Alguns momentos com Daniel Piza | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
>>> Boca Migotto lança livro sobre cinema gaúcho durante o 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Projeto Itália ― Parte II
>>> O que eles disseram antes do último suspiro
>>> Amor muito mata
>>> Garganta profunda
>>> Monte Sinai (reeditado)
>>> Antonio Candido
>>> O Rosto de Cristo
>>> A morte absoluta
Mais Recentes
>>> Força para Viver de Bibles pela Bibles
>>> Descanse Em Paz, Meu Amor... de Pedro Bandeira pela Atica (2003)
>>> Moradas Espirituais: Visita a Vinte Colônias Espirituais de Médium Vânia Arantes Damo pela Inst. Intern. Sup. de Cultura
>>> Anarquia e Cristianismo de Jacques Ellul; Norma Braga pela Garimpo (2010)
>>> Dicionario Ilustrado de Sentimentos de Fernanda Salgueiro pela Ministerio de Cultura (2017)
>>> Ética e Direito de Gabriel Valle pela Síntese (1999)
>>> Direitos Reais 3ª edição. de Cristiano Chaves de Farias; Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2006)
>>> Exame de Ordem de Varios Autores pela Método
>>> Curso de Direito Constitucional Positivo 19ª edição revista e atualizada nos termos da Reforma Constitucional de José Afonso da Silva pela Malheiros (2000)
>>> Fazendo Meu Filme 3 de Paula Pimenta pela Grupo Autêntica (2010)
>>> Fazendo Meu Filme 1 de Paula Pimenta pela Grupo Autêntica (2009)
>>> Teoria Geral do Estado 41ª edição. de Darcy Azambuja pela Globo (2001)
>>> The Patron Saint of Liars de Ann Patchett pela Perennial (2003)
>>> Bem Mais Perto de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2012)
>>> Se Eu Ficar de Gayle Forman pela Novo Conceito (2014)
>>> Sherlock Holmes: the Blue Diamond de Sir Arthur Conan Doyle Sir pela Oxford University Press (2014)
>>> Fingindo Ter 19 Anos de Alyson Noël pela Novo Conceito (2011)
>>> Anna e o Beijo Francês de Stephanie Perkins pela Novo Conceito (2011)
>>> Para onde ela foi de Gaye Forman pela Novo Conceito (2014)
>>> Esse tal de amor de Queren Ane pela Up Books (2017)
>>> De Volta à Realidade - Os Desafios de Betina 2 de Ailene Diniz pela Up Books (2018)
>>> Como Passar na OAB já com questões do novo exame OAB FGV de Wander Garcia pela Foco (2011)
>>> Uma viagem nem um pouco sonhada de Ailene Diniz pela Up Books (2017)
>>> Direito das Coisas 3ª edição. revista, ampliada e atualizada de Marco Aurélio Bezerra de Melo pela Lumen Juris (2009)
>>> Tipo Destino de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
COLUNAS >>> Especial Daniel Piza (1970-2011)

Quinta-feira, 12/1/2012
Alguns momentos com Daniel Piza
Eduardo Carvalho

+ de 10400 Acessos

Uma noite na fazenda. Sexta-feira, sozinho na fazenda, em Barretos, sento numa poltrona no escritório e abro a Gazeta Mercantil. Não sei que tipo de notícia ou cotação listada no jornal poderia afetar a decisão de um menino de dezesseis anos de férias. Talvez nenhuma, e provavelmente por isso me concentrei no caderno de título menos árido: "Fim de semana". Não me lembro exatamente dos assuntos da primeira coluna Sinopse que li. Mas ficou uma impressão, que no mesmo dia passei ao meu pai por telefone, animado: "Pai, descobri um novo Paulo Francis".

Uma rotina semanal. Voltando da faculdade a pé, desço a Haddock Lobo em direção aos Jardins. Confiro os trocados na mochila e, na banca da esquina com a Alameda Franca, compro a Gazeta Mercantil. Em casa, leio o Daniel Piza antes do almoço, correndo. Recorto as suas colunas e coloco numa pasta ― a mesma em que estão guardadas até hoje.

Uma citação. Pergunto por e-mail o que o Daniel acha de Maugham e de O fio da navalha. Ele me adianta que respondeu na sua próxima coluna. Quinta-feira à noite, saio com um amigo ― também leitor assíduo da Sinopse, aliás ― e de madrugada passamos na banca da Groenlândia para checar se a Gazeta Mercantil já havia chegado. Fiquei emocionado. "O leitor Eduardo Carvalho conta de sua impressão quando, adolescente, leu o O Fio da Navalha, de Maugham. (...) Hoje, em retrospecto, acho o livro xaroposo, com aquela utopia da opção franciscana, de se libertar de bens materiais, etc. Mas o impacto sobre o adolescente realmente existe: você começa a sonhar com formas alternativas de vida, menos hipócritas, menos reprimidas. Só não acho que a solução seja ir lavar pratos na Índia." Nunca me esqueci dessa última frase. Fomos orgulhosos para a balada.

Um cineclube e vários e-mails perdidos. Digo ao Daniel que estudo na GV, e ele me responde que o seu irmão também estudou lá, e que se lembra com carinho da época em que freqüentava o cineclube da Escola, onde assistiu vários clássicos. Imprimi e guardei os e-mails dessa época. Não sei onde estão.

Com nexo. Para um site extinto rapidamente, e cujo acervo nunca descobri se está disponível em algum lugar, o Daniel Piza montou uma lista de dez livros que recomendava para jovens leitores e manteve uma coluna chamada Nexo, em que buscava sentido em fenômenos a princípio incompreensíveis. Escreveu sobre igrejas evangélicas e sobre "personalidades" como, se não me engano, a Tiazinha. Essa capacidade de entender racionalmente alguma coisa e ao mesmo tempo manter o espírito crítico com relação a ela é um princípio da inteligência ideal.

Uma época. Abro um e-mail do Daniel Piza. Com centenas de destinatários, demorei para chegar no texto. É um aviso de que está se transferindo para o Estadão. (Foi através deste e-mail, aliás, que conheci o Julio.) Não fiquei feliz. Achei que fosse perder a informalidade, a liberdade que a menor circulação da Gazeta lhe permitia. Um jornal grande lhe controlaria mais as opiniões e/ou lhe exigiria assuntos mais populares. Não acho que foi exatamente isso que aconteceu. Mas ainda prefiro a sua época na Gazeta Mercantil. Era como se ele escrevesse só para nós.

Um vendedor pedante. Na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (ainda aquela antiga), Pergunto ao vendedor se já chegou Questão de gosto. "Ah, aquele do Daniel Piza", responde o vendedor, que emenda: "Tinha que ser. Que título pedante, né? Vou ver". Na hora, eu não entendi o comentário e não respondi nada, mas fiquei um pouco incomodado. O livro não havia chegado. Até hoje reconheceria aquele vendedor na rua.

Questão de estilo. O Daniel tinha um estilo ― digamos ― jornalisticamente impecável e ao mesmo tempo facilmente reconhecível. Era direto, como Francis, e rápido, preciso, como Machado. A última frase dos seus textos tinha normalmente alguma sacada. Eu gostava de ver ele escapar dos manuais e usar "etc., etc.", ou colocar dois adjetivos com a primeira sílaba parecida juntos, como "limpo e lindo". O Daniel não desperdiçava nenhum recurso da pontuação: seus textos eram repletos de ponto e vírgula, travessões, e fluíam agradavelmente. Seu aforismo preferido, aliás: "Estilo é aquilo que você construiu e já era seu".

Uma banca na Vila Nova Conceição. Enquanto folheio revistas, ouço um cliente perguntar pro dono da banca se a coluna do Daniel Piza havia saído naquele domingo. (Ele ― o Daniel ― devia estar voltando de férias.) Não ouvi a continuação da conversa. Foi a primeira vez que percebi que o Daniel não escrevia só para nós.

Uma foto na Flip. Encontro o Daniel sozinho saindo da palestra do Davi Arrigucci Jr. sobre Manuel Bandeira, na abertura da Flip em 2009. Paramos ao lado da ponte e conversamos sobre vários assuntos. Me lembro do Daniel achar mais ou menos a palestra ("sempre a mesma coisa...") e dizer que Bandeira não é nenhum Drummond. Um menino de mais ou menos quinze anos se aproximou: "Você é o Daniel Piza?" Tirei uma foto dos dois. O menino agradeceu e, contente, mostrou a foto pra mãe. Daniel também era, como escreveu sobre Sócrates, um ídolo improvável.

Um jantar. Antonio Peticov descobre que o Daniel gosta de artes plásticas e que começou a carreira escrevendo sobre o assunto: "E aí, quais pintores você mais gosta?". O Daniel responde e o Peticov, sério, impressionado com a resposta: "Beleza, está aprovado". Na volta, dou carona pro Daniel. Deixo ele na esquina da Rua Pará com a Av. Angélica. Não me lembro do que conversamos no carro.

O fantasma da ópera. Sempre que ia a shows, teatro, etc., esperava encontrar o Daniel Piza na saída. Raramente isso aconteceu. Por um motivo nebuloso, costumo lembrar dele saindo do Teatro Alfa numa noite de inverno em São Paulo. Ele deve ter descrito uma situação parecida em sua coluna, e essa cena ficou na minha cabeça até hoje.

Encontros e desencontros. O Daniel era uma das figuras mais freqüentes no Shopping Higienópolis. Me lembro de tê-lo visto pela primeira vez comprando roupas para seus filhos na Chicletaria; em outra ocasião, subimos a escada rolante conversando sobre o filme que ele ia assistir no cinema; sentamos coincidentemente ao lado em vários cafés; pegamos juntos uma fila no caixa da Track & Field. Normalmente com outras companhias, nunca conversamos muito nessas situações.

Uma disposição euclidiana. No anfiteatro do Harmonia, o projetor falha antes da apresentação sobre Euclides da Cunha. A palestra foi até aproximadamente umas 10 da noite, e o Daniel ainda tomou uma com o pessoal depois da aula. Fiquei impressionado com a sua erudição e disposição.

Uma redação impossível. Almoço com Julio, o Polzonoff e o Daniel. Muita conversa sobre jornalismo e internet. Anoto no celular a dica de um livro ou escritor. Enquanto espera o motorista do jornal, o Daniel faz um comentário generoso, mais ou menos assim: imagina se conseguirmos montar uma redação com um pessoal como a gente.

Afinidades eletivas. O Daniel nasceu só um pouco antes da gente (dez anos, no meu caso) e estava vivendo praticamente a nossa mesma geração. Como disse o Julio: era quase um irmão mais velho. Ele viveu logo antes as experiências que viveríamos em seguida (trabalho, casamento, filhos, etc.), e descobriu muita coisa interessante no caminho (livros, músicas, viagens, etc.). E havia nele essa combinação da vida intelectual com a prática, a variação entre o escritório e a aventura, que é um estilo de vida muito sensato e sedutor. E que ― para usar uma expressão de Francis sobre Machado, seus ídolos ― é o que se deve emular.

Outras afinidades. Encontro o Julio na extinta Livraria Boavista, na Faria Lima, para o lançamento de Ora, bolas. Ficamos ― eu e o Julio ― muito tempo conversando ao lado da mesa de autógrafos. Com carinho, guardo o meu: "Ao Eduardo, Com afinidades intelectuais".


Eduardo Carvalho
São Paulo, 12/1/2012


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


Mais Especial Daniel Piza (1970-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Travessia 12 v 5 nº 12
Zahidé L. Muzart (org)
Ufsc
(1987)



O Espetacular Homem Aranha Um Dia a Mais
Stan Lee e Steve Ditko
Panini
(2021)



Diálogos Plausíveis Mas Improváveis
Viviane Domingues
Ateniense
(1994)



Trajetórias das Desigualdades -
Marta Arretche
Unesp
(2015)



Cebolinha Nº 79
Mauricio de Souza
Abril
(1979)



Confesso Que Vivi
Pablo Neruda
Difel
(1979)



A Vida é Feita de Escolhas
Dalcides Biscalquin
Loyola
(2011)



Isso Sim, é Real...
César Azambuja
Polis
(2004)



Til
José de Alencar
Melhoramentos
(2012)



De Tudo Que Mora Em Mim
Gabriel Chalita
Planeta
(2012)





busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês