Barcos e cavalos | Lúcia Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Room Full of Mirrors no Royal Albert Hall (1969)
>>> Machado e a AR-15
>>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
>>> O iPod por Da Vinci
>>> Gleiser, o cientista pop
>>> Faustão sobre protestos #full
>>> As sobras completas, poesias de Jovino Machado
>>> 7 que sigo
>>> Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I)
>>> Os 33 mineiros e nossa visão limitada
Mais Recentes
>>> Alquimia - Introdução ao Simbolismo e à Psicologia de Marie-Louise Von Franz pela Cultrix (1993)
>>> Livro Infanto Juvenis 10 Anos Com Mafalda de Guino pela Guino (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira Terra dos Homens de Antoine de Saint-exupéry pela Nova Fronteira
>>> Livro Literatura Estrangeira As Brumas de Avalon A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1987)
>>> Livro Cerco De Jerico: O Caminho Da Vitória de Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis Projeto Desafio Os Três Porquinhos de Vários Autores pela Moderna (2013)
>>> Livro Infanto Juvenis Dicionário de Humor Infantil de Pedro Bloch pela Ediouro (1998)
>>> Livro Turismo Guia de Viagem Nova York de National Geographic pela Abril (2008)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Mistérios Perdidos de Sir Arthur Conan Doyle pela Literatura Estrangeira (2020)
>>> Livro Infanto Juvenis Flauta Doce Método de Ensino para Crianças de Nereide Schilaro Santa Rosa pela Scipione (1999)
>>> Livro Story Of O de Pauline Réage pela Corgi
>>> Livro Literatura Brasileira Clarice e as Mulheres de Clarice Lispector e Outras pela Prefeitura de São Paulo (2020)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meus Dias na Livraria de Morisaki Satoshi Yagisawa pela Bertrand Brasil (2023)
>>> Livro Literatura Estrangeira Às Cegas de Claudio Magris pela Companhia das Letras (2009)
>>> Livro Infanto Juvenis A Lua e a Princesa de Celi S Saito pela Brasil Seikyo (2007)
>>> Carreira Fiscal - Direito Administrativo - Vol.1 - Baseado Nos Editais Dos Concursos Para A Receita Federal Do Brasil de Jerson Carneiro Gonçalves Júnior pela Conceito (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira Médico Astronauta de Frank G. Slaughter pela Record (1970)
>>> Livro Literatura Estrangeira As Brumas de Avalon O Gamo Rei Livro 3 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Livro de Bolso Religião O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2007)
>>> Livro Infanto Juvenis In My Pond de Sara Gillingham pela Concept (2009)
>>> Livro de Bolso Literatura Brasileira Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Best Bolso (2010)
>>> Livro Infanto Juvenis Os Árabes na Época de Seu Esplendor de Mokhtar Moktefi Véronique Ageorges pela Augustus (1997)
>>> Livro Gibis Kare Kano As Razões Dele, Os Motivos Dela Volume 12 de Masami Tsuda pela Panini Comics
>>> Livro Literatura Estrangeira Fique Onde Está e Então Corra de John Boyne pela Seguinte (2024)
>>> Livro Infanto Juvenis Chapeuzinho Amarelo de Ziraldo Chico Buarque pela Jose Olympio (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/4/2005
Barcos e cavalos
Lúcia Carvalho
+ de 6500 Acessos

Algum tempo atrás, logo depois de acabar uma reforma numa casa de praia, me ligou a decoradora. Ela queria que eu a acompanhasse numa visita para montar a casa. Disse que, além de levar coisas novas, ia separar uns objetos e quadros que ela achava que não iam ficar mais lá.

Chegamos e percorremos os ambientes. Ela na frente, na maior exibição, mostrava alguns objetos e móveis e dizia, apontando com a ponta da lapiseira, quem ficava e quem ia embora.

Eu atrás, muda, boquiaberta.

Na hora achei aquilo a coisa mais estranha do mundo. Eu jamais conseguiria fazer um julgamento tão cruel de tão simples objetos. Podia a imaginar a história que cada um deles carregava, vieram de todos os lados do mundo e de diversos tempos da vida de uma família para parar naquele beira mar. Eram parte da vida de uma pessoa. Ela nem aí.

- Todos os barcos, peixes e conchas saem - ela decidiu, categórica.

- Barcos e peixes? - eu perguntei, sem entender a quais barcos e peixes ela se referia. Afinal, estávamos na praia.

Ela suspirou, dando a entender que eu era muito burra e que ela teria que me explicar toooda a teoria dela. Assumiu ares professorais.

- As pessoas fazem coisas ridículas, Lúcia. Pense uma coisa. Porque as pessoas acham que as casas de praia devem ser decoradas com motivos marítimos? Coisa mais cafona! Só porque você está na praia precisa entupir a casa de barcos e peixes? Não basta o que tem lá fora? - e ela apontou o mar, rindo - Não, não. Não precisamos de nada disso! Os peixes ficam no mar, os barcos na água e as conchas dentro d'água. Vamos anotar o que vai embora daqui ... cinco barcos feios-que-dói, dois peixinhos horríveis, dois potes de conchas e olha, um pirata! Não acredito!

Diante da minha pasmaceira, a decoradora se sentou no sofá, como se aquela fosse uma situação completamente desgastante para ela.

- Ahhh. A mesma coisa acontece nas casas de campo. As pessoas fazem casas de fazenda, de campo, de montanha e enchem de patos, cavalos, ferraduras. Deusmelivre. É demais. Isso acaba comigo.

- Eu... eu nunca tinha pensado nisso - falei, sem graça.

- Detesto decoração com temas. Decoração não pode nunca ter tema. É cafona, muito cafona!

Ichi. Tema era... cafona? Tentei me lembrar se tinha algum destes objetos na minha casa - para rapidamente me recordar que, graças a Deus, não tenho casa de campo ou de praia - e avaliar que, se o mesmo pensamento é válido para as casas da cidade, o que seria cafona numa casa de cidade? Predinhos? Carrinhos? Será? Fiquei confusa, mas tive certeza que, diante do julgamento daquela mulher tão chique e elegante, alguma coisa eu deveria ter errado na minha casa, com certeza. Eu senti pelo olhar que ela me deu ao me explicar a teoria: eu era uma cafona.

Chamar um decorador é isso. Você compra regras dele para usar a sua casa. Pouco importa se o peixinho sobre a mesa foi teu filho que pintou num trabalho da escola, pois a inocência da infância não cabe nas regras da decoração. Pouco interessa se a barca azul foi comprada na sua lua de mel, numa tarde de passeio. Dane-se se você ganhou aquele vaso da sua bisavó. Tua história não interessa, ela não está na moda.

É cafona.

Acho muito triste pagar para alguém apagar o seu passado. Perdão, dona decoradora, perdão se eu fiquei irritada com tua lapiseira apontando para a vida alheia e mirando cruelmente para a minha vida também. Tenho em casa muito objetos que, com certeza, seriam apontados como "cafonas". Bom, talvez todos da minha casa, tão pouco decorada. Mas são os nossos olhos, e não os dos outros, que decidem quais lembranças que carregamos na vida.

Me deu vontade de levar tudo aquilo para mim. Adotar todos os objetos que a decoradora abandonou, como filhos órfãos. Mas eu apenas olhei para ela com pena, muita pena. A mulher rodopiava feliz dentro do seu medíocre poder de consumo, repetindo "cafona, cafona, cafona".

E me lembrei muito feliz de todas as cafonices da minha sala de estar.

Ainda bem.

Sim, peitos
Sempre tive um pouco de aflição quando me lembro que sou mulher e que tenho peitos. Dou graças a Deus de não tê-los grandes demais. São apêndices que foram muito úteis, ainda mais quando cresceram enormemente depois do parto e deram muito leite aos meus filhos.

Nunca pensei como isso aconteceria quando eu fosse mãe. Sabia que depois que estivesse grávida e tivesse o bebê eu teria leite, mas levei o maior susto. Ainda na maternidade, de um dia para outro meus peitos aumentaram muito de tamanho. Ficaram gordos, inchados, quentes e latejantes. Eu nem me mexia, achando que ia explodir.

Que medo.

Uma enfermeira entrou no quarto e me viu naquele estado, com os braços abertos, atônita. Senti que ela me olhou com pena. Eu estava totalmente dominada pela minha incapacidade de ser bicho. Uma mãe, apenas mais uma delas, bem educada, bem nutrida, saudável mas completamente inapta.

Ela me olhou e eu aceitei aquele olhar como uma fêmea abatida. Me salva, eu disse à ela de alguma maneira, dando um sorriso besta. A mulher sorriu. Ela sabia de tudo e encarava meu desespero com uma certa malícia. Chegou até perto de mim e me pediu que mostrasse meus peitos. A minha dor era muito mais funda e árdua que a cena, como se eu nunca mais pudesse sair de dentro da minha carne.

A mulher não hesitou. Enfiou suas mãos úmidas na minha pele, e, pouco a pouco, começou a me ordenhar, como fazem com os animais, como apertam as cabras, as vacas. Eu percebi que estava esguichando desordenadamente, vertendo assustadoramente muito líquido, sem controle, sem mais por onde espalhar. Ela tirava o meu leite de dentro do meu corpo com as suas mãos, fazendo movimentos contínuos, apertando, machucando, retirando. Aquilo não era dor. Aquilo era compreensão pura em ser bicho. Nada além da pressa da natureza de esvair-se. Eu não conseguia sequer olhar, quanto mais entender.

Olha, sinceramente. Não sabemos mais ser mulheres.

Foi a primeira vez que vi claramente o outro lado, atrás da minha redoma de vidro civilizatória. O lado cruel e doloroso de ser mãe, que derrapa na própria existência, que cai no chão de terra, que chora sem sentir dor, que nutre, que cuida, que espera e suspira diante do acaso. O lado que tem a verdadeira feminilidade, alcançando o lamentável e indecoroso limite do belo. A urgência pronta de ser bicho é inevitável em alguns momentos da vida. Naquele instante, fundi-me com elas, com todas elas, as fêmeas desse universo. Poderia, naquele instante, vomitar, urrar, me debater, espumar, verter ou morrer.

Pouco importava.

Aliás, depois disso tudo, todas as coisas pouco importavam.

Morrer a gente morre a cada dia, nascer a gente nasce a cada instante que novamente respira.

O resto, são acidentes de percurso.

Máquinas de lavar

Eu adorava esse anúncio das máquinas de lavar Westhinhouse quando era criança. Naquela época as propagandas eram ingênuas, até meio bobas. Elas te "pediam" para querer a coisa, tentavam te convencer que o produto era bom apenas "falando" que ele era bom. "Creme de leite Nestlé é bom", "bolachas Duchen são boas", "massa de tomate Etti é ótima".

Tadinhas das propagandas. Bobooonas...

Mas essa propaganda aí era diferente, pois ninguém sugeria nada. Repara, em lugar nenhum está escrito que a tal máquina de lavar é boa. Estava subentendido que, como todas as mulheres do mundo tinham a máquina, ela deveria ser ótima. Eu ficava intrigada. Eu tinha entendido, mas será que todas as outras pessoas entendiam? Acho que essa propaganda foi o começo dessa moda das propagandas atuais que a gente não tem a menor idéia do que estão vendendo.

Bem, todas as mulheres do mundo tinham uma máquina de lavar. No Japão, na Alemanha, na Arábia. Me lembro de analizar detalhadamente cada uma das figuras para entender de onde eram as mocinhas. E morria de vontade de desenhar a minha mãe e a sua máquina no buraco, para completar o Brasil. Se bem que, analizando bem, acho que a mulher do papagaio que é a brasileira. Ichi, é mesmo... não tinha lugar mais para a minha mãe, eu só percebi agora!

Bem, como no nosso mundo mulher nenhuma deseja uma máquina de lavar, penso que se alguém fizesse uma propaganda assim seria uma de computadores. Imagine que engraçado abrir uma revista e dar de cara com doze mulheres doismilianas posando ao lado das suas "máquinas"? Eu, aqui no Brasil, abraçando o meu querido micro e dando piscadinhas, a Sheila lá na França, agarradinha no micro novo dela e mandando "bisous", a Zana no Canadá...

Hahaha! Não seria muito engraçado?

Nota do Editor
Lúcia Cardoso é arquiteta, cronista e dramaturga. Assina o blog frankamente..., onde estes textos foram originalmente publicados (autorizando, aqui, claro, sua reprodução).


Lúcia Carvalho
São Paulo, 22/4/2005

Mais Lúcia Carvalho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Renascimento do Império China 325
Cláudia Trevisan
Planeta
(2006)



Livro História Geral A Máscara da África
V.S. Naipaul
Companhia das Letras
(2011)



Livro Religião Visão Espírita do Evangelho
Rogério Coelho
Mythos Books
(2007)



A Orelha de Van Gogh 520
Moacyr Scliar
Companhia das Letras
(1989)



Pensar Com os Pés
Allan Percy e Marcelo Barbão
Sextante
(2014)



Livro Documentos A Noite Mais Longa
Miguel Pinheiro
A Esfera Dos Livros
(2014)



Heurística- A ciência do pensamento criador
V. N. Puchkin
Zahar
(1967)



Estudos de Saúde Coletiva - 5
Guilherme Rodrigues da Silva e Outros
Abrasco
(1988)



Livro Literatura Estrangeira O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares
Ransom Riggs
Leya
(2015)



Direito Meio Ambiente e Cidadania
Flávia de Paiva de Oliveira
Wvc
(2004)





busca | avançada
53897 visitas/dia
2,4 milhões/mês