2007 e os meus shows | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
Mais Recentes
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2007

Quarta-feira, 2/7/2008
2007 e os meus shows
Rafael Fernandes
+ de 4100 Acessos

Algo que não se pode reclamar no Brasil é da quantidade de bons shows (nacionais e internacionais) que estão sendo proporcionados há pelo menos 20 anos com constância ― ao menos nas grandes capitais. E ainda que os ingressos estejam cada vez mais caros, há boa diversidade de opções de preço e estilos. 2007, para mim, foi um grande ano para assistir música. Começou ótimo com o guitarrista Scott Henderson. Numa terça-feira de carnaval, num pequeno bar de Moema (bairro de São Paulo), ele mostrou sua qualidade e provou que a guitarra ainda tem muito a evoluir. Simpático, distribuiu autógrafos e conversas aos fãs no intervalo; sem frescuras, configurou sua guitarra e seu som sozinho, sem roadies. Foi uma cascata de fraseados sólidos, melodias e improvisos inteligentes. É dos grandes da guitarra mundial, ainda que pouco conhecido.


Steven Tyler no Morumbi, foto de Daigo Oliga, via flickr

Em abril, vi um cativante Aerosmith, numa noite em que me decepcionei com o Velvet Revolver, banda de abertura. Hoje parece que aquela apresentação meio morna já poderia estar afetada pelo desgaste entre os membros, que culminou na saída de Scott Weiland. Também percebi que cada vez menos tenho paciência para eventos grandes: é preciso escolher entre se espremer na frente, ou ficar atrás, com um som baixo, de má qualidade, enxergando pouco. Sem falar na precariedade da estrutura de um show desse porte. Isso porque o ingresso é caro...O Aerosmith combinou profissionalismo, tarimba e carisma, embora o repertório tenha privilegiado canções radiofônicas em detrimento de grandes rocks. Em junho, um momento único: duo de Luciana Souza e Romero Lubambo. Uma noite fora-de-série, num lugar confortável e de fácil acesso (teatro do Sesi, na Av. Paulista, na saída do metrô Trianon-Masp) e por assustadores três reais (inteira!). Ficou claro o porquê de Luciana Souza ser uma das melhores cantoras do mundo e Lubambo mostrou sua habilidade e criatividade. Já tocam juntos, eventualmente, há alguns anos, então têm intimidade musical invejável, dialogam com destreza, mudando o caminho das músicas quando desejam.


Luciana e Romero, em foto de Dani Gurgel, via flickr

No final de setembro, no auditório do Sesc Vila Mariana, vi o lançamento da 2ª edição do ótimo livro (que inclui DVD com documentário) Violões do Brasil. Um espetáculo bem montado e dinâmico, com exibição de trechos do DVD na arrumação do palco entre as apresentações. Mostraram seu talento o mineiro Gilvan de Oliveira; João Lyra e Maurício Carrilho (em duo); Paulo Porto Alegre; Guinga e Marcus Tardelli (também em duo); Badi Assad; o quarteto Maogani (Carlos Chaves, Maurício Marques, Paulo Aragão e Marcos Alves), e Zé Menezes, que arrancou risadas do público. Ele é uma figura, um senhor de 86 anos, lenda da música brasileira, que tocou com muita gente e fez trilhas sonoras ― como o tema do programa Os Trapalhões. Entrou no palco com bom humor e conquistou o público. Houve tempo ainda para outra dupla, Alessandro Penezzi e Zé Barbeiro, e um bis com todos esses músicos de volta ao palco.

Em agosto, vi a competência do Living Colour. A banda consegue como raríssimas outras unir suingue e peso; virtuose e canções marcantes. Todos os integrantes são fenomenais em suas funções. Corey Glover tem voz, carisma e presença de palco fantásticos; Vernon Reid alterna virtuosismo extremo, belos acordes e texturas sonoras; Doug Wimbish é baixista de som volumoso e poderoso; e o baterista Will Calhoun é sinônimo de groove, precisão e variações rítmicas. Não à toa a banda tem o nome que tem, pois o som é uma explosão de cores. Momentos prazerosos tive nos concertos Clássicos Personnalité, que ganhou texto meu e da Tais. Uma bem sacada junção de sessões eruditas e populares, mostrando que as fronteiras na música de qualidade só existem em nomenclaturas. Em outubro vi o show Universo Particular, de Marisa Monte, com belo e criativo cenário, incluindo "paredes" iluminadas que se movimentavam pelo palco. Apesar disso, a performance dela me pareceu fria, falsa, jogando para o público e teatral em demasia. Muita cena para pouca música. Faltou emoção e vibração.


Björk no Tim Festival. Foto de wikibjork, via flickr

No TIM Festival, tive oportunidade de assisitir uma das noites no Auditório Ibirapuera, a do dia 26, que contou com a dispensável Lisa Ekdahl; a força do jovem Eldar, numa performance potente; a técnica de violão de Sylvain Luc, infelizmente num show pouco inspirado; e um excelente e vivaz apresentação do quarteto de Stefano di Battista, que premiou quem conseguiu permanecer até o fim da noite. Fui ainda à Arena Anhembi, com estrutura horrorosa (faltou até água no bar, antes do término do festival) e vi um show bobo e clichê de Juliette and The Licks, outro ruim do The Killers (o público que ficou até às 4 da manhã gostou); um bom e consistente do Arctic Monkeys (apesar da música apenas média) e um show excelente de Björk. Sua postura no palco consegue combinar uma delicadeza, aparente ingenuidade até, com toques de agressividade. E vê-se que ela está lá pela música, não pela exposição. Muita gente não entendeu a apresentação, talvez por estar um pouco deslocada numa noite mais roqueira, ou apenas por ser diferente. A primeira metade foi num clima diferente do disco novo, Volta, que tem sonoridade mais robusta e suja em boa parte das músicas. Foi mais contemplativo. Teve espaço para Björk ora cantar apenas com teclado (que simulava um cravo), ora acompanhada só pela sessão de sopro. No final, vieram as músicas mais agitadas, como a conclusão de "Hyperballad", que, acompanhada de projeção de laser e chuva de papel picado, quase transformou o local numa rave, levando ao delírio até os distraídos ― e provando que muita gente estava ali mais pelo evento do que pela música.


Steve Vai no Bourbon, em foto de Charline Messa, via flickr

Em novembro, vi as caras, bocas e o carisma de Steve Vai, no Bourbon Street, numa performance de tirar o fôlego ― para quem gosta, óbvio. A banda é muito boa. O baterista Jeremy Colson tem pegada roqueira ― que faz jus ao seu visual de cabelo espetado e tatuagens. Na guitarra de 7 cordas veio o ótimo Dave Weiner, que acompanha Steve há anos. Na turnê brasileira, o baixo ficou a cargo de Philip Bynoe que deu um irresistível toque funkeado à banda, que também tem 2 violinistas que duelam entre si e dobram melodias da guitarra: Alex DePue e a belíssima Ann Marie Calhoun, que arrancou suspiros dos marmanjos do recinto. Vai tem excelente presença de palco e domina a platéia, interagindo com ela via caretas, bom humor e boa dose de atuação. Põe a guitarra no chão e toca com o pé, finge tocar com a língua, dança, brinca com fãs e músicos. No mesmo mês vi ainda um bom show dos Paralamas do Sucesso com os Titãs. E, para finalizar bem o ano, no começo da segunda quinzena de dezembro vi a feliz união musical de Chico Pinheiro e Anthony Wilson, divulgando o excelente disco Nova (que comentei aqui); distribuiram grandes solos, melodias e harmonias para um público atento no Sesc Pinheiros.


Rafael Fernandes
São Paulo, 2/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
02. Paulo Mendes da Rocha (1929-2021) de Julio Daio Borges
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


Mais Especial Melhores de 2007
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Automóveis de São Paulo
Varios Autores
Imprensa Oficial de São Paulo
(2002)



Dicionário Histórico-Biográfico da Propaganda no Brasil
Coords. Alzira Alves de Abreu, Christiane Jalles de Paula
Fgv
(2007)



Livro Literatura Estrangeira O Contrato Social e Outros Escritos
Rousseau
Clássicos Cultrix



Deus e a cabana 362
Roger E. Olson
Thomas Nelson Brasil
(2009)



Cem Gramas de Buda (lacrado)
Eduardo Alves da Costa
Sesi-sp
(2015)



Dk Eyewitness Travel Guide: Berlin
Dk Publishing
Dk Eyewitness Travel
(2013)



Palavras de Fogo
Bhagwan Shree Rajneesh
Ground
(1983)



A Sagrada Família
Marx e Engels
Moraes
(1987)



Furacão Elis (3ª Edição)
Regina Lico Echeverria
Fisicalbook
(2002)



Walt Disney World Resort e Orlando - Guia Visual
Diversos autores
Publifolha
(2007)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês