O senhor Zimmerman e eu | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/5/2012
O senhor Zimmerman e eu
Luiz Rebinski Junior

+ de 3200 Acessos

Quando soube que o senhor Robert Zimmerman estaria por aqui novamente, fiquei eufórico e logo fui conferir as datas e os locais onde tocaria. Mas o tempo foi passando, passando, os meses chegando e não me cocei pra tentar rever o senhor Zimmerman, já que a província está temporariamente fora do mapa dos gringos que visitam o país. Não vi hotel e não corri pra internet pra tentar comprar o ingresso mais barato no melhor lugar.

Sou um pai de família, não tenho mais saco para isso. Não gosto de sair de casa, não gosto de viajar e não gosto de hotel. Não gosto de fazer e desfazer mala, de usar camisa amarrotada, de economizar meia e não lavar o cabelo quando tenho vontade. Então a chance de eu ver o senhor Robert Zimmerman na minha frente é quase zero. Mas não importa, não sou um cara que cultua ídolos, que em geral são pessoas bem menos geniais que as personas artísticas que encarnam.

Também não esquento muito porque vi o senhor Zimmerman há 15 anos, quando ele esteve no Brasil pela primeira vez. E vou contar uma coisa que talvez pareça uma grande balela para aqueles que não me conhecem e não sabem que eu costumo mentir pouco, muito pouco.

Aconteceu assim:

Eu tinha 15 anos e saí do extremo Sul do Paraná em um ônibus de excursão, com mais dois ou três amigos, rumo a São Paulo. Todo mundo ia com camiseta dos Stones, mas eu ia com apenas um imperativo: ver o senhor Zimmerman tocar aquelas músicas que não eram apenas clássicos do rock, mas sim canções que tinham aura própria, que não eram apenas executadas à exaustão, mas comentadas, discutidas, cada uma com sua própria trajetória, uma história única.

E foi com essa ideia que fiz a viagem de mais de 12 horas até o destino final, a pista de atletismo do parque Ibirapuera, onde os Stones tocariam e o senhor Zimmerman faria um esquenta para "Brown Sugar" e outros hits. Efusivo pela oportunidade de ver o senhor Zimmerman, pulei do ônibus antes do tempo, entrei sozinho no local e assim fiquei por um bom tempo até achar um amigo por acaso no meio da massa. Então, reintegrado aos camaradas, vi a finada Cássia Eller fazer um show inflamado para uma plateia pouco interessada no seu cabelo à época verde e moicano. Foi quando entrou o senhor Zimmerman. É engraçado, mas ele estava vestido exatamente como agora, nas apresentações do último mês: bota, calça social, blazer e um impecável chapéu. Acho mesmo que também era tudo cinza, como agora. Indumentária que servia de uniforme para a banda que o acompanhava. Não sei quem eram os caras de 1998, mas tenho a impressão de que são os mesmos de agora, pelo menos é o que diz minha percepção preguiçosa, que é mais forte do que a vontade de fazer uma pesquisa na internet para informar corretamente aos gatos pingados que vão ler este meu texto. Mas tudo bem, isso aqui não é um texto jornalístico e não preciso falar exatamente a verdade, pode ser algo aproximado, vá lá.

Pouco importa quem era os caras que tocavam com o senhor Zimmerman, pois o senhor Zimmerman faz qualquer um tocar bem ao seu lado. O senhor Zimmerman impõe respeito, afinal é ele quem manda sempre. O senhor Zimmerman não gosta de ensaiar e qualquer um que queira tocar ao seu lado, precisa ensaiar antes, para que consiga acompanhar o senhor Zimmerman quando ele apontar sua guitarra para a direita ou para a esquerda. Não importa a direção, é preciso correr atrás do homem. Pelo menos é essa a minha "tese". Os homens da The band treinaram muito assim, e depois voaram solo, maravilhosamente bem. Mas foi o senhor Zimmerman quem os ensinou a "derrubar a noite".

O fato é que o senhor Zimmerman tocou poucos sucessos naquela noite, não se importando com o fato de que a banda que fungava no seu cangote estivesse vindo com um saco de hits para satisfazer as cabeças que ali estavam. Mas não, o senhor Zimmerman é o anticlímax, e essa é sua marca, desde sempre. Só os desavisados são pegos de surpresa. Aquela era a primeira vez do senhor Zimmerman no país, mas ele não estava disposto a fazer concessões aos anfitriões, foi logo tascando "Silvio", uma música bacana perdida em um álbum fraco. E assim se deu o show, que passou longe de uma tentativa de reviver qualquer coisa. O senhor Zimmerman, diferente de seus admiradores, parece ter pavor ao passado, às velhas canções, apesar de nunca conseguir se livrar delas. Mas ele dá um jeito. É um homem em constante movimento, um insatisfeito por excelência. Por isso nunca apresenta suas músicas conforme as criou. Naquela noite, teve que se render aos Stones fazendo uma cover certinha de sua poderosa "Like a Rolling Stone". Depois vi na TV que sua expressão séria contrastava com a simpatia do senhor Jagger. Parecia um cabo de guerra, não um dueto.

Mas como foi o show, pouco importa. O que estou querendo contar é que logo depois que o senhor Zimmerman saiu de cena, eu também saí. Enfrentava naquele momento um misto de cansaço, ressaca, êxtase e desânimo. Então fui andando a esmo, talvez em busca de uma bebida ou de um banheiro, agora não me recordo. Mas lembro-me que fui andando, contornei a pista, cheguei ao seu ponto mais alto e comecei a descer, em linha reta. Andava de cabeça baixa, contornando as pessoas no caminho. Nas franjas, por onde andava, não havia tanta gente e, aos poucos, o público ia rareando. Os banheiros químicos tinham ficado para trás e eu também já não podia mais ver o palco, apenas a aparelhagem de som que o blindava. Não havia quase nada onde eu estava, apenas uma pequena tenda de circo, com umas poucas pessoas em volta dela. Eu continuei andando, me aproximando da tenda. Não havia cerca nem nada. Alguns homens bebiam e davam risada. Fui chegando e, ao lado de uns caixotes, vi um homem de perfil que olhava concentrado para seu chapéu. Claro, você já deve estar pensando que tive a sorte de encontrar Dylan na coxia. E você acertou: eu, com apenas 15 anos, àquela altura já cansado da minha breve e enfadonha vida de província, encontrei o cara mais genial do rock ali, de bobeira atrás do palco. E ele olhou para mim e simplesmente disse "olá". Eu disse olá também e perguntei se ele ia voltar para o palco com os Stones, como vinha fazendo nos shows pelos Estados Unidos. Ele não tinha a voz gutural dos discos, então deu para ouvi-lo dizer que ia cantar com os Stones, porque era a sua "sina" naquele momento. Nem prestei atenção no que ele disse, se aquilo era uma provocação ou uma crença, apenas concordei. Eu não estava nervoso nem nada, aquilo era uma conversinha mole qualquer, dessas que travamos com um desconhecido em um ponto de ônibus.

E assim foi. De forma natural ele disse que ia cair fora e se foi. Minutos depois, já estava no palco para cumprir sua sina, com o boccudo do senhor Jagger rebolando em sua frente. Não consegui ver direito a cena, pois estava na lateral do palco, em um lugar difícil. Mas escutei tudo.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 9/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol
05. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Luz em agosto - 15/8/2012
03. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
04. O mal de Vila-Matas - 1/8/2012
05. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARTISTAS PINTORES REGIONALISMO VOL 3
CARLOS DEL PULGAR SABIN EDITOR
NOVA GALICIA EDICIONS
(1999)
R$ 150,73



DICIONÁRIO BÁSICO ESCOLAR DE FILOSOFIA - 1ª ED. - MAIS DE 360 VERBETES
MARLY N. PERES
GLOBAL
(2013)
R$ 49,95



SISTEMAS DRENANTES - ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS
JOSÉ CARLOS VERTEMATTI - PAULO ROBERTO AGUIAR
RHODIA
R$ 50,00



O REI DA VELA 1414
OSWALD DE ANDRADE
GLOBO
(2003)
R$ 12,00



MINI DICIONÁRIO PRÁTICO DE ESPANHOL
RAUL MAIA
DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2006)
R$ 10,00



COMO TRABALHAR PARA UM IDIOTA
JOHN HOOVER
FUTURA
(2005)
R$ 5,00



APRENDA DEFINITIVAMENTE 50 PHRASAL VERBS - LIVRO 1
OXFORD UNIVERSITY PRESS
COQUETEL
(2014)
R$ 23,00



IAIÁ GARCIA - OBRA COMPLETAS DE MACHADO DE ASSIS
MACHADO DE ASSIS
MÉRITO
(1961)
R$ 4,00



O PROGRAMA DIVERSIDADE NA UNIVERSIDADE E A CONSTRUÇÃO DE UMA
MARIA LUCIA DE SANTANA BRAGA (ORG)
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(2007)
R$ 28,00



A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
EMMANUEL PASSOS
RIO
(2005)
R$ 21,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês