Há algo de novo nos prêmios da Academia | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/3/2006
Há algo de novo nos prêmios da Academia
Daniela Castilho

+ de 3200 Acessos

O Oscar vem deixando de ser apenas mais uma premiação de cinema e se tornando cada vez mais um prêmio político - e previsível. As nomeações e premiações têm acompanhado o Golden Globe sempre de perto: muitos dos indicados são os mesmos, muitos dos premiados são os mesmos. A cada ano, os prêmios parecem ser mais e mais "politicamente" distribuídos para agradar à platéia e aos próprios membros da Academia. Não foi à toa que George Clooney, primeiro premiado da noite como ator coadjuvante em Syryana, subiu ao palco, pegou sua estatueta e soltou "isso significa que eu não ganhei como diretor". Todo mundo já conhece as regras do jogo. Não há surpresas.

Na categoria de melhor filme ganhou Crash e não os cowboys gays de Brokeback Mountain. Brokeback Mountain levou o Golden Globe e o Independent Spirit Awards (ISA). Talvez Crash tenha vencido não apenas por ser um belíssimo filme, mas pela temática complexa envolvendo intolerância e preconceito. Crash, basicamente, mostra uma panela de pressão social prestes a explodir da pior maneira possível - e a Academia reconheceu o problema, preferindo esse tema mais amplo aos dramas amorosos e existenciais dos cowboys gays. O tema homossexual tem levado prêmios nos últimos anos - na cerimônia do Golden Globe, o elenco de Will and Grace até fez uma piada sobre isso, dando como fórmula certa de sucesso a presença de gays na história - e talvez esse fator também tenha influenciado na decisão. Ang Lee estava surpreso de seu filme levar prêmio de direção e não levar melhor filme, mas a Academia procurou equilibrar os prêmios entre os dois filmes: cada um levou um prêmio de roteiro, Crash ganhou de montagem e Brokeback Mountain de trilha sonora. Tecnicamente, a Academia empatou os dois filmes.

Ainda na linha do politicamente correto, o prêmio de melhor canção original foi para It's Hard Out Here For a Pimp, literalmente, "o mundo aí fora é duro para um cafetão", a canção tema do filme Hustle & Flow que conta a história de um negro que é cafetão mas quer ser cantor de rap. Será que só eu vi que esse prêmio, ao contrário de ser uma espécie de "correção política" com negros - normalmente ignorados ou paternalizados pela Academia - tem uma ligeira provocação? Corrijam-me se eu estiver errada, mas por que os negros ganharam um prêmio secundário - melhor canção faz parte do pacote de prêmios técnicos que a Academia usa como "prêmio de consolação" para premiar os filmes que não recebem os prêmios principais - com um filme com essa temática? Falta de filmes "negros" melhores? Onde anda Spike Lee? Em Hollywood, até hoje, os negros - e também os latinos - continuam aparecendo na tela como empregados, bandidos, viciados, traficantes, objeto sexual (vejam Catwoman com Halle Berry) e não em "papéis regulares" - todos sempre dados a atores brancos. O apartheid cinematográfico hollywoodiano mudou muito pouco em quase 100 anos de cinema. O prêmio para Hustle & Flow colide de frente com o prêmio de melhor filme que Crash recebeu. Se por um lado, a Academia reconhece os muitos problemas urbanos de conflitos raciais e intolerância, por outro lado, premia um filme onde o negro continua ocupando o papel social que os brancos lhe permitem ocupar: cafetão e cantor de rap. Dá-lhe pão e circo.

Felicity Huffman levou o Golden Globe e o ISA e Reese Witherspoon levou o Golden Globe (o prêmio tem categorias separadas para "drama" e "comédia" e assim, premiou as duas) e o Oscar. Novamente, apesar do brilhante trabalho de interpretação de Felicity, no papel de um homem transexual, eu me pergunto até onde ela foi ou não foi premiada por uma questão política, justamente por causa do personagem. Reese interpretando a esposa de Johnny Cash é muito mais palatável para a Academia - e para a audiência. Laura Jean Reese Witherspoon - seu nome completo - é a americana girl next door, "a vizinha da casa ao lado" no subúrbio de casinhas com gramado e cercas brancas, caucasiana, loira, bonita, saudável, sorridente. Um role model para todas as garotas americanas. Os pais da América devem ter babado de orgulho com o prêmio. É uma pena, porque Walk the Line tem uma linda história real atrás do filme. Johnny Cash e June Carter Cash viveram um romance pela vida toda, foram dois talentos imensos, escolheram quem seriam os atores protagonistas do filme e acompanharam as filmagens até falecerem, pouco depois de iniciada a produção do filme. June faleceu em 15 de maio de 2003, após uma cirurgia de coração e Johnny em 12 de setembro de 2003, de complicações de diabetes. Meses antes de June falecer, Johnny havia gravado uma versão da música Hurt de Trent Reznor (NIN) e feito um videoclip com Mark Romanek (responsável por vários clipes do NIN e os mais belos clipes de Madonna). O videoclip é maravilhoso, mostra Johnny e June em sua casa, cercados por objetos e fotografias de suas vidas e o refrão da letra canta: "What have I become?/ My sweetest friend/ Everyone I know/ Goes away in the end". O vídeo recebeu um Grammy. O impacto da música e do vídeo foram tão grandes que Reznor passou a se referir à canção como "a música que não é mais minha".

O argentino Gustavo Santaolalla levou o Oscar de melhor música original escrita para um filme, o que me pareceu mais uma espécie de "ajuste de contas" da Academia, uma vez que, com Diários de Motocicleta ele levou o prêmio (junto com Jorge Drexler), mas não lhe permitiram cantar a música na festa. É mais um statement dizendo "olha, nós reconhecemos que você é bom, desculpe qualquer coisa".

Philip Seymour Hoffman levou o Golden Globe, o ISA e o Oscar por Capote. É um grande ator, merece reconhecimento, pena que não tenha sido indicado ou vencido anteriormente por filmes magníficos como Magnolia, Punch Drunk Love, Almost Famous, Boogie Nights e Love Liza. Em todos esses filmes suas performances foram muito mais brilhantes e memoráveis do que o caricato Capote. Mas eu ando com a impressão de que um ator, para ganhar um prêmio da Academia, desde 2000, precisa estar mesmo caricato, usando toneladas de maquiagem, travestido, ou ainda, interpretando outra pessoa famosa ou a vítima de uma desgraça. Em 2001 foi o ano do "acerto de contas com os negros": Denzel Washington e Halle Berry levaram o prêmio. Depois disso, Charlize Theron e Nicole Kidman foram premiadas quando disfarçadas de mulheres feias, Jamie Foxx ganhou intrepretando Ray Charles, Hilary Swank ganhou duas vezes, uma travestida de homem e a segunda, como uma boxeadora que se torna tetraplégica, Adrien Brody como um pianista judeu e Sean Penn como o mafioso cuja filha morre. Sem tirar o mérito de nenhum deles - menos de Nicole Kidman, que, como todos sabem, eu penso que possui a dramaticidade de um legume - eu fico desconfiada com os critérios da Academia. Nos mesmos anos, os demais concorrentes ao prêmio eram igualmente brilhantes e vários deles deveriam ter levado: eu preferia que Ed Harris tivesse levado por Pollock, Julianne Moore tivesse levado por End of Affair, Renée Zellweger por Chicago, Tom Cruise levasse por Magnolia, só para citar alguns exemplos.

Tim Burton concorreu em categorias técnicas com a A Fantástica Fábrica de Chocolates e com a Noiva Cadáver e não levou nada. Quem levou foi Wallace & Gromit, com o comentário de que eles mereciam mais porque tinham perdido o estúdio inteiro em um incêndio - é possível mesmo que tenham levado o prêmio por essa razão, a Academia faz essas coisas. Tecnicamente, os dois desenhos possuem a mesma competência e Hayao Miyazaki já tinha levado um Oscar com Chihiro.

George Lucas está em franca decadência com a Academia. Não apenas não foi indicado como perdeu na única indicação: Episódio 3 só recebeu nomeação para melhor maquiagem mas As Crônicas de Nárnia levou o prêmio. A turma de Peter Jackson em King Kong foi indicada para 4 prêmios e levou 3 - é a mesma turma do oscarizado Senhor dos Anéis. A Industrial Light and Magic já foi indicada dúzias de vezes desde sua criação, no total, mais de 100 pessoas que trabalham ou trabalharam para a ILM já levaram a estatueta em diversas categorias associadas à área técnica. Lucas foi indicado duas vezes ao Oscar de melhor diretor, não levou mas já recebeu um "Irving G. Thalberg Memorial Award" por ter sido um talento precoce - talvez não receba mais prêmios, até o ponto que a Academia considere que está velho o suficiente para ganhar um prêmio de mérito, como o que Robert Altman recebeu. Altman fez um delicioso discurso de agradecimento, onde contou que recebeu o transplante de coração de uma jovem de 30 anos de idade e que, por isso, ninguém espere que ele vá morrer logo, não.

Ang Lee levou os três prêmios de melhor diretor: O Golden Globe, o ISA e o Oscar. Teve gente que reclamou que Ang Lee agora é establishment, então, a premiação não vale. Vamos a um reality check: Ang Lee é chinês de Taiwan e aparece nomeado ou premiado com os filmes que fez em terras hollywoodianas ou em co-produção com Hollywood - nenhum dos filmes dele que já foram nomeados ou ganharam Oscars são 100% produção chinesa. Lee é o primeiro asiático a receber um Oscar de melhor diretor, é fato, mas o Oscar é um prêmio estadunidense para filmes estadunidenses. Memórias de uma Gueixa, por exemplo, não é um filme chinês ou japonês, só o tema é que é, é um filme 100% estadunidense com direito a trilha de John Williams (que, por sinal, foi indicado ao Oscar mas não levou). Aliás, mais um reality check para quem "vibrou" com o fato de Rachel Weisz ganhar o Oscar de melhor atriz coadjuvante por The Constant Gardener: o diretor e o cinematógrafo são brasileiros, mas o filme é uma co-produção inglesa/alemã. O prêmio não é "nosso", como já vi algumas pessoas comentarem. É deles, bem deles. O Jardineiro Fiel faturou alguns prêmios bem mais interessantes que o Oscar.

Ao menos, não estamos sozinhos nesses surtos patrióticos movidos pelo prêmio estadunidense: o presidente de Taiwan soltou um comunicado oficial dizendo que "Ang Lee é a glória de Taiwan e estamos muito orgulhosos dele". O reality check de Taiwan aparece na continuação da nota: "Nossas maiores felicitações para Ang Lee por ter injetado vitalidade aos diretores taiuaneses e contribuir grandemente para a indústria cinematográfica mundial". Sim, esse é o feito: abrir caminho para que o talento de diretores de outras nacionalidades que não a estadunidense seja premiado com o prêmio estadunidense, abrir espaço no mercado de cinema estadunidense para os não-estadunidenses. A importância mundial dada ao Oscar reflete uma realidade sócio-econômica que ultrapassa a indústria cinematográfica e que fez com que o Oscar não seja mais um prêmio puramente cinematográfico. Todos queremos que a maior potência mundial - perigosa, que joga bombas nos países dos quais não gosta - reconheça o talento dos cineastas de outras nacionalidades e abra mercado para os outros países em sua eficiente indústria cinematográfica.

Nota do Editor
Daniela Castilho (aka DaniCast) é Diretora de Arte e assina o blog MadTeaParty.


Daniela Castilho
São Paulo, 13/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
04. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
05. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2006
01. Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro - 27/3/2006
02. Orkut, um sonho impossível? - 7/2/2006
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo - 10/4/2006
04. Mas afinal, o que é podcasting? - 29/8/2006
05. A difícil arte de fazer arte - 27/10/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIP WANESSA CAMARGO Nº 201
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2002)
R$ 8,00



COMENTÁRIOS AO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - VOL. I - ARTS. 1 A 153
CELSO AGRÍCOLA BARBI
FORENSE
(2008)
R$ 80,00



A ARTE DE VENDER IMÓVEIS
ANGELO MARTINS
NÃO CONSTA
R$ 18,00



CURSO DE PROCESSO PENAL VOLS. 1, 2, 3 E 4
HERÁCLITO ANTÔNIO MOSSIN
ATLAS (SP)
(1998)
R$ 19,82



CONVERGÊNCIAS PORTUGUÊS 9º
PASSOS, DANIELA OLIVEIRA
SM
(2016)
R$ 25,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE SETEMBRTO DE 1962
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1962)
R$ 7,00



DANIEL MARTIN
JOHN FOWLES
NEW AMERICAN LIBRARY
(1977)
R$ 8,38



OS CONSTRUTORES DO MUNDO - BALZAC; DICKENS... - CAPA DURA VERDE
STEFAN ZWEIG
GUANABARA
R$ 13,00



MODERNA PLUS QUÍMICA 1 QUÍMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO
FRANCISCO MIRAGAIA PERUZZO / EDUARDO LEITE DO CANT
MODERNA
(2015)
R$ 9,00



SINOPSES JURIDICAS -DIREITO OBRIGAÇÕES PARTE GERAL
CARLOS ROBERTO GONÇALVES
SARAIVA
(1999)
R$ 10,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês