O fim da revista Bravo! | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> Direito Penal Esquematizado Parte Geral de Cleber Masson pela Metodo (2009)
>>> Praia de Manhattan de Jennifer Egan pela Intrínseca (2018)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins
>>> Qualidade de Vida no Trabalho - Como Medir para Melhorar de Eda Conte Fernandes pela Casa da Qualidade (1996)
>>> Questões e Testes de Direito Administrativo de Paulo Alves Franco pela Jh Mizuno (2004)
>>> Direito Internacional da Concorrência de Clarissa Brandão pela Lumen Juris (2016)
>>> Crianças, Adolescentes e a Mídia - 2ª Ed. (lacrado) de Victor Strasburger, Barbara Wilson pela Penso - Artmed (2011)
>>> As Senhoritas de Amsterdã de Martine Fokkens, Louise Fokkens pela L&pm (2014)
>>> Melhores Poemas de Ruy Espinheira Filho (lacrado) de Ruy Espinheira Filho pela Global (2011)
>>> Diário Mínimo de Umberto Eco pela Record (2012)
>>> Crescer, Amadurecer: Poemas Meditativos de Ulrich Schaffer pela Antroposofica (2017)
>>> O Animal Mais Perigoso de Todos de Gary L. Stewart, Susan Mustafa pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Dicionário da Antiguidade Africana de Nei Lopes pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Florais uma Alternativa Saudável de Maria Julia Paes da Silva e Outros pela Gente (1999)
>>> Ô de Cima! de Popy Matigot pela Mil Caramiolas (2020)
>>> Exalando Esperança de Jean Mello pela Scor (2015)
>>> Noite na Taverna de Alvares de Azevedo pela Novaalexadria (1997)
>>> Poemas Crus de Cecília Floresta pela Patuá (2016)
>>> História do Mundo Antiguidade - Grécia de V. Diacov pela Fulgor (1965)
>>> Monica and Friends #13 de Mauricio de Sousa pela Panini Comics
>>> O Problema dos Desconhecidos - um Estudo da Ética (lacrado) de Terry Eagleton pela Civilização Brasileira (2010)
>>> O Pensamento Vivo de Glauber Rocha de Martin Claret pela Martins Claret
>>> Die Jalna-saga: Die Brüder Und Ihre Frauen .. de Mazo de La Roche pela Ullstein Tb (1985)
>>> Ferdinand, Der Mann Mit Dem Freundlichen Herzen de Irmgard Keun pela Deutsch (1981)
>>> Auditoria Principios y Procedimento - Tomo I e Tomo II de Holmes pela Union Tipografica (1960)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/8/2013
O fim da revista Bravo!
Rafael Rodrigues

+ de 13900 Acessos

O que antes era boato, agora é fato: a revista Bravo! foi "descontinuada" - esse foi o termo que a editora Abril utilizou ao anunciar a notícia -, ou seja, acabou. O último número da publicação será o deste mês de agosto, e traz uma capa belíssima, com o escritor português José Saramago, morto em 2010.

Nem bem a notícia começou a circular e já pipocavam nas redes sociais críticas à revista. Alguns dizendo que a Bravo! era elitista, ou que ela era superficial, outros reclamavam do preço. Ao ver esses comentários, me perguntei: por que não criticaram antes? Críticas, quando construtivas, podem ajudar a melhorar os seu alvos. Agora, quando não há mais nada a fazer, de que adianta criticar? Só lembrando que criticar por criticar é uma coisa; analisar, é outra.

De minha parte, só tenho a lamentar.

Ao contrário de muita gente, não tenho, é verdade, uma relação afetiva com a Bravo!. Nunca fui um consumidor assíduo da revista, e jamais pensei em assiná-la porque, das revistas que assinei, a única que eu abria assim que chegava era a Playboy, quando eu era bem mais novo, e por motivos óbvios: as entrevistas e reportagens, é claro. Mas, de vez em quando, eu comprava a Bravo!. E, ainda que não aproveitasse todo o conteúdo - geralmente só lia a parte de literatura, apenas passando o olho pelo restante das matérias -, eu gostava da revista. Mais que isso: eu achava a Bravo! importante.

O Brasil tem quase 200 milhões de habitantes. Contemos quantas revistas de arte e cultura tem o Brasil. Revistas mensais, impressas, de arte e cultura, de circulação nacional, por favor. Quantas temos, agora? Só consigo ouvir o silêncio. Um silêncio não apenas do meu interlocutor imaginário - e de mim mesmo - tentando lembrar de ao menos uma publicação que se encaixe nesse universo. É um silêncio muito maior, pesaroso, de velório. Um silêncio que passa pela péssima educação que tem o povo brasileiro, pelos baixíssimos índices de leitura, pelo parco número de livrarias, pelo pouco caso que a população, de um modo geral, faz das artes - também de um modo geral.

Não me refiro, aqui, à chamada "alta cultura". E mesmo que me referisse a ela. É uma calamidade um livro ter, geralmente, uma tiragem de três mil exemplares num país de dimensões continentais como o nosso. A situação é ainda mais assustadora: sobram livros que não atingem sequer esse número de tiragem inicial - mesmo quando publicados por médias ou grandes editoras -, e sobram também obras que, pasmem, não vendem sequer mil exemplares mesmo depois de anos de exposição em livrarias.

Me refiro aos livros porque é meu habitat natural. Não custa lembrar: sou, antes de qualquer coisa, um leitor interessado no mercado editorial. Além disso, sou escritor com pretensões de experimentar a autopublicação e, quem sabe um dia, trabalhar em uma editora - ou ter minha própria editora. Sou, também, um profissional do mercado editorial, além de trabalhar em uma livraria. Os livros são o meu mundo. Mas eu poderia estar falando de CDs e DVDs, cujas vendas de cópias originais caíram vertiginosamente nos últimos anos, de exposições de arte, de peças de teatro, e até mesmo de shows de música.

Falando em números: segundo Armando Antenore, redator-chefe da Bravo!, a revista tinha "cerca de 20 mil assinantes e 8 mil compradores em bancas e supermercados. Vinte e oito mil pessoas, portanto, adquiriam a publicação mensalmente. Se levarmos em conta os parâmetros do mercado publicitário, cada exemplar tinha, em média, quatro leitores. Ou seja: uma edição atingia algo como 112 mil pessoas". Um número baixíssimo para o potencial de leitores que tem o nosso país.

Como toda publicação, a Bravo! tinha suas deficiências, mas nem de longe pode-se dizer que era uma revista ruim, muito pelo contrário. O número de leitores, portanto, não condiz com sua qualidade. A Bravo! tinha potencial para ter, no mínimo, o dobro de leitores. Assim como todas as revistas e todos os jornais do país.

E aqui eu faço um comentário que não tinha vindo à minha mente quando pensei em escrever este texto: os órgãos de imprensa brasileiros talvez não percebam, mas se eles cobrassem ainda mais investimentos dos governos em educação, talvez isso surtisse algum efeito, e talvez a população lesse bem mais. Acredito piamente que todas as melhoras possíveis numa nação começam pela melhoria na educação de seu povo. Sem educação, nada evolui. Saúde, segurança, economia, cidadania, cultura, enfim, tudo depende da educação.

Ao cruzarem os braços para isso, os órgãos de imprensa deixam de ganhar dinheiro. Porque existem pessoas de sobra no país com linhas de pensamento semelhantes a todos os veículos em circulação. Há um sem número de garotinhas que poderiam estar comprando a revista Capricho. Há um sem número de donas de casa que poderiam estar comprando revistas de fofoca ou celebridades. Há um sem número de esquerdistas que poderiam estar comprando a Caros Amigos. Há um sem número de conservadores que poderiam estar comprando a Veja. Mas eles não têm o hábito de ler, não foram educados para isso, e há milhares que precisam escolher entre comprar um quilo de feijão ou dois por mês, e sequer aventam a possibilidade de comprar uma revista para ler. E ainda há os milhões que simplesmente não sabem ler.

A Bravo! - e as outras revistas que foram "descontinuadas" com ela, a saber: a Alfa, a Lola e a Gloss - foi vítima da péssima educação de um povo. Estou exagerando, é verdade, ao colocar tudo na conta da péssima qualidade do nosso sistema educacional, quando a crise na imprensa é mundial e passa por outros fatores, como a internet. A internet está "matando" uma série de veículos de informação em todo o mundo. Mas talvez até nisso uma melhor educação pudesse interferir.

Fui escrevendo, escrevendo e quase esqueço de mencionar o fato de que a partir de agora não posso mais me autodenominar "blogueiro de Bravo!", título que me dava muito orgulho. O site da revista também será "descontinuado", e depois de três anos e alguns meses, meu blog voltará a morar sozinho, sem o abrigo acolhedor do site da Bravo!. Pensei em não lamentar isso aqui, porque é até egoísta levantar essa bola num momento desses. Mas eu não poderia deixar de abordar isso, afinal, sou eternamente grato à revista - e ao João Gabriel de Lima, diretor de redação da revista durante algum tempo, que abriu as portas para o Entretantos em 2010 - pela oportunidade, e pela "vitrine".

Enfim, é isso. Agora, só resta o lamento.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em Paliativos.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 9/8/2013


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
04. A história do amor - 24/7/2006
05. História dos Estados Unidos - 29/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




100 Crônicas - o Estado de S. Paulo
Mario Prata
Cartaz
(1997)



Para Quem Deseja Mais da Vida
Joseph Nowinski
Gente
(2005)



Educação para a Nova Era: uma Visão Contemporânea para Pais e Professo
Maria Luiza Pontes Cardoso
Summus
(1999)



Significado Nas Artes Visuais - 4ª Edição
Erwin Panofsky
Perspectiva
(2014)



A Casa dos Blessings
Anna Quindlen
Objetiva
(2003)



Paulista, Graças a Deus!
Hugo Pedro Carradore
Shekinah
(1986)



In Touch 2 Student Book
Victoria F. Kimbrough
Longman do Brasil
(1993)



Matemática Economia Administração Ciencias Contabeis Vol . 1 - Matematica
Manoel Marques Barreto
Globus



Prova
Luiz Guilherme Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart
Revista dos Tribunais
(2009)



A Princesa A Espera Livro 4 - Literatura
Meg Cabot
Record
(2003)





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês