A literatura feminina de Adélia Prado | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
>>> O problema do escritor
>>> Cadáveres
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
Mais Recentes
>>> Justiceiro Bem-vindo de Volta, Frank Parte 2 - Coleção Oficial de Grap de Garth Ennis; Steve Dillom pela Salvat (2015)
>>> Fernando Pessoa Poemas para Crianças de Fernando Pessoa pela Martins Fontes (2007)
>>> O Homem Tecnológico - Mito e Realidade de Victor C. Ferkiss pela Zahar (1972)
>>> Shinshoku Kiss - Nº 02 de Kazuko Higashiyama pela New Pop (2004)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Via Leitura (2018)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Atica (2008)
>>> Programas de Trabalho e Renda uma Nova Forma de Análise de Paulo Lourenço Domingues Junior pela Olho D Agua (2010)
>>> O Último Jornalista - Imagens de Cinema de Stella Senra pela Estação Liberdade (1997)
>>> Descanse Em Paz de Joyce Carol Oates pela Leya (2010)
>>> A Imagem-tempo de Gilles Deleuze pela Brasiliense (2013)
>>> Bling Ring - a Gangue de Hollywood de Nancy Jo Sales pela Intrínseca (2013)
>>> O Diário de Anne Frank de Otto H. Frank; Mirjam Pressler pela Record (2004)
>>> Eletrônica Digital de Wilson M. Shibata pela Érica (1989)
>>> Aprendendo a Conviver Com Quem Se Ama de Neale Donald Walsch pela Sextante (2006)
>>> Como não aprender inglês de Michael A. Jacobs pela Do Autor (1999)
>>> O Que é Toxicomania - Coleção Primeiros Passos de Jandira Masur pela Brasiliense (1987)
>>> Velhos e Novos Males da Saude no Brasil de Carlos Augusto Monteiro pela Hucitec (2015)
>>> Depois Que Você Morreu de Márcia Leite pela Moderna
>>> A Mulher V - Moderna, à Moda Antiga de Cristiane Cardoso pela Unipro (2011)
>>> Entre Amigas de Evelyn Holst; Sabine Reichel pela Essencia (2009)
>>> Violencias Nas Escolas - Perspectivas Historicas e Politicas de Ana Maria Eyng (org.) pela Unijui (2011)
>>> Listening Extra: A Resource Book of Multi-Level Skills Activities de Miles Craven pela Cambridge University Press (2004)
>>> Kare Kano - as Razões Dele, os Motivos Dela - Nº 08 de Masami Tsuda pela Panini / Planet Mangá (2007)
>>> Clara Nunes - Guerreira da Utopia de Vagner Fernandes pela Ediouro (2007)
>>> Introdução aos Estudos Linguisticos de Francisco da Silva Borba pela Nacional (1967)
COLUNAS

Terça-feira, 25/7/2006
A literatura feminina de Adélia Prado
Marcelo Spalding

+ de 12600 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Ilustra by Tartaruga Feliz

Menina não entra. Este era o lema da Academia Brasileira de Letras até pouco tempo atrás. Já na sua criação, em 1897, a aplaudida romancista, contista e cronista Júlia Lopes de Almeida foi deixada de fora e em seu lugar convidado o marido, Filinto de Almeida, escritor inexpressivo. Em 1930, a piauiense Amélia de Freitas Beviláqua era forte candidata para a cadeira nº 23, mas também foi preterida com a justificativa de que no estatuto constava que a Academia era apenas para os brasileiros, não para as brasileiras (história narrada no próprio site da ABL). Essa lógica, absurda e criticada mesmo àquela época, ainda deixou de fora escritoras como Clarice Lispector e Cecília Meireles. Somente em 1970 uma mulher tornou-se imortal, Raquel de Queiroz, e apenas em 1996 uma mulher presidiu a Academia, Nélida Piñon.

Cito estes episódios não para acusar a Academia e, sim, para lembrar que a literatura foi escrita e institucionalizada exclusivamente pelos homens e que essa situação só vem se modificando há 40, 50 anos. Ainda hoje definimos uma literatura feita por mulheres que narra histórias de mulheres com conflitos femininos como uma "literatura feminina", enquanto um livro como Memórias de Minhas Putas Tristes, de autor masculino, narrador masculino e conflito masculino é tido por literatura, sem o adjetivo "masculina".

Adélia Prado, poeta mineira não-imortalizada que incorpora os papéis de intelectual e de mãe, esposa e dona-de-casa, sempre se presta à discussão de gênero por ser apontada pela crítica como uma escritora que encontrou equilíbrio entre o feminino e o feminismo. Mas se este equilíbrio significar ausência de conflito, Quero minha mãe (Record, 2005, 84 págs.), sua mais recente narrativa longa, embaralha de novo as cartas.

Em Quero minha mãe Adélia Prado dá a voz a Olímpia, uma senhora de sessenta anos que descobre ter câncer no útero e acredita estar próxima da morte. Através de fragmentos narrativos essa senhora constrói um mosaico de sua vida presente e reflete sobre o passado, inevitavelmente problematizando sua condição de mulher, esposa e católica. Ainda que seja o motivo da narração, a doença em si ocupa a menor parte do texto de Olímpia. Ela aproveita a proximidade da morte mais para refletir sobre a vida e valorizá-la do que lamentar-se, lembrando, nesse aspecto, o recente sucesso de Garcia Márquez. É como se a certeza da morte - e talvez a consciência da idade - a aproximasse da falecida mãe, das amigas também doentes, de si própria.

Adélia foge com maestria e delicadeza do discurso combativo das feministas, mas, ao voltar-se para si, Olímpia vê acima de tudo uma mulher "retida", incapaz de alçar vôos a não ser em sonhos, e por isso chama pela mãe, identificando na progenitora as suas angústia e os seus medos: "coitada da minha mãe, tinha tristeza de me ver descalça e a minutos de encontrar o julgamento divino cuidava para que não me vissem com os pés no chão", lembra a filha, agora mãe, prestes a repetir a sina daquela que chama.

Ocorre que Olímpia, ao encarar a morte e buscar um sentido para a vida, descobre e expõe alguns claros conflitos de gênero, especialmente ligados ao sexo, que não a permitiam "voar":

"Quando a gente casa a gente pode fazer tudo? Tudo o quê, minha filha? Tudo, uai. Seu ouvido de padre estrangeiro novo no Brasil não entendia o que era 'a gente'. Ficou falando na santidade do matrimônio, os conselhos me soando anêmicos e escapistas. Ia me casar com moço forte e escovado, muito diferente dos maridos da Upac que eu conhecia, agarrados na mulher como em tábua de naufrágio." (pág. 63)

Seria precipitado afirmar que Adélia esteja levantando uma bandeira feminista a partir de sua representação, mas essa imagem lembra um trecho de O Segundo Sexo, clássico da "literatura feminina", de Simone de Beauvoiur: "o coito não poderia realizar-se sem o consentimento do macho e é a satisfação do macho que constitui o fim natural do ato".

Em outro fragmento essa relação de marido e mulher se mostra ainda mais conflituosa para a narradora, incapaz de admitir que a amiga continue passando a roupa do marido depois que ele a chamou de "bocetuda".

"Lulu havia me contado a última do Alcenir e eu viajava longe no detalhe dele chamar a Izaltina de bocetuda. Certas palavras me derrubam, fiquei com raiva da mulher, tratada assim e continuar passando a roupa dele, fazendo todo santo domingo molho pardo pro gorila, tão ansiosa (...). Bocetuda? Um míssil na minha cabeça faria menos estrago." (pág. 20-21)

Note que Olímpia não veria nada de errado em passar a roupa do marido ou fazer todo santo domingo o molho pardo se ele não tivesse a desrespeitado. E de fato a narradora - assim como a autora em suas poesia já o tinha feito - assume com algum prazer a condição de mãe e esposa, menina casta e mulher crente, e esta talvez esta seja a marca do trabalho de Adélia. Equilibrando-se (e não equilibrada) entre o feminismo e a ratificação dos valores de uma sociedade patriarcal, Adélia não recusa os papéis destinados às mulheres mas reivindica um outro olhar, uma outra perspectiva para estas mulheres.

Em Quero minha mãe a mulher não é apenas narradora e autora, é protagonista: é da mãe que a narradora sente falta em seus momentos de tristeza, é às amigas que ela recorre, é a empregada que reza por ela e é uma doutora que a opera. Fazendo um balanço de sua vida cinco anos depois da cirurgia, Olímpia afirma: "tornei-me um pouco melhor, (...) venci minha antiga, arraigada e preconceituosa admiração pelo homem. (...) Fui salva pelas mulheres, espanto-me em percebê-lo". E é curioso que a mesma operação que tirou dela o útero, o útero doente, o símbolo da maternidade, o símbolo do feminino, tenha despertado o feminino em sua essência, um feminino livre de pré-conceitos, livre de imposições, livre de ideologias.

Agora, sessenta e tantos anos depois, "o vôo impossível acontece", exulta a narradora. E o que é melhor, um vôo em vida.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Guia Prático do Português Correto da L&PM de Marcelo Spalding


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/7/2006
11h40min
Olá, Marcelo, repito sua frase apenas para dizer que sua observação foi perfeita: "Ainda hoje definimos uma literatura feita por mulheres que narra histórias de mulheres com conflitos femininos como uma 'literatura feminina', enquanto um livro como Memórias de Minhas Putas Tristes, de autor masculino, narrador masculino e conflito masculino é tido por literatura, sem o adjetivo masculina". Depois desse comentário, não há mais nada a se dizer. Você disse tudo. Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
26/7/2006
14h18min
Marcelo, impossível ler seu ensaio sobre "Quero minha mãe" sem se expressar... Numa linguagem clara, profunda e didática, você disseca a obra e me deixa louca para ir à livraria mais próxima. Parabéns e obrigada!
[Leia outros Comentários de zuleica brito fische]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fala Sério, Amor!
Thalita Rebouças
Rocco jovens leitores
(2007)



Proibido para Adultos - Nova York - Tudo o Que Você Sempre Quis Saber
Klay Lamprell
Globo Antigo
(2012)



Salao de Beleza - o Profissional e Voce
Maslova Teixeira Valenca e Outros
Senac
(2005)



Para que Produzais Muitos Frutos
P. Philippe
Loyola



A Última Música
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Como Passar na Oab!: 2. 500 Questões Comentadas
Wander Garcia
Foco Juridico
(2010)



Monografia ao Alcance de Todos
Mariana Souza; Dau Bastos; Solange Nascimento
Garamond
(2004)



Um Tigre para Malgudi
R. K. Narayan, Lea Nachbin
Guarda Chuva
(2012)



Regime jurídico dos contratos da administração
Fernando A D Rocha
Brasília Jurídica
(2000)



Seleta em prosa e Verso
Manuel Bandeira
José Olympio
(1986)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês