O mal de Vila-Matas | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Vidas dos Santos - 22 Volumes de Padre Rohrbacher pela Das Américas (1959)
>>> Benetton - A Família, a Empresa e a Marca de Jonathan Mantle pela Nobel (1999)
>>> Mais Semelhante a jesus de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (1994)
>>> Vencendo com Jesus de Alice P. Cavalieri pela Casa Publicadora Brasileira (1997)
>>> Universo de Amor de Irene Pacheco Machado pela Rema (1998)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Perguntas Sobre o Dízimo de Roberto R. Roncarolo pela Divisão Sul-Americana (1984)
>>> Uma Viagem Pessoal pelo Cinema Americano de Martin Scorsese e Michael Henry Wilson pela CosacNaify (2004)
>>> A Grande Guerra pela Civilização - a Conquista do Oriente Médio de Robert Fisk pela Planeta (2007)
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Cultrix/Pensamento
>>> O Amor que Restaura de Dick Winn pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Colosso - Ascensão e Queda do Império Americano de Niall Ferguson pela Planeta (2011)
>>> Venturas e Aventuras de um Pioneiro de Gustavo S. Storch pela Casa Publicadora Brasileira (1982)
>>> Contradigo de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (1999)
>>> Público Cativo de Fabio Cortez pela Oficina (2007)
>>> Andando com Deus Todos os Dias de Moysés S. Nigri pela Casa Publicadora Brasileira (1993)
>>> A Porta do Inferno de Auguste Rodin pela Artmed (2001)
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/8/2012
O mal de Vila-Matas
Luiz Rebinski Junior
+ de 3900 Acessos

Quando este texto estiver disponível, o senhor Enrique Vila-Matas já vai ter voltado para sua terra depois de ter enfeitiçado a plateia brasileira que tirou um bom dinheirinho do bolso e fez vigília na frente do computador para comprar um ingressinho para vê-lo na Flip, a festa mais bacanuda das letras nacionais. Vila-Matas é um bom escritor, mas seus livros o transformaram em algo bem maior. Claro, os romances de Vila-Matas são tão gostosos de ler quanto um romance policial barato, mas com a vantagem que o leitor termina o livro com uma leve sensação de que é uma pessoa inteligente, que acaba de ler um romancista que não é pra qualquer um. Afinal, as histórias que Vila-Matas conta estão recheadas de referências à literatura, autores e livros clássicos. Para entender um dos títulos mais aclamados do catalão, é preciso saber quem foi Melville, o criador de Bartleby, personagem que serve de mote para Bartleby e companhia, romance de Vila-Matas. E assim, nessa toada metalinguística segue a obra do escritor, com livros tão ou mais reverentes à literatura quanto Bartleby e companhia.

Mas o autor, a exemplo de um de seus personagens, parece sofrer do mal de Montano. Obcecado pela literatura e pelo literário, Vila-Matas não consegue se desvencilhar do universo dos livros. No que não está sozinho, pelo contrário. Vila-Matas apenas fez da literatura, como personagem, a marca de sua ficção, mas a tática é tão antiga quanto a própria literatura moderna. É só pensar em Dom Quixote, um livro de cavalaria que tenta sacanear os livros de cavalaria de sua época, mesmo se inspirando neles. E, seguindo os séculos, são incontáveis os livros de ficção que têm a literatura como mote. Recurso - ou seria tendência? - que parece cada vez mais presente na literatura contemporânea.

Claro, posso ser um leitor limitado e azarado, que só lê romances em que há um personagem escritor ou jornalista, ou livros cujo enredo, coincidentemente, é o próprio livro que o narrador escreveu e, também, o livro que o leitor tem em mãos. Ou seja, um tipo de literatura que só olha para dentro. Mas não sei se se trata de falta de imaginação ou comodismo. Sei que o escritor deve sempre falar daquilo que entende, mas a literatura ficaria muito chata se os escritores seguissem apenas esta lógica, pois o que mais entendem, pelo menos na teoria, é de literatura, ainda que eu conheça vários escritores que leem muito pouco, o que é algo estranho.

Mas o fato é que o personagem-escritor parece ter virado uma praga. (Tenho aqui comigo que parte disso se deve aos escritores que deram vida ao mito da escrita espontânea - que Truman Capote dizia ser datilografia e não propriamente literatura). Assim fica difícil sustentar a ficção diante de narrativas tão evidentemente autobiográficas. Mas, claro, a culpa é sempre do leitor, que é preguiçoso e, por conta de seu limitado entendimento sobre os meandros da criação, não consegue dissociar ficção de realidade. O que fica ainda mais confuso se o leitor resolve dar uma escarafunchada na biografia do escritor e descobre que, assim como o personagem do livro, o autor é um boêmio que se considera injustiçado e maldito. Borges, o grande escritor argentino, também sofreu desse mal. Claro, o escritor tem uma obra fantástica, inclusive com incursões pela literatura policial, mas o grosso de sua literatura tem nos livros o assunto principal. Borges era um tarado por livros, escritores e bibliotecas, e revelou todo esse amor em seus contos, mas, ao fazer isso, restringiu sua obra a pessoas como ele.

A literatura é fascinante e um tema inesgotável, mas que também parece ter se transformado em uma muleta para alguns escritores, que só conseguem escrever sobre seus umbigos. Não que eu queira insinuar que Borges e Vila-Matas sejam dois gênios preguiçosos, mas a opção por uma literatura autorreferente pode sugerir, a mentes pouco privilegiadas como a minha, que esses autores estão, em uma escala imaginativa, abaixo de autores que não caíram na tentação de transpor sua experiência literária a uma obra de ficção. Posso estar escrevendo uma grande bobagem, pois deve haver muitos romances brilhantes sobre escritores e livros, talvez até mais do que romances sobre pescadores, alfaiates e fumantes. Mas deve ser sempre mais instigante - e difícil? - para um autor criar algo interessante na pele de um pescador, alfaiate ou fumante do que na de um escritor. Claro, ainda posso estar falando bobagem, mas talvez porque eu mesmo esteja farto de me deparar com personagens que são escritores, professores universitários e críticos. É sempre um tédio, por mais que eu saiba que estou diante de um grande livro. Para mim, literatura sempre foi uma espécie de versão mais bacana da vida, porque, de certo modo, podemos controlá-la, apesar de seu caráter eminentemente libertário. Mas na literatura pode-se tudo, ou quase. Aquele velho chavão da viagem sem destino pelas páginas de um livro, é bastante verdadeiro para mim. Então porque se fixar em um assunto que se basta em si mesmo? Eis a questão.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 1/8/2012

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Luz em agosto - 15/8/2012
03. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
04. O mal de Vila-Matas - 1/8/2012
05. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Pensadores - Maquiavel
Nova Cultural - Capa Dura
Nova Cultural
(1996)



Marco Polo
Paulo Silveira
Ediouro
(1998)



O Sertanejo (1996)
José de Alencar
Atica
(2004)



O Túnel de Letras e o Reino de Pedra
Ernani Ssó
Scipione
(1995)



Simbad
Mauricio de Sousa
Girassol
(2015)



Mar Morto 1980
Jorge Amado
Record
(1980)



Planejamento Estratégico Em Comunicação Empresarial
Sirlei Pitteri
Sts
(2008)



O Cabeleira
Franklin Tavora
Atica
(1981)



Aventuras do Menino Kawã
Elias Yaguakãg
Ftd
(2010)



Reinventando a Liberdade: a Abolição da Escravatura no Brasil
Antonio Torres Montenegro
Moderna
(1989)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês