A literatura feminina de Adélia Prado | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
>>> O inútil de cada um
Mais Recentes
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
>>> urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas de Mauricio Sousa pela Mauricio Sousa (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 25/7/2006
A literatura feminina de Adélia Prado
Marcelo Spalding

+ de 12000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Ilustra by Tartaruga Feliz

Menina não entra. Este era o lema da Academia Brasileira de Letras até pouco tempo atrás. Já na sua criação, em 1897, a aplaudida romancista, contista e cronista Júlia Lopes de Almeida foi deixada de fora e em seu lugar convidado o marido, Filinto de Almeida, escritor inexpressivo. Em 1930, a piauiense Amélia de Freitas Beviláqua era forte candidata para a cadeira nº 23, mas também foi preterida com a justificativa de que no estatuto constava que a Academia era apenas para os brasileiros, não para as brasileiras (história narrada no próprio site da ABL). Essa lógica, absurda e criticada mesmo àquela época, ainda deixou de fora escritoras como Clarice Lispector e Cecília Meireles. Somente em 1970 uma mulher tornou-se imortal, Raquel de Queiroz, e apenas em 1996 uma mulher presidiu a Academia, Nélida Piñon.

Cito estes episódios não para acusar a Academia e, sim, para lembrar que a literatura foi escrita e institucionalizada exclusivamente pelos homens e que essa situação só vem se modificando há 40, 50 anos. Ainda hoje definimos uma literatura feita por mulheres que narra histórias de mulheres com conflitos femininos como uma "literatura feminina", enquanto um livro como Memórias de Minhas Putas Tristes, de autor masculino, narrador masculino e conflito masculino é tido por literatura, sem o adjetivo "masculina".

Adélia Prado, poeta mineira não-imortalizada que incorpora os papéis de intelectual e de mãe, esposa e dona-de-casa, sempre se presta à discussão de gênero por ser apontada pela crítica como uma escritora que encontrou equilíbrio entre o feminino e o feminismo. Mas se este equilíbrio significar ausência de conflito, Quero minha mãe (Record, 2005, 84 págs.), sua mais recente narrativa longa, embaralha de novo as cartas.

Em Quero minha mãe Adélia Prado dá a voz a Olímpia, uma senhora de sessenta anos que descobre ter câncer no útero e acredita estar próxima da morte. Através de fragmentos narrativos essa senhora constrói um mosaico de sua vida presente e reflete sobre o passado, inevitavelmente problematizando sua condição de mulher, esposa e católica. Ainda que seja o motivo da narração, a doença em si ocupa a menor parte do texto de Olímpia. Ela aproveita a proximidade da morte mais para refletir sobre a vida e valorizá-la do que lamentar-se, lembrando, nesse aspecto, o recente sucesso de Garcia Márquez. É como se a certeza da morte - e talvez a consciência da idade - a aproximasse da falecida mãe, das amigas também doentes, de si própria.

Adélia foge com maestria e delicadeza do discurso combativo das feministas, mas, ao voltar-se para si, Olímpia vê acima de tudo uma mulher "retida", incapaz de alçar vôos a não ser em sonhos, e por isso chama pela mãe, identificando na progenitora as suas angústia e os seus medos: "coitada da minha mãe, tinha tristeza de me ver descalça e a minutos de encontrar o julgamento divino cuidava para que não me vissem com os pés no chão", lembra a filha, agora mãe, prestes a repetir a sina daquela que chama.

Ocorre que Olímpia, ao encarar a morte e buscar um sentido para a vida, descobre e expõe alguns claros conflitos de gênero, especialmente ligados ao sexo, que não a permitiam "voar":

"Quando a gente casa a gente pode fazer tudo? Tudo o quê, minha filha? Tudo, uai. Seu ouvido de padre estrangeiro novo no Brasil não entendia o que era 'a gente'. Ficou falando na santidade do matrimônio, os conselhos me soando anêmicos e escapistas. Ia me casar com moço forte e escovado, muito diferente dos maridos da Upac que eu conhecia, agarrados na mulher como em tábua de naufrágio." (pág. 63)

Seria precipitado afirmar que Adélia esteja levantando uma bandeira feminista a partir de sua representação, mas essa imagem lembra um trecho de O Segundo Sexo, clássico da "literatura feminina", de Simone de Beauvoiur: "o coito não poderia realizar-se sem o consentimento do macho e é a satisfação do macho que constitui o fim natural do ato".

Em outro fragmento essa relação de marido e mulher se mostra ainda mais conflituosa para a narradora, incapaz de admitir que a amiga continue passando a roupa do marido depois que ele a chamou de "bocetuda".

"Lulu havia me contado a última do Alcenir e eu viajava longe no detalhe dele chamar a Izaltina de bocetuda. Certas palavras me derrubam, fiquei com raiva da mulher, tratada assim e continuar passando a roupa dele, fazendo todo santo domingo molho pardo pro gorila, tão ansiosa (...). Bocetuda? Um míssil na minha cabeça faria menos estrago." (pág. 20-21)

Note que Olímpia não veria nada de errado em passar a roupa do marido ou fazer todo santo domingo o molho pardo se ele não tivesse a desrespeitado. E de fato a narradora - assim como a autora em suas poesia já o tinha feito - assume com algum prazer a condição de mãe e esposa, menina casta e mulher crente, e esta talvez esta seja a marca do trabalho de Adélia. Equilibrando-se (e não equilibrada) entre o feminismo e a ratificação dos valores de uma sociedade patriarcal, Adélia não recusa os papéis destinados às mulheres mas reivindica um outro olhar, uma outra perspectiva para estas mulheres.

Em Quero minha mãe a mulher não é apenas narradora e autora, é protagonista: é da mãe que a narradora sente falta em seus momentos de tristeza, é às amigas que ela recorre, é a empregada que reza por ela e é uma doutora que a opera. Fazendo um balanço de sua vida cinco anos depois da cirurgia, Olímpia afirma: "tornei-me um pouco melhor, (...) venci minha antiga, arraigada e preconceituosa admiração pelo homem. (...) Fui salva pelas mulheres, espanto-me em percebê-lo". E é curioso que a mesma operação que tirou dela o útero, o útero doente, o símbolo da maternidade, o símbolo do feminino, tenha despertado o feminino em sua essência, um feminino livre de pré-conceitos, livre de imposições, livre de ideologias.

Agora, sessenta e tantos anos depois, "o vôo impossível acontece", exulta a narradora. E o que é melhor, um vôo em vida.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para gostar de ler? de Ana Elisa Ribeiro
02. Sobre Três Novelas de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/7/2006
11h40min
Olá, Marcelo, repito sua frase apenas para dizer que sua observação foi perfeita: "Ainda hoje definimos uma literatura feita por mulheres que narra histórias de mulheres com conflitos femininos como uma 'literatura feminina', enquanto um livro como Memórias de Minhas Putas Tristes, de autor masculino, narrador masculino e conflito masculino é tido por literatura, sem o adjetivo masculina". Depois desse comentário, não há mais nada a se dizer. Você disse tudo. Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
26/7/2006
14h18min
Marcelo, impossível ler seu ensaio sobre "Quero minha mãe" sem se expressar... Numa linguagem clara, profunda e didática, você disseca a obra e me deixa louca para ir à livraria mais próxima. Parabéns e obrigada!
[Leia outros Comentários de zuleica brito fische]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cidade dos Lobisomens
Thiago Fernandes
Leitura
(2007)
R$ 10,00



Contos 4 Série Literária
Graciliano Ramos organização Maria Silva Gonçalves
Nacional
(1979)
R$ 10,00



Manual de Direito para Administração Hoteleira - 1988
Gladston Mamede
Atlas
(2002)
R$ 10,00



Além das Evidências
Alana Araji
Tlb
(2016)
R$ 10,00



Desenvolvimento Gerencial Estratégia e Competitividade
Pedro Monir Rodermel Maria do Carmo Schmidt
Ibpex
(2011)
R$ 10,00



Cultura Japonesa São Paulo - Rio de Janeiro - Curitiba
Célia F.
Aliança cultural Brasil-Japão
R$ 10,00



Eu Estou Ok, Você Está Ok?
Dr. Thomas A. Harris
Record
(1969)
R$ 10,00



Presença de Lobato
Paulo Dantas
Do Escritor
R$ 10,00



Ruínas de Gorlan - Rangers - Ordem dos Arqueiros 1
John Flanagan
Fundamento
(2011)
R$ 10,00



Aprendendo Com a Vida
Ivo Pitanguy
Best Seller / Círculo do Livro
(1993)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês