Bruxas no banheiro | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O INVISÍVEL
>>> The Daily Zen Podcast
>>> O soldado absoluto
>>> Carta aos Amigos
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Eat the Rich
>>> The myth maker
>>> 19 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O Blog da Livraria Cultura
>>> O século da canção
Mais Recentes
>>> Plantas que curam e cortam feitiços de Maria Helena Farelli pela Pallas (2022)
>>> Comida de santo de Maria Helena Fareli pela Pallas (2022)
>>> Oxum: a mãe da água doce de Luis Felipe de LIma pela Pallas (2007)
>>> Um quilombo no Leblon de Luciana Sandroni pela Pallas (2022)
>>> Edith e a velha sentada de Lázaro Ramos pela Pallas (2021)
>>> Neguinho aí de Luis Pimentel pela Pallas (2009)
>>> Saber Do Negro de Joel Rufino dos Santos pela Pallas (2015)
>>> Regeneração e Vida de Públio Carísio de Paula pela Minas (2003)
>>> Coleção Explorando o Ensino - Geografia: Ensiono Fundamental de Coord. Marísia Margarida e Santiago Buitoni pela Ministério Da Educação (2010)
>>> Retrato no Espelho de Teresa Noronha pela Ed. do Brasil
>>> Nova Visão de Francisco Cândido Xavier e Outro pela Ide (1987)
>>> O Mistério de Marie Rogêt de Edgar Allan Poe pela Ftd (1990)
>>> Os ibejis e o carnaval de Helena Theodoro pela Pallas (2019)
>>> Saber Atual: A álgebra moderna de M. Queysanne e A. Delachet pela Difusão Européia do Livro
>>> Errar é humano... Perdoar é canino! de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2010)
>>> 365 dias com a Bíblia - um texto para cada dia de Seleção de Paulo Sérgio Bazaglia pela Paulinas (1992)
>>> Cachorros do Céu de Wilson Bueno pela Planeta (2005)
>>> Denúncia Espontânea Em Direito Tributário de Antonio Sebastião Paloni pela Ágá Juris e Distribuidora (2000)
>>> Pequena Filocalia, o Livro Clássico da Igreja Oriental de José Comblin pela Paulus (2009)
>>> Experiência Mística de Lourenço da Ressurreição de Alexandre Sergio da Rocha pela Lotus do Saber (2000)
>>> O Caminho das Estrelas de Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho ; Antonio Carlos pela Petit (2016)
>>> O Evangelho de Judas - O Texto Perdido que Revolucionou a História do Cristianismo de Rodolphe Kasser, Marvin Meyer e Gregor Wurst pela Prestígio (2006)
>>> A Grande Sacerdotisa de Nadir Gomes pela Girassol (2007)
>>> Encontros com o Griot Sotigui Kouyate de Isaac Bernat pela Pallas (2013)
>>> Xangô de Ildásio Tavares pela Pallas (2022)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/5/2015
Bruxas no banheiro
Marta Barcellos

+ de 2700 Acessos

Como as segundas-feiras são todas ligeiramente sinistras, eu devia ter deixado pra lá. Mas, não - sempre essa mania de achar explicação pra tudo. Pois não saímos dos tempos das trevas para o das luzes, assassinamos cautelosa e filosoficamente os deuses do passado e agora admitimos com deslumbre os progressos da tecnociência? Ora, uma sonda espacial pousou ainda outro dia sobre um cometa, a 509 milhões de quilômetros da Terra , cientistas estão conseguindo editar genes em cirurgias para remover mutações nocivas à saúde, sem falar na popularização das impressoras em 3D. Não é hora de se render fácil ao misticismo, não é mesmo?

Pois é. Mas voltemos às trevas e luzes daquela segunda-feira. O despertador tocou às 6h10 e a penumbra lá fora anunciava o fim incontestável do verão carioca. Finalmente. Cambaleei até a cozinha para preparar o chá (juro que era chá: não estou tentando dar uma atmosfera inglesa aos acontecimentos), mas fui surpreendida pela luz do banheiro de empregada acesa.

A área de serviço do meu apartamento é escura dia e noite, portanto aquela luz, do outro lado das roupas penduradas na corda, chamava a atenção. Por que diabos a diarista teria chegado tão cedo? Chamei pelo seu nome, acheguei-me devagar e verifiquei através da porta entreaberta: ninguém. Corri para a porta de entrada, que pelo menos ela estava bem chaveada. Volta e meia, quando chego com sacolas, esqueço aberta...

Meu marido não deu bola quando o sacudi querendo uma explicação: ele usara o banheiro de empregada de madrugada? Claro que não. A luz devia estar acesa desde sexta-feira, quando a empregada saiu, ele arriscou, sem abrir os olhos. Não me convenceu. Eu sempre apago as luzes da casa antes de dormir, e teria visto. Um dia, ainda mais dois dias.

Fiz uma discreta ronda pelos demais aposentos, mas não flagrei outras anormalidades. Não havia alternativa senão reservar aquela inquietação em um conhecido "aposento" interno: aquele que no futuro - às vezes um futuro até distante - desvenda todas as assombrações.

Ainda outro dia o expediente dera certo. Fui surpreendida por um barulho alto e estalado que parecia vir do closet. Algo como uma mala tombando. Mas também não achei nada. Dias mais tarde, distraída, reparei que uma pequena pintura, exibida sobre uma das prateleiras da estante, estava caída para frente. Imediatamente abri o tal departamento interno que investiga assombrações e estava tudo lá: o barulho compatível, o local (exatamente oposto ao closet, onde ele se refletiu) e até a observação de que, naquela noite ainda de verão, eu houvera reposicionado a grade do ar condicionado, jogando o fluxo justamente para aquele lado.

Nessas alturas, o caro leitor já deve estar evocando o ditado, mais célebre em espanhol, sobre a prudente descrença relativa quando se trata de bruxarias ("Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay"). Portanto, apesar de manter e defender meu ceticismo, devo confessar: até o exato momento, o caso da luz que acendeu sozinha não foi devidamente esclarecido.

O ceticismo, na minha vida, nem chegou a ser uma escolha pessoal: fui empurrada à doutrina ainda na infância. Cercada de irmãos afeitos a explicações sobrenaturais e espíritas, e um pouco mais ligada nas aulas de ciências do que eles, via-me na situação de reagir, sempre que eles apontavam para objetos movendo-se "sozinhos" - ignorando a óbvia corrente de ar no ambiente, por exemplo.

Importante lembrar que, embora não fosse a idade das trevas, eram os tempos do Uri Geller (quem se lembra?) e da parapsicologia (que fim levou?). Até a ufologia era levada mais a sério do que hoje em dia. Portanto, para crer em tais fenômenos, não era imprescindível acreditar em fantasmas ou espíritos - havia, sim, algum respaldo de "ciência" quando milhares de pessoas tentavam dobrar um garfo ou mover objetos com a força da mente.

Não por acaso, depois de uma tentativa de sessão paranormal como esta, ou de uma conversa sobre discos voadores, o ambiente ficava ainda mais sinistro. Qualquer barulho no vizinho causava arrepios e arregalar de olhos, e bem pouco faltava para que trovoadas fossem consideradas brados divinos.

Meu ceticismo, claro, era muito mal recebido nestes grupos, que volta e meia me rogavam uma praga: um dia você também verá (os sinais)! Um dia acontecerá com você!

Então fiquei combinada, comigo mesma, desta forma: no dia que acontecesse, acreditaria. Mas tinha que ser pra valer, do tipo contato imediato com o extraterrestre, porque vai ser difícil me satisfazer com luzinhas piscando no céu. Ou com uma luz que se acende sozinha no banheiro...



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/5/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
02. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
03. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. O gueto dos ricos - 20/3/2015
04. O primeiro assédio, na literatura - 13/11/2015
05. Dando conta de Minas - 7/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia espaço e vivencia - ensino medio
Levon Boligian
Atual
(2007)



O Desafio Amazonico
Samuel Murgel Branco
Moderna
(1989)



Cantigas de Adolescer
Elias José
Atual
(2003)



Dinorá
Dalton Trevisan
Record
(1994)



Ache o Bicho
Mol
Mol



O Sol Também Se Levanta
Ernest Hemingway
Abril
(1971)



O Pequeno Livro da Verdadeira Felicidade
Anselm Grun
Loyola
(2003)



Crescimento Pessoal
Franc Ponti e Outros
Ciranda Cultural
(2008)



Terra da Promissão
André Maurois
Círculo do Livro



Mar de rosas
Nora Roberts
Arqueiro
(2014)





busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês