O fim da revista Bravo! | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/8/2013
O fim da revista Bravo!
Rafael Rodrigues

+ de 11200 Acessos

O que antes era boato, agora é fato: a revista Bravo! foi "descontinuada" - esse foi o termo que a editora Abril utilizou ao anunciar a notícia -, ou seja, acabou. O último número da publicação será o deste mês de agosto, e traz uma capa belíssima, com o escritor português José Saramago, morto em 2010.

Nem bem a notícia começou a circular e já pipocavam nas redes sociais críticas à revista. Alguns dizendo que a Bravo! era elitista, ou que ela era superficial, outros reclamavam do preço. Ao ver esses comentários, me perguntei: por que não criticaram antes? Críticas, quando construtivas, podem ajudar a melhorar os seu alvos. Agora, quando não há mais nada a fazer, de que adianta criticar? Só lembrando que criticar por criticar é uma coisa; analisar, é outra.

De minha parte, só tenho a lamentar.

Ao contrário de muita gente, não tenho, é verdade, uma relação afetiva com a Bravo!. Nunca fui um consumidor assíduo da revista, e jamais pensei em assiná-la porque, das revistas que assinei, a única que eu abria assim que chegava era a Playboy, quando eu era bem mais novo, e por motivos óbvios: as entrevistas e reportagens, é claro. Mas, de vez em quando, eu comprava a Bravo!. E, ainda que não aproveitasse todo o conteúdo - geralmente só lia a parte de literatura, apenas passando o olho pelo restante das matérias -, eu gostava da revista. Mais que isso: eu achava a Bravo! importante.

O Brasil tem quase 200 milhões de habitantes. Contemos quantas revistas de arte e cultura tem o Brasil. Revistas mensais, impressas, de arte e cultura, de circulação nacional, por favor. Quantas temos, agora? Só consigo ouvir o silêncio. Um silêncio não apenas do meu interlocutor imaginário - e de mim mesmo - tentando lembrar de ao menos uma publicação que se encaixe nesse universo. É um silêncio muito maior, pesaroso, de velório. Um silêncio que passa pela péssima educação que tem o povo brasileiro, pelos baixíssimos índices de leitura, pelo parco número de livrarias, pelo pouco caso que a população, de um modo geral, faz das artes - também de um modo geral.

Não me refiro, aqui, à chamada "alta cultura". E mesmo que me referisse a ela. É uma calamidade um livro ter, geralmente, uma tiragem de três mil exemplares num país de dimensões continentais como o nosso. A situação é ainda mais assustadora: sobram livros que não atingem sequer esse número de tiragem inicial - mesmo quando publicados por médias ou grandes editoras -, e sobram também obras que, pasmem, não vendem sequer mil exemplares mesmo depois de anos de exposição em livrarias.

Me refiro aos livros porque é meu habitat natural. Não custa lembrar: sou, antes de qualquer coisa, um leitor interessado no mercado editorial. Além disso, sou escritor com pretensões de experimentar a autopublicação e, quem sabe um dia, trabalhar em uma editora - ou ter minha própria editora. Sou, também, um profissional do mercado editorial, além de trabalhar em uma livraria. Os livros são o meu mundo. Mas eu poderia estar falando de CDs e DVDs, cujas vendas de cópias originais caíram vertiginosamente nos últimos anos, de exposições de arte, de peças de teatro, e até mesmo de shows de música.

Falando em números: segundo Armando Antenore, redator-chefe da Bravo!, a revista tinha "cerca de 20 mil assinantes e 8 mil compradores em bancas e supermercados. Vinte e oito mil pessoas, portanto, adquiriam a publicação mensalmente. Se levarmos em conta os parâmetros do mercado publicitário, cada exemplar tinha, em média, quatro leitores. Ou seja: uma edição atingia algo como 112 mil pessoas". Um número baixíssimo para o potencial de leitores que tem o nosso país.

Como toda publicação, a Bravo! tinha suas deficiências, mas nem de longe pode-se dizer que era uma revista ruim, muito pelo contrário. O número de leitores, portanto, não condiz com sua qualidade. A Bravo! tinha potencial para ter, no mínimo, o dobro de leitores. Assim como todas as revistas e todos os jornais do país.

E aqui eu faço um comentário que não tinha vindo à minha mente quando pensei em escrever este texto: os órgãos de imprensa brasileiros talvez não percebam, mas se eles cobrassem ainda mais investimentos dos governos em educação, talvez isso surtisse algum efeito, e talvez a população lesse bem mais. Acredito piamente que todas as melhoras possíveis numa nação começam pela melhoria na educação de seu povo. Sem educação, nada evolui. Saúde, segurança, economia, cidadania, cultura, enfim, tudo depende da educação.

Ao cruzarem os braços para isso, os órgãos de imprensa deixam de ganhar dinheiro. Porque existem pessoas de sobra no país com linhas de pensamento semelhantes a todos os veículos em circulação. Há um sem número de garotinhas que poderiam estar comprando a revista Capricho. Há um sem número de donas de casa que poderiam estar comprando revistas de fofoca ou celebridades. Há um sem número de esquerdistas que poderiam estar comprando a Caros Amigos. Há um sem número de conservadores que poderiam estar comprando a Veja. Mas eles não têm o hábito de ler, não foram educados para isso, e há milhares que precisam escolher entre comprar um quilo de feijão ou dois por mês, e sequer aventam a possibilidade de comprar uma revista para ler. E ainda há os milhões que simplesmente não sabem ler.

A Bravo! - e as outras revistas que foram "descontinuadas" com ela, a saber: a Alfa, a Lola e a Gloss - foi vítima da péssima educação de um povo. Estou exagerando, é verdade, ao colocar tudo na conta da péssima qualidade do nosso sistema educacional, quando a crise na imprensa é mundial e passa por outros fatores, como a internet. A internet está "matando" uma série de veículos de informação em todo o mundo. Mas talvez até nisso uma melhor educação pudesse interferir.

Fui escrevendo, escrevendo e quase esqueço de mencionar o fato de que a partir de agora não posso mais me autodenominar "blogueiro de Bravo!", título que me dava muito orgulho. O site da revista também será "descontinuado", e depois de três anos e alguns meses, meu blog voltará a morar sozinho, sem o abrigo acolhedor do site da Bravo!. Pensei em não lamentar isso aqui, porque é até egoísta levantar essa bola num momento desses. Mas eu não poderia deixar de abordar isso, afinal, sou eternamente grato à revista - e ao João Gabriel de Lima, diretor de redação da revista durante algum tempo, que abriu as portas para o Entretantos em 2010 - pela oportunidade, e pela "vitrine".

Enfim, é isso. Agora, só resta o lamento.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em Paliativos.


Rafael Rodrigues
São Paulo, 9/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
02. Impressões de Marta Barcellos
03. Amor aos pedaços de Vicente Escudero
04. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico de Vitor Nuzzi
05. A Dança das Rosas, por Consuelo de Paula de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
03. O nome da morte - 16/2/2007
04. A história do amor - 24/7/2006
05. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CIENTISTA
HENRY MARGENAU - DAVID BERGAMINI
JOSÉ OLYMPIO
(1970)
R$ 29,90
+ frete grátis



CONVENÇÃO EUROPÉIA DE DIREITOS HUMANOS
JOSÉ A F LOPES DE LIMA
MIZUNO
(2007)
R$ 10,00



O CORREIO DO CORPO
THÉRÈSE BERTHERAT
MARTINS FONTES
(1984)
R$ 25,00



SÍNTESE DE DOUTRINA SOCIAL
GABRIEL GALACHE
LOYOLA
R$ 16,07



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00



THE MIND OF THE TOPS - A TRAJETÓRIA E A CONSTRUÇÃO DAS GRANDES MARCAS DO PARANÁ
JORGE POLYDORO ORG.
INSTITUTO AMANHÃ
(2015)
R$ 14,00



O FRACASSO DO ENSINO
CODECRI
REGIS FARR
(1982)
R$ 4,00



HISTÓRIAS PARA NINAR E SONHAR
RUTH MARSCHALEK NASCIMENTO
EKO
(2002)
R$ 14,77



INDEPENDÊNCIA - O COTIDIANO DA HISTÓRIA
EDGARD LUIZ DE BARROS
ÁTICA
(2000)
R$ 4,05



A FILHA DE BURGER
NADINE GORDIMER
ROCCO
(1985)
R$ 15,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês