Digestivo nº 221 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Cure Vídeos
>>> Alive and Kicking 1997
>>> Da preguiça como método de trabalho
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
Mais Recentes
>>> Cursos Básico de Yoga de Sandra Garcia pela Não Encontrada
>>> O Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Não Encontrada
>>> Primeiro o Reino de Deus de Odete G. Lima pela Casa (1997)
>>> Importaçao e Exportaçao de Serviços e Intangiveis de Carolina Zimmer pela Fiscosoft (2014)
>>> Flores e Ervas de Caras pela Caras (2004)
>>> Livro - Johann Pestalozzi - Coleção Educadores Mec de Michel Soëtard pela Fundação Joaquim Nabuco (2010)
>>> The Silent Passage de Gail Sheehy pela Random House (1992)
>>> The Undercover Economist de Tim Harford pela Random House (2007)
>>> Fruit Tree Island Hotshot Puzzles: Level 2 de Sue Arengo pela Oxford (2000)
>>> Livro - Você Quer Ser um Milionário? - Transforme Sua Pequena Empr... de Clate Mask Scott Martineau pela Universo dos Livros (2012)
>>> Organização do Ensino no Brasil de Romualdo Portela de Oliveira / Outros pela Xamá (2002)
>>> Ornitologia Brasileira Vol 2 de Helmut Sick pela Universidade de Brasília (1986)
>>> Five Dialogues de Plato pela Grube (1981)
>>> The Money Game de Adam Smith pela Random House
>>> Tinkers Island - Penguin Readers de Stephen Rabley pela Pearson Elt (2008)
>>> Livro - um Sonho Americano de Norman Mailer pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O livro da loucura e das curas de Regina 'O Melveny pela No Conceito (2013)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Dicionário Jurídico - Academia Brasileira de Letras Jurídicas 9ª edição. de J M Othon Sidou org pela Forense Universitária (2004)
>>> O código gaudi de Esteban Martin e Andreu Carranza pela Record (2009)
>>> A rainha do castelo de ar/ Millennium 3 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> American Life (level 2) de Vários Autores pela Pearson
>>> American Life de Vários Autores pela Pearson
>>> A menina que brincava com fogo/ Millennium 2 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 6/4/2005
Digestivo nº 221
Julio Daio Borges

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Artes >>> Novas Identidades
A balbúrdia pós-moderna, de perda do referencial, parece estar se esgotando, agora no início do século XXI. Ao menos no Brasil que, com ou sem lei de incentivo, assiste a um verdadeiro boom de cursos, de conferências e de ciclos de palestras, sob o argumento de que as pessoas atualmente buscam uma complementação à sua formação, muito em moda justamente em centros extra-acadêmicos. Esse movimento tem origem no surgimento dos chamados centros culturais, a partir dos anos 2000, por conta da lei Rouanet, que permitiu a empresas como os bancos Itaú e do Brasil investir na própria imagem, por meio de ações no âmbito da cultura junto à comunidade. O lado bom é uma programação quase sempre gratuita, cobrindo as mais variadas manifestações das artes – a preencher uma imensa lacuna governamental e a fornecer trabalho a artistas e a produtores culturais, historicamente mal remunerados. O lado ruim é restringir todos os investimentos, de dinheiro público (diga-se de passagem), a subsidiárias e a empresas do próprio grupo – afinal, é o que esses centros culturais, em sua maioria, são (ainda que não visem lucro). Em paralelo a isso, comercialmente falando, ocorrem iniciativas como a da Casa do Saber – com raízes plantadas no que um determinado público quer de fato, em matéria de formação, pois, lá, está disposto a pagar. Um modelo, então, híbrido entre as palestras e eventos aparentemente “soltos” (dos primeiros centros culturais) e uma grade de cursos “amarrados” e pagos (de uma Casa do Saber) é a alentada programação do Espaço Cultural CPFL, da Companhia Paulista de Força e Luz, sediada em Campinas. Com o calendário de 2005, anunciado no início de março, a curadoria de Augusto Rodrigues é provavelmente a mais ambiciosa ação nessa área desde que o movimento dos centros culturais começou. São plataformas que correm simultaneamente, nas grandes áreas do conhecimento, com especialistas comprovados, muitos com ligação na Unicamp, como o catedrático Paulo Franchetti (em literatura), o crítico João Marcos Coelho (na música erudita), o músico Arrigo Barnabé (nas sonoridades brasileiras contemporâneas), para ficar apenas entre os coordenadores mais cotados. O programa se aproxima ao de uma universidade livre e as grandes autoridades da cultura nacional, presentes na noite de lançamento, pertinentemente perguntaram: “O que é isto? É o Ministério da Cultura?”. Os desdobramentos do Espaço Cultural CPFL em 2005 ainda estão na letra “a”, e certamente merecerão menções da imprensa especializada, pois inauguram um novo paradigma: as universidades livres serão, afinal, o futuro dos hoje centros culturais? [Comente esta Nota]
>>> Espaço Cultural CPFL
 



Literatura >>> Yo soy la que no buscas
Velho de 90 anos resolve transar com uma virgem no dia de seu redondo aniversário. Um enredo aparentemente libidinoso, e até banal numa era de sexo exacerbado, de repente pode se transformar numa pequena obra-prima, quando se trata de um dos maiores escritores da atualidade: Gabriel García Márquez. Embora tenha sido vendido assim, numa época em que os hormônios juvenis decidem tudo, Memoria de mis putas tristes, é uma narrativa sofisticada, finamente elaborada, onde as cenas de sexo, de uma delicadeza ímpar, no todo quase não importam — porque praticamente não ocorrem. O velho em questão encontra sua virgem em menos de 24 horas, mas, ao invés de deflorá-la e descartá-la de sua existência provecta, apaixona-se e passa a amá-la, ainda que, aos 90 anos, a única coisa que possa infringir-lhe na carne sejam algumas massagens nas costas, ao tocar-lhe enquanto dorme e ao enxugar-lhe o persistente suor. As meditações subjacentes sobre a velhice valem por algumas das melhores páginas de Cícero e a trilha sonora, se é que assim podemos chamar as citações aos compositores clássicos, são pura alta cultura — num tempo sufocado pela cultura (e pela música) pop. García Márquez parece enfrentar, menos sutilmente do que se pensa, a agitação e a movimentação contemporâneas, ao retratar uma existência aos nossos olhos vazia, mas, em suas manifestações mínimas, rica em tesouros espirituais. É impressionante que, em um livrinho de 100 páginas, consiga dizer tanto sobre a vida — se, em tratados volumosos de centenas de páginas, nossos intelectuais de hoje se percam, em janelas infinitas, sem atingir um todo inteiro e uniforme (a redundância, aqui, é proposital). É a obrigação de artistas e de pensadores de ontem e de hoje: fornecer uma visão de mundo, mais do que se lançar em interrogações sem rumo. E, nesse ponto, Memoria de mis putas tristes é brilhante. Quem sabe, se os nossos autores lessem, tomassem vergonha na cara e procurassem pretensões mais elevadas — e permanentes. Ou, ao menos, desistissem das suas — deixando os verdadeiros mestres com a primazia no falar, já que o público, perdido entre tantas coisas desimportantes, não os ouve mais. [3 Comentário(s)]
>>> Memoria de mis putas tristes - Gabriel García Márquez - 109 págs. - Editorial Sudamericana
 



Artes >>> Celebrity killer
Embora o mercado de graphic novels tenha sido abandonado pelas grandes editoras na década passada, a HQ visivelmente sobreviveu – evoluiu, se diversificou e inclusive abriu espaço para autores locais. É o caso de Noite de Caça, com roteiro de Alexandre Dias e arte de Anderson Almeida, um lançamento da Brainstore Editora em 2004, dirigida por Eloyr Pacheco. Se os criadores brasileiros não estivessem em destaque na capa, e se o Brasil não estivesse tão presente nas paisagens da história, poder-se-ia dizer que Noite de Caça é uma realização de fora. A ambientação soturna, das metrópoles do futuro, e a ambigüidade dos personagens estão lá – no melhor estilo dos mestres do traço. Também a qualidade plástica, a dinâmica, fundamental, na seqüência quadro a quadro – promovendo o enlevo, o suspense e o final surpreendente. Impossível não se interessar pela heroína, de cabelos azuis; não se submeter ao charme do vilão, de uma paixão suicida; e não torcer pelo desfecho da trama, entre negociatas políticas e descaso pela individualidade. Noite de Caça mereceu o elogio de Mário Bortolotto, o dramaturgo revelação, que assina uma espécie de prefácio. Entre os autores, existe a diversificada experiência multimídia (hoje obrigatória), que evidentemente enriqueceu a narrativa com astutos pontos de contato com a realidade. Alexandre Dias, por exemplo, tem passagens pela música, como guitarrista da banda Velhas Virgens, e tem, também, o pé fincado no mercado fonográfico, por ser proprietário da Gabaju Records. Já Anderson Almeida chegou ao HQ Mix de 1999, graças a A Estranha Turma do Zé do Caixão, e passou pela publicidade através de clientes como Nike, Telefônica e Petrobrás (entre outros). É, igualmente, esse background que faz de Noite de Caça uma graphic novel de primeiro mundo – se não a primeira, uma das primeiras, nesse nível em terra brasilis. Isso sem, obviamente, mencionar a experiência de Eloyr Pacheco, o editor, que vem conduzindo a Brainstore com pulso forte, conquista atrás de conquista, buscando, além do respeito artístico, o respaldo comercial. Que a parceria perdure – pois um mercado historicamente invadido pela produção estrangeira, como o nosso, mostra que pode devolver uma resposta tão ou mais elaborada. [Comente esta Nota]
>>> Noite de Caça - Alexandre Dias e Anderson Almeida - 104 págs. - Brainstore Editora
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Noites de Autógrafos
* Comportamento motor - Go Tani
(Seg., 4/4, 18h30., VL)
* Parte alguma - Nelson Ascher
(Seg., 4/4, 19hrs., CN)
* Registro de imóveis - Ricardo Dip
(Ter., 5/4, 18h30., CN)
* Tocaia - Marcos Garbim
(Qua., 6/4, 18h30., CN)
* Guia do Recife - Edileusa da Rocha
(Qua., 6/4, 18h30., CN)
* Responsabilidade civil dos provedores de serviço de internet - Marcel Leonardi (Qui., 7/4, 18h30., VL)

>>> Exposições
* Exposição de Vânia Maria Vergamini Terni
(de 6 a 20 de abril de 2005, das 9 às 22hrs., CN)

>>> Shows
* Fats Waller - Traditional Jazz Band
(Sex., 8/4, 20hrs., VL)
* The Beatles and friends - Banda Liverpool
(Sáb., 9/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Daniela Alcarpe
(Dom., 10/4, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2005
22h01min
Olá¡, Julio! Acredito que este momento de efervescencia cultural possa crescer. E deve crescer. E' so' uma pena que eu veja meu povo com a cabeca voltada para o asfalto, sem perspectivas ou sem perceber essas perspectivas... o desinteresse ou o desconhecimento. Ha' quem escolha ser ignorante. Fiz meu trabalho, como agente livre, propagando minha obra de poesia em diversos cantos. Uns acordaram, passaram a escrever tambem. Foi formado um grupo de discussoes de literatura, que se reunia na casa de cultura Raul Seixas, em Itaquera (para quem nao sabe, um bairro da periferia de Sao Paulo), durou cerca de oito meses e foi otimo, mas depois as pessoas simplesmente foram desaparecendo. Parece que foi um hype, depois tudo murchou... Entao, o que acaba acontecendo e' que ate' quem propaga a arte e a cultura 'as vezes se ve desanimado. Agora, a despeito de eu estar mais envolvido ou menos envolvido em propagar arte e cultura, acredito mesmo que as ofertas (inclusive as gratuitas) de conhecimento aumentarao. O resto dependera' de quem levantar a cabeca... Quanto ao livro do Garci­a Marquez, ora... E' claro que eu quero!!! Mas no momento certo, que estou apartando uma briga entre Bukowski e Huxley para saber qual obra continuara' sendo lida... eh eh eh!!! E... que bom que os autores nacionais de HQs estao tendo seu espaco. A conferir. Tomara que este lancamento confirme minha expectativa. Desculpe-me se pareco um tanto caotico hoje, mas entre conversas de messenger (deveria ter desconectado um pouco) e necessidades de uma mae devoradora de vontades, quase enlouqueci ao comentar... espero que seja possi­vel entender meu comenterio. Um abraco e ate' a proxima!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
5/4/2005
08h11min
julio, ótima critica. o velho se emocionaria com ela. desconfio que ele interrompeu o vivir para contarla e, tomado de impeto de incontrolavel, sentou para escrever sobre as putas tristes. mas, tudo faz parte dessa imensa bacia fluvial que se chama gabo. parabéns! teu fã, paulo henrique
[Leia outros Comentários de PauloHenriqueAmorim]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




200 Crônicas Escolhidas
Rubem Braga
Record
(2001)



Os Vestígios do Dia
Kazuo Ishiguro
Companhia das Letras
(2006)



Livro - She: a Chave do Entendimento da Psicologia Femininaçore
Robert a Johnson
Mercuryo
(1987)



O Ninho dos Gaviões
José Maviael Monteiro
Atica



Um Padre Em 1839
Julio Verne
Scipione Cultural
(1996)



Curso de Direito Constitucional
Rosah Russomano
Freitas Barros
(1984)



Here on Earth
Alice Hoffman
Berkley Books
(1998)



Dicionário de Ciência Ambiental
H. Steven Dashefsky
Gaia
(2001)



Fogo Morto
José Lins do Rego
José Olympio
(1989)



República dos Fazendeiros - História, Economia & Literatura
Rubim Aquino e Marcos Arzua
E. Papers
(2006)





busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês