A última casa de ópio, de Nick Tosches | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS

Terça-feira, 19/8/2008
A última casa de ópio, de Nick Tosches
Rafael Rodrigues

+ de 8000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você pode comprar um livro porque alguém lhe indicou, ou por ter lido uma matéria sobre ele. Você pode também comprar um livro porque ele está em alguma lista de mais vendidos. Mas existem casos mais curiosos. Existem pessoas que compram livros pela capa, ou por causa do título. Não sem antes ler a orelha dele, claro. Há ainda pessoas que, antes de decidirem levar uma obra para casa, lêem os primeiros e os últimos parágrafos. Sim, lêem o fim do livro. Gostando de ambos, compram. Já fiz isso, uma vez, e não me arrependo. Mas sou do tipo que compra livros por intuição.

Não a intuição sozinha, pura, é claro. Acontece assim: você está em uma livraria e vê um livro na estante, quase que escondido, entre outros títulos. Você resolve folheá-lo. A capa é muito bonita, os dizeres da orelha são atraentes, mas, como você sabe, não se pode confiar em capas bonitas e orelhas elogiosas. Além disso, você não conhece o autor. Nenhum de seus amigos literatos recomendou que você o lesse. É muito provável que eles também não o conheçam. Você fica com o livro nas mãos por alguns segundos, enquanto pensa em tudo isso. Você sente o peso do livro, sente a capa, abre-o para sentir o cheiro. Você se interessa pelo livro, sente (alguma coisa lhe diz) que ele tem potencial, mas não o compra de imediato. Você o devolve ao seu lugar de origem e vai tomar um café. Alguns dias depois, acontece novamente: pega o mesmo livro, folheia-o a esmo, pensa em comprá-lo. Mas, não se sabe por qual motivo, não compra. Tempos depois, você o toma novamente em suas mãos e lê o primeiro parágrafo:

"Veja bem, eu precisava ir pro inferno. Eu estava, pode-se dizer, com saudade de casa. Mas antes, à guisa de explicação, a cebola."

É o início de A última casa de ópio (Conrad, 2006, 94 págs.), do jornalista e escritor americano Nick Tosches. "À guisa"? Quem mais usa "À guisa" hoje? Vocês conseguem perceber a beleza da expressão? "À guisa"! Um início genial, pois. Só isso já valeria o livro. Finalmente, você o compra. Depois de lidas as primeiras páginas, percebe que ele não é só um belo início. Mistura de história, jornalismo investigativo e road book, A última casa de ópio, narra a busca de Tosches por uma casa de ópio. O ópio, como todos sabem, é uma droga ilícita. Mas, para Tosches, o ópio é uma espécie de substância sagrada. E ele diz: "Sim, eu nasci para fumar ópio, nasci para fumá-lo numa casa de ópio". Mas, o leitor pergunta, por que o ópio? E por que a casa de ópio? Perguntas que o próprio Tosches faz no livro e também as responde: "A resposta pode ser dada numa palavra só: romance".

"Visões de locais escuros, de decadência luxuosa, com cortinas de brocado e almofadas de veludo, recendendo uma mistura de fumaça e aroma de incensos e da própria substância celestial, proibida, fabulosa. Serviçais silenciosos e solícitos. Atemporalidade. Santuário. Membros adoráveis despontando das vestes entreabertas de relaxadas e exóticas concubinas, docemente intoxicadas. Sonhos dentro de sonhos. Romance."

À primeira vista pode parecer que Tosches é um jornalista drogado e porra-louca. Mas ele faz questão de deixar claro que sua busca por ópio e por uma casa de ópio não é uma loucura sua: "Não me entendam mal: sou contra as drogas, há muito tempo renunciei ao seu uso e abracei o caminho espiritual apontado por A profecia celestina e aquele cara com a testa grande e brilhosa. Drogas matam". Tosches é só um homem com um objetivo, nada mais. E muita determinação em alcançá-lo. A diferença é que seu objetivo é um tanto quanto alternativo, digamos.

Tosches diz que nos Estados Unidos seria quase impossível conseguir ópio. Mais difícil ainda seria encontrar uma casa de ópio: "Por dois anos, com a ajuda de muitas pessoas, até de algumas não estranhas às camadas menos respeitáveis da sociedade, eu procurei". Esgotadas as suas possibilidades nos Estados Unidos ― e também na Europa, onde ele também procurou por uma casa de ópio ― ele decide ir ao Oriente. Talvez lá consiga encontrar o que tanto procura.

O mais interessante em A última casa de ópio não é nem o seu desfecho, mas sim o seu durante. Uma vez García Márquez disse algo mais ou menos assim: "se é necessário descrever a porta de um hotel em Paris, saiba quantos degraus tem a escada que vem depois dela, não importa se essa informação, no final, vai aparecer ou não". É o que faz Nick Tosches em seu livro: ele não apenas narra sua busca incessante por uma casa de ópio, mas conta a história da droga desde sua origem até sua derrocada e seu conseqüente quase total desaparecimento, além de mostrar o quão degradante pode ser viver em cidades como Hong Kong e Bangcoc. O livro é de uma riqueza jornalística que impressiona.

E depois de passar por apuros, becos escuros e lidar com pessoas de caráter duvidoso em busca de sua "droga sagrada", Tosches parece enxergar melhor as coisas. Tanto que logo no início do livro ele faz duras críticas às nossa sociedade: "A nossa era é, cada vez mais, a era do pseudoconhecimento, o modo pelo qual tentamos totalmente nos diferenciar da maioria medíocre".

Grata surpresa, A última casa de ópio pode ser lido de diversas maneiras: relato de viagem, jornalismo, história, crítica social. E é tudo ao mesmo tempo. Mas nem por isso deixa de ser um livro divertido, instigante e às vezes até esculachado. Mais um fruto do jornalismo gonzo. Se você gosta de jornalismo e literatura e não conhece o gênero nem Nick Tosches, não sabe o que está perdendo...

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 19/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Declínio e Queda do Império dos Comentários de Julio Daio Borges


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/8/2008
12h07min
Rafael, esse livro do Tosches é realmente uma viagem muito boa. E é bem pequeno, a gente tasca ele em meia hora.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
20/8/2008
10h31min
Interessantíssimo! Gostei! Parece que esse Tosches sabe das coisas. Outro dia vi em um documentário plantações de papoulas no Oriente (e o comércio da droga como uma questão de sobrevivência desse povo esmagado pela guerra). O negócio é violento, e os consumidores de heroína vendem realmente até a alma para umedecer as veias. Não me pareceu que a extração do ópio esteja em decadência, pelo contrário, as plantações de papoulas são vastas e a procura pela droga é crescente. Quero conferir esse livro. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
20/8/2008
10h43min
Adriana, umas das coisas que Tosches fala no livro e que eu não falei na resenha é que o ópio vem sendo utilizado mais para a fabricação de outras drogas. O consumo puro e romântico do ópio é raridade, segundo ele. Na verdade, pelo que Tosches diz, não existe mais o ópio puro, mas sim uma variante manipulada, suja e ruim dele. Obrigado pelo comentário, abraço!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2008
00h01min
Você tem razão. Mas esse livro me remeteu ao documentário que vi recentemente. Pois bem, o ópio, como Sherlock Holmes usava, realmente, deve ser coisa rara. O Guga tem uma música que ele compôs há muitos anos que diz: "Uma papoula é tão bonita, mas é a morte a quem se trai, eu quis apenas te mostrar a flor que matou nossso pai". Valeu pela explicação. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês