Armadilhas da criação literária | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2007
Armadilhas da criação literária
Luis Eduardo Matta

+ de 4600 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Numa tarde de 1994, eu almoçava com um tio numa mesa ao ar-livre de um dos muitos restaurantes da avenida Atlântica, quando os ocupantes da mesa vizinha iniciaram uma conversa acalorada sobre futebol. Estávamos, para ser mais preciso, em junho de 1994, em plena Copa do Mundo dos Estados Unidos, que acabaria sendo vencida pelo Brasil. Eu me lembro que, um ou dois dias antes, o Brasil tinha empatado com a Suécia em 1 X 1 e os cidadãos que discutiam feio ao meu lado estavam inconformados com a "frieza" da seleção de Carlos Alberto Parreira que priorizava a técnica em detrimento do "futebol arte". Ao mesmo tempo, todos diziam ter a receita certa para a escalação e movimentação do time e pareciam tão seguros de suas opiniões que meu tio, num dado momento, virou-se para eles e perguntou, em tom de galhofa: "Se vocês entendem tanto de futebol e sabem como fazer para o Brasil conquistar essa Copa, por que não vão aos Estados Unidos tomar o lugar do Parreira? O que vocês ainda estão fazendo aqui, em Copacabana, tomando chope e beliscando queijo e azeitona enquanto a glória do futebol brasileiro está em risco?" Os homens, até aquele momento exaltados, murcharam na hora e, pouco tempo depois, pediram a conta e foram embora, para sorte nossa que pudemos, enfim, comer em paz.

Essa é uma característica comum a uma boa parte dos brasileiros. Muitos acreditam que, por serem aficionados por futebol, conhecem o esporte melhor do que os profissionais do ramo. Fato semelhante ocorre na literatura. Do mesmo modo que todo torcedor brasileiro se considera um técnico de futebol em potencial, muitos dos apaixonados pelos livros acham que podem se tornar escritores. Mal sabem eles que a criação literária é uma epopéia extenuante e complicada, que exige tanta dedicação, trabalho e dores de cabeça como qualquer ofício, com a agravante do intenso envolvimento afetivo do autor com o seu texto, que, não raro, conduz a uma espécie de esgotamento. Isso porque a criação, quando exercida plenamente e com seriedade, é um processo violento de descarga emocional, criativa e intelectual e não são todas as pessoas que agüentam o desafio. Ainda assim, existe um certo glamour em torno da escrita que seduz muitas pessoas, tomadas pela idéia de que basta saber escrever e ter lido alguns livros para conseguir dar forma a uma obra literária. E muitos desses incautos costumam se aventurar por formatos e gêneros extremamente traiçoeiros, os quais, à primeira vista, parecem simples e fáceis quando, na verdade, escondem uma complexidade incrível que somente a prática regular da escrita aliada a uma autocrítica firme e equilibrada conseguem revelar. É o que eu costumo chamar de armadilhas da criação literária.

Comecemos pelo conto, que é uma das mais capciosas. Vivemos, hoje, uma espécie de febre do conto no Brasil, o que está longe de ser ruim. O conto é uma modalidade narrativa admirável, que consagrou talentos extraordinários ao longo dos tempos e cuja estrutura, concisa e sem espaço para artifícios e embromações autorais, incumbiu-se de eternizar histórias fabulosas, que jamais teriam o mesmo impacto caso fossem desenvolvidas em narrativas extensas. Eu próprio sou um leitor fiel e apaixonado de contos, embora nunca tenha, como ficcionista, me aventurado pelo formato, por assumido reconhecimento da minha incompetência em estruturar um bom enredo num texto breve. Eu e a concisão somos inimigos de morte há muitos anos e ela tem me derrotado continuamente, a despeito dos meus reiterados esforços em, ao menos, atenuar a prolixidade da minha escrita.

É justamente na economia de palavras inerentes ao conto que se esconde o seu lado obscuro, onde está preparada a sua tocaia. Por se tratar de textos breves, muita gente supõe que é menos trabalhoso escrevê-los do que a um romance. Pura ilusão. O conto, precisamente por essa compleição enxuta, exige do autor uma atenção permanente e uma capacidade de sintetizar em uma ou duas frases o que num romance poderia ser confortavelmente narrado em dez parágrafos. O conto não permite lacunas. Cada sílaba, cada vírgula, cada mísera palavra possui uma importância fundamental para que a história adquira a intensidade necessária que irá justificar a sua leitura. No entanto, pelo que tenho lido ultimamente, percebo que alguns autores ignoram isso e optam por redigir contos como se estes fossem não mais do que fragmentos sem nexo de narrativas mais longas e o resultado, muitas vezes, acaba sendo de decepcionante a assustador. Ao escrever com desleixo, esses autores evidenciam, sem querer, um íntimo menosprezo pelo formato, ao considerá-lo um caminho rápido para dar forma a um livro. Não param para pensar que grandes contos da literatura brasileira como "Missa do Galo", "Feliz Ano Novo" e "O Monstro" não seriam tão perfeitos na sua concepção, sentido e acabamento, caso os autores tivessem se alongado na redação, fazendo, assim, com que as histórias se perdessem em intensidade e fôlego. Sim, fôlego. Pois o conto é um gênero de fôlego. Um fôlego, a bem da verdade, diferente do esperado num romance e que demanda máxima concentração do autor. Vejo o bom contista como um enxadrista compenetrado e minucioso. Uma única jogada equivocada, um único pequeno descuido que pode ser não mais do que uma palavra mal colocada e o trabalho corre o risco de ficar irremediavelmente comprometido, de receber um xeque-mate. Já o bom romancista seria o construtor de um castelo de cartas, um obstinado que se lança numa jornada longa com persistência, coerência e paciência suficientes para levar a cabo o seu projeto até, enfim, vê-lo pronto e em conformidade com o planejamento original.

Outra armadilha muito comum é a literatura infanto-juvenil. Trata-se de outra seara que dá aos desavisados uma falsa ilusão de facilidade. Muitos imaginam que, por terem como público potencial leitores muito jovens e, em tese, menos exigentes em relação à linguagem e à técnica narrativas, não precisam escrever com o mesmo cuidado e requinte devotados à ficção adulta. Some-se a isso a visão débil, estereotipada e um tanto condescendente que uma parcela expressiva da sociedade alimenta em relação às crianças e aos adolescentes, como se estes fossem seres totalmente desprovidos de inteligência, personalidade e sensibilidade e temos o cenário pronto para a catástrofe. É impressionante e aterradora a quantidade de literatura "tatibitate", "gugu-dadá" e "Coé? Hu-huh!" destinada ao público infanto-juvenil nas prateleiras das livrarias e nos catálogos de editoras. Nos últimos anos, andei lendo muitos desses livros e confesso que não entendo o que se passa na cabeça de certos autores. O que eles pensam que estão fazendo? Que tipo de público acham que irão atingir com uma literatura que flerta com a banalidade e a puerilidade narrativa, quando não mergulha de corpo inteiro nelas? Por que se incumbem de inventar enredos sem pé nem cabeça, com personagens mais rasos do que um azulejo, com umas situações totalmente sem sentido e tentando estabelecer, a qualquer custo, uma identificação com os jovens leitores, sempre a partir dos estereótipos mais ridículos que se têm deles? Juro que não vou me surpreender se, daqui a pouco, algum autor resolver apelar para o internetês e publicar um "liVRuh mtt fofuh IxCrItUh aXiM pq axaH ki a gLeRah KeR eH leh cuMu si fla na NeT, neh? XD ^^") haushuahauhsas ;] ;++,"."

A coisa costuma piorar quando os ditos autores decidem ir além e usar o seu trabalho para objetivos, digamos, mais "nobres", abordando de modo forçado e excessivamente didático temas caros à sociedade contemporânea e se concentrando, assim, num proselitismo enfadonho, em prejuízo total do brilho da trama. O engajamento na ficção é, a princípio, muito bem-vindo, mas é preciso que o autor tenha boas doses de talento e discernimento a fim de incorporar suas idéias de maneira natural e sutil à trama, criando uma simbiose atraente entre ambas para que um livro de ficção não se transforme numa cartilha. Estabelecer uma comunicação franca com crianças e adolescentes através da narrativa literária é uma tarefa árdua, que requer um cuidado, muitas vezes, superior ao que se costuma ter com a ficção adulta. E isso é particularmente verdade nos dias atuais, nos quais os apelos da tecnologia e da imagem exercem uma concorrência pesada com os livros. O primeiro passo para isso é, naturalmente, conhecer os jovens e aceitar a sua pluralidade em vez de reduzi-los a um clichê. O segundo é não lhes subestimar, de maneira alguma, a inteligência e o juízo crítico. E o terceiro é criar uma trama atraente que, além de gerar uma identificação nesse leitor debutante e em formação, seja capaz de surpreendê-lo de alguma maneira. A criatividade, a cultura, a técnica e o bom manejo do idioma se incumbirão do resto.

De todas as armadilhas da ficção, no entanto, a que sempre me chamou mais a atenção é a do romance policial/de mistério/suspense. A literatura de entretenimento, como um todo, já é uma grande armadilha, mas a policial é a que tem feito mais vítimas (sem trocadilho, por favor), inclusive no Brasil. É difícil não ficar abismado diante da infinidade de romances policiais ruins disponíveis atualmente. São tramas de mistério pessimamente estruturadas, com personagens para lá de previsíveis, toda sorte de clichês romanescos os mais rasteiros (não confundir com os clichês de linguagem, amplamente utilizados em livros de entretenimento e que, longe de comprometer sua qualidade, são essenciais para imprimir o ritmo necessário ao enredo), anticlímax a cada capítulo, finais imbecis e mal-resolvidos e diálogos paupérrimos são alguns dos ingredientes que, uma vez somados, tornam o leitor um sério candidato a uma indigestão e, se houver engajamento barato metido no meio, com possibilidade de pernoite numa UTI hospitalar. As causas principais desse besteirol policial costumam ser duas. A primeira é a influência do cinema norte-americano. Alguns autores estruturam seus livros como se estivessem roteirizando um desses filmes de ação que são exibidos no Supercine, ignorando que receber influências cinematográficas na literatura é uma coisa (pode ser muito boa, inclusive) e escrever um romance com linguagem de roteiro é outra. A segunda causa é a própria idéia que se tem da concepção de um romance no gênero. Já ouvi mais de um autor dizer, na cara dura, que escrever livros policiais é muito fácil: basta pensar num crime no início da trama, na solução do crime no final e, no meio, tudo se resume a uma combinação de sexo, ação, violência, palavrões e "doses de realidade". Agatha Christie, Georges Simenon e Raymond Chandler devem ter convulsões nos seus túmulos quando atrocidades assim são ditas em tom de verdade divina.

Creio que ainda não foi descoberta uma maneira cortês e, ao mesmo tempo, persuasiva de explicar a essas pessoas que a criação de uma boa trama de entretenimento - o que inclui as policiais - é uma estiva. Quando alguém lê um romance desses e se depara com a linguagem direta, o ritmo ágil e os capítulos de estrutura aparentemente simples, em geral não faz idéia do trabalho monumental que foi concebê-lo. Sei de casos de escritores consagrados no gênero que, após um planejamento exaustivo da trama e de uma primeira versão pronta, reescreveram-na cinco, seis, sete vezes, fazendo contínuas revisões e reformulações e submetendo-a a pareceristas profissionais que fizeram sugestões e observações decisivas para o bom acabamento da obra. Essa empreitada pode levar anos consecutivos de trabalho diário, sem férias, sem qualquer glamour. Não é, definitivamente, uma atividade para diletantes ou para aqueles que encaram a escrita como um hobby divertido para as horas vagas. A própria linguagem de um livro desses exige uma atenção especial do escritor. Ela precisa ser muito trabalhada de modo a ser direta e, ao mesmo tempo, conter pelo menos um pouco de profundidade, que é o que se espera de uma obra literária. Complicado, não? Pois é como costumo dizer: escrever difícil é fácil; o difícil é escrever valendo-se de um vocabulário amplo e uma linguagem elaborada, porém de fácil assimilação.

Minha intenção, com este artigo, não é, de modo algum, desestimular os candidatos a escritor ou desqualificar quem quer que seja. É, isso sim, alertá-los para os rigores da atividade literária, inclusive para que, ao escrever, o façam com mais consciência e segurança. Devemos ter em conta que a aparente inocência do mundo da escrita esconde armadilhas, que a muitos passam despercebidas. Identificá-las e manter-se alerta sobre a própria capacidade de abraçar o ofício, sempre desconfiando daquilo que parece muito fácil são passos importantíssimos para se produzir uma obra ficcional consistente e interessante. Não permitam que a vaidade e a ânsia por notoriedade ofusquem o senso crítico comum a todos nós. E reflitam triplamente antes de escrever um conto policial infanto-juvenil.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 13/11/2007


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
04. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2007
22h11min
Um bom papo regado a petiscos, e literatura como fundo, é um ótimo remédio pra firmamo-nos, na vida útil deste País.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/11/2007
01h46min
Luís Eduardo, bastante pertinente e oportuno este seu texto. Confesso que tenho o desejo de publicar livros, sendo que o primeiro será (tenho que ser positiva!) de crônicas - gênero que exercito semanalmente há três anos. Contos? Escrevi dois ou três. Romance? Quero muito escrever, mas sei que é "pedreira" e ainda há um caminho longo a percorrer.
[Leia outros Comentários de Fátima Nascimento]
19/11/2007
02h56min
Luis, perfeito, sem comentários. Realmente, é preciso uma dose elementar de auto-crítica antes de qualquer pessoa se aventurar pela literatura, principalmente para quem acha que criança e adolescente é besta e que gênero policial é fácil. Desculpe pela gíria, mas você "matou a pau". Um grande abraço...
[Leia outros Comentários de Carla Borges]
19/11/2007
08h31min
Sei bem pela sua trajetória e direção que seus artigos publicados apontam que não há nenhum desejo de assassinar nenhuma vocação, que se fosse tão frágil vocação não seria. Entretanto, existem as criações de caráter amador ou de pretensões menos literárias, que são necessárias em qualquer cena cultural. É preciso desmistificar a trajetória do autor e é igualmente necessário regar alguns novos talentos, talvez carentes de consistência que só o intercâmbio e os exercícios continuados via crítica sejam capazes de maturar. Ainda não li em lugar algum uma receita confiável para produzir escritores, proliferam oficinas literárias, como nunca e poucas obras se destacam no cenário atual. Cada novo livro me parece um dejavu tamanha as redundâncias - ou quem sabe seja a formulação das encomendas de editoras. Quero uma escrita madura, mas que reflita o prazer do autor em apresentar aquela obra e que ela se apresente um tom acima da diversidade, pois é só assim que vejo um diálogo com os clássicos.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
30/11/2007
11h07min
Olá, Luis! É complicado dizer o que é bom ou ruim em um texto literário, pois existem gêneros e, principalmente, "gosto" para tudo. Um romance policial ruim "pra você", pode ser excelente para outra pessoa e tudo depende do ponto de vista de cada um. Você é escritor e já tem um bom grau de conhecimento, mas quem não tem pode se deliciar com uma obra pessimamente estruturada "no seu ponto de vista". Não sei, mas acho que não existem "regras" e, se destacam os que fogem delas, é só rever a história da maioria dos grandes escritores, pois só foram "grandes" porque fugiram das regras. Uma obra sem estrutura pode ser legal, afinal, por que seguir uma estrutura? A liberdade é o princípio para uma boa obra "no meu ponto de vista". Abs
[Leia outros Comentários de Edgar A. Penski]
2/12/2007
20h36min
Que bom te ler. Espero que nunca atinjas a concisão, não que eu não goste dela, mas a tua prosa sem pressa já é tua marca registrada. Concordo, como sempre, com tudo o que escrevestes, fã é mesmo parcial. Saudades.
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
5/12/2007
14h18min
LEM, sinceramente, o que dá pra perceber é que essas tais "regras" só preocupam o mercado editorial, ou seja, a maioria das editoras, quando se trata de autores iniciantes, pois quando se trata de alguém famoso ou “indicado”, publica-se qualquer tranqueira. Por isso também concordo que há uma necessidade do autor usar de autocrítica antes de se aventurar pela literatura, pois isso é óbvio; entretanto, quando se trata de autor iniciante/desconhecido, as editoras dão um jeito de jogar um banho de água gelada em qualquer esperança de publicação, mesmo que a obra seja de boa ou de ótima qualidade. Abs
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
14/12/2007
10h52min
Caro Luís Eduardo, foi muito perspicaz ao encontrar relações entre o futebol (paixão nacional) e a literatura (descaso nacional). A passagem "não confundir com os clichês de linguagem, amplamente utilizados em livros de entretenimento e que, longe de comprometer sua qualidade, são essenciais para imprimir o ritmo necessário ao enredo" foi genial, pois permite que entendamos melhor a diferença entre um bom livro de crime/suspense de um simples best-seller que está na moda. Parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de Norman Lance]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IDE CORPO
NÃO INFORMADO
BELLELIS
R$ 20,00



PIQUE
REGIS CASTRO
VOZES
(1982)
R$ 6,28



CAPITULOS DE HISTORIA COLONIAL (1500 - 1800) OS CAMINHOS ANTIGOS E ...
J CAPISTRANO DE ABREU
UNB
(1963)
R$ 14,00



CURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA - EN UN CONTEXTO INFLACIONARIO
RODOLFO APREDA
CLUB DE ESTUDIO
(1984)
R$ 50,00



PROCURE A MULHER! - COLEÇÃO R. F. LUCCHETTI - VOLUME 8 (AUTOGRAFADO)
R. F. LUCCHETTI
EDITORIAL CORVO
(2018)
R$ 34,90



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA (VOLUME 1 E 2)
JAMES C. COLEMAN
BIBLIOTECA PIONEIRA
(1973)
R$ 24,00



ANTIGOS ASPECTOS PAULISTAS
AFFONSO DE E. TAUNAY
DIARIO OFFICIAL
(1927)
R$ 44,91



DIGESTO DE JUSTINIANO (LIBER PRIMUS)
HELCIO MACIEL FRANÇA MADEIRA (TRADUÇÃO)
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2010)
R$ 30,00



GOZO FABULOSO
PAULO LEMINSKI
DBA
(2004)
R$ 60,00



O BRASIL NA CRISE PERIGOS E OPORTUNIDADES
PAUL SINGER
CONTEXTO
(1999)
R$ 19,99





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês