Recordações de Sucupira | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
>>> Acabou o governo
>>> American women kick ass
>>> As duas oposições
>>> Michelangeli & Bach
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Lançamento de livros em Natal
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Rindo E Refletindo Com A História de Richard Simonetti pela Ceac (2007)
>>> História da Civilização Ocidental - Volume 2 de Edward McNall Burns pela Globo (1989)
>>> História da Civilização Ocidental - Volume 1 de Edward McNall Burns pela Globo (1993)
>>> Estranha Economia de Felipe Barbosa pela Apicuri (2012)
>>> A Inspetora e Uma Grande História de Amor (Série Edi Jovem)) de Santos de Oliveira pela Ediouro (1993)
>>> Herry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> Revisão do paraíso. Os brasileiros e o Estado em 500 anos de História de Mary del Priore. Organização pela Campus (2000)
>>> Polly Pocket: Teste e Truques de Editora Fundamento pela Fundamento (2007)
>>> Fábrica de Poesia de Roseana Murray pela Scipione (2009)
>>> O Outro Nome do Bicho de Chico Homem de Melo pela Scipione (2007)
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1993)
>>> Isso Não É Brinquedo! de Ilan Brenman pela Scipione (2007)
>>> Os senhores dos rios. Amazônia, margens e história de Mary del Priore & Flávio Gomes. Organizadores pela Campus (2003)
>>> O Gato do Mato e o Cachorro do Morro de Ana Maria Machado pela Ática (2007)
>>> A Voz de Deus de Fernando Pessoa pela Proi (1997)
>>> Medidas Desesperadas de David Morrell pela Rocco (1998)
>>> Como Ler os Quatro Evangelhos de Frei Carlo Maria pela Regnum Dei (1987)
>>> O Extraordinário Poder da Intenção de Esther & Jerry Hicks pela Sextante (2008)
>>> Elos do Passado de Wanda A. Canutti pela Eme (2002)
>>> Na Hora do Adeus de Irene Pacheco Machado pela Rema (1997)
>>> Breve história da cartografia. Dos primórdios a Gerardus Mercator de Abílio Castro Gurgel pela BTAcadêmica (2015)
>>> O Gerente Minuto de Kenneth Blanchard e Spencer Johnson pela Record (1981)
>>> A Charada do Sol e da Chuva de Luiz Galdino pela Ática (1996)
>>> Encarcerados de Nércio Antonio Alves pela Rumo (1990)
>>> O Hotel dos Bichos Desamparados de Ricardo L. Hoffmann pela Ftd (1990)
>>> Crescer é Perigoso de Marcia Kupstas pela Moderna (1994)
>>> Stress Você Pode Ser O Próximo Previna-se de João Vilas Boas pela Paradigma (2019)
>>> Criar Abelhas é Lucro Certo de Márcio Infante Vieira pela Nobel (1983)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globo (2008)
>>> Sudário de Turim de Evaldo Alves D'Assumpção pela Loyola (1981)
>>> O Abismo de R. A. Ranieri pela Edifrater (1991)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2004)
>>> Antologia Poética de Mário Quintana pela Globo (2011)
>>> As Três Partes de Edson Luiz Kozminski pela Ática (2009)
>>> Anjos Do Pedaço de Sandra Saruê pela Melhoramentos (2008)
>>> A Dona da Bola e a Dona da História de Heloisa Prieto pela Ática (2009)
>>> Por Trás da Consciência- um Manual de Introdução à Programação Neuro.. de Leonel Telles de Menezes e Christina Ávila de M. pela Record
>>> Hoburaco de Diego Petrarca (org.) pela Liro (2013)
>>> Miscelânia de Opiniões e Sentenças de Nietzsche pela Escala (2007)
>>> A Missão da Unidade - o Debate Entre Evangélicos e Católicos Sobre de Israel Belo de Azevedo pela Missão (1989)
>>> Carnaval da Redentora á Praça do Apocalipse de Roberto M. Moura pela Zahar (1986)
>>> Artrites e Reumatismos- um Guia para Pacientes e Familiares de Carlos Alberto Von Mühlen pela Grupal (2005)
>>> Adivinhe Quem Sou de Megan Maxwell pela Essência (2014)
>>> Pequod de Vitor Ramil pela Artes e Oficios (1995)
>>> O Coelhinho Que Não era de Páscoa de Ruth Rocha pela Atica (2007)
>>> Código Civil Comentado Plt 542 de Ricardo Fiuza pela Saraiva (2012)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho de Mauro Schiavi pela Ltr (2009)
>>> Novo Código Civil de Silvio de Salvo Venosa pela Atlas (2004)
>>> Prêmio Silvio Coelho dos Santos de Monografias de Karla Leandro Rascke e Outros pela Fundação Franklin Cascaes2012 (2012)
>>> A Biologia da Crença: Ciência e Espiritualidade na Mesma Sintonia - O Poder da Consciência Sobre a Matéria e os Milagres de Bruce A. Lipton pela Butterfly (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 12/6/2007
Recordações de Sucupira
Luis Eduardo Matta

+ de 14400 Acessos
+ 12 Comentário(s)

Antes que alguém pense, eu aviso logo: não sou saudosista. Não tenho crises de nostalgia de épocas pretéritas que vivi ou que não vivi, nem acho que o passado era um paraíso em comparação com o presente turbulento, declaração comum em doze de cada dez lamentos das pessoas que dedicam a sua vida a só enxergar as mazelas dos dias atuais. No entanto, isso não me impede de, sim, observar e deplorar a irrefreável rota de decadência que certos setores da sociedade vêm experimentando de uns tempos para cá. E poucos exemplos dessa realidade são mais evidentes do que a programação dos canais privados de TV aberta, hoje atolada numa fossa de mediocridade e baixaria, que só faz piorar cada vez mais.

Já há um bom tempo deixei de acompanhar a grade da TV com regularidade. Nos últimos quinze anos, devo ter assistido a, no máximo, umas cinco ou seis novelas e, mesmo assim, via um capítulo ou dois por semana, quando muito. Nunca me interessei por programas de auditório, não tenho paciência para assistir a filmes na TV, salvo um ou outro, e Big Brother, para mim, ainda é, tão somente, um personagem do livro 1984, de George Orwell. Mas a televisão brasileira nem sempre foi assim. Houve épocas em que ela era boa, muito boa. Os telejornais informavam de fato, em vez de apenas cuspir de qualquer maneira as principais manchetes e as novelas transbordavam de criatividade, com enredos inteligentes, personagens bem construídos, artistas excelentes de forte formação teatral e inovação, algo que quase não se vê mais. Quem viveu a década de 1980 sabe do que eu estou falando e há de concordar comigo. E quem, nos cinco primeiros anos desta década, acompanhou os episódios de O Bem Amado na Rede Globo há de concordar mais ainda.

O Brasil vivia, então, o governo João Figueiredo, o último do regime militar, cujos tempos de chumbo haviam, felizmente, sido sepultados anos antes, durante a administração de seu antecessor, Ernesto Geisel. Era uma época de abertura política, anistia, pluripartidarismo, eleições para governador, prefeito e legislativos, otimismo e euforia com a expectativa da volta da democracia e da entrega do poder aos civis. Havia a possibilidade de que eleições diretas para presidente fossem convocadas em 1984 ou 1985, o que acabou não acontecendo. Ao mesmo tempo, ocorria um abrandamento gradual da censura nos meios de comunicação, o que provocou uma explosão criativa em todos os segmentos das artes e do entretenimento. Inspirado na novela de mesmo nome, exibida em 1973, o seriado O Bem Amado refletia bem essa época. Seu autor, Dias Gomes, além de um exímio escritor e dramaturgo, era um homem culto e muito politizado, além de um observador atento do cotidiano e das idiossincrasias daquele Brasil mais "profundo", o Brasil distante das ruas glamourosas dos bairros nobres do Rio de Janeiro ou de São Paulo. Dias Gomes foi, a meu ver, o melhor autor de novelas que já passou pela nossa televisão e O Bem Amado, sua obra-prima, o auge da teledramaturgia brasileira que, nunca mais, teve uma produção à altura. As únicas que se aproximaram sem, contudo, superá-la foram Roque Santeiro (também de Dias Gomes), em 1985, e Que rei sou eu?, de Cassiano Gabus Mendes, em 1989. Esta última, valendo-se de uma proposta e uma ambientação totalmente distintas (a novela se passava no fictício reino de Avilan, em 1786), também reproduziu a efervescência política daquele ano marcante, em que aconteceriam as primeiras eleições presidenciais diretas em quase trinta anos.

A trama de O Bem Amado se desenrolava em Sucupira, uma fictícia cidadezinha do litoral da Bahia, administrada por Odorico Paraguaçu (assim mesmo, com "ç"), antológica interpretação de Paulo Gracindo. Odorico era um coronel da região, mau caráter, corrupto e demagogo, cujo objetivo prioritário na sua gestão era inaugurar o cemitério municipal. O problema era que ninguém morria em Sucupira e o prefeito começou a fazer de tudo para concretizar a sua meta. Mandou, inclusive, chamar de volta um cangaceiro com fama de matador, Zeca Diabo (Lima Duarte, numa interpretação igualmente antológica), que deixara a cidade anos atrás, para que matasse alguém. Zeca Diabo, porém, era devoto do Padre Cícero e havia feito um juramento a ele de que nunca mais tiraria a vida de uma pessoa. Ele cumpriu sua promessa até o último capítulo da novela, em 1973, quando assassinou a tiros o próprio Odorico dentro da prefeitura. Ironicamente, foi a sepultura do prefeito que acabou inaugurando o cemitério. Anos mais tarde, no episódio de estréia do seriado, Odorico "ressuscitou" de dentro do caixão, numa cena engraçadíssima, e reassumiu o comando da cidade.

Uma das características mais interessantes de O Bem Amado era a ausência de maniqueísmo. Não existiam personagens bons e maus. A impressão era a de que, salvo o padre, a delegada e alguns coadjuvantes, ninguém ali prestava. O núcleo político se dividia em duas partes: situação e oposição. A situação era encabeçada por Odorico e seus aliados: Dirceu Borboleta (Emiliano Queiroz), o seu gago e nervoso secretário e as três irmãs Cajazeiras, interpretadas, na novela, por Ida Gomes (Dorotéia Cajazeira) Dirce Migliaccio (Judicéia "Juju" Cajazeira) e Dorinha Duval (Dulcinéia Cajazeira). Dorinha Duval não participou do seriado, sendo substituída, então, por Kleber Macedo, que viveu a prima Zuzinha, juntando-se às outras duas irmãs. Dorotéia Cajazeira era a principal aliada política de Odorico e líder da sua bancada na Câmara dos Vereadores. A despeito dos bons modos, da elegância e da esmerada cultura, ela era uma das maiores cúmplices das tramóias e negociatas do prefeito. Já a oposição a Odorico era liderada por Lulu Gouveia (Lutero Luiz), um dublê de dentista e vereador, que freqüentemente protagonizava discussões violentas com Dorotéia no plenário da Câmara. Lulu tinha o apoio do jornalista Neco Pedreira (Carlos Eduardo Dolabella), editor de A Trombeta, o principal jornal de Sucupira. A Trombeta vivia denunciando a administração de Odorico que, por sua vez, a acusava de ser uma "gazeta marronzista, calunista, esquerzóide e subversiventa". O fato é que tanto Odorico e seus correligionários, quanto a oposição não valiam um níquel furado. As irmãs Cajazeiras, que posavam de damas corretas e compactuavam com as artimanhas de Odorico, eram de uma hipocrisia hilariante. Já Lulu Gouveia, que se dizia de "esquerda", lutava contra Odorico apenas para tomar o seu lugar na prefeitura. Não era um homem preocupado com o bem do povo e sim um político tão inescrupuloso quanto o prefeito, que também fazia suas armações e traquinagens. Para completar, havia Zeca Diabo, um ex-matador arrependido que, volta e meia, era acometido por ataques de cólera e caía na tentação de atirar em alguém. Chegava a empunhar a arma, enquanto suplicava ao Padre Cícero para contê-lo e, em seguida, mais calmo, voltava atrás e ia correndo à igreja se confessar com o "vigário".

O Bem Amado era ― e ainda é ― um retrato perfeito da política brasileira. Além de ter sido a minha primeira experiência com a teledramaturgia (eu tinha, em 1981, seis anos de idade), o seriado foi, também, o meu primeiro contato com a política. Como ele era transmitido às sextas-feiras, era-me permitido ficar acordado até um pouco mais tarde e além do mais, não havia nenhuma preocupação por parte das famílias sobre o conteúdo da programação das emissoras, pois não existia, naquele tempo, a baixaria e a vulgaridade que imperam hoje. Ou seja, em 1981 uma criança podia assistir a uma novela ou seriado às 22 horas (horário em que, se estou bem lembrado, passava O Bem Amado), sem o menor risco de ter a inocência da sua infância agredida por uma cena mais forte. Hoje em dia, é perigoso até ela assistir a uma novela das sete, que chega a ter cenas mais escabrosas das que eram exibidas nas madrugadas da década de 1980. Creio que qualquer estudo sociológico sobre a degradação da sociedade no Brasil deve passar, obrigatoriamente, por uma análise da programação da TV e sua evolução (ou seria "involução"?) ao longo das últimas décadas. Eu costumava assistir a O Bem Amado com o meu avô Newton e ele ia me explicando os pormenores da trama, associando-os a fatos políticos reais que freqüentavam as manchetes dos jornais brasileiros. Meu avô era um homem sábio, muito honesto e ético e bastante politizado, embora não tivesse apego a nenhuma ideologia. Conviveu durante anos com políticos e conhecia muito bem a podridão que sempre imperou no meio. Ele costumava me repetir uma frase que até hoje me acompanha: "O poder sempre corrompe os idealistas". Algum tempo mais tarde, aos treze anos, depois de começar a estudar história geral na escola e de ler A revolução dos bichos, de George Orwell, essa certeza se enraizou ainda mais em mim, de modo que, desde então, guardo um grande ceticismo em relação à política e desconfio muito dos homens públicos que se dizem "limpos" ou "puros". Afinal, não há como se manter limpo quando se chafurda num lamaçal putrefato como é o caso da política e, mais especificamente, da política brasileira. Os sucessivos escândalos que, semanalmente, estampam as primeiras páginas da nossa imprensa não me deixam mentir.

Mas descontando esses pormenores, a verdade é que O Bem Amado foi um seriado divertidíssimo. Apesar das suas falcatruas, torcíamos o tempo todo por Odorico. Era um personagem altamente carismático, simpático e impagável, sempre com uma idéia mirabolante para pôr em prática, a fim de capitalizar prestígio e votos a seu favor. Odorico gostava de falar difícil, com pompa, e acabou criando variações curiosas de palavras e expressões da língua portuguesa. No dia do seu regresso à prefeitura depois de ressuscitar no cemitério, por exemplo, ele discursou ao povo nas ruas, afirmando, em dado momento, que os seus inimigos "não sabiam que eu, Odorico Paraguaçu, filho de Eleutério e neto de Felinto Paraguaçu, tenho o corpo fechado e lacrado, excetuando os orifícios que a natureza achou por bem deixar em aberto". Num outro discurso, proferido durante a solenidade de inauguração do novo prédio da prefeitura, ele anunciou: "É com a alma lavada nas águas detergentes do dever cumprido e enxaguada no sabão da confiança, que eu declaro inaugurado o Palácio Municipal". Em outra ocasião, ao ser perguntado se contava com a proteção de jagunços, ele respondeu rispidamente: "Não sou, nem nunca fui jaguncista. Tenho somentemente uma guarda pessoal, talqualmente Ronald Reagan, Pinochet e outros estadistas visados pelos inimigos da democracia". Já durante a festa de inauguração de uma bica d'água numa favela de Sucupira, Odorico, empolgado, chegou a citar Castro Alves ao declarar: "Bendito aquele que derrama água, água encanada, e manda o povo tomar banho". Sua expressão mais emblemática, no entanto, era "vamos pôr de lado os entretantos e partir para os finalmentes", sem contar os inúmeros termos que empregava em cada frase, como "talqualmente", "emborasmente", "apenasmente", "deverasmente", "agoramente", "pratrasmente", "prafrentemente", "demagogista", "sem-vergonhista", "safadista", "inescrupulento", "esquerda arruacista", entre muitos outros. Um dos momentos mais memoráveis do seriado talvez tenha sido o discurso, em inglês, que Odorico fez em frente à sede das Nações Unidas, em Nova York, para onde ele e sua comitiva, composta por Dirceu Borboleta, as irmãs Cajazeiras e Zeca Diabo, viajaram às custas dos cofres públicos, com a mirabolante missão de apresentar a candidatura de Sucupira como nova sede da organização:

"Ladies and gentlemen, let's put aside the howevers and go straight to the endlies." (sic!) ("Senhoras e senhores, vamos pôr de lado os entretantos e partir para os finalmentes.")

"I am here to kill the snake and show the stick." ("Estou aqui para matar a cobra e mostrar o pau.")

"Because, with me, is bread bread, cheese cheese." ("Porque comigo é pão pão, queijo queijo.")

Odorico já ia soltando um "Sucupira, awaysly..." ("Sucupira, emborasmente..."), quando foi interrompido pela chegada da missão de um país africano, cujo embaixador tomaria posse na ONU naquele dia. O episódio foi ao ar, se não me engano, em 1982 e é simplesmente imperdível.

Hoje em dia, fala-se numa refilmagem de O Bem Amado, nos moldes do que já aconteceu com outras novelas da época, como Anjo Mau, Pecado Capital e A Escrava Isaura. Os idealizadores da iniciativa devem pensar muito antes de levar o projeto a cabo, por várias razões: a principal delas é o fato de que Dias Gomes e Paulo Gracindo estão mortos, e ambos, penso eu, são insubstituíveis. O primeiro, na redação primorosa e sem igual do texto; e o segundo, na interpretação magistral do protagonista. É impossível pensar em Odorico Paraguaçu sem pensar em Paulo Gracindo. O saudoso e inesquecível ator incorporou o personagem com tamanha perfeição que parecia ter nascido para dar vida a ele na TV. O mesmo se pode dizer de Lima Duarte, como Zeca Diabo; de Emiliano Queiroz, como Dirceu Borboleta; de Ida Gomes, como Dorotéia Cajazeira e de Lutero Luiz, como Lulu Gouveia. Poucas vezes na televisão brasileira um elenco foi tão bem escalado, poucas vezes artistas tão bons estiveram reunidos numa mesma produção, todos com o perfil exato para os papéis que interpretaram. Isso tudo aliado à criatividade, cultura, lucidez e inteligência de Dias Gomes fizeram de O Bem Amado o grande momento da televisão brasileira em todos os tempos. O que a Rede Globo poderia fazer, isso sim, seria lançar uma caixa de DVDs com a novela ou a série (ou ambas). Aliás, não entendo como, até o momento, ela não fez isso, já que inúmeros seriados antigos, nacionais e internacionais, como Malu Mulher e Magnum já se encontram disponíveis em DVD há algum tempo. Além do mais, seria ótimo que as novas gerações, nascidas da década de 1980 em diante, pudessem conhecer O Bem Amado, não somente (ou "não somentemente", como diria Odorico) para ter contato com a melhor dramaturgia, como para, através do microcosmo de Sucupira, enxergar, de forma bem-humorada, as entranhas do Brasil e perceber que a política por aqui nada mudou em todo esse tempo.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 12/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. O chilique do cabeleireiro diante da modelo de Yuri Vieira
05. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal de Ricardo de Mattos


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
04. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2007
06h01min
Luis, adorei o seu texto emocionante. No campo das novelas, sem dúvida nenhuma, Dias Gomes foi o maior dos autores. Teve à sua disposição também atores excelentes. Fico aqui na torcida para o lançamento em DVD do Bem Amado, que eu compraria na hora. A memória televisiva faz parte também da nossa memória cultural... Não quero ser saudosista, pois não acredito em saudosismo. Mas uma tarde em que você assiste ao Bem Amado e depois sai na praça perto de casa para tomar um café com pão de queijo, me parece bem próximo de uma tarde perfeita. Hoje não acredito nem que temos a sofisticação linguística para criar um Bem Amado... Por outro lado, Odorico nunca foi tão atual. Eu lembro que na época as pessoas discutiam as novelas na escola, no trabalho. Hoje em dia, parecem detalhes perdidos no tempo...
[Leia outros Comentários de Ram]
12/6/2007
10h40min
Bela e emocionante análise! Voltei intensamente aos anos 70 e, "talqualmente" você, também assisti a vários episódios acompanhada de meu avô, um homem sábio, sagaz, inteligente, conhecedor de políticos e politicagem. Era delicioso. Por sua semelhança física com Odorico e sua personalidade singular, quase o via como o próprio personagem. Não que meu avô fosse um canalha. Mas era uma raposa, sim, no bom sentido. E também já se foi. Concordo que seria bem mais prudente a Globo lançar DVDs com a série original, para que não corra o risco de ser uma lástima a refilmagem. Odorico Paraguaçu, Zeca Diabo, As irmãs Cajazeiras, Dirceu Borboleta e tantos outros foram perfeitos em seu papel. Seria como refilmar Casablanca, ou Cantando na Chuva. Impraticável!!! Parabéns pelo seu texto. Adorei. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de adriana]
12/6/2007
12h47min
Bah, acertaste na veia neste seu comentário sobre o Bem Amado. Num tempo em que eu também assistia novelas e elas tinham algo a acrescentar...
[Leia outros Comentários de Daniel Oliveira]
12/6/2007
16h10min
Adorei o texto, me fez lembrar da época em que brincavamos na rua sem perigo algum, de empinar pipa, bolinha de gude, rodar pião, amarelinha, carrinho de rolemã, pique esconde, pera, uva, maça, salada mista, sem violência, sem drogas, sem malicia, sem gravidez precoce, aids, etc, ou seja um tempo que infelizmente não volta mais
[Leia outros Comentários de Simone Rubra]
14/6/2007
11h54min
Isso mesmo, Luis. A telenovela, naquele tempo de O Bem Amado, parecia não estar tão comprometida com o merchandising e a estratificação mercadológica, nem com essa superficialíssima abordagem social; não queria "salvar" ninguém, apenas interessava-se por si mesma, pela qualidade do trabalho que fazia. Era tão viva e vibrante, tudo brasileiríssimo! A época foi tão marcante que alguns atores ainda evocam aquelas personas, como Lima Duarte, com seu sotaque engraçadíssimo. E o Dirceu Borboleta, inesquecível. É uma pena que a novela brasileira tenha estagnado à mercê do marketing indireto (e escrachado). Ninguém suporta mais ver isso. Assisti há anos atrás, em entrevista ao Sem Censura, Suzana Vieira e Lima Duarte dizerem que se sentiam envergonhados do seu público, de sempre fazerem o mesmo papel. E Lima Duarte já afirmava: o brasileiro está chorando as mesmas lágrimas há trinta anos. Eu duvido que ainda haja lágrimas para se chorar nas novelas, só se for de desapontamento...
[Leia outros Comentários de Marcia Rocha]
17/6/2007
15h16min
Concordo plenamente, já pensou que delícia seria ao invés de assistir esse monte de lixo que tem aos domingos na tv, pudessemos assistir os dvds de O BEM AMADO? Isso me parece um sonho. Já comentei aquí em casa, já tem mais de ano isso, eles também concordam. Tomara que lancem os dvds, eu os compraria e os guardaria como relíquias (e não os emprestava pra ninguém rsrsrs). Um abraço
[Leia outros Comentários de Rôseni Barbosa Reis]
16/8/2007
17h04min
Pessoal, já escrevi para a Globo perguntando se havia previsão dela lançar o seriado em DVDs? A resposta: NÃO. Peço a todos que desejam, fazerem o mesmo. Escrever, escrever, escrever. Acho que assim eles se sensibilizarão, e verão que não queremos esse "lixo" produzido atualmente... Abraço!
[Leia outros Comentários de José Gallindo Júnior]
31/1/2008
23h14min
Graças ao videocassete e à reprise de alguns seriados na ocasião que a Globo fez 25 anos e na morte de Paulo Gracindo, consegui gravar os que passaram. São mesmo de arrepiar. Lembro que matávamos aulas no colégio para ir para casa assistir o seriado e depois ficar comentando, horas e horas... UMA MARAVILHA. O melhor que a TV nos proporcionou, sem sombra de dúvida: O BEM AMADO.
[Leia outros Comentários de Emanuel Messias]
31/3/2008
22h43min
Excelente o seu texto, Luis Eduardo. Sou um pouco mais velho do que você, e além de me lembrar muito bem da inesquecível série, tive também a oportunidade de curtir outras pérolas da TV brasileira, como a novela Escrava Isaura e o humorístico A Grande Família, com Jorge Dória e Heloísa Mafalda. Acompanhei também as inesquecíveis séries americanas, como Perdidos no Espaço e Jeannie é um Gênio. Mas, como você sabiamente falou, nada se comparou ao "nosso" Bem Amado. As décadas de 70 e 80 foram realmente as décadas de ouro da TV. Quem viu, viu, e quem não viu, torce para que a Globo se sensibilize e comercialize pelo menos alguns destes belos trabalhos tão brilhantemente produzidos. Encerrando, se um dia eu tivesse a oportunidade de dar uma entrevista na querida Rádio Sucupira - a que não erra na mira -, eu diria sem titubear: I loved Sucupira!
[Leia outros Comentários de Carlos Pessoa]
15/7/2008
23h25min
Muito bom seu texto, Luis. Não tive o prazer de assistir a esta série, mas o seu relato descreve episódios com cores tão vivas, que quase é possível ver os atores atuando através do texto, como acontece quando lemos um bom livro. Eu, que não assisti, tenho essa impresão, imagina quem presenciou "ao vivo" a trama. Meu pai, um crítico constante da produção televisiva atual, e saudosista, sempre comenta que essa foi a melhor série que ele assistiu na TV aberta. Tanto que a curiosidade me fez pesquisar o assunto na net. Essa realmente foi uma epóca ímpar na história contemporânea de abertura democrática no Brasil, e acredito que as novas gerações merecem também conhecer um pouco da sopa cultural que moldou o país, até porque o Brasil não mudou tanto assim. Ainda existem muitas Sucupiras, e milhares de Odoricos por aí. Mas, deverasmente, vamos prafrentemente...
[Leia outros Comentários de Junior]
4/7/2012
08h39min
Como poderia muito bem dizer Odorico, "alvísceras"!! "O Bem Amado" será finalmente lançado em DVD, acredito que seja a novela, segundo já saiu na "Folha de São Paulo". Certamente a pessoa que atende as ligações na Globo é que não sabe de nada e tem raiva do que é antigo e valoriza esses lixos recentes...
[Leia outros Comentários de Roberto Siqueira]
14/11/2012
22h21min
Luiz Eduardo Matta, procurei uma informação sobre O Bem Amado (assisti na íntegra, tenho 61 anos)e acabei me defrontando com outro gigante da dramaturgia brasileira: Vossa Senhoria. Copiei seu texto para guardá-lo em minha "caixinha de uso diário". Quero, com ele, encantar pessoas como a mim ele encantou. Sinceramene, seu texto completa a obra primssima de Dias Gomes e elenco do seu O Bem Amado. Estou compensado no dia de hoje por tê-lo encontrado, Sr. Luiz Eduardo Matta... sim senhor, estou compensado.
[Leia outros Comentários de César B. de Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERCEPÇÃO E INFORMAÇÃO
PAUL J. BARBER - DAVID LEGGE
ZAHAR
(1976)
R$ 55,00



A VIDA FORA DA MATÉRIA (COM 70 GRAVURAS EM CORES) - 13ª ED.
CENTRO REDENTOR
CENTRO REDENTOR
(1973)
R$ 42,00



AUGUSTO COMTE E AS ORIGENS DO POSITIVISMO
CRUZ COSTA
COMPANHIA NACIONAL
(1959)
R$ 80,00



DEFICIÊNCIA MENTAL
STANISLAU KRYNSKI
ATHENEU
(1969)
R$ 14,00



MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VOLUME I
J. DAFICO ALVES
NOBEL
(1974)
R$ 20,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
OBJETIVO
R$ 7,00



DICIONÁRIO DO SÉCULO XXI
JACQUES ATTALI
NOTICIAS EDITORIAL
(1999)
R$ 70,77



SEJA VOCE MESMO SEU MELHOR AMIGO
MILDRED NEWMAN EBERNARD BERKOWITZ
JOSÉ OLYMPIO
(1985)
R$ 25,90
+ frete grátis



A CONFISSAO DE LUCIO
MARIO DE SÁ CARNEIRO
ESCALA
R$ 6,00



GUIA PRÁTICO PARA FAZER AS COISAS
CLÁUDIO THEBAS
FORMATO
(2001)
R$ 4,50





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês