De tinta e fio é feito o homem | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/3/2013
De tinta e fio é feito o homem
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3100 Acessos


ilustra: Renato Lima

Muito tempo passamos em frente àquela tapeçaria. Muito tempo, até as pernas bambearem, estamos fracos, esta é a verdade, embora as condições naquele lugar pareçam ótimas, ar condicionado, iluminação, museologia adequadas. A respiração é ofegante, ou são os músculos que enrijecem, ficando quase impossível sair do lugar? A cada dia, fraquejamos mais, ainda que lá estivéssemos, e como poderíamos estar em outro lugar, fazendo parte de um outro contexto histórico-cultural, em outro tempo, sob o signo do fogo, num arredor mais viçoso de natureza.

Na porção superior desta tapeçaria de Tom Phillips, chamada "Concerto Grosso", lá está uma mancha amarronzada, algo que se assemelha a um javali, a uma pintura rupestre. A impressão que dá é a de que do miolo multicolorido e caótico das notas musicais da tapeçaria (que bem lembram as linhas emaranhadas e os motivos abstratos de certas pinturas pré-históricas) se eleva, ou melhor, se retrai em segundo plano uma base aquosa de "rabiscos iniciais" dos primórdios da humanidade.

No espaço em que estamos, a surpreendente exposição da portuguesa Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, na Fiesp, caverna recoberta pelo homem, museu inventado, tudo parece tão sólido e constituído na linha evolutiva... Deparamo-nos com a contemporaneidade de algumas tapeçarias, sua reinvenção além do decorativo, e ao mesmo tempo estamos habitando um espaço que se formou, que foi se refinando, por que não, a partir das primeira representações. Estamos, de fato, dentro do "Concerto Grosso".

Impressões e interpretações porque sempre gostei da Arte Rupestre e me senti afetada ao assistir no Cinesesc, poucos dias antes de me deparar com este "Concerto grosso" que me encantou, ao documentário em 3D Caverna dos sonhos esquecidos (2010), de Werner Herzog. A impressionante caverna de Chauvet como um museu perdido no tempo e guardado a sete chaves para se preservar para o futuro, para sempre, mapeada de todas as formas, com as impressionantes pinturas de bois, rinocerontes, leões, cavalos, ursos, os esqueletos de urso espalhados pelo chão, e a passarela de metal, o acesso restrito a este tesouro da humanidade, pois é o cerne do que somos.

A vida antes da escrita é fascinante. A comunicação através da arte. Já haveria a inclinação de deixar algo para a posteridade? Acaso este conceito existiria? O desejo de representar o mundo, a interação diferenciada com o meio ambiente, a construções de símbolos? Eles, estes seres de Chauvet, são os primeiros que conhecemos a ser... mais ou menos como somos primordialmente. Toda vez que somos, a eles nos remetemos. Ou então, já bambos como estávamos, sob o peso de milhares de anos de civilização, emaranhados no intrincamento de situações do concerto de Phillips, mas completamente imbuídos dos primeiros passos, lá de trás.

Somos meros esqueletos com carne, mas com uma substância fundamental (o segundo plano) que nos faz querer, em vão, chorar, sentir, amar. Representar. Como sugerem movimento aquelas pinturas, os olhos vivos dos cavalos, o leão e a leoa unidos. Um dia tudo aquilo existiu, alguém observou e quis registrar, seja para qual for o intento, em tantos traços, erros e acertos. Eram assim estes homens iniciais, que herança nos deram? A própria essência de ser. A cada início, mais um homem se inaugura. A tradição da tapeçaria continua em grande estilo na Europa. E, assim, a roda da humanidade continua, persiste. Não bastou Chauvet, Lascaux, Altamira, Serra da Capivara. O homem continua, vai em frente, retrocede, continua.

Sentimo-nos dispostos a fazer tudo de novo, a incorrer nos mesmos erros, a sermos ridículos no amor e na dor; e a termos feito pinturas em cavernas, traços em folhas, representar o mundo, enfeitiçar o mundo para que ele nos facilite a caça, manipular a fertilidade da mulher, incutir a palma da mão talvez como assinatura e marca registrada. Da tinta e do fio se faz o homem e todas as coisas. Tudo já estava lá atrás, sendo forjado e traçado ao calor de tocha. O básico do nosso agora estava sendo constituído, como somos, como humanidade, como seríamos feitos, em linhas e fios, gerais e entrelaçados.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 14/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
03. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
04. Geração Coca Zero de Marcelo Spalding
05. Sombras Persas (V) de Arcano9


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2013
01. Reflexões de um desempregado - 11/4/2013
02. A Casa de Ramos - 31/1/2013
03. Tempo de nebulosas - 31/10/2013
04. A cidade do improvável - 16/5/2013
05. De tinta e fio é feito o homem - 14/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TEMPLARIOS - IRMÃOS EM CAVALARIA
FREDERICK SMYTH
MADRAS
(1991)
R$ 29,00



A TÉCNICA DA REDAÇÃO JURÍDICA OU A ARTE DE CONVENCER
VICENTE DE PAULO SARAIVA
CONSULEX
(2002)
R$ 14,00



BOM-CRIOULO
ADOLFO CAMINHA
ÁTICA
(1999)
R$ 20,00



PENSAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO Á BASE DE CARNE E A PAZ MUNDIAL I - 1ª ED.
SEICHO-NO-IE
SEICHO-NO-IE
(2014)
R$ 10,99



MÃE E MESTRA
MARIA PIA GIUDICI
MONTE ESTORIL
(1964)
R$ 6,90



O CÉU É UM ESPELHO LÁ LONGE
GUILHERME FIGUEIREDO
ATUAL
(1988)
R$ 10,00



O DESENVOLVIMENTO DOS POVOS - CARTA ENCÍCLICA POPULORUM PROGRESSIO
PAULO VI
VOZES
(1968)
R$ 5,00



PRETÉRITO IMPERFEITO
AFONSO FELIX DE SOUSA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 7,90



ROBINSON CRUSOÉ
DEFOE, DANIEL
GARNIER - ITATIAIA
(2007)
R$ 15,00



PARA EMERGIR NASCEMOS &ESTUDOS EM REMEMORAÇÃO DE JORGE DE SENA
FRANCISCO COTA FAGUNDES E PAULA GÂNDARA
SALAMANDRA
(2000)
R$ 61,41





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês