vi em um documentário plantações de papoulas no Oriente (e o comércio da droga como uma questão de sobrevivência desse povo esmagado pela guerra). O negócio é violento, e os consumidores de heroína vendem realmente até a alma para umedecer as veias. Não me pareceu que a extração do ópio esteja em decadência, pelo contrário, as plantações de papoulas são vastas e a procura pela droga é crescente. Quero conferir esse livro. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
20/8/2008
10h43min
Adriana, umas das coisas que Tosches fala no livro e que eu não falei na resenha é que o ópio vem sendo utilizado mais para a fabricação de outras drogas. O consumo puro e romântico do ópio é raridade, segundo ele. Na verdade, pelo que Tosches diz, não existe mais o ópio puro, mas sim uma variante manipulada, suja e ruim dele. Obrigado pelo comentário, abraço!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2008
00h01min
Você tem razão. Mas esse livro me remeteu ao documentário que vi recentemente. Pois bem, o ópio, como Sherlock Holmes usava, realmente, deve ser coisa rara. O Guga tem uma música que ele compôs há muitos anos que diz: "Uma papoula é tão bonita, mas é a morte a quem se trai, eu quis apenas te mostrar a flor que matou nossso pai". Valeu pela explicação. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Batman Superman 1: o Ano dos Vilões
Joshua Williamson; Mark Russell; Outros
Panini / Dc Comics
(2020)



Resmungos
Ferreira Gullar / Antonio Henrique Amaral
Imprensa Oficial
(2006)



Livro - Celebrar a Vida Crista
Frei Albert Beckhauser Ofm
Vozes
(1984)



Livro - Morrendo De Rir
Luciana Savaget
Nova Fronteira
(2006)



O Chamado Do Cuco
Robert Galbraith
Rocco
(2013)



Testes Padronizados Em Educação
Mehrens / Lehmann
Epu
(1978)



Dona Flor e seus dois Maridos
Jorge Amado
Record
(1995)



Vida de Antoninho da Rocha Marmo: O Sonho de uma criança semeando esperança
Anônimo
Do Autor



Um Mundo Depois do Fim do Mundo
Daniel Martins Alves Pereira
Eduel
(2009)



O amor é sempre agora: antologia do Éden Angolano
Adriano Botelho de Vasconcelos
União dos Escritores Angolanos
(2007)





busca | avançada
36997 visitas/dia
1,2 milhão/mês