Nada é capaz de envelhecer Renato Aragão | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/7/2003
Nada é capaz de envelhecer Renato Aragão
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5100 Acessos

Antes de seguir adiante, devo confessar que sou fã dos Trapalhões e do Renato Aragão. Consigo até hoje rir e me emocionar com as histórias banais retratadas em seus filmes, tanto os antigos como os novos.

Fui ver Didi, o Cupido Trapalhão. Interessante notar que o cinema de Renato Aragão se modificou muito depois do fim do grupo, no início dos anos 90. Mas foi uma mudança, por incrível que pareça, sem cara de mudança (tal qual o governo Lula). Antes era um cinema mais alegre, com histórias e roteiros mais bem-elaborados, situações cômicas dignas de um quarteto que estrelava um programa semanal na televisão e conseguia fazer qualquer um rir. Depois da perda de Zacarias e Mussum, e com Dedé se convertendo aos evangélicos, Renato Aragão se viu só em sua empreitada, tal qual Dartagnan sem os três mosqueteiros. Com isso, e como uma espécie de luto, ele ficou sem filmar, só voltando em 1997 com O Noviço Rebelde. Depois fez Simão, o Fantasma Trapalhão, O Trapalhão e a Luz Azul, Um Anjo Trapalhão (um especial para a televisão que acabou indo para os cinemas depois) e, finalmente, o recente Didi, o Cupido Trapalhão.

A situação ficou assim para ele: como fazer um filme de 90 minutos sem o apelo d'Os Trapalhões, que vinham do sucesso na televisão e no cinema por muito tempo? Como fazer um filme de sucesso se o que as pessoas esperavam era o que não mais podia haver - o grupo unido?

Com o fim do grupo, Renato Aragão perdeu seu ponto de apoio no que tange ao humor. Assim como Oscarito nas chanchadas tinha a Grande Otelo, foi esse contraponto imediato para suas trapalhadas que Renato Aragão perdeu. E como quase toda comédia está apoiada em uma figura carismática, requer a presença de um segundo para se criar o efeito cômico desejado (Renato Aragão sempre dizia que era um comediante circense, precisava de um ou mais companheiros que preparassem as piadas que ele faria). Quando o grupo filmava, tanto em cinema quanto em TV, cada um dos Trapalhões tinha definido seu papel: Didi era o palhaço trapalhão; Dedé era o estrategista, o cérebro do grupo; Mussum representava a malandragem carioca dos morros e Zacarias era o ingênuo, a criança frágil a ser protegida.

Ficou o dilema de como continuar sua carreira construída ao lado dos amigos: deveria seguir com seu estilo já sedimentado mesmo sem os colegas ou tentar o novo, mudar sua forma de humor pensando em algo diferente do que fazia junto aos demais?

Pois bem, esse dilema fez com que Renato Aragão mudasse o foco de seus filmes e os transformasse em clones de seu programa na Rede Globo - basicamente o Turma do Didi. Mas tal mudança ocorreu sem comprometer a fórmula vencedora de outrora. Sem substitutos para contracenar o humor com ele, o que se viu então foi uma readaptação do formato, com algumas características marcantes:

* a presença maciça de celebridades do momento, geralmente atores, cantores e personalidades - agentes da indústria cultural - que povoam a televisão aos domingos e alimentam as revistas de fofoca, como atores da trama;

* humor concentrado na figura de Renato Aragão, com piadas e situações já bastante difundidas e conhecidas; humor escrachado, tendendo ao pastelão e a caretas, diferentemente do humor refinado de um Woody Allen ou Jorge Furtado;

* uma certa perda da inocência, com o apelo aos corpos seminus desfilando nas telas (muito acentuado em Didi, O Cupido Trapalhão);

* a eterna mensagem de solidariedade e de amor que faz chorar, e o final feliz ilustrado por uma canção também de cunho moral; narrativa fragmentada, muito em razão das inserções musicais, e linguagem própria da televisão;

* manutenção da paródia a textos e outros filmes, tal qual A Noviça Rebelde, Romeu e Julieta e os famosos filmes de anjos da década de 40 e 50.

Como muitos já perceberam, muito do que listei acima já existia nos filmes do quarteto. Esse é o lado que permaneceu. O que mudou foi a necessidade de suprir as ausências d'Os Trapalhões, talvez insuficiente apenas com a presença-solo de Renato Aragão. E isso não seria fácil, mesmo sendo ele o mais popular e querido do grupo.

Lembremos que o momento em que ele volta a filmar é totalmente adverso ao que estava acostumado nas décadas de 70 e 80. A Embrafilme tinha sido fechada, o cinema brasileiro havia sido transformado em pó, com 0% de ocupação do mercado, e a atividade cinematográfica começava a engatinhar novamente com as leis de incentivo à cultura. O número de salas era muito menor e a força do cinema americano triplicara, além de ter moldado mais ainda o gosto do público. Soma-se a isso o aumento do preço do ingresso, a elitização das salas - centradas em shoppings - e o praticamente extermínio das salas populares da periferia - seu maior público.

Eis o quadro: sem coadjuvantes especializados e populares da área que pudessem "carregar" um filme a seu lado (há tempos não temos comediantes de verdade no Brasil) e a televisão ocupando o vácuo deixado pela retração da atividade cinematográfica e do mercado de salas, Renato Aragão apostou em sua própria figura circundada por elementos do imaginário popular televisivo. Resultado: intensificou a participação de estrelas da televisão e personalidades populares do momento (com a estabilidade econômica, as camadas C e D tiveram acesso à televisão, popularizando demais seus agentes), unindo-os a atores de verdade. Junto a ele, em si só uma grife fortíssima, conseguiriam segurar a onda do mercado, cada vez mais exigente no que se refere a presença de público.

O contexto do cinema no Brasil mudou dos anos 80 pra cá. Renato Aragão, esperto que é, soube enxergar isso e também se reciclar para se adaptar às mudanças. Só não sei se foi para melhor. Quem quiser pode conferir Didi, o Cupido Trapalhão e tirar suas próprias conclusões. Fui conferir e dei várias gargalhadas.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 24/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
02. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
03. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
04. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOLEQUES DE RUA AS AVENTURAS DE JOÃO PÃO, UM MENOR ABANDONADO
ROBERTO FREIRE
MODERNA
(1997)
R$ 6,00



OS GRANDES PROFETAS
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1985)
R$ 16,00



NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS E A GLOBALIZAÇÃO
CELSO CLAUDIO DE HILDEBRAND E GRISI
LTR
(1999)
R$ 28,00



LADYBUG - CORES DA AVENTURA
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 8,90



OAB: DIREITO EMPRESARIAL
ANDRÉ LUIZ SANTA CRUZ RAMOS
ED. JUSPODIVM
(2012)
R$ 29,91



ENQUANTO O DIABO COCHILA
DELCIO MONTEIRO DE LIMA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1990)
R$ 7,00



PORTUGUÊS 2 TODA A LISBOA E ARREDORES 153 FOTOGRAFIAS A CORES
XAVIER COSTA CLAVELL
ESCUDO DE ORO
(1986)
R$ 35,00



BRASIL: EM COMPASSO DE ESPERA - PEQUENOS ESCRITOS POLÍTICOS
FLORESTAN FERNANDES
UFRJ
(2011)
R$ 44,00



UMA EDUCAÇÃO PARA A LIBERDADE - TEXTOS MARGINAIS
PAULO FREIRE
FIRMEZA
(1974)
R$ 51,85



I HAVE LANDED
STEPHEN JAY GOULD
HARVARD UNIVERSITY PRESS
(2011)
R$ 160,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês