A normalidade sedutora d'Os Normais | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> Um Cidadão do Mundo Que Ama a Paz de Reverendo Sun Myung Moon pela Il Rung (2011)
>>> É Simples Você pode Recriar Sua Vida de Rosalia Schwark pela Edita (2008)
>>> Feliz Por Nada de Martha Medeiros pela L&PM (2011)
>>> Conversas com gestores de ações brasileiros - A fórmula dos grandes investidores para ganhar dinheiro em bolsa de Luciana Seabra/Prefácio de Felipe Miranda pela Portfólio/Penguin (2018)
>>> Seja Dono do Seu Nariz de Cheryl Richardson pela Sextante (2007)
>>> Sem Medo da Segunda-Feira de David Cottrell pela Negócios (2009)
>>> O Poder da Paciência de M. J. Ryan pela Sextante (2009)
>>> Uma Vida Com Propósitos de Rick Warren pela Vida (2010)
>>> Poirot perde uma cliente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1976)
>>> Paris Babilônia. A capital francesa nos tempos da Comuna de Rupert Christiansen pela Record (1998)
>>> O Poder da Energia de Brendon Burchard pela Novo Conceito (2013)
>>> Antes do dilúvio. Um retrato da Berlim nos anos 20 de Otto Friedrich pela Record (1997)
>>> Tratado da propriedade Intelectual - Tomo III de Denis Borges Barbosa pela Lumen Juris (2014)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1974-2020 pela Mojo (2020)
>>> Sigmund Freud & O Gabinete do Dr. Lacan de Peter Gay & Philip Rieff & Richard Wollheim et alii pela Brasiliense (1989)
>>> Vogue Magazine (UK) August 2020 de Judi Dench pela Condé Nast (2020)
>>> Combo Livros As Teias De Sírius - Volumes 1 E 2 de Carla Furlan Ferraz pela Independente (2016)
>>> Vogue Magazine (UK) July 2020 de The New FrontLine pela Condé Nast (2020)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> Q Magazine December 2018 de The 1975 pela Emap (2018)
>>> O Professor do Desejo de Philip Roth pela Companhia das Letras (2013)
>>> 50 Contos de Machado de Assis pela Companhia das Letras (2007)
>>> Ego Transformado de Timothy Keller pela Vida Nova (2020)
>>> Quando Fui Outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> A Sombra Da Nova Era de Alan Bleakley pela Siciliano (1989)
>>> A Era dos Extrems de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Ponto de Mutação. de Fritjof Capra pela Cultrix (1996)
>>> Um Cavalheiro em Moscou de Amor Towles pela Intrinseca (2018)
>>> Morte no Rio Nilo. de Ágatha Christie pela Nova Fronteira (2015)
>>> Minhas Histórias dos Outros. de Zuenir Ventura pela Planeta Do Brasil (2005)
>>> Estranho Irresistível. de Christina Lauren pela Universo dos Livros (2013)
>>> Sobre Lutas e Lágrimas de Mário Magalhães pela Companhia das Letras (2019)
>>> Educar Sem Culpa. A Gênese da Ética. de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Anjos Cabalísticos. de Monica Buonfiglio pela Oficina Cultural Monica Buonfiglio (1993)
>>> La Métaphysique - Aristote - Tome I e II de J. Tricot pela Librairie (1953)
>>> Anatomia do treinamento de força: Guia ilustrado de exercícios com o peso corporal para força, potência e definição - 5D de Bret Contreras pela Manole (2016)
>>> O espirito santo quer ir embora ... e agora ? de Eliézer Corrêa de Souza pela Moriá (2002)
>>> Eu / OutraPoesia de Augusto dos Anjos pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mobilização e alongamento na função musculoarticular - 5D de Abdallah Achour Júnior pela Manole (2016)
>>> Temas de Direito Civil Tomo II de Gustavo Tepedino pela Renovar (2006)
>>> Programe-se para a ressurreição de Pe. Nadir José Brun pela Ave-Maria (2002)
>>> O Homem de Giz - 5D de Alexandre Raposo pela Intrínseca (2018)
>>> Steps- Volume 3- Fun Magazine- 3o Bimestre de Victoria Keller pela Ibep
>>> Exercícios de hidroginástica: Exercícios e rotinas para tonificação, condicionamento físico e saúde - 5D de MaryBeth Pappas Baun pela Manole (2010)
>>> Mosquitolândia - 6B de David Arnold pela Intrínseca (2015)
>>> O futuro da humanidade - 6B de Augusto Cury pela Arqueiro (2005)
>>> Nutrição para o treinamento de força - 5D de Susan M. Kleiner pela Manole (2016)
>>> Fundamentos de Engenharia Hidráulica - 6F de Márcio Baptista pela UFMG (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/12/2003
A normalidade sedutora d'Os Normais
Lucas Rodrigues Pires

+ de 8300 Acessos

Os Normais - O Filme veio para fechar um ciclo de três anos do humorístico da televisão que se encerrou no início de outubro. Como não poderia deixar de ser, o filme segue à risca os moldes da televisão, com os personagens falando abertamente palavrões, vivendo situações tragicômicas e, em muitas vezes, vulgarizando o momento pelo excesso de palavrões, mas nunca sem perder a graça. Na TV, há as constantes conversas dos personagens com o espectador, mas tal artifício foi abolido no filme.

Fernanda Torres e Luis Fernando Guimarães formam o casal "normal". O filme volta no tempo para mostrar como eles se conheceram e acabaram por ficar juntos. A idéia dos roteiristas Fernanda Young e Alexandre Machado (aliás, atores, roteiristas e diretor são os mesmos na televisão e no cinema) foi muito interessante e teve uma sacada genial, pois voltando no tempo o espectador verá algo que já sabe de antemão no que vai dar. E, querendo ou não, facilita a compreensão de piadas, situações e intenções que o filme possa apresentar. Somou-se a tudo isso um novo casal (Evandro Mesquita e Marisa Orth) que, se não têm uma veia cômica digna do casal principal, conseguiram não comprometer por completo o humor do filme, que é o ponto que segura a trama.

Impossível não citar aqui, num texto que se supõe crítico, a assumida (e não poderia deixar de ser) estética televisiva, cheia de cortes, planos/contra-planos, planos fechados e, tal qual Fellini, a incorporação do falso como representativo do real (cenários de isopor, fundos pintados, perseguições de carros de miniaturas etc. - tudo que a televisão impõe como forma de baratear e mesmo para criar um estilo próprio; a Rede Globo tem essa filosofia em todos seus seriados cômicos, vide A Grande Família e o novo Sexo Frágil). Essa discussão entre cinema e televisão é antiga e tem se acirrado cada vez mais, mesmo porque muitos programas de televisão estão migrando para o cinema e essa tendência só tende a se intensificar (Casseta & Planeta e Sandy & Júnior estão aí para comprovar).

Resolvida a questão da adaptação ao cinema - que, no fundo, em razão de já haver um formato pré-estabelecido oriundo da televisão, acaba por não ser uma adaptação mas sim uma transposição - compete ver como o enredo se estabelece na tela grande e como aspectos característicos do programa foram resolvidos no cinema.

Confesso que, num primeiro momento, o excesso de palavrões muito me decepcionou e tirou o brilho que a história tem. A idéia é boa, o roteiro é excepcionalmente bem-montado e não tem furos, abre para possibilidades imensas de piadas e situações cômicas que levam o filme a ser engraçado e comovente simultaneamente. Conta com um casal de muita química em ação e que já tem cumplicidade suficiente para grandes momentos. O fato de haver "caralho", "merda", "puta que pariu" a cada minuto sendo dito, e ainda uma discussão vulgar demais sobre os tamanhos de xoxotas e paus - sendo mini, médio e super - gerou em mim certo desconforto inicial. Soou como uma apelação para se atingir a comicidade, sem se dar conta de que o filme conseguiria ser cômico não se apoiando nesse estratagema. Mas, quando revi o filme, percebi que essa é uma característica do programa e dos personagens que marcaram Os Normais. Eles são pessoas normais que falam palavrão abertamente, como quase todo mundo. Ainda, nosso choque em ouvir palavrões é porque eles são ditos em português e o impacto é muito maior do que em outra língua. Afinal, todo filme americano está repleto de "fuck", "shit" e outros piores e nós nem estamos aí. Para nós, brasileiros, o palavrão em inglês é divertido; o palavrão pronunciado em português, uma ofensa. É preciso se despir desse moralismo excessivo (assim como o filme poderia ter se despido do apelo excessivo ao palavrão gratuito) para curtir Os Normais com o que ele tem de melhor.

Os Normais - O Filme é uma aula de como resolver problemas. Assistindo ao filme veio-me à cabeça idéias de Glauber Rocha (calma, não quero comparar Os Normais com nenhum filme de Glauber; afinal, são propostas antagônicas). O cineasta de Terra em Transe dizia que temos de assumir e incorporar nossa precariedade de recursos para inventar uma linguagem que seja revolucionária e legítima contra o cinema industrial dominante. Ou seja, transformar nossa inferioridade econômica e técnica em força nas imagens e no discurso. Simplificando e adaptando aos tempos de globalização atuais: é preciso deixar de lado um cinema baseado em efeitos e nos voltarmos ao cinema de imagens e palavras, isto é, ao cinema que prioriza o roteiro.

Os Normais dialoga abertamente com essa precariedade de recursos e a transforma em potência. Cena digna do que se fala aqui é a perseguição de carro da polícia a Rui. Como fazer uma perseguição realista com orçamento baixo? Impossível. Então, vamos radicalizar, assumir essa nossa impossibilidade (que é financeira e não técnica ou artística, é bom frisar àqueles que crêem na incapacidade brasileira de se fazer bom cinema) e criar o farsesco, o tom não-realista para potencializar o humor, o cômico - objeto maior do filme. Resultado: uma seqüência fantástica que alia humor, ótima sonorização (além do som ambiente, a música "Vida Louca Vida", do Lobão, ao fundo) e montagem cativante (carros miniaturas nas ruas do Rio movidos por mãos, cara do Rui dirigindo e fugindo) que fazem o espectador refletir sobre o próprio ato de se fazer cinema e questionar as grandes perseguições do cinemão americano em que tudo que se vê é falso, recriado digitalmente e em estúdio (o último Matrix mostra que, sós, os efeitos não enchem barriga).

Outro ponto alto do filme está na caracterização e na gradativa construção da identificação dos protagonistas. Eles não se conhecem até o dia do casamento de ambos - Vani com Sérgio, às 18 horas, e de Rui com Marta, às 20 horas, na mesma igreja. De uma situação banal, Vani pedir um pouco de arroz para os convidados poder jogar sobre os noivos para dar sorte, surge o encontro dos dois e se inicia um processo de identificação que só é possível porque nós, espectadores, já conhecemos a personalidade, os tiques, sonhos e anseios de cada um previamente. Esse pré-conhecimento permite que possamos captar no ar esse jogo de interesses mútuos, de olhares, de gostos, de intenções, de sorrisos e até de pensamento, fazendo do filme uma experiência mais cúmplice e, conseqüentemente, mais prazerosa (fazendo uma metáfora com um elemento do próprio filme, seria como se nós ouvíssemos sininhos ao perceber esse processo no decorrer da narrativa).

O filme constrói essa aproximação de interesses e de personalidades de Vani com Rui ao mesmo tempo em que mostra o descompasso entre os casais verdadeiros. Marta é intolerante e incompreensível, além de ser infiel; Sérgio é banal, também infiel, fraco e medroso. Mas Vani e Rui têm aquilo que fez do seriado (e agora também do filme) um sucesso: ambos têm bom humor e sabem rir das situações e de si mesmos. Há cenas que ilustram isso com sensibilidade e muito humor, como a conversa no telhado ao lado de um cigarro e de uma Coca-Cola light, a dança de um flashback em meio à confusão dos casais ou a tentativa de pegar as luvas de Vani em cima do coqueiro. Claro que a maioria das cenas são preparadas para uma piada, uma situação cômica a sair a qualquer hora. E isso é talento dos roteiristas e dos atores, que sabem como fazer aquelas palavras soarem engraçadas aos nossos ouvidos (apesar de que às vezes um tanto vulgares). Algumas tiradas são excepcionais (por que o barco não afunda, Vani e Sérgio na carruagem em meio ao trânsito carioca, franguinho assado, borrachudo, a seqüência em que Sérgio vê Vani e Rui por trás da cortina etc.) e o roteiro tem uma cadência ritmada a criar algo inusitado e que aproxime cada vez mais um do outro.

A cena final, do beijo no cais ao som de Frejat, é linda e comovente porque define numa imagem e numa música a vida daquelas duas almas que estavam destinadas à perdição (não há dúvidas que os casamentos iriam fracassar), mas, num toque do destino, se esbarram e encontram o amor e a cumplicidade que os unirá. A história de Vani e Rui é absolutamente normal, tal qual a minha, a sua, do seu amigo etc. Mas é isso mesmo que a torna especial e faz desse Os Normais um filme diferente. Cativante. Engraçado. Sedutor. Uma bela despedida desses personagens, pelo menos até a sua seqüência que, a contar pelos números, deverá vir em breve.

O filho humano de Deus

Uma surpresa interessante foi ver Maria, Mãe do Filho de Deus, sob direção de Moacyr Góes (que lançou recentemente também Dom). Quando é lançado um filme que conta a trajetória de Jesus, o maior símbolo da cultura ocidental cristã, com a participação do popstar padre Marcelo Rossi, só podemos esperar um filme de doutrinação ou, como a revista VEJA escreveu em matéria de capa quando do seu lançamento, um filme de contra-ataque ao crescimento evangélico no país. Pois bem, Maria consegue fugir dessas rotulações (o que seria uma limitação) ao retratar um Jesus mais humano, em crise quanto a seu papel no mundo como filho de Deus. Nesse sentido, ele se aproxima mais do Jesus de José Saramago em O Evangelho Segundo Jesus Cristo do que do profeta que a religião propaga. Claro que as passagens mais significativas dos evangelhos estão lá: a ressurreição de Lázaro, a quarentena no deserto e a tentação do demônio, a água transformada em vinho durante o casamento, a aparição do Anjo Gabriel (interpretado pelo padre Marcelo) a Maria e José, os três reis magos etc. Em síntese, a história mais monumental e extraordinária de nossa cultura está lá, mas este Jesus retratado é, acima de tudo, humano, ambíguo e em conflito consigo mesmo à medida que não entende o que quer dele Deus.

Emblemático dessa visão é o final, quando, na cruz em seus últimos suspiros, Jesus teria pronunciado ante a multidão que lhe crucificara: "Pai, perdoai-os. Eles não sabem o que fazem". No filme, tais palavras não se encontram. O que Jesus faz é questionar seu destino. "Por que, meu Pai? Por quê?", diz ele, quase raivoso, antes de sucumbir.

A meu ver, há só uma explicação plausível para isso. O filme é contado pelo olhar de Maria, a mãe de Jesus, e toda a visão da trajetória dele é vista sob seu ponto de vista. Assim, o Jesus que vemos é como Maria o veria - não o salvador dos homens, mas simplesmente seu filho. O amor materno aqui estaria acima de tudo, mesmo de Deus. A incompreensão e não-aceitação do destino do filho é o tom de Maria, Mãe do Filho de Deus, mesmo porque o próprio título do filme traz ela e não seu filho como protagonista.

Se a direção do filme realizou isso conscientemente ou não, não sabemos, mas foi exatamente tal fato que salvou Maria da mera reprodução de uma história religiosa (já por demais contada) filmada no Brasil, com atores nacionais globais.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 3/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. É descansando que se vai longe de Verônica Mambrini
02. Torço para quem eu quiser de Adriano Maesano
03. Ocidente de tocaia, Oriente escondido de Rafael Lima


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVO DICIONÁRIO DE ECONOMIA
PAULO SANDRONI
BEST SELLER
(1994)
R$ 5,00



A FURIA DO HULK
NOVA MARVEL
PANINI COMICS
(2015)
R$ 8,00



QUEM TEM MEDO FICA DE FORA
STELLA CARR
SCIPIONE
(2001)
R$ 7,00



MAESTRA
L. S. HILTON
FÁBRICA231
(2016)
R$ 19,99



PARA VIVER SEM SOFRER
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
VIDA / CONSCIÊNCIA
(2002)
R$ 24,40



COMO REQUERER EM JUÍZO FORMULÁRIO CRIMINAL
YÁRA MULLER LEITE
SARAIVA
(1978)
R$ 8,80



WINDOWS ON THE WORLD
FREDERIC BEIGBEDER
RECORD
(2005)
R$ 15,00



AMADEUS
ALBERTO GOLDIN
BERLENDIS & VERTCCHIA
(1998)
R$ 7,60



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
AVENIDA
(2009)
R$ 6,90



UNESP CIÊNCIA 76 - TERRORISMO
UNESP E OUTROS
UNESP
(2016)
R$ 20,00





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês