Fragmentos de história ou a história em frangalhos | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS

Terça-feira, 4/7/2006
Fragmentos de história ou a história em frangalhos
Marcelo Spalding

+ de 5000 Acessos

De uma coisa os robozinhos do século XXX não poderão reclamar: nós, homens e mulheres do século XX, estamos produzindo retratos do nosso tempo em profusão, de teses acadêmicas a pinturas, de livros didáticos a notícias de jornal, representações, reproduções e interpretações de nossa própria história. Se os nossos filhos e netos souberem preservar parte dessa riqueza, se não repetirmos a queima de Alexandria ou a bomba atômica não explodir o mundo, os robozinhos dos anos três mil terão material de sobra para pesquisar sobre a vida dos dois mil.

A fartura de registros, aliada a uma tendência pós-moderna de revisitar e problematizar a história, tirando dela a aura de verdade intocada, parece estar gerando um gênero literário particular e curioso, algo que podemos chamar memorialista-histórico-ficcional. O caso mais nítido é O livro dos fragmentos (Civilização Brasileira, 2006, 160 págs.), de Antônio Carlos Villaça.

Villaça é, ele próprio, um verbete da história brasileira dos 900s. Carioca de 1928, é reconhecido como um dos mais importantes memorialistas e resenhistas do Brasil, saudado por homens como Cassiano Ricardo, Carlos Drummond de Andrade, Gilberto Freyre, Manuel Bandeira e Graciliano Ramos e vencedor do Prêmio Machado de Assis de 2003. Faleceu no dia 29 de maio de 2005, mas graças a Luciana Villas-Boas foi publicado, no começo deste ano, O livro dos fragmentos, onde o autor recompõe em poucas linhas fragmentos de histórias de personagens que fizeram parte da sua vida, alguns mais outros menos renomados.

Os primeiros fragmentos são dedicados a Gilberto Amado, jornalista, político, diplomata, poeta, ensaísta, cronista, romancista e memorialista falecido em 1969 e personagem preferida de Villaça. Adiante encontraremos histórias de muitos outros jornalistas cariocas hoje praticamente desconhecidos (pelo menos para um jovem de fora do Rio) misturadas com histórias de personalidades como Getúlio Vargas, Guimarães Rosa, Rui Barbosa, Machado de Assis, Carlos Lacerda, Hélder Câmara. Tratando suas personagens com a mesma importância e respeito, todos com certa intimidade e sem receio em emitir juízos negativos de valor, Villaça conquista a simpatia do leitor e desarma este da eterna cobrança pela verdade, algo descabido neste gênero memorialista-histórico-ficcional.

As datas e os lugares, os nomes e os sobrenomes são reais, mas o narrador em nenhum momento pretende ir além de sua memória e de sua subjetividade. Não poupa adjetivos em nome da objetividade, não presta referência a ditos heróis, simplesmente conta histórias - ou estórias, como diria Guimarães Rosa -, muitas das quais insignificantes para o leitor ou para o país, todas fundamentais para ajudar a compor o painel de um Rio de Janeiro pós segunda guerra e pré Brasília.

Também é este o tempo e o espaço preferidos de Fausto Wolff em A Milésima Segunda Noite (Bertrand Brasil, 2005, 742 págs.). O jornalista gaúcho radicado no Rio compõe uma obra monumental (pela originalidade e pelo tamanho) misturando micronarrativas, poesias, pensamentos, ensaios filosóficos, críticas políticas e também textos de feitio memorialista-histórico-ficcional. Ainda que as histórias de Wolff alcancem da Cleópatra a Fernando Henrique Cardoso, neste momento nos interessa os inúmeros textos em que Fausto conta passagens de Millôr Fernandes, Antônio Maria, Joel Silveira, Elmar Machado e do impagável e fictício Nataniel Jebão.

Como Villaça, Wolff conta fragmentos, na maioria cômicos e saudosos, em que seus amigos surgem como seres geniais e espirituosos. Com exceção de um ou outro, como Millôr, são personagens que não terão seus nomes repetidos até os robozinhos dos anos 3000 (talvez como os próprios autores destas memórias-histórico-ficcionais) e que são ali transformados em personagens como uma forma de eternizá-los em palavras.

Nesse ponto não se pode deixar de citar também Minhas Histórias dos Outros (Planeta, 2005, 270 págs.), de Zuenir Ventura. Apesar de trazer uma proposta diferente, aprofundando suas histórias em textos maiores do que duas páginas (como fazem Villaça e Fausto), também Zuenir se propõe a recontar ou dar sua interpretações de fragmentos históricos do século XX, especialmente do século XX carioca pós-segunda guerra.

É difícil explicar o porquê de as três obras terem sido editadas no Rio de Janeiro em 2005. Talvez seja coincidência ou a percepção de um nicho de mercado. Mais fácil é entender por que os três autores são jornalistas (e não historiadores ou sociólogos ou doutores). Em sendo jornalistas, os três já abandonaram a ilusão da objetividade e da verdade e não se constrangem (como possivelmente aconteceria com um historiador) em narrar suas memórias com todas as suas imperfeições. Também estão acostumados a escolher fragmentos em meio à multidão de fatos diários que chegam a uma redação (o que talvez um sociólogo não saberia fazer). E por fim (como nenhum doutor) sabem ser superficiais e explorar a caricatura de suas personagens, não pretendendo que o leitor conheça a "real" personalidade delas.

Curioso, ao final das três leituras, é constatar que o trio jamais se cita ou se encontra em suas histórias (sem dúvida se conhecem mas não são do mesmo grupo, apesar de pertencerem ao mesmo círculo). Por vezes contam as mesmas histórias, mas nem por aí se pode confirmar a veracidade ou não delas. Na verdade, o que menos importa neste novo gênero é a História, essa dos livros didáticos ou das grandes narrativas. Estando ela cada vez mais em frangalhos, entendem os jornalistas que a única forma de contá-la é a partir de fragmentos. E assim temos o princípio não de um livro dos fragmentos mas de um "cânone dos fragmentos".

Para ir além












Marcelo Spalding
Porto Alegre, 4/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 20 contos sobre a pandemia de 2020 de Luís Fernando Amâncio
02. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
03. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
04. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges
05. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês