Romanceiro da Inconfidência | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O problema do escritor
>>> Cadáveres
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
>>> 1992 e hoje
>>> 26 de Outubro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Fragmentos de Flávio Freitas pela Contemporâneo
>>> Crime Improvavel de Luiz Carlos Cardoso pela Ficcoes (2010)
>>> Direito, Relações de Gênero e Orientação Sexual de Elida Séguin pela Letra da Lei (2009)
>>> Axé de Cremilda Medina - org. pela Usp Ed. (1996)
>>> Fome de liberdade de Gilney Amorim Viana pela Edufeb
>>> O Remanescente - no Limiar do Armagedom de Tim Lahayne; Jerry B. Jenkins pela United Press (2003)
>>> O Sabor do Mel - Trilogia Amores Possíveis - Vol 2 de Eileen Goudge pela Bertrand Brasil (2010)
>>> A Verdadeira História do Século 20 de Claudio Willer pela Córrego (2016)
>>> Benção Incondicional - a Felicidade é Possível de Howard Raphael Cushnir pela Nova Era (2003)
>>> A Garota Que Eu Quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> História da Vida Privada no Brasil - Volume 1 de Fernando Novais; Laura de Mello e Souza (org.) pela Companhia das Letras (2002)
>>> Enciclopédia Filosófica de Roland Corbisier pela Civilização Brasileira (1987)
>>> Diário de um Yuppie de Louis Auchincloss pela Best Seller (1987)
>>> Contos Clássicos de Fantasma de Alexander M. da Silva; Bruno Costa (orgs) pela Sebo Clepsidra / Ex Machina (2020)
>>> Só o Amor Consegue de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (2017)
>>> Paris de Patrick Jouin de Valerie Guillaume pela Instituto Tomie Ohta (2009)
>>> A Consciencia de Zeno de Italo Svevo pela Biblioteca Folha (2003)
>>> O Urubu e o Sapo/ O Velho e o Tesouro de Silvio Romero pela Paulus (2008)
>>> Novum Organum / Nova Atlântida (coleção os Pensadores) de Francis Bacon pela Abril Cultural (1979)
>>> O Que é Jazz, Rock e Música Sertaneja de Roberto Muggiati; Paulo Chacon; Waldenyr Caldas pela Circulo do Livro (1991)
>>> Medéia de Eurípedes pela Ateliê (2013)
>>> The Principles of the Internacional Phonetic Association de Varios Autores pela Phonetic Association (1979)
>>> O Cavaleiro Inexistente de Italo Calvino; Nilson Moulin pela Companhia de Bolso (2009)
>>> O Grande Cophta de Johann Wolfgang Von Goethe pela Aetia (2017)
>>> M. Teixeira Gomes: o Discurso do Desejo de Urbano Tavares Rodrigues pela Edições 70 (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2006
Romanceiro da Inconfidência
Marcelo Spalding

+ de 20800 Acessos

Literatura e história sempre andaram de mãos dadas, a literatura traduzindo a história em personagens, enredos, prosa e verso, tornando-a popular e compreensível para maior quantidade de pessoas; a história alimentando a imaginação e recheando as páginas da literatura. Por vezes, mais que de mãos dadas, estiveram abraçadas, grudadas, unas. É o que acontece em Romanceiro da Inconfidência (Nova Fronteira, 288 págs., 2005), de Cecília Meireles, que resgata em versos as personagens e o contexto da Inconfidência Mineira.

Verdade que o próprio livro já faz parte da História da Literatura. Publicado originalmente em 1953, é leitura obrigatória de vestibulares, conta com cerca de 15.000 citações no Google e inúmeras edições, uma delas lançada recentemente e ilustrada por Renina Katz. Mas esta edição, da Nova Fronteira, aposta acertadamente no texto, acrescentando uma apresentação de Ana Maria Machado e uma conferência em que Cecília conta como escreveu o Romanceiro. A apresentação vale o livro, e compensa a conferência.

Em poucas e fáceis palavras, Ana Maria resgata a origem oral da poesia para explicar o uso de rima, estribilhos, paralelismos, refrões, que facilitavam a memorização. Conta a origem do termo "romance" (à moda dos romanos) e didaticamente conclui que "chamamos de romance hoje, em poesia, os poemas narrativos que os colonizadores nos trouxeram e ficaram muito populares no Brasil, feitos em redondilhas (versos de cinco ou sete sílabas), com rima nos versos pares e bastante uso de repetições e paralelismo". A apresentadora ainda cita o Romanceiro Cigano, de Frederico Garcia Lorca, inspiração de Cecília, e adverte que, apesar da tradição do Romanceiro ser de métrica rígida, "em Romanceiro da Inconfidência há variedade de formas, métricas distintas, liberdade nas rimas e muita inventividade".

Já a conferência de Cecília, proferida no 1º Festival de Ouro Preto, em 20 de abril de 1955, decepciona. Ainda que a explanação não tenha sido feita num Congresso de Escritores, numa Oficina Literária ou numa Universidade de Letras, frases como "Deixei Ouro Preto, mas seguiram comigo todos esses fantasmas" e "aqui o artista apenas vigia a narrativa que parece desenvolver-se por si, independente e certa do que quer" podem levar o leitor a acreditar que literatura é inspiração. Que a poeta não se preocupou com rimas, aliterações ou métrica. Que a poeta não pesquisou nem investigou a história brasileira e portuguesa dos setecentos. Que a poeta nada mais fez do que começar a escrever. Quando tudo o que segue diz o contrário. Ainda que a platéia deva ter ido ao delírio, poderia ter Cecília explorado mais, por exemplo, o motivo pelo qual nenhum mineiro, quase duzentos anos depois, escrevera sobre a Inconfidência. A própria autora cita que deve ter sido o trauma, mas pára aí, não retoma a história tão bem pesquisada.

O Romanceiro em si, para quem ainda não leu e terá a oportunidade através desta bela edição, traz 84 romances, mais quatro cenários e poemas que chamo de prólogo e êxodo (numa referência às tragédias). É notável o cuidado da autora em dividir os romances em partes cronológicas, escolher em cada uma destas partes um ou dois protagonistas - Tiradentes, Tomás Antônio Gonzaga, D. Maria I, a Louca - e não deixar os fatos históricos principais sem menção nos textos, o que sugere um planejamento rígido semelhante aos escritores realistas - e contraditório ao que diz em sua conferência. Também é evidente o uso planejado de recursos poéticos, a métrica mais curta em romances tensos, a métrica alongada em romances líricos.

A poesia musical de Cecília torna fácil a percepção de aliterações e assonâncias, como nesta estrofe, em que as vogais se alternam entre as sibilares, marcando a dicotomia Portugal e Espanha de um lado e o casamento próxima, porém tenso, de outro.

"Já se preparam as festas
para os famosos noivados
que entre Portugal e Espanha
breve serão celebrados."

("Da transmutação dos metais", Romance VI)

O discurso engajado de um sujeito poético sem medo de assumir um lado não apenas marca o Romanceiro como o alista ao lado dos grandes romances de 30, recém produzidos e ainda influentes, numa luta da palavra contra os desmandos (antes de Portugal, à época do capitalismo norte-americano).

"Estes branquinhos do Reino
nos querem tomar a terra:
porém, mais tarde ou mais cedo,
os deitamos fora dela."

("Do sapateiro Capanema", Romance XLII)

Vale lembrar que a Inconfidência, uma revolução interrompida antes que eclodisse e que poderia ter antecipado a Independência e mudado a história do Brasil, foi reprimida com grande violência pelas autoridades locais. Além de enforcar e esquartejar Tiradentes, o grande poeta árcade Cláudio Manoel da Costa morreu na prisão no mesmo ano, 1789, e o ainda maior Tomás Antônio Gonzaga, o Dirceu da Marília, foi exilado em terras africanas.

Outras estrofes do Romanceiro da Inconfidência, incrivelmente escritos há cinqüenta anos atrás, referindo-se a um acontecimento de dois séculos atrás, permanecem atuais e poderiam ser a epígrafe de qualquer editorial de um jornal dos anos dois mil.

"(A terra tão rica
e - ó almas inertes! -
o povo tão pobre...
Ninguém que proteste! (...)"

("Do animoso Alferes", Romance XXVII)

A esta altura poderíamos nos entregar a um clichê e dizer que Romanceiro da Inconfidência é uma bela senhora de mais de cinqüenta anos. Mas não seria justo. Como a história que Cecília conta da Inconfidência, escolhendo heróis e vilões, culpados e inocentes, é semelhante a história que os contemporâneos contam, atribuindo a Tiradentes o título de primeiro - e talvez único - herói da Independência, a obra literária permanece extremamente atual e interessante. Diferente da tal conferência.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 10/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 80 anos do Paul McCartney de Julio Daio Borges
02. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
03. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
04. Eddie Van Halen (1955-2020) de Julio Daio Borges
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Poder Nu - Confira!
Albert Einstein
Rotterdan
(1994)



Viagens de Gulliver
Jonathan Swift
Atica
(2008)



Agaguk - Grandes Clássicos da Literatura Em Quadrinhos
Yves Theriault
Del Prado
(2015)



Carmem de Sevilha
Caroline de Ávila
Correio Fraterno
(2016)



Logística Transporte e Desenvolvimento Econômico Vol I
Josef Barat
Cla
(2007)



Life Styles Students Book 3
Francisco Lozano, Jane Sturtevant
Longman
(1989)



Iracema
José de Alencar
Solidez



Saint Andrew For Beginners
Saint Andrew For Beginners - Rennie Mc Owan
Rennie Mcowan
(1996)



A Inserção da Saúde Mental no Hospital
Leila Damasio Lopes
Ciência Moderna
(2000)



Queremos Natal Com Papai Noel
Ana Maria Bohrer
Atica
(2002)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês