De tinta e fio é feito o homem | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/3/2013
De tinta e fio é feito o homem
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3500 Acessos


ilustra: Renato Lima

Muito tempo passamos em frente àquela tapeçaria. Muito tempo, até as pernas bambearem, estamos fracos, esta é a verdade, embora as condições naquele lugar pareçam ótimas, ar condicionado, iluminação, museologia adequadas. A respiração é ofegante, ou são os músculos que enrijecem, ficando quase impossível sair do lugar? A cada dia, fraquejamos mais, ainda que lá estivéssemos, e como poderíamos estar em outro lugar, fazendo parte de um outro contexto histórico-cultural, em outro tempo, sob o signo do fogo, num arredor mais viçoso de natureza.

Na porção superior desta tapeçaria de Tom Phillips, chamada "Concerto Grosso", lá está uma mancha amarronzada, algo que se assemelha a um javali, a uma pintura rupestre. A impressão que dá é a de que do miolo multicolorido e caótico das notas musicais da tapeçaria (que bem lembram as linhas emaranhadas e os motivos abstratos de certas pinturas pré-históricas) se eleva, ou melhor, se retrai em segundo plano uma base aquosa de "rabiscos iniciais" dos primórdios da humanidade.

No espaço em que estamos, a surpreendente exposição da portuguesa Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, na Fiesp, caverna recoberta pelo homem, museu inventado, tudo parece tão sólido e constituído na linha evolutiva... Deparamo-nos com a contemporaneidade de algumas tapeçarias, sua reinvenção além do decorativo, e ao mesmo tempo estamos habitando um espaço que se formou, que foi se refinando, por que não, a partir das primeira representações. Estamos, de fato, dentro do "Concerto Grosso".

Impressões e interpretações porque sempre gostei da Arte Rupestre e me senti afetada ao assistir no Cinesesc, poucos dias antes de me deparar com este "Concerto grosso" que me encantou, ao documentário em 3D Caverna dos sonhos esquecidos (2010), de Werner Herzog. A impressionante caverna de Chauvet como um museu perdido no tempo e guardado a sete chaves para se preservar para o futuro, para sempre, mapeada de todas as formas, com as impressionantes pinturas de bois, rinocerontes, leões, cavalos, ursos, os esqueletos de urso espalhados pelo chão, e a passarela de metal, o acesso restrito a este tesouro da humanidade, pois é o cerne do que somos.

A vida antes da escrita é fascinante. A comunicação através da arte. Já haveria a inclinação de deixar algo para a posteridade? Acaso este conceito existiria? O desejo de representar o mundo, a interação diferenciada com o meio ambiente, a construções de símbolos? Eles, estes seres de Chauvet, são os primeiros que conhecemos a ser... mais ou menos como somos primordialmente. Toda vez que somos, a eles nos remetemos. Ou então, já bambos como estávamos, sob o peso de milhares de anos de civilização, emaranhados no intrincamento de situações do concerto de Phillips, mas completamente imbuídos dos primeiros passos, lá de trás.

Somos meros esqueletos com carne, mas com uma substância fundamental (o segundo plano) que nos faz querer, em vão, chorar, sentir, amar. Representar. Como sugerem movimento aquelas pinturas, os olhos vivos dos cavalos, o leão e a leoa unidos. Um dia tudo aquilo existiu, alguém observou e quis registrar, seja para qual for o intento, em tantos traços, erros e acertos. Eram assim estes homens iniciais, que herança nos deram? A própria essência de ser. A cada início, mais um homem se inaugura. A tradição da tapeçaria continua em grande estilo na Europa. E, assim, a roda da humanidade continua, persiste. Não bastou Chauvet, Lascaux, Altamira, Serra da Capivara. O homem continua, vai em frente, retrocede, continua.

Sentimo-nos dispostos a fazer tudo de novo, a incorrer nos mesmos erros, a sermos ridículos no amor e na dor; e a termos feito pinturas em cavernas, traços em folhas, representar o mundo, enfeitiçar o mundo para que ele nos facilite a caça, manipular a fertilidade da mulher, incutir a palma da mão talvez como assinatura e marca registrada. Da tinta e do fio se faz o homem e todas as coisas. Tudo já estava lá atrás, sendo forjado e traçado ao calor de tocha. O básico do nosso agora estava sendo constituído, como somos, como humanidade, como seríamos feitos, em linhas e fios, gerais e entrelaçados.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 14/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um mês depois de Julio Daio Borges
02. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior de Ricardo de Mattos
03. Dooois ou um? de Adriane Pasa
04. Exceção e regra de Eduardo Mineo
05. Os Vingadores versus... Collin Powell de Lisandro Gaertner


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2013
01. Reflexões de um desempregado - 11/4/2013
02. A Casa de Ramos - 31/1/2013
03. Tempo de nebulosas - 31/10/2013
04. A cidade do improvável - 16/5/2013
05. De tinta e fio é feito o homem - 14/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viúva por um Ano
John Irving
Record
(2000)



A força eterna do amor
Robson Pinheiro
Casa dos Espíritos
(2009)



Crônicas Despaginadas (lacrado)
Eloi de Souza Garcia
Interciência
(2005)



The Astrologers Handbook
Frances Sakoian e Louis S. Acker
Perennial
(1993)



Contra o financismo
Felipe Miranda
São Paulo
(2016)



Os Sapatinhos Vermelhos
Joanne Harris
Rocco
(2007)



Gracias! 1
Maria Carmen Garcia Olivia
Sm
(2011)



A Estrada para Fornovo: a Feb, Outros Exércitos e Outras Guerras
Fernando Lourenço Fernandes
Biblioteca do Exército
(2011)



Garota Pop. Com
Carolina Estrella
Planeta Jovem
(2013)



X-men 4 - Super Heróis Premium
Marvel Comics
Abril
(2000)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês