Blog precisa ser jornalismo? | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> A Lei de Murph e os Médicos de Arthur Bloch pela Record
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Circulo do Livro
>>> Uma Criatura Dócil de Fiodor Dostoiésvki pela Via Lettera (2017)
>>> Confissoes de uma Banda, V. 2 de Nina Malkin; Rodrigo Abreu pela Galera Record (2008)
>>> Decamerão (capa Dura) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1970)
>>> A Freira Sangrenta do Mosteiro de Santa Catarina de T. I. Horsley Curties (publicado Anonimamente) pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> A Interpretação dos Sonhos - Volume 1 de Sigmund Freud pela L&pm Pocket (2020)
>>> Leniza & Elis de Ariovaldo José Vidal e Joaquim Alves de Aguiar pela Ateliê (2002)
>>> Expressionismo Alemão: Coleção Von Der Heydt Museum Wuppertal de Rejane Cintrão; Outros pela Mam / Inst. Goethe (2000)
>>> Os Presidentes - Afonso Pena de Hélio Silva pela Grupo de Comunicação Três (1983)
>>> Paisagens e Problemas do Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Brasiliense (1973)
>>> Letture Di Religione de Giuseppe Fanciulli pela Nd Ed. (1935)
>>> Viva Como Você Quer Viver de Eduardo Shinyashiki pela Gente (2004)
>>> O Exército de um Homem Só de Moacyr Scliar pela L&pm Pocket (2019)
>>> Ética e Marketing Social de Alan R. Andreasen pela Futura (2002)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Circulo do Livro
>>> Across the Universe de Beth Revis pela Razor Bill (2012)
>>> Plastic Jesus de Poppy Z. Brite pela Conrad (2002)
>>> O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald; Alice Klesck pela Folha (2003)
>>> Processo Administrativo no Ambito da Administraçao de Arnaldo Esteves Lima pela Forense Universitari (2005)
>>> Guia Passo a Passo - Vinhedos e Vinhos da França de Gallimard pela Publifolha (2005)
>>> Mitologia Lovecraftiana: a Totalidade pelo Horror de Caio Bezarias pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Quando foi a Última Vez Que Seu Filho Disse: Eu Te Amo de Adalgisa Giannella pela Qualitymark (2012)
>>> O Mundo de Rosinha de Myrian Apparecida B. de Carvalho pela Nativa (1999)
>>> Violência e Segurança Pública de Fabio de Sá e Silva pela Perseu Abramo (2014)
COLUNAS >>> Especial Blogueiros e Jornalistas

Quarta-feira, 9/4/2008
Blog precisa ser jornalismo?
Rafael Fernandes

+ de 7600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Uma das grandes discussões recentes na Internet é a suposta falta de confiabilidade dos blogs. Assim, quem quiser passar respeito teria de se apossar dos preceitos do bom jornalismo para garantir qualidade de informação e, dessa forma, se legitimar. Mas será que é uma obrigação? Ou melhor, será que todos os blogs devem agir assim? É preciso lembrar que preocupações com procedência e qualidade devem ser levadas em conta para avaliar qualquer tipo de provedor de conteúdo. Um jornal ou revista estar há anos no mercado é um fator importante, mas não é só por fama que se faz credibilidade. Sabemos de manobras de meios de comunicação para favorecer certos grupos ou pressionar outros. E qualquer um que queira divulgar uma informação, seja onde for, pode escolher mostrá-la da forma como lhe convém. Ou tomemos como exemplo a frase de Assis Chateaubriand a seus empregados: "Quem quer ter opinião, que compre um jornal!". Hoje grandes veículos impressos (New Yorker, Economist etc.) são reconhecidamente de alta qualidade, e podem continuar daqui a 10, 20 anos. Mas não só tendem a migrar para a Internet, como tantos outros devem morrer. E bons jornalistas também devem migrar para a web, que vai revelar outros tantos talentos sem serem chamados de jornalistas (seriam blogueiros?Interneteiros? Ou simplesmente escritores?).

A recente competitividade e a decadência do mercado da mídia impressa fazem com que redações sejam enxugadas e jornalistas experientes sejam cortados em prol de jovens mais baratos. A necessidade de vender é inversamente proporcional ao condão do conteúdo e, particularmente na cobertura de cultura, as assessorias de artistas é que parecem pautar as redações. Isso não faz com que grandes da imprensa se tornem irrelevantes de um dia para outro. Mas é engraçado que clamem credibilidade quando vemos que a qualidade atual nem sempre acompanha a campanha. Esses fatores não impedem que tais veículos continuem nos trazendo boas análises e matérias de alto gabarito ― escritas tanto por profissionais jovens quanto por experientes. Nem são motivo para já darmos aos blogs a coroa de reis da informação. Afinal, também é possível encontrar uma enormidade de baboseiras e baixo nível na rede ― e em maior quantidade. Muitos blogueiros sentam na cadeira da comodidade antes sequer de serem relevantes. A ignorância pode nascer em qualquer lugar. Mas vale lembrar que nomes de referência no jornalismo sem terem se formado em tal (Daniel Piza, Ruy Castro, Sérgio Augusto, Paulo Francis). Por que algo semelhante não pode acontecer na Internet? De longe, parece que a grande imprensa está tremendo com a possibilidade de que seu status quo, sua imponência, sua relevância, sua postura de quinto poder ― o que leva inclusive à arrogância e a um "não me toques" ― estar tomando um enorme baque, nunca antes sentido.

Blog não é só gerar opinião ou informação, mas também é troca. São criadas interações com o leitor, bem como redes de contato. É uma relação bastante diferente do antigo jornalismo. No primeiro caso, quem lê pode opinar. Se isso por um lado é bom, pois é possível contestar o autor, por outro gera excessos nas atitudes, até irracionalidade e agressividade dos comentaristas, o que leva a um maior controle dos comentários ― um contra senso à idéia de liberdade que a rede dá. Algo nesse sentido saiu em recente pesquisa e já gera incômodo por parte dos promotores de conteúdo. Na geração de comunidades, novo paradoxo: a criação de "amigos", que se visitam, pode gerar apatia, falta de contestação, mas também promove retroalimentação e constante troca de idéias. E não só de blogs se faz Internet, mas também de portais, sites, fóruns e afins. A seu favor está a ampliação do texto: vídeos, fotos, links, áudio e comentários podem complementar e enriquecer o que é exposto. Um grande texto continuará um grande texto, mas se estiver munido de mais atrações, melhor ainda.

Para responder à questão exposta no título e no primeiro parágrafo, creio que blog não precisa, necessariamente, ser jornalismo. É apenas mais uma (democrática) ferramenta de comunicação: por que deve ter apenas uma maneira "correta" de ser usado? Por que não pode ser simplesmente um "diário adolescente"? Ou um local para expor pensamentos? Existem milhares de possibilidades. A aproximação ao que se entende por jornalismo vai depender do que se propõe expor e do preparo do blogueiro. Como leitor, me baseio na própria experiência: acho que para certos assuntos é necessário que haja profunda pesquisa e levantamento de diferentes versões de um fato. Principalmente em assuntos mais "pesados" ou que necessitem de fontes que não estão à disposição na Internet ― e é claro que um jornalista gabaritado ajuda a legitimar. Mas quem não for conhecido ou formado pode, aos poucos, se firmar como referência (lembram-se do "não-jornalistas" há alguns parágrafos?). Em temas de menor relevância, sem que se precise de fontes off-line, não vejo a necessidade desse tipo de atuação. E para assuntos mais específicos, de nicho, um jornalista dificilmente conseguiria cobrir de forma tão eficiente quanto uma pessoa que trabalha com o tema ou que o tenha como um hobby sério.

À medida em que é possível organizar o enorme conteúdo da Internet (via feeds, newletters etc.), podemos ter somente a informação que queremos. Em vez de uma dezena de cadernos com centenas de artigos, selecionaremos qual assunto queremos, que tipo de análise, de quem e com que freqüência. É o fim daquele amontoado de papel inútil; esse formato deverá permanecer por alguns anos, mas é possível que sirva para textos maiores, grandes reportagens e análises ― quem sabe até se aproximando de um formato de revista ― e com pequenas tiragens. A queda nas vendagens e anúncios mostra que o jornal físico como conhecemos está em decadência. Há quem justifique sua existência ainda por uma suposta "praticidade": "é mais fácil de ler", "é bom pra ler no café", "dá pra ler deitado", "levo no banheiro", etc. Bem, não passo a maior parte do tempo nem tomando café, nem deitado, muito menos no banheiro, mas sim na frente de um computador. E prefiro que as informações me cheguem organizadas por categoria ― posso bater o olho nos títulos e saber de antemão o que pode me interessar. A realidade mostra que os argumentos pró papel são cada vez mais fracos.

A Internet parece amedrontar muitos jornalistas: a perspectiva do desconhecido à espreita do conforto. A grande diferença hoje entre blogueiros e jornalistas vem daí: os primeiros nada têm a perder; em geral têm empregos fixos, escrevem por escrever e estão crescendo com a mudança. Já os segundos têm tudo a perder: o formato em papel está acabando, sua relevância já não é mais a mesma, seus empregos estão em risco e muitos enfrentam dificuldade com tecnologia. Talvez haja receio de terem de se tornar empreendedores, procurar novas oportunidades na rede e fora dela em detrimento a posições cômodas nas redações dos grandes jornais. Só não percebem o básico: o bom jornalista tem formação e talento como diferenciais ― só falta descer do salto, usar a criatividade e desbravar novas oportunidades.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 9/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
02. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul de Elisa Andrade Buzzo
03. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
04. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
05. Um mês depois de Julio Daio Borges


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


Mais Especial Blogueiros e Jornalistas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2008
09h25min
O novo substituirá o velho! Tudo se transforma, nada se cria, e isso já dizia o Lavoisier, o cientista morto pelo louco, o esquizofrênico Robespierre. Há pouco mais de 120 anos, temos a luz elétrica, antes era só candeeiro, era um atraso danado! Há menos de 20 anos poucos conseguiam escrever em máquinas de escrever (isso não é redundância, é a pura verdade). Agora já escrevemos no computador e ficamos todos metidos e profetas. Tudo muda, e o jornalismo mudará também para a Internet, o jornal de papel ficará na lembrança, mas as empresas jornalísticas aumentarão a divulgação na rede e ficarão mais ricas. Entretanto, aniquilarão com 99% dos bloguinhos de hoje. Blog não é jornalismo, muito menos editor da boa literatura. Também passará. E o livros de papel nunca terão fim; ler na tela deixa cego, vesgo, bobo e beocizado; é só ver o que se escreve por aí, pensando que são escritores... Nada como ler um livro, folha por folha, sossegado, embaixo de uma árvore frondosa, sem neura digital.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
11/4/2008
16h34min
Quem não estuda, não se aprimora, não se informa, não se atualiza, não se recicla, não tem firmeza, não tem dedicação, não tem perseverança, não tem missão, não tem paciência, não tem determinação, não é solidário, não tem competência, não tem talento, está preocupadíssimo...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
8/5/2008
15h48min
Olha, creio que não entenderam nada sobre a lenga lenga da mídia em relação aos blogs. Um blog pode ser utilizado como veículo de notícias, qual o problema? O blog do PHA, do Azenha e de outros jornalistas por acaso não são críveis? Agora, observem que na realidade eles emitem suas opiniões. Como num editorial. Um blog nunca foi nem será um jornal on-line, é um espaço onde o moderador publica de tudo, inclusive contestações à mídia atual, mas é sobretudo um diálogo. Os blogs referidos na mídia são os que têm a função de contestá-la. Daí a propaganda negativa, a perseguição. A mídia não fala do "flog" da Paulinha, fala dos blogueiros que fazem parte do SIVUCA, uma organização que contesta os políticos, a atual maneira de se fazer jornalismo no Brasil... Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlinhos Medeiros]
9/2/2009
14h32min
Para um bom entendedor meia palavra basta. Jornalistas estão precoupados em perder a disputa para os blogueiros. O que é compreensível. Mas, se tiverem qualidade e credibilidade, não há o que temer. É a lei da oferta e da procura de informação.
[Leia outros Comentários de Sandro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Robin Hood - Bookworms Starters
John Escott
Oxford University Press
(2001)



Livro - Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter
Mário de Andrade
Itatiaia
(1997)



O Círculo
Dave Eggers
Companhia Das Letras
(2017)



O Primeiro Quadrante
Bartyra Soares; Everaldo M. Veras; Jose N.
Assessoria Editorial do Nordes



The Lost Gate
Orson Scott Card
Tor Books
(2010)



Um Visitante do Futuro
Odete de Godoy
Scor Tecci
(2012)



Look
Thassia Naves
Arte Ensaio
(2014)



Conecte Matemática 2 - 1ª Ed.
Gelson Iezzi
Saraiva
(2011)



Guia Prático da Saúde Familiar
Dr. James F. Fries / Dr. Donald M. Vickery
Alegro
(2005)



Cabul no Inverno
Ann Jones
Novo Conceito
(2011)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês