Em busca do vampiro de Curitiba | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/9/2008
Em busca do vampiro de Curitiba
Luiz Rebinski Junior

+ de 4600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Recentemente o fotógrafo Marcelo Rudini e o jornalista Dimitri do Valle, que trabalham para a Folha de S. Paulo em Curitiba, armaram campana em frente à Livraria do Chain, na capital do Paraná, em busca de um furo jornalístico há muito perseguido por repórteres de todo o Brasil: fotografar e entrevistar Dalton Trevisan. O local escolhido não foi por acaso. O Chain, como é conhecida a livraria em questão, é um dos pontos da cidade em que o "vampiro" costuma dar o ar da graça, sempre em surdina. Além da amizade com o dono, Aramis Chain, o local é propício à privacidade que Dalton Trevisan tanto preza. A livraria, diferentemente dos grandes magazines de shopping, só vende livros. Nada de CDs, DVDs e parafernálias eletrônicas. É um lugar antigo que, por conta da proximidade com a Reitoria da Universidade Federal do Paraná, atrai um público bastante seleto: professores e alunos universitários, em sua maioria. Uma livraria à moda antiga que, com algum exagero, ainda guarda um ar das antigas casas editoriais do começo do século XX. Além disso, a livraria fica próxima da casa do escritor, no bairro Alto da XV, a poucos minutos de caminhada ― a título de curiosidade, na mesma rua mora outro grande escritor de Curitiba, Cristovão Tezza.

Dimitri não conseguiu a tão sonhada entrevista com Dalton Trevisan, mas revelou detalhes da rotina do escritor desconhecidos do público, como a adesão à internet e a preferência por um cardápio sem carne vermelha, incomum para um escritor conhecido como "vampiro". Da empreitada, Rudini conseguiu uma foto inédita do escritor saindo da livraria com uma sacola de livros, publicada na "Ilustrada".

A reclusão de Dalton Trevisan é bastante conhecida. Mas em Curitiba o anedotário sobre os hábitos do contista já faz parte do DNA da cidade e só aumenta com o passar dos anos. Talvez porque Dalton virou ele mesmo um personagem da cidade, ainda que suas atitudes discretas visem o anonimato. Não há quem nunca tenha ouvido uma história envolvendo a rotina do escritor, suas preferências e manias. Nas universidades, cafés e bibliotecas o contista é motivo de discussões com argumentos que, com a mesma intensidade, criticam e louvam suas atitudes. Assim como na literatura, as histórias que circulam sobre o escritor parecem ter um pé na ficção e outro na realidade, sem que, no entanto, nunca fique muito claro onde começa uma e termina a outra. Histórias sobre fãs que batem à porta do escritor, deixam flores e recados com pedidos de autógrafos e encontros são bastante comuns. Também é conhecido o espírito vingativo do contista, que, dizem, promete a si mesmo não olhar mais na cara daquele amigo ou conhecido que revelar, principalmente a jornalistas, detalhes de sua rotina.

Morador de um bairro de classe média de Curitiba, a poucas quadras do estádio Couto Pereira, não precisa gastar muita sola de sapato para chegar ao centro da cidade. É lá que se imagina que o escritor, sempre bem discreto, percorre pontos como o Passeio Público, conhecido reduto de prostitutas decadentes, em busca de tipos para a sua literatura. Pode ser. É bem provável que sim. Mas quando se trata de Dalton Trevisan, nunca se tem certeza sobre a veracidade das informações. As histórias sobre ele se parecem muito com as histórias dele. Não que haja fortes indícios de que o escritor seja alter ego de seus personagens, que encarne os Joões traídos por esposas que passam a vida reprimidas e, de uma hora para outra, se rebelam contra a moralidade excessiva a que são impostas. Não necessariamente. É que os causos sobre Dalton Trevisan são como sua ficção, sucintos e sempre com um final em aberto, para que cada um tire suas próprias conclusões e faça o julgamento moral do que ouviu. Os causos são também banais, assim como são banais as razões dos assassinatos que permeiam as páginas de seus livros desde sempre. Afinal, para que saber aonde o escritor vai ou deixa de ir? É uma atitude prosaica, típica de uma cidade que ainda guarda fortes resquícios de provincianismo. Exatamente como a Curitiba que Dalton criou e parece ― apenas parece ― não existir mais. Mas é pura ilusão de ótica. Por trás da cidade bem planejada, há pessoas que ainda se referem ao local de moradia como vila. Nada mais provinciano, nada mais Dalton Trevisan.

Colecionador de tabus que não existem mais, Dalton incorpora em suas atitudes o típico morador da terra das Araucárias, do passado e do presente. De mãos dadas com o clichê que se repete sobre a cidade e seus habitantes, que associa o característico frio curitibano ao recolhimento e introversão de seus moradores, o escritor reforça ainda mais aquilo que muitos encaram como mito. Pode parecer lugar-comum. É lugar-comum. Mas mesmo assim, é também algo que não sai do imaginário popular, que sempre vem à tona por mais que se negue. Dalton é o curitibano que encontra o amigo na rua, convida-o para um café em sua casa, mas esquece de dar o endereço. Mas isso é mero detalhe, que acaba ganhando importância só porque Dalton Trevisan é Dalton Trevisan. O que realmente importa é sua literatura que, desde as primeiras linhas na mitológica revista Joaquim, continua surpreendente. Ainda que muitos vejam em seu fascínio pelas elipses um indício de esgotamento criativo. Bobagem, o centro de Curitiba o realimenta de forma saudável, dando-lhe vigor para entender os novos tempos, à sua maneira, é claro. Basta dar uma olhadela no novo rebento do escritor, chamado O maníaco do olho verde (Record, 2008, 128 págs.). Logo de cara, em "Tem um craquinho aí", Dalton se revela um atento observador do presente, das novas formas de degradação física e moral do homem. Sai a bebida, que tantos contos lhe rendeu, entra o crack, bem menos glamoroso e bem mais devastador. Com a precisão de um experiente viciado, o escritor traz à tona a impiedosa relação traficante/usuário, mas de uma forma bastante própria, quase engraçada, sem discursos morais e repressores. A linguagem das ruas, coloquial, se funde à técnica que o escritor domina plenamente, dando vida a novos cafajestes, delinqüentes, drogados, bêbados, prostitutas e pedófilos. Fauna bem conhecida de seus leitores. Personagens que insistem em não sair da margem, sempre à procura de algo que possa lhes salvar, se é que há redenção na literatura do escritor. "Foi em legítima defesa. Minha e de minha noiva Marta. Ele era pessoa viciada sempre ali na espera. O Buba mais o irmão Tonho. E roubava todo mundo na vida", diz um dos personagens, que aceita matar para saldar uma dívida com o tráfico em "Por cinco paus".

Assim, Dalton não só registra as desventuras de gente sem sorte, mas imprime em seus contos um compêndio de crendices e moralidades populares. Coincidência ou não, são os mesmos sentimentos comezinhos que regem seus leitores/ admiradores quando o assunto é Dalton Trevisan.

Nota do Editor
Leia também "Do maior e do melhor" e "Deus".

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 17/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Troquei meus feeds RSS pelo Twitter de Julio Daio Borges
03. O Sociólogo Machado de Assis de Daniel Aurelio


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2008
10h43min
Muito interessante e revelador seu texto sobre esse grande escritor. São aspectos que indicam uma certa comunhão entre o autor e sua obra, embora se aconselhe que não se misturem as duas coisas. Essa faceta misteriosa nos encanta e atiça nossa imaginação. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
22/9/2008
19h38min
Muito bom. Dalton sempre nos fascina, pois é oriundo de uma cidade sorridente, mórbida e infeliz em sua cultura. Talvez seja por isso essa mania dele.
[Leia outros Comentários de Rubens Macedo]
23/9/2008
11h36min
Me deliciei em ler mais alguma coisa sobre o Dalton. Muito bom mesmo. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Julie de Pádua]
25/9/2008
17h42min
Achei uma apoteose límpida, para dizer um pouco sobre as verdades puras, nas ficções (às vezes, impuras) do Dalton. Nada cria, nada inventa, mas sua forma de traduzir tais 'causos' só a ele pertencem! E surge Cristovão Tezza mostrando o que Curitiba tem de bom na área literária... Que os céus protejam os escritores Curitibanos de todos os vampiros reais!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRES RUSSOS E COMO ME TORNEI ESCRITOR
GORKI, MAXIMO
MARTINS
R$ 51,43



HITCHCOCK
RUY GARDNIER/ISMAIL XAVIER E OUTROS
CCBB/SESC
(2011)
R$ 145,00
+ frete grátis



AEROBICA MENTAL
STEVE SIMMS
MADRAS
R$ 12,00



USO DE LA GRAMÁTICA ESPAÑOLA JUNIOR INTERMEDIO
RAMÓN PALENCIA
ELDESA
(2008)
R$ 35,00



POETAS DIFÍCEIS? UM MITO
TERESA GUEDES
CAMINHO
(2002)
R$ 45,32



O CRISTIANISMO EM XEQUE
SÉRGIO OLIVEIRA
REVISÃO
(1996)
R$ 20,00



MATERIAIS ELÉTRICOS - VOLUME 1: CONDUTORES E SEMICONDUTORES
WALFREDO SCHMIDT
EDGAR BLÜCHER LTDA
(1979)
R$ 12,00



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
DCL
(2006)
R$ 8,00



O CORAÇÃO DE LEÃO VOLUME 3 DA SAGA PLANTAGENETA
JEAN PLAIDY
BESTBOLSO
(2008)
R$ 10,00



O RIO DE JANEIRO, CAPITAL DO REINO
ILMAR ROHLOFF DE MATTOS, LUIS AFFONSO SEIGNEUR DE ALBUQUERQUE, SELMA RINALDI DE MATTOS
ATUAL
(1997)
R$ 13,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês