Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/8/2015
Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
Cassionei Niches Petry

+ de 2300 Acessos

Seguir sempre em frente, sem olhar para trás. Algumas pessoas pensam dessa forma e ditam suas vidas por esse princípio. O que passou, passou, não volta mais. A flecha lançada não volta ao arco. A palavra dita não retorna à boca. A ofensa proferida, o soco no rosto, a oportunidade perdida, o e-mail enviado... Esqueça. Não há como voltar ao passado, muito menos mudá-lo.

Contam-nos os gregos que uma ninfa, chamada Eurídice, fugia do filho do deus Apolo, Aristeu, que queria possuí-la, quando pisou em uma víbora que a picou, causando sua morte. Seu amado Orfeu, poeta e músico, que com sua lira encantava a todos, mortais e imortais, foi buscá-la no subterrâneo reino de Hades, conseguindo inclusive amansar o cão de três cabeças Cérbero. O deus do mundo dos mortos, emocionado pela melodia e pelo canto de dor do poeta, aceitou devolver a ninfa para Orfeu, mas com uma condição: no momento em que subissem de volta à superfície, ele deveria seguir à frente dela e não poderia, em hipótese alguma, voltar-se para trás. Bem próximo do fim da subida, com medo de que a amada não estivesse atrás dele, e desconfiado que o deus pudesse tê-lo enganado, Orfeu se virou. Eurídice foi arrastada de volta às trevas de Hades para nunca mais voltar.

Segundo Junito de Souza Brandão, Orfeu transgrediu o tabu das direções: "olhar para a frente é desvendar o futuro e possibilitar a revelação; para a direita é descobrir o bem, o progresso; para a esquerda é o encontro do mal, do caos, das trevas; para trás é o regresso ao passado, às hamartíai, às faltas, aos erros, é a renúncia ao espírito e à verdade." (Mitologia grega, volume 2, editora Vozes.) Olhar para frente, a partir dos pontos cardeais, é olhar para o leste, oriente, onde nasce o sol, afinal nos orientamos pelo sol, procuramos a luz. No oeste, o ocidente, o sol se põe, em latim, occidens, "o que morre". Então, vem o escuro, a falta de luz, logo, a renúncia ao conhecimento que é a verdade dos deuses, que não pode ser revelada, a ordem que não pode ser desobedecida. "Orfeu foi o homem que violou o interdito e ousou olhar o invisível", conforme podemos ler no Dicionário de símbolos, de Chevalier e Gheerbrant. Por isso, sofreu o castigo de perder Eurídice pela segunda vez.

Brandão ainda nos lembra de outros mitos e lendas relacionados ao tema. No livro sagrado dos cristãos, mais precisamente em Gênesis, no episódio da destruição de Sodoma e Gomorra, dois anjos que salvaram a família de Lot, recomendaram que ninguém olhasse para trás. A mulher de Lot, no entanto, se virou e se transformou numa estátua de sal. Na Odisseia, de Homero, para poder consultar o adivinho Tirésias no Hades, o herói Ulisses teve que sacrificar uma ovelha, realizando o ato de costas para o reino dos mortos. Em muitas religiões, feitiços são deixados em algum lugar, geralmente encruzilhadas, e depois, ao sair do local, não se pode olhar para trás.

Lembro-me, então, de um episódio da minha adolescência. Eu, já um cético, porém muito medroso, me deparei com um suposto caso de possessão espiritual na casa da família da minha namorada. Sua mãe estaria sendo dominada pelo espírito do marido que morrera há uns dois anos. Num ritual de religião de matriz africana, uma "filha de santo", possuída por uma entidade, fumando charuto e bebendo muita cachaça, conseguiu expulsar o espírito. Eu assistia a tudo incrédulo, porém com o coração quase na boca. Essa mulher, durante o dia, chorava de dor devido a um furúnculo nas nádegas. Pois agora ela se sentava no chão e não sentia dor nenhuma! Com a situação mais calma, decidi ir embora, no entanto fui advertido pelo tio da minha namorada, também "filho de santo", que havia forças misteriosas na rua, que era melhor eu passar a noite ali. Insisti, e ele concordou que eu fosse, mas antes fez um ritual: fiquei de costas para a entrada da casa e ele cuspiu água junto às minhas orelhas em direção à rua. Era uma proteção, disse, e me aconselhou a não olhar para trás, pois algum espírito me daria um tapa na cara. Cético que era, dei de ombros e me fui. Por vias das dúvidas, fui olhando para frente, reto, com a sensação de que estava sendo seguido. Mas cheguei são, suado e salvo a meu lar doce lar.

Repare, leitor, que, para falar sobre o assunto, tive que olhar para trás, voltar ao passado. É impossível buscarmos conhecimento se assim não o fizermos. Desobedecemos aos deuses para aprender a viver. A história da humanidade, a arte criada pelo homem, os mitos que nos explicam, a literatura que nos revela. O saber não está apenas na luz, também está na escuridão, escondido. É preciso entrar na selva escura, descer aos infernos, rever nossos passos, abrir os livros empoeirados nos cantos desertos de uma biblioteca, navegarmos em mares virtuais em que poucos navegam, buscar um "e-book" arquivado em um DVD de dados.

Visitando um blog, voltei alguns meses na sua timeline e encontrei um filme esquecido pelo tempo. Não o encontrando em nenhuma locadora, fiz o download para assisti-lo. Trata-se de Terra d'água, do ano de 1992, baseado em romance publicado nove anos antes pelo britânico Graham Swift. O enredo volta mais um pouco na linha temporal e chega aos anos 70, quando um professor de História, Tom Crick, questionado por um aluno sobre a relevância dessa matéria na escola, voltou mais ainda no tempo e relatou seu relacionamento com a namorada nos anos 40, durante a Segunda Guerra Mundial. Regressando ainda mais, chegou à Primeira Grande Guerra para falar sobre sua família. As lembranças, de uma forma implícita, mostraram a importância de se estudar os fatos históricos. Se a narrativa de sua vida explicava os fatos presentes e o ajudou a se encontrar consigo mesmo, bem como entender o comportamento estranho de sua esposa, o estudo da História ensina a nos conhecer, a entender o mundo, a corrigir os erros no presente e evitar novos erros no futuro.

Olhando agora para trás, analisando o que escrevi, vejo que não era este ensaio que eu havia projetado. Se tivesse seguido o plano, olhasse só para frente, o texto seria outro. Poderia ter sido muito melhor, talvez. Ao voltar os olhos para o livro de Junito de Souza Brandão que estava nas estantes às minhas costas (aliás, sempre tenho que olhar para trás quando preciso de um livro que me ajude a escrever), busquei no mito antigo, nos primórdios da humanidade, algo para entender o presente, no século XXI.

O ontem explica muito melhor o hoje.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 19/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2015
01. A coisa tá preta - 8/7/2015
02. O romance do 'e se...' - 22/7/2015
03. Do inconveniente de ter escrito - 9/9/2015
04. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) - 19/8/2015
05. As sombras e os muros de José J. Veiga - 11/11/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MICHAELIS DICIONÁRIO ESCOLAR LÍNGUA PORTUGUESA
VÁRIOS AUTORES
MELHORAMENTOS
(2015)
R$ 14,00



UROLOGIA PRÁTICA
NELSON RODRIGUES NETTO JR.
ATHENEU
(1999)
R$ 38,85



ÁGUA CORRENTE
CLARA CARTA
CLUBE DO LIVRO
(1949)
R$ 6,00



AMOR DE DOM PERLIMPLIM/A SAPATEIRA PRODIGIOSA/RETÁBULO DE DOM CRISTÓVÃO - FEDERICO GARCÍA LORCA (TEATRO ESPANHOL)
FEDERICO GARCÍA LORCA
COMPANHIA JOSÉ AGUILAR
(1975)
R$ 18,00



TÁ TODO MUNDO MAL
JOUT JOUT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2016)
R$ 20,00



NÓS E A VIDA
KARL VON FRISCH
GLOBO
(1942)
R$ 5,00



DICIONÁRIO DE VERBOS PORTUGUESES 12000 VERBOS - NOVA ORTOGRAFIA
N. A. FREIRE
PLÁTANO
(1993)
R$ 43,54



SÍMBOLO PERDIDO, O
DAN BROWN
ARQUEIRO - SEXTANTE
(2009)
R$ 43,81



IMPLEMENTAÇÃO SERVIÇO CONSULTE ESPECIALISTAS DA UNIVERSIDADE DO CAMPO
HUMBERTO BERNARDES JUNIOR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CRONICAS ESCOLHIDAS
JOSÉ DE ALENCAR
ATICA
R$ 4,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês