Nada é capaz de envelhecer Renato Aragão | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
Mais Recentes
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/7/2003
Nada é capaz de envelhecer Renato Aragão
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5200 Acessos

Antes de seguir adiante, devo confessar que sou fã dos Trapalhões e do Renato Aragão. Consigo até hoje rir e me emocionar com as histórias banais retratadas em seus filmes, tanto os antigos como os novos.

Fui ver Didi, o Cupido Trapalhão. Interessante notar que o cinema de Renato Aragão se modificou muito depois do fim do grupo, no início dos anos 90. Mas foi uma mudança, por incrível que pareça, sem cara de mudança (tal qual o governo Lula). Antes era um cinema mais alegre, com histórias e roteiros mais bem-elaborados, situações cômicas dignas de um quarteto que estrelava um programa semanal na televisão e conseguia fazer qualquer um rir. Depois da perda de Zacarias e Mussum, e com Dedé se convertendo aos evangélicos, Renato Aragão se viu só em sua empreitada, tal qual Dartagnan sem os três mosqueteiros. Com isso, e como uma espécie de luto, ele ficou sem filmar, só voltando em 1997 com O Noviço Rebelde. Depois fez Simão, o Fantasma Trapalhão, O Trapalhão e a Luz Azul, Um Anjo Trapalhão (um especial para a televisão que acabou indo para os cinemas depois) e, finalmente, o recente Didi, o Cupido Trapalhão.

A situação ficou assim para ele: como fazer um filme de 90 minutos sem o apelo d'Os Trapalhões, que vinham do sucesso na televisão e no cinema por muito tempo? Como fazer um filme de sucesso se o que as pessoas esperavam era o que não mais podia haver - o grupo unido?

Com o fim do grupo, Renato Aragão perdeu seu ponto de apoio no que tange ao humor. Assim como Oscarito nas chanchadas tinha a Grande Otelo, foi esse contraponto imediato para suas trapalhadas que Renato Aragão perdeu. E como quase toda comédia está apoiada em uma figura carismática, requer a presença de um segundo para se criar o efeito cômico desejado (Renato Aragão sempre dizia que era um comediante circense, precisava de um ou mais companheiros que preparassem as piadas que ele faria). Quando o grupo filmava, tanto em cinema quanto em TV, cada um dos Trapalhões tinha definido seu papel: Didi era o palhaço trapalhão; Dedé era o estrategista, o cérebro do grupo; Mussum representava a malandragem carioca dos morros e Zacarias era o ingênuo, a criança frágil a ser protegida.

Ficou o dilema de como continuar sua carreira construída ao lado dos amigos: deveria seguir com seu estilo já sedimentado mesmo sem os colegas ou tentar o novo, mudar sua forma de humor pensando em algo diferente do que fazia junto aos demais?

Pois bem, esse dilema fez com que Renato Aragão mudasse o foco de seus filmes e os transformasse em clones de seu programa na Rede Globo - basicamente o Turma do Didi. Mas tal mudança ocorreu sem comprometer a fórmula vencedora de outrora. Sem substitutos para contracenar o humor com ele, o que se viu então foi uma readaptação do formato, com algumas características marcantes:

* a presença maciça de celebridades do momento, geralmente atores, cantores e personalidades - agentes da indústria cultural - que povoam a televisão aos domingos e alimentam as revistas de fofoca, como atores da trama;

* humor concentrado na figura de Renato Aragão, com piadas e situações já bastante difundidas e conhecidas; humor escrachado, tendendo ao pastelão e a caretas, diferentemente do humor refinado de um Woody Allen ou Jorge Furtado;

* uma certa perda da inocência, com o apelo aos corpos seminus desfilando nas telas (muito acentuado em Didi, O Cupido Trapalhão);

* a eterna mensagem de solidariedade e de amor que faz chorar, e o final feliz ilustrado por uma canção também de cunho moral; narrativa fragmentada, muito em razão das inserções musicais, e linguagem própria da televisão;

* manutenção da paródia a textos e outros filmes, tal qual A Noviça Rebelde, Romeu e Julieta e os famosos filmes de anjos da década de 40 e 50.

Como muitos já perceberam, muito do que listei acima já existia nos filmes do quarteto. Esse é o lado que permaneceu. O que mudou foi a necessidade de suprir as ausências d'Os Trapalhões, talvez insuficiente apenas com a presença-solo de Renato Aragão. E isso não seria fácil, mesmo sendo ele o mais popular e querido do grupo.

Lembremos que o momento em que ele volta a filmar é totalmente adverso ao que estava acostumado nas décadas de 70 e 80. A Embrafilme tinha sido fechada, o cinema brasileiro havia sido transformado em pó, com 0% de ocupação do mercado, e a atividade cinematográfica começava a engatinhar novamente com as leis de incentivo à cultura. O número de salas era muito menor e a força do cinema americano triplicara, além de ter moldado mais ainda o gosto do público. Soma-se a isso o aumento do preço do ingresso, a elitização das salas - centradas em shoppings - e o praticamente extermínio das salas populares da periferia - seu maior público.

Eis o quadro: sem coadjuvantes especializados e populares da área que pudessem "carregar" um filme a seu lado (há tempos não temos comediantes de verdade no Brasil) e a televisão ocupando o vácuo deixado pela retração da atividade cinematográfica e do mercado de salas, Renato Aragão apostou em sua própria figura circundada por elementos do imaginário popular televisivo. Resultado: intensificou a participação de estrelas da televisão e personalidades populares do momento (com a estabilidade econômica, as camadas C e D tiveram acesso à televisão, popularizando demais seus agentes), unindo-os a atores de verdade. Junto a ele, em si só uma grife fortíssima, conseguiriam segurar a onda do mercado, cada vez mais exigente no que se refere a presença de público.

O contexto do cinema no Brasil mudou dos anos 80 pra cá. Renato Aragão, esperto que é, soube enxergar isso e também se reciclar para se adaptar às mudanças. Só não sei se foi para melhor. Quem quiser pode conferir Didi, o Cupido Trapalhão e tirar suas próprias conclusões. Fui conferir e dei várias gargalhadas.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 24/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Auto-ajuda empresarial: reunite crônica de Ana Elisa Ribeiro
03. Festa ou casamento? de Daniela Sandler
04. Na zdorovie! de Fabio Danesi Rossi
05. Pimenta no cérebro dos outros é refresco de Paulo Polzonoff Jr


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA HUMANA
J. H. G. LEBON
ZAHAR EDITORES
(1966)
R$ 12,00



CHAVES DA PSICOLOGIA
JACQUES COSNIER
ZAHAR
(1976)
R$ 20,72



FLAVIA DE LUCE E O MISTÉRIO DA TORTA
ALAN BRADLEY
ARX
(2010)
R$ 17,00



GETTING STARTED IN ASSET ALLOCATION
BILL BRESNAN / ERIC GELB
JOHN WILEY & SONS
(1999)
R$ 49,90



MAPA DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL - Nº 2
IBGE
IBGE (RJ)
(1994)
R$ 22,28



CAOS NÃO CARÊNCIA O SEGREDO DA VITÓRIA
SIMÃO PEDRO ABDALA NETO
KELPS
(2001)
R$ 15,00



POESIAS DE EMÍLIO MOURA
FÁBIO LUCAS
ART
(1991)
R$ 12,00



BELA REDENÇÃO LIVRO 2
JAMIE MCGUIRE
VERUS
(2018)
R$ 30,00



A PRINCESA QUE ENGANOU A MORTE E OUTROS CONTOS
SONIA SALERNO FORJAZ
AQUARIANA
(2011)
R$ 5,00



XADREZ ESCOLAR
DANILO SOARES MARQUES
CLUBE DE AUTORES
(2020)
R$ 37,88





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês