As horas podres, de Jerônimo Teixeira | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
Mais Recentes
>>> Da Ação direta de declaração de Inconstitucionalidade no Direito Brasileiro de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1958)
>>> Ações Cominatórias no Direito Brasileiro de Moacyr Amarral Santos pela Max Limonad (1962)
>>> Do Mandado de Segurança e de Outros meios de Defesa Contra atos do poder público de Castro Nunes pela José Aguiar Dias (1967)
>>> Estudos e pareceres de direito processual Civil de Alfredo Buzaid pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Corinthians é preto no branco de Washington Olivetto e Nirlando Beirão pela Dba (2002)
>>> Do Mandado de Segurança Volume 1 de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1989)
>>> Estudos de Direito de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1972)
>>> Da Ação Renovatória de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1981)
>>> Projeção do Corpo Astral de Sylvan J. Muldoon e Hereward Carrington pela Pensamento
>>> Atribuições dos juízes municipaes de Orphãos e Ausentes na Republica de José Tavares Bastos pela Livraria Garnier (1914)
>>> Novo Dicionário de Processo Civil de Eliézer Rosa pela Livraria Freitas Bastos S.A (1986)
>>> O Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (2005)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra (1999)
>>> Teoria e prática do Despacho Saneador de Jônatas Milhomens pela Forense (1952)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (1993)
>>> Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1998)
>>> A Prova Civil de José Mendonça pela Livraria Jacintho (1940)
>>> A Morte de Rimbaud de Leandro Konder pela Companhia das Letras/SP. (2000)
>>> Prova Civil Legislação Doutrina Jurisprudência de Raphael Cirigliano pela Forense (1939)
>>> Código do Processo Civil e Commercial para Districto Federal de J. Miranda Valverde pela Impresa Nacional (1927)
>>> De Pessoa a Pessoa - Psicoterapia Dialógica de Richard Hycner pela Summus (1995)
>>> Perfiles Juridicos los Hombre de Toga en El Proceso de D. Rodrigo Calderon de Angel Ossorio pela Rosario
>>> Audiência de Instrução e Julgamento de Athos Gusmão Carneiro pela Forense (1995)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bb Woodward pela Franvcisco Alves (1977)
>>> Histórias De Vida E Cozinha Exclusiva Para Você de Ana Maria Braga pela Agir (2012)
>>> Projet de Révision Du Code de Procédure Civile de M. Hector de Rolland pela Imprimerie de Manaco (1893)
>>> O Nosso Processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1994)
>>> Luto - Uma dor perdida no tempo - Princípios básicos para se enfrentar de Rubem Olinto pela Vinde Comunicações (1993)
>>> Vade Mecum acadêmico de direito de Organização; Anne Joyce Angher pela Rideel (2004)
>>> Processo de Execução e Cumprimento de Sentença/ Encad. de Humberto Theorodo Júnior pela Leud (2009)
>>> Processo Civil Commercial de Manoel Aureliano de Gusmão pela Livraria Academica (1924)
>>> Dieta Mediterrânea com sabor brasileiro de Dr. Fernando Lucchese e Anonymus Gourmet pela L&PM Pocket (2005)
>>> Derecho Procesal Civil de Eduardo Pallares pela Porrua S.A Argentina (1961)
>>> Topografia Prática: Tratado da Clotóide - Teoria, Fórmulas, Exemplos.. de Ruey- Chien Lin pela Hemus/ SP. (2019)
>>> La Reconvencion de M. Sanpons Salgado pela Coleccion Nereo (1962)
>>> Construcciones Metalicas (Encadernado) de Fernando Rodriguez- Avial Azcunaga pela Madrid/ Espanha (1958)
>>> tratado das ações (Tomo V ) Condenatórias de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1974)
>>> Tratados das Ações Declarativas Tomo II de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1971)
>>> Tratado das Ações Tomo III Ações Constitutivas de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Ação Discriminatória de Jacy de Assis pela Forense (1978)
>>> Dos recursos no Código de Processo Civil de João Claudino de Oliveira e Cruz pela Forense (1954)
>>> Petições contestações e recursos de Valdemar P. da Luz pela Forense (2000)
>>> Curso de processual Civil de Luiz Fux pela Forense (2001)
>>> Curso Didático de Direito Processual Civil de Elpídio Donizetti Nunes pela Atlas (2012)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (2003)
>>> Manual Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> As Concepções Antropológicas de Schelling de Fernando Rey Puente pela Loyola (1997)
>>> Manual do Processo de Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Ministério público e Persecução Criminal de Marcellus Polastri Lima pela Lumen Juris (2002)
>>> Des Problèmes de Droit Judiciaire que Pose L'Union Économique Franco Sarroise de Eugéne Schaeffer pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1953)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/3/2008
As horas podres, de Jerônimo Teixeira
Rafael Rodrigues

+ de 8500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nas rodinhas de conversas literárias, não é raro alguém se sair com a assertiva de que "críticos literários são escritores frustrados". A afirmação geralmente sai da boca de escritores frustrados ― que, definitivamente, não são e nem podem ser um críticos literários, pois boa parte dos escritores brasileiros em atividade não tem a autocrítica como uma de suas qualidades, e, por isso, continuam publicando livros sofríveis.

Exemplos para refutar tal despropério não faltam. O mestre-mor de nossa literatura de ficção, Machado de Assis, foi também crítico literário. Silviano Santiago, escritor consagrado, iniciou-se na literatura como um jovem resenhista. Milan Kundera, J. M. Coetzee, George Orwell, Ricardo Piglia, enfim, são vários os escritores talentosos e bem-sucedidos que fizeram e fazem crítica literária.

Nesse seleto grupo de bons críticos que são bons autores merece estar Jerônimo Teixeira, crítico literário da revista Veja, que teve sua novela As horas podres (Bertrand Brasil, 2007, 120 págs.) reeditada recentemente.

Jerônimo Teixeira é, talvez, o crítico mais odiado (é uma palavra forte, "odiado", mas na falta de outra, vai essa mesmo) pelos escritores brasileiros contemporâneos. Ele já fez duras críticas ao Movimento Literatura Urgente, a escritores participantes do movimento e não poupa de resenhas negativas nem mesmo escritores consagrados. Eu mesmo já falei mal de JT, há alguns anos. Isso não me impede de, agora, depois de ler As horas podres, elogiar sua obra.

O livro conta duas histórias: a de um jovem que mata o próprio pai e a de um escritor frustrado que volta a sua cidade natal para o enterro da mãe. Ambos pertencem ao mesmo lugar, a "simples e pequena" Estância Velha, município do Rio Grande do Sul.

Uma das histórias, a do parricida, é estruturada em diálogos. Tem seu início pouco depois do crime, o garoto já na casa do tio, irmão do pai assassinado, buscando ajuda e um advogado (o tio é advogado). A princípio, parece uma idéia absurda, pedir ajuda ao irmão do morto. Mas, à medida que o diálogo avança, passamos a conhecer certos fatos, certos segredos que envolviam o pai do garoto, o próprio garoto, seu tio e sua mãe.

O autor, em pequena entrevista concedida por e-mail, considera "a parte dos diálogos (...) tecnicamente falha". Mas, dentro do contexto e dentro da tensão gerada pelo assassinato, o diálogo entre o garoto e seu tio é plausível e verossímil. A conversa chega a ser vertiginosa, em certos momentos. Uma espécie de partida de xadrez, onde cada um dos interlocutores consegue fugir de sucessivos xeques-mates e até inverter a situação, mas a partida não acaba. Ou, se acaba, é sem vencedor.

A outra história é narrada pelo próprio escritor frustrado, que lembra da sua juventude em Estância Velha e comenta superficialmente como foi sua vida desde quando saiu da cidade natal para morar em Porto Alegre (pra que mais profundidade que "vidinha besta, funcionário-público-divorciado-sem-filhos, o fracasso inato da minha 'obra'"?). O retorno à cidade também o faz lembrar do caso de um "agricultor" (aspas do autor) de Estância Velha que teve os olhos arrancados. O crime jamais foi explicado, até porque o "agricultor" estava bêbado e não tem grandes lembranças do trágico dia. Esse crime realmente aconteceu, e realmente até hoje não foi explicado.

Estância Velha, para o "filho pródigo", tem um cheiro, um fedor em suas entranhas. "Não é filtrável pelo ar-condicionado. Não pode ser disperso por sprays desodorantes. Imune ao poder econômico, porque é o poder econômico. O fedor não pode parar." Poderia ser uma simples metáfora, mas não é. Esse mesmo fedor também está presente na outra história. Mas, na mente do escritor frustrado, é como se todos na cidade fossem envolvidos por esse odor. O fedor seria quase um personagem da história, como se ditasse os rumos da cidade, fadada a sempre ser "simples e pequena", nada além disso.

Há quem veja uma conexão entre as duas histórias, sendo o jovem que matou o pai e o escritor frustrado a mesma pessoa. Em certos momentos o livro dá a entender que isso é possível, mas o próprio Jerônimo afirma ter "lido algumas resenhas que dão como o mesmo personagem o rapaz que mata o pai (...) e aquele que retorna à Estância Velha depois de uma longa ausência (...). Não creio que o texto autorize essa identificação ― a mãe do personagem-narrador aparece, embora não nomeada, na história, e ela não é muda e entrevada como a mãe do personagem assassino".

Através do escritor frustrado, Jerônimo Teixeira faz uma série de homenagens a autores brasileiros. Nomes como Dyonélio Machado (e seu "horizonte inabarcável"), Machado de Assis (e seu "cinismo autêntico") e Augusto dos Anjos (e sua "beleza bizarra") são alguns citados. Além disso, o personagem, que volta e meia acusa-se de plagiário, deixa em aberto uma outra possibilidade para o diálogo entre o tio e o sobrinho. É como se a obra não tivesse fim.

As horas podres é um livro breve e envolvente. Não são necessárias mais que algumas poucas horas para lê-lo. A concisão, no caso de JT, não é falta do que dizer, mas sim domínio de escrita. E, fugindo do clichê, não seria necessário que o livro fosse mais extenso. Ele, tal qual Estância Velha, é simples e pequeno. Sem "manobras radicais" ou pretensões megalomaníacas. É um livro que conta, e muito bem, duas histórias sem solução. Não é a salvação da literatura brasileira, até porque lá se vão dez anos da primeira edição do livro (aliás, quem disse que a nossa literatura precisa de salvação?). Mas é um livro de qualidade bem superior a muita coisa que vem sendo alardeada como boa literatura.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. O Subjuntivo Subiu no Telhado de Marilia Mota Silva
03. Um livro canibal de Carla Ceres
04. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos
05. A ilha do Dr Moreau, de H. G. Wells de Ricardo de Mattos


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A literatura e seus efeitos - 29/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/3/2008
16h53min
Interessante. Não conheço o cara, nem o livro, mas pode ser uma boa pedida. Costumo confiar em suas indicações. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BUSCA DA EMPRESA QUÂNTICA
CLEMENTE NOBREGA
EDIOURO
(1996)
R$ 17,00



ABORDAGEM DA DOENÇA CORONARIANA: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS, DIAGNÓ
GLÁUCIA MARIA MORAES DE OLIVEIRA (ORGANIZADOR
SOCERJ
(2003)
R$ 25,28



BLUE ANGEL THE LIFE OF MARLENE DIETRICH
DONALD SPOTO
DOUBLEDAY
(1992)
R$ 65,00
+ frete grátis



A CANÇÃO BRASILEIRA. ERUDITA, FOLCLÓRICA, POPULAR
VASCO MARIZ
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA/MEC
(1977)
R$ 20,00



ESTA ÁRVORE DOURADA QUE SUPOMOS
NEI LOPES
BABEL
(2011)
R$ 25,90
+ frete grátis



BÚFALO (ROMANCE BRASILEIRO)
BOTIKA
LÍNGUA GERAL
(2010)
R$ 5,00



A MULHER DO APOCALIPSE
FELIPE RINALDO QUEIROZ DE AQUINO
LOYOLA
(1995)
R$ 10,00



MINHA FORMAÇÃO
JOAQUIM NABUCO
UNB
(1981)
R$ 18,00



A DIETA MARAVILHOSA DE 4 DIAS
MARGARET DANBROT
RECORD
(1985)
R$ 9,72



CONSTITUIÇÃO E DIRETO DO TRABALHO
EDUARDO GABRIEL SAAD (CAPA DURA)
LTR
(1989)
R$ 13,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês