Armadilhas da criação literária | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
>>> Sobre os blogs de jornalistas
>>> Pink Floyd 1972
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 13/11/2007
Armadilhas da criação literária
Luis Eduardo Matta

+ de 4600 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Numa tarde de 1994, eu almoçava com um tio numa mesa ao ar-livre de um dos muitos restaurantes da avenida Atlântica, quando os ocupantes da mesa vizinha iniciaram uma conversa acalorada sobre futebol. Estávamos, para ser mais preciso, em junho de 1994, em plena Copa do Mundo dos Estados Unidos, que acabaria sendo vencida pelo Brasil. Eu me lembro que, um ou dois dias antes, o Brasil tinha empatado com a Suécia em 1 X 1 e os cidadãos que discutiam feio ao meu lado estavam inconformados com a "frieza" da seleção de Carlos Alberto Parreira que priorizava a técnica em detrimento do "futebol arte". Ao mesmo tempo, todos diziam ter a receita certa para a escalação e movimentação do time e pareciam tão seguros de suas opiniões que meu tio, num dado momento, virou-se para eles e perguntou, em tom de galhofa: "Se vocês entendem tanto de futebol e sabem como fazer para o Brasil conquistar essa Copa, por que não vão aos Estados Unidos tomar o lugar do Parreira? O que vocês ainda estão fazendo aqui, em Copacabana, tomando chope e beliscando queijo e azeitona enquanto a glória do futebol brasileiro está em risco?" Os homens, até aquele momento exaltados, murcharam na hora e, pouco tempo depois, pediram a conta e foram embora, para sorte nossa que pudemos, enfim, comer em paz.

Essa é uma característica comum a uma boa parte dos brasileiros. Muitos acreditam que, por serem aficionados por futebol, conhecem o esporte melhor do que os profissionais do ramo. Fato semelhante ocorre na literatura. Do mesmo modo que todo torcedor brasileiro se considera um técnico de futebol em potencial, muitos dos apaixonados pelos livros acham que podem se tornar escritores. Mal sabem eles que a criação literária é uma epopéia extenuante e complicada, que exige tanta dedicação, trabalho e dores de cabeça como qualquer ofício, com a agravante do intenso envolvimento afetivo do autor com o seu texto, que, não raro, conduz a uma espécie de esgotamento. Isso porque a criação, quando exercida plenamente e com seriedade, é um processo violento de descarga emocional, criativa e intelectual e não são todas as pessoas que agüentam o desafio. Ainda assim, existe um certo glamour em torno da escrita que seduz muitas pessoas, tomadas pela idéia de que basta saber escrever e ter lido alguns livros para conseguir dar forma a uma obra literária. E muitos desses incautos costumam se aventurar por formatos e gêneros extremamente traiçoeiros, os quais, à primeira vista, parecem simples e fáceis quando, na verdade, escondem uma complexidade incrível que somente a prática regular da escrita aliada a uma autocrítica firme e equilibrada conseguem revelar. É o que eu costumo chamar de armadilhas da criação literária.

Comecemos pelo conto, que é uma das mais capciosas. Vivemos, hoje, uma espécie de febre do conto no Brasil, o que está longe de ser ruim. O conto é uma modalidade narrativa admirável, que consagrou talentos extraordinários ao longo dos tempos e cuja estrutura, concisa e sem espaço para artifícios e embromações autorais, incumbiu-se de eternizar histórias fabulosas, que jamais teriam o mesmo impacto caso fossem desenvolvidas em narrativas extensas. Eu próprio sou um leitor fiel e apaixonado de contos, embora nunca tenha, como ficcionista, me aventurado pelo formato, por assumido reconhecimento da minha incompetência em estruturar um bom enredo num texto breve. Eu e a concisão somos inimigos de morte há muitos anos e ela tem me derrotado continuamente, a despeito dos meus reiterados esforços em, ao menos, atenuar a prolixidade da minha escrita.

É justamente na economia de palavras inerentes ao conto que se esconde o seu lado obscuro, onde está preparada a sua tocaia. Por se tratar de textos breves, muita gente supõe que é menos trabalhoso escrevê-los do que a um romance. Pura ilusão. O conto, precisamente por essa compleição enxuta, exige do autor uma atenção permanente e uma capacidade de sintetizar em uma ou duas frases o que num romance poderia ser confortavelmente narrado em dez parágrafos. O conto não permite lacunas. Cada sílaba, cada vírgula, cada mísera palavra possui uma importância fundamental para que a história adquira a intensidade necessária que irá justificar a sua leitura. No entanto, pelo que tenho lido ultimamente, percebo que alguns autores ignoram isso e optam por redigir contos como se estes fossem não mais do que fragmentos sem nexo de narrativas mais longas e o resultado, muitas vezes, acaba sendo de decepcionante a assustador. Ao escrever com desleixo, esses autores evidenciam, sem querer, um íntimo menosprezo pelo formato, ao considerá-lo um caminho rápido para dar forma a um livro. Não param para pensar que grandes contos da literatura brasileira como "Missa do Galo", "Feliz Ano Novo" e "O Monstro" não seriam tão perfeitos na sua concepção, sentido e acabamento, caso os autores tivessem se alongado na redação, fazendo, assim, com que as histórias se perdessem em intensidade e fôlego. Sim, fôlego. Pois o conto é um gênero de fôlego. Um fôlego, a bem da verdade, diferente do esperado num romance e que demanda máxima concentração do autor. Vejo o bom contista como um enxadrista compenetrado e minucioso. Uma única jogada equivocada, um único pequeno descuido que pode ser não mais do que uma palavra mal colocada e o trabalho corre o risco de ficar irremediavelmente comprometido, de receber um xeque-mate. Já o bom romancista seria o construtor de um castelo de cartas, um obstinado que se lança numa jornada longa com persistência, coerência e paciência suficientes para levar a cabo o seu projeto até, enfim, vê-lo pronto e em conformidade com o planejamento original.

Outra armadilha muito comum é a literatura infanto-juvenil. Trata-se de outra seara que dá aos desavisados uma falsa ilusão de facilidade. Muitos imaginam que, por terem como público potencial leitores muito jovens e, em tese, menos exigentes em relação à linguagem e à técnica narrativas, não precisam escrever com o mesmo cuidado e requinte devotados à ficção adulta. Some-se a isso a visão débil, estereotipada e um tanto condescendente que uma parcela expressiva da sociedade alimenta em relação às crianças e aos adolescentes, como se estes fossem seres totalmente desprovidos de inteligência, personalidade e sensibilidade e temos o cenário pronto para a catástrofe. É impressionante e aterradora a quantidade de literatura "tatibitate", "gugu-dadá" e "Coé? Hu-huh!" destinada ao público infanto-juvenil nas prateleiras das livrarias e nos catálogos de editoras. Nos últimos anos, andei lendo muitos desses livros e confesso que não entendo o que se passa na cabeça de certos autores. O que eles pensam que estão fazendo? Que tipo de público acham que irão atingir com uma literatura que flerta com a banalidade e a puerilidade narrativa, quando não mergulha de corpo inteiro nelas? Por que se incumbem de inventar enredos sem pé nem cabeça, com personagens mais rasos do que um azulejo, com umas situações totalmente sem sentido e tentando estabelecer, a qualquer custo, uma identificação com os jovens leitores, sempre a partir dos estereótipos mais ridículos que se têm deles? Juro que não vou me surpreender se, daqui a pouco, algum autor resolver apelar para o internetês e publicar um "liVRuh mtt fofuh IxCrItUh aXiM pq axaH ki a gLeRah KeR eH leh cuMu si fla na NeT, neh? XD ^^") haushuahauhsas ;] ;++,"."

A coisa costuma piorar quando os ditos autores decidem ir além e usar o seu trabalho para objetivos, digamos, mais "nobres", abordando de modo forçado e excessivamente didático temas caros à sociedade contemporânea e se concentrando, assim, num proselitismo enfadonho, em prejuízo total do brilho da trama. O engajamento na ficção é, a princípio, muito bem-vindo, mas é preciso que o autor tenha boas doses de talento e discernimento a fim de incorporar suas idéias de maneira natural e sutil à trama, criando uma simbiose atraente entre ambas para que um livro de ficção não se transforme numa cartilha. Estabelecer uma comunicação franca com crianças e adolescentes através da narrativa literária é uma tarefa árdua, que requer um cuidado, muitas vezes, superior ao que se costuma ter com a ficção adulta. E isso é particularmente verdade nos dias atuais, nos quais os apelos da tecnologia e da imagem exercem uma concorrência pesada com os livros. O primeiro passo para isso é, naturalmente, conhecer os jovens e aceitar a sua pluralidade em vez de reduzi-los a um clichê. O segundo é não lhes subestimar, de maneira alguma, a inteligência e o juízo crítico. E o terceiro é criar uma trama atraente que, além de gerar uma identificação nesse leitor debutante e em formação, seja capaz de surpreendê-lo de alguma maneira. A criatividade, a cultura, a técnica e o bom manejo do idioma se incumbirão do resto.

De todas as armadilhas da ficção, no entanto, a que sempre me chamou mais a atenção é a do romance policial/de mistério/suspense. A literatura de entretenimento, como um todo, já é uma grande armadilha, mas a policial é a que tem feito mais vítimas (sem trocadilho, por favor), inclusive no Brasil. É difícil não ficar abismado diante da infinidade de romances policiais ruins disponíveis atualmente. São tramas de mistério pessimamente estruturadas, com personagens para lá de previsíveis, toda sorte de clichês romanescos os mais rasteiros (não confundir com os clichês de linguagem, amplamente utilizados em livros de entretenimento e que, longe de comprometer sua qualidade, são essenciais para imprimir o ritmo necessário ao enredo), anticlímax a cada capítulo, finais imbecis e mal-resolvidos e diálogos paupérrimos são alguns dos ingredientes que, uma vez somados, tornam o leitor um sério candidato a uma indigestão e, se houver engajamento barato metido no meio, com possibilidade de pernoite numa UTI hospitalar. As causas principais desse besteirol policial costumam ser duas. A primeira é a influência do cinema norte-americano. Alguns autores estruturam seus livros como se estivessem roteirizando um desses filmes de ação que são exibidos no Supercine, ignorando que receber influências cinematográficas na literatura é uma coisa (pode ser muito boa, inclusive) e escrever um romance com linguagem de roteiro é outra. A segunda causa é a própria idéia que se tem da concepção de um romance no gênero. Já ouvi mais de um autor dizer, na cara dura, que escrever livros policiais é muito fácil: basta pensar num crime no início da trama, na solução do crime no final e, no meio, tudo se resume a uma combinação de sexo, ação, violência, palavrões e "doses de realidade". Agatha Christie, Georges Simenon e Raymond Chandler devem ter convulsões nos seus túmulos quando atrocidades assim são ditas em tom de verdade divina.

Creio que ainda não foi descoberta uma maneira cortês e, ao mesmo tempo, persuasiva de explicar a essas pessoas que a criação de uma boa trama de entretenimento - o que inclui as policiais - é uma estiva. Quando alguém lê um romance desses e se depara com a linguagem direta, o ritmo ágil e os capítulos de estrutura aparentemente simples, em geral não faz idéia do trabalho monumental que foi concebê-lo. Sei de casos de escritores consagrados no gênero que, após um planejamento exaustivo da trama e de uma primeira versão pronta, reescreveram-na cinco, seis, sete vezes, fazendo contínuas revisões e reformulações e submetendo-a a pareceristas profissionais que fizeram sugestões e observações decisivas para o bom acabamento da obra. Essa empreitada pode levar anos consecutivos de trabalho diário, sem férias, sem qualquer glamour. Não é, definitivamente, uma atividade para diletantes ou para aqueles que encaram a escrita como um hobby divertido para as horas vagas. A própria linguagem de um livro desses exige uma atenção especial do escritor. Ela precisa ser muito trabalhada de modo a ser direta e, ao mesmo tempo, conter pelo menos um pouco de profundidade, que é o que se espera de uma obra literária. Complicado, não? Pois é como costumo dizer: escrever difícil é fácil; o difícil é escrever valendo-se de um vocabulário amplo e uma linguagem elaborada, porém de fácil assimilação.

Minha intenção, com este artigo, não é, de modo algum, desestimular os candidatos a escritor ou desqualificar quem quer que seja. É, isso sim, alertá-los para os rigores da atividade literária, inclusive para que, ao escrever, o façam com mais consciência e segurança. Devemos ter em conta que a aparente inocência do mundo da escrita esconde armadilhas, que a muitos passam despercebidas. Identificá-las e manter-se alerta sobre a própria capacidade de abraçar o ofício, sempre desconfiando daquilo que parece muito fácil são passos importantíssimos para se produzir uma obra ficcional consistente e interessante. Não permitam que a vaidade e a ânsia por notoriedade ofusquem o senso crítico comum a todos nós. E reflitam triplamente antes de escrever um conto policial infanto-juvenil.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 13/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da separação e dos desalinhamentos de Ana Elisa Ribeiro
02. A novíssima arquitetura da solidão de Marta Barcellos
03. A cabeça de Steve Jobs de Marcelo Spalding
04. Um lugar para o tempo de Elisa Andrade Buzzo
05. Frases que soubessem tudo sobre mim de Duanne Ribeiro


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
04. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2007
22h11min
Um bom papo regado a petiscos, e literatura como fundo, é um ótimo remédio pra firmamo-nos, na vida útil deste País.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/11/2007
01h46min
Luís Eduardo, bastante pertinente e oportuno este seu texto. Confesso que tenho o desejo de publicar livros, sendo que o primeiro será (tenho que ser positiva!) de crônicas - gênero que exercito semanalmente há três anos. Contos? Escrevi dois ou três. Romance? Quero muito escrever, mas sei que é "pedreira" e ainda há um caminho longo a percorrer.
[Leia outros Comentários de Fátima Nascimento]
19/11/2007
02h56min
Luis, perfeito, sem comentários. Realmente, é preciso uma dose elementar de auto-crítica antes de qualquer pessoa se aventurar pela literatura, principalmente para quem acha que criança e adolescente é besta e que gênero policial é fácil. Desculpe pela gíria, mas você "matou a pau". Um grande abraço...
[Leia outros Comentários de Carla Borges]
19/11/2007
08h31min
Sei bem pela sua trajetória e direção que seus artigos publicados apontam que não há nenhum desejo de assassinar nenhuma vocação, que se fosse tão frágil vocação não seria. Entretanto, existem as criações de caráter amador ou de pretensões menos literárias, que são necessárias em qualquer cena cultural. É preciso desmistificar a trajetória do autor e é igualmente necessário regar alguns novos talentos, talvez carentes de consistência que só o intercâmbio e os exercícios continuados via crítica sejam capazes de maturar. Ainda não li em lugar algum uma receita confiável para produzir escritores, proliferam oficinas literárias, como nunca e poucas obras se destacam no cenário atual. Cada novo livro me parece um dejavu tamanha as redundâncias - ou quem sabe seja a formulação das encomendas de editoras. Quero uma escrita madura, mas que reflita o prazer do autor em apresentar aquela obra e que ela se apresente um tom acima da diversidade, pois é só assim que vejo um diálogo com os clássicos.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
30/11/2007
11h07min
Olá, Luis! É complicado dizer o que é bom ou ruim em um texto literário, pois existem gêneros e, principalmente, "gosto" para tudo. Um romance policial ruim "pra você", pode ser excelente para outra pessoa e tudo depende do ponto de vista de cada um. Você é escritor e já tem um bom grau de conhecimento, mas quem não tem pode se deliciar com uma obra pessimamente estruturada "no seu ponto de vista". Não sei, mas acho que não existem "regras" e, se destacam os que fogem delas, é só rever a história da maioria dos grandes escritores, pois só foram "grandes" porque fugiram das regras. Uma obra sem estrutura pode ser legal, afinal, por que seguir uma estrutura? A liberdade é o princípio para uma boa obra "no meu ponto de vista". Abs
[Leia outros Comentários de Edgar A. Penski]
2/12/2007
20h36min
Que bom te ler. Espero que nunca atinjas a concisão, não que eu não goste dela, mas a tua prosa sem pressa já é tua marca registrada. Concordo, como sempre, com tudo o que escrevestes, fã é mesmo parcial. Saudades.
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
5/12/2007
14h18min
LEM, sinceramente, o que dá pra perceber é que essas tais "regras" só preocupam o mercado editorial, ou seja, a maioria das editoras, quando se trata de autores iniciantes, pois quando se trata de alguém famoso ou “indicado”, publica-se qualquer tranqueira. Por isso também concordo que há uma necessidade do autor usar de autocrítica antes de se aventurar pela literatura, pois isso é óbvio; entretanto, quando se trata de autor iniciante/desconhecido, as editoras dão um jeito de jogar um banho de água gelada em qualquer esperança de publicação, mesmo que a obra seja de boa ou de ótima qualidade. Abs
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
14/12/2007
10h52min
Caro Luís Eduardo, foi muito perspicaz ao encontrar relações entre o futebol (paixão nacional) e a literatura (descaso nacional). A passagem "não confundir com os clichês de linguagem, amplamente utilizados em livros de entretenimento e que, longe de comprometer sua qualidade, são essenciais para imprimir o ritmo necessário ao enredo" foi genial, pois permite que entendamos melhor a diferença entre um bom livro de crime/suspense de um simples best-seller que está na moda. Parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de Norman Lance]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AULAS DE COMUNICAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA 8ª SÉRIE
LUIZ ANTÔNIO
ÁTICA
R$ 12,00



BOLA
THIERRY DES FONTAINES
REPTIL
(2014)
R$ 34,00



A CABEÇA DE RUPERT MURDOCH
PAUL LA MONICA
AGIR
(2009)
R$ 4,25



FUNDAMENTOS DE ÉTICA EMPRESARIAL E ECONÔMICA
MARIA DO CARMO WHITAKER E OUTROS
ATLAS
(2009)
R$ 15,00



HISTÓRIAS...
MILTON BORRELLI
SCORTECCI
(2007)
R$ 7,00



A CAPACITAÇÃO BRASILEIRA PARA A PESQUISA CIENTIFICA E TECNOLÓGICA
SIMON SCHWARTZMAN E OUTROS (VOL 3)
FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
(1996)
R$ 17,28



COMO OBTER OS FINANCIAMENTOS OFICIAIS - 7633
FUAD M. ZORUB
BRASILEIRA DO DESENVOLVIMENTO
(1969)
R$ 10,00



COMECE BEM O SEU DIA
LUZIA SANTIAGO
CANÇÃO NOVA
(2009)
R$ 7,00



A EMPRESA INTELIGENTE
GILBERTO DE ABREU SODRÉ CARVALHO
IMAGO
(2010)
R$ 12,00



SANTA RITA VELHA SAFADA
MOUZAR BENEDITO
SANTA RITA VELHA SAFADA
(1987)
R$ 25,00





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês