Alguns momentos com Daniel Piza | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS >>> Especial Daniel Piza (1970-2011)

Quinta-feira, 12/1/2012
Alguns momentos com Daniel Piza
Eduardo Carvalho

+ de 9000 Acessos

Uma noite na fazenda. Sexta-feira, sozinho na fazenda, em Barretos, sento numa poltrona no escritório e abro a Gazeta Mercantil. Não sei que tipo de notícia ou cotação listada no jornal poderia afetar a decisão de um menino de dezesseis anos de férias. Talvez nenhuma, e provavelmente por isso me concentrei no caderno de título menos árido: "Fim de semana". Não me lembro exatamente dos assuntos da primeira coluna Sinopse que li. Mas ficou uma impressão, que no mesmo dia passei ao meu pai por telefone, animado: "Pai, descobri um novo Paulo Francis".

Uma rotina semanal. Voltando da faculdade a pé, desço a Haddock Lobo em direção aos Jardins. Confiro os trocados na mochila e, na banca da esquina com a Alameda Franca, compro a Gazeta Mercantil. Em casa, leio o Daniel Piza antes do almoço, correndo. Recorto as suas colunas e coloco numa pasta ― a mesma em que estão guardadas até hoje.

Uma citação. Pergunto por e-mail o que o Daniel acha de Maugham e de O fio da navalha. Ele me adianta que respondeu na sua próxima coluna. Quinta-feira à noite, saio com um amigo ― também leitor assíduo da Sinopse, aliás ― e de madrugada passamos na banca da Groenlândia para checar se a Gazeta Mercantil já havia chegado. Fiquei emocionado. "O leitor Eduardo Carvalho conta de sua impressão quando, adolescente, leu o O Fio da Navalha, de Maugham. (...) Hoje, em retrospecto, acho o livro xaroposo, com aquela utopia da opção franciscana, de se libertar de bens materiais, etc. Mas o impacto sobre o adolescente realmente existe: você começa a sonhar com formas alternativas de vida, menos hipócritas, menos reprimidas. Só não acho que a solução seja ir lavar pratos na Índia." Nunca me esqueci dessa última frase. Fomos orgulhosos para a balada.

Um cineclube e vários e-mails perdidos. Digo ao Daniel que estudo na GV, e ele me responde que o seu irmão também estudou lá, e que se lembra com carinho da época em que freqüentava o cineclube da Escola, onde assistiu vários clássicos. Imprimi e guardei os e-mails dessa época. Não sei onde estão.

Com nexo. Para um site extinto rapidamente, e cujo acervo nunca descobri se está disponível em algum lugar, o Daniel Piza montou uma lista de dez livros que recomendava para jovens leitores e manteve uma coluna chamada Nexo, em que buscava sentido em fenômenos a princípio incompreensíveis. Escreveu sobre igrejas evangélicas e sobre "personalidades" como, se não me engano, a Tiazinha. Essa capacidade de entender racionalmente alguma coisa e ao mesmo tempo manter o espírito crítico com relação a ela é um princípio da inteligência ideal.

Uma época. Abro um e-mail do Daniel Piza. Com centenas de destinatários, demorei para chegar no texto. É um aviso de que está se transferindo para o Estadão. (Foi através deste e-mail, aliás, que conheci o Julio.) Não fiquei feliz. Achei que fosse perder a informalidade, a liberdade que a menor circulação da Gazeta lhe permitia. Um jornal grande lhe controlaria mais as opiniões e/ou lhe exigiria assuntos mais populares. Não acho que foi exatamente isso que aconteceu. Mas ainda prefiro a sua época na Gazeta Mercantil. Era como se ele escrevesse só para nós.

Um vendedor pedante. Na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (ainda aquela antiga), Pergunto ao vendedor se já chegou Questão de gosto. "Ah, aquele do Daniel Piza", responde o vendedor, que emenda: "Tinha que ser. Que título pedante, né? Vou ver". Na hora, eu não entendi o comentário e não respondi nada, mas fiquei um pouco incomodado. O livro não havia chegado. Até hoje reconheceria aquele vendedor na rua.

Questão de estilo. O Daniel tinha um estilo ― digamos ― jornalisticamente impecável e ao mesmo tempo facilmente reconhecível. Era direto, como Francis, e rápido, preciso, como Machado. A última frase dos seus textos tinha normalmente alguma sacada. Eu gostava de ver ele escapar dos manuais e usar "etc., etc.", ou colocar dois adjetivos com a primeira sílaba parecida juntos, como "limpo e lindo". O Daniel não desperdiçava nenhum recurso da pontuação: seus textos eram repletos de ponto e vírgula, travessões, e fluíam agradavelmente. Seu aforismo preferido, aliás: "Estilo é aquilo que você construiu e já era seu".

Uma banca na Vila Nova Conceição. Enquanto folheio revistas, ouço um cliente perguntar pro dono da banca se a coluna do Daniel Piza havia saído naquele domingo. (Ele ― o Daniel ― devia estar voltando de férias.) Não ouvi a continuação da conversa. Foi a primeira vez que percebi que o Daniel não escrevia só para nós.

Uma foto na Flip. Encontro o Daniel sozinho saindo da palestra do Davi Arrigucci Jr. sobre Manuel Bandeira, na abertura da Flip em 2009. Paramos ao lado da ponte e conversamos sobre vários assuntos. Me lembro do Daniel achar mais ou menos a palestra ("sempre a mesma coisa...") e dizer que Bandeira não é nenhum Drummond. Um menino de mais ou menos quinze anos se aproximou: "Você é o Daniel Piza?" Tirei uma foto dos dois. O menino agradeceu e, contente, mostrou a foto pra mãe. Daniel também era, como escreveu sobre Sócrates, um ídolo improvável.

Um jantar. Antonio Peticov descobre que o Daniel gosta de artes plásticas e que começou a carreira escrevendo sobre o assunto: "E aí, quais pintores você mais gosta?". O Daniel responde e o Peticov, sério, impressionado com a resposta: "Beleza, está aprovado". Na volta, dou carona pro Daniel. Deixo ele na esquina da Rua Pará com a Av. Angélica. Não me lembro do que conversamos no carro.

O fantasma da ópera. Sempre que ia a shows, teatro, etc., esperava encontrar o Daniel Piza na saída. Raramente isso aconteceu. Por um motivo nebuloso, costumo lembrar dele saindo do Teatro Alfa numa noite de inverno em São Paulo. Ele deve ter descrito uma situação parecida em sua coluna, e essa cena ficou na minha cabeça até hoje.

Encontros e desencontros. O Daniel era uma das figuras mais freqüentes no Shopping Higienópolis. Me lembro de tê-lo visto pela primeira vez comprando roupas para seus filhos na Chicletaria; em outra ocasião, subimos a escada rolante conversando sobre o filme que ele ia assistir no cinema; sentamos coincidentemente ao lado em vários cafés; pegamos juntos uma fila no caixa da Track & Field. Normalmente com outras companhias, nunca conversamos muito nessas situações.

Uma disposição euclidiana. No anfiteatro do Harmonia, o projetor falha antes da apresentação sobre Euclides da Cunha. A palestra foi até aproximadamente umas 10 da noite, e o Daniel ainda tomou uma com o pessoal depois da aula. Fiquei impressionado com a sua erudição e disposição.

Uma redação impossível. Almoço com Julio, o Polzonoff e o Daniel. Muita conversa sobre jornalismo e internet. Anoto no celular a dica de um livro ou escritor. Enquanto espera o motorista do jornal, o Daniel faz um comentário generoso, mais ou menos assim: imagina se conseguirmos montar uma redação com um pessoal como a gente.

Afinidades eletivas. O Daniel nasceu só um pouco antes da gente (dez anos, no meu caso) e estava vivendo praticamente a nossa mesma geração. Como disse o Julio: era quase um irmão mais velho. Ele viveu logo antes as experiências que viveríamos em seguida (trabalho, casamento, filhos, etc.), e descobriu muita coisa interessante no caminho (livros, músicas, viagens, etc.). E havia nele essa combinação da vida intelectual com a prática, a variação entre o escritório e a aventura, que é um estilo de vida muito sensato e sedutor. E que ― para usar uma expressão de Francis sobre Machado, seus ídolos ― é o que se deve emular.

Outras afinidades. Encontro o Julio na extinta Livraria Boavista, na Faria Lima, para o lançamento de Ora, bolas. Ficamos ― eu e o Julio ― muito tempo conversando ao lado da mesa de autógrafos. Com carinho, guardo o meu: "Ao Eduardo, Com afinidades intelectuais".


Eduardo Carvalho
São Paulo, 12/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
02. Consumidor, você tem toda a razão! de Daniel Bushatsky
03. Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado de Jardel Dias Cavalcanti
04. Dreadlocks de Guilherme Pontes Coelho
05. Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora de Elisa Andrade Buzzo


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


Mais Especial Daniel Piza (1970-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTADO, CONSTITUIÇÃO E JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS
MARCIO RICARDO STAFFEN
LUMEN JURIS
(2015)
R$ 50,00



EIGHT STRANGE TALES
ELIZABETH ENRIGTH
LADDER
(1969)
R$ 5,00



SENHOR, OBRIGADO POR MAIS UM DIA!
NEREU DE CASTRO TEIXEIRA
EP
(1979)
R$ 9,92



A QUEDA DA MONARQUIA FRANCESA - LUIS XVI, MARIA ANTONIETA E O BARÃO DE BRETEUIL
MUNRO PRICE
RECORD
(2007)
R$ 13,72



IMITAÇÃO DE CRISTO - COLEÇÃO A OBRA-PRIMA DE CADA AUTOR
TOMÁS DE KAMPIS
MARTIN CLARET
(2001)
R$ 14,90



VENCEDOR NÃO USA DROGAS
EDSON FERRARINI
LUXOR
(2002)
R$ 12,00



OS SONHOS MORREM PRIMEIRO
HAROLD ROBBINS
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 5,00



COLEÇÃO 7 DIAS - NATAL
BIBLIOTECA VIAJE MAIS
EUROPA
R$ 15,00



TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO
WALTER LUIZ CARAM SALIBA
MAKRON BOOKS
(2005)
R$ 15,00



THE BIG TEN
JEFFREY E. GARTEN
BASIC BOOKS
(1997)
R$ 12,00





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês