Hamburgo: a bela do norte | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 31/1/2006
Hamburgo: a bela do norte
Luis Eduardo Matta

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A primeira vez no exterior a gente nunca esquece. A minha aconteceu alguns anos atrás. Lembro-me como se fosse ontem daquele dia 14 de agosto quando, após longas horas de vôo e uma conexão problemática em Paris, que quase leva minhas malas embora, finalmente desembarquei, sob um calor inacreditável de 33 graus, em solo europeu. Lá estava eu, em Hamburgo, na Alemanha, para a minha primeira temporada fora do Brasil.

Imagino que muita gente, algum dia, tenha fantasiado sobre as circunstâncias de uma eventual primeira ida à Europa. A estação mais apropriada, que cidades visitaria, que tipo de programação faria, que clima encontraria. Durante anos, isso também aconteceu comigo. Eu, volta e meia, me imaginava chegando à Europa, para um périplo cultural e gastronômico que, naturalmente, abarcaria os grandes centros, aqueles mais consagrados junto a qualquer turista de primeira viagem que se preze: Londres, Paris, Roma, Madri... Gosto de viajar, mas me incomodam tremendamente todos os trâmites burocráticos relacionados a viagens, desde a aquisição de passagens até, pesadelo dos pesadelos, a arrumação da bagagem e o seu transporte. Talvez por isso eu tenha adiado tanto a minha primeira ida ao exterior, cujo destino, acabou sendo, justamente a Europa. No entanto, contrariando todos os planos que eu havia traçado por anos, em vez de inaugurar o velho continente por uma das suas famosas cidades, fui parar, por obra do destino, num lugar onde eu jamais havia imaginado colocar os pés. Eu não tinha a menor idéia de como era Hamburgo quando lá cheguei naquele hoje distante mês de agosto. E poder conhecê-la na prática, sem o auxílio prévio de nenhum guia turístico, foi uma das experiências mais vívidas e notáveis pelas quais passei até hoje. Nunca mais, em nenhuma outra viagem, eu pude experimentar sensações e descobertas similares às daquela primeira visita à Alemanha.

Hamburgo fica no norte da Europa, uma zona predominantemente fria. E, naturalmente, por conta disso, os 33 graus que me saudaram na chegada logo arrefeceram para uma média agradável que variava entre 18 e 22 graus, temperaturas típicas do verão naquelas altas latitudes. Fiquei hospedado num apartamento confortável, numa rua densamente arborizada que margeava um canal repleto de cisnes, chamada Salomon Heine Weg, a menos de dois minutos a pé da movimentada Eppendorfer Landstrasse, uma das principais artérias comerciais da região a oeste do Alster. Toda essa área da cidade é pontilhada por amplos parques, cortados por rios e canais e, no verão, as árvores no auge da sua folhagem verde, cobrem as ruas, fazendo-as parecer jardins. A brisa é constante e tem-se a sensação de se estar a dois passos de alguma praia. Eu saía todos os dias a pé e, após passear pela região de Eppendorf, acabava quase sempre tomando o metrô na Kellinghusenstrasse ou na Klosterstern em direção à Stephansplatz ou à Jungfernstieg, no centro da cidade, para tardes memoráveis, em que o prazer maior, era vagar sem rumo pelas ruas, entrar nas lojas e nas galerias e tomar um cappuccino num dos inúmeros cafés espalhados por toda parte. Dessa maneira fui descobrindo uma Hamburgo belíssima, apaziguadora, cordial, simpática e acolhedora, uma cidade aristocrática, elegante e pragmática, mas que tinha sempre um sorriso ou uma gentileza reservados sob medida, contrariando toda a crença que se tem em relação ao humor e à receptividade dos alemães, que a despeito das minhas expectativas iniciais, revelaram-se um povo afável, alegre e extremamente hospitaleiro.

Erguida no estuário do rio Elba, relativamente próxima aos mares do Norte e Báltico, Hamburgo é cortada por uma grande quantidade de canais com cerca de 2.300 pontes, mais do que Veneza e Amsterdã juntas. Com pouco menos de dois milhões de habitantes, é o segundo maior centro urbano da Alemanha, tendo sido o maior da antiga Alemanha Ocidental. Seu porto é um dos maiores e mais importantes do planeta e atraiu para a cidade, sedes e grandes escritórios das principais companhias armadoras e de navegação internacionais, transformando Hamburgo numa espécie de Wall Street do comércio marítimo. Graças às minhas temporadas na cidade, pude visitar demoradamente algumas dessas empresas, o que me rendeu farto material para o meu romance 120 Horas que tem, entre os cenários, justamente uma companhia armadora, baseada na Europa e no Oriente Médio. Também a agitada vida noturna na cidade é reconhecida como uma das melhores da Europa. Em torno da famosa Reeperbahn, a noite ferve nos teatros, casas de espetáculos, bares e também nas dezenas de prostíbulos, sex shops e casas de strip tease, sem contar a impressionante concentração de prostitutas nas calçadas, que fazem as mais concorridas zonas de prostituição brasileiras parecerem conventos semi-habitados por noviças castas.

Minhas recordações de Hamburgo são as melhores possíveis e elas parecem inesgotáveis. Para mim, Hamburgo era o fim de tarde no Café Fleuron, na Kaufmannshaus, onde, sob a luz suave que penetrava pelas clarabóias, era possível apreciar um café com creme e um suco de laranja e depois sair para visitar a galeria de arte que ficava ao lado. Hamburgo era o sommelier australiano do supermercado do subsolo da Karstadt, em Eppendorf, que, ao me ver descendo a escada rolante, sempre me saudava efusivamente, convidando-me, imediatamente, para degustar, de graça, alguns vinhos excelentes; a maioria, é claro, da terra dele. Hamburgo era os quiosques de salsicha na Mönckebergstrasse, onde duas bratwurst thüringer e um copo de refrigerante substituíam com perfeição um almoço farto. Hamburgo era o parque coberto por árvores frondosas ao longo da margem ocidental do lago Aussenalster, que por várias vezes utilizei para ir a pé até o centro em caminhadas inesquecíveis. Hamburgo era o vasto setor de CDs da loja de departamentos Saturn, junto à estação central de trens (Hauptbahnhof), onde se encontravam álbuns de cantores brasileiros que até hoje nunca apareceram por aqui. Hamburgo era as mesas ao ar-livre do elegante Café Lindtner, numa esquina pitoresca da Eppendorfer Landstrasse, ideal para se tomar um chocolate quente, acompanhado de fatias de bolos saborosíssimos, enquanto perdia-se as horas observando o vaivém das pessoas nas calçadas. Hamburgo era a grande livraria Thalia, na Grosse Bleichen 19, que tinha seções em sete idiomas, entre eles o português e uma vasta oferta de livros de arte. Hamburgo era os pães maravilhosos preparados na padaria de Jô Wedemeier, discretamente instalada num simpático sobrado em Wandsbek. Hamburgo era o bar e restaurante Gröninger, fundado em 1750, que mantinha a decoração rústica original e onde a cerveja era servida em pequenos barris de madeira, como no século XVIII. Hamburgo era o tenor que fazia ponto na Alsterarkaden, entoando árias de óperas acompanhado de um exímio violinista. Hamburgo era as elegantes galerias comerciais espalhadas pelo centro: Hamburger Hof, Hanse-Viertel, Alte Post, Gänsemarkt, Bleichenhof e a requintada Levantehaus, que dormiam abertas e desguarnecidas, sem o perigo de furtos ou depredações. Hamburgo era, sobretudo, gastar o dia passeando pelas suas ruas, parques e praças, apreciando as maravilhas da paisagem de uma cidade feita para ser calmamente desbravada a pé.

Neste ano de 2006, em que a Alemanha estará no centro das atenções por sediar a Copa do Mundo de futebol, recomendo ao leitor que estiver planejando assistir os jogos in loco na pátria de Goethe, que reserve pelo menos dois dias para conhecer Hamburgo. O norte da Alemanha pode não ser tão turístico quanto o sul e, de fato, a região não costuma estar incluída nos roteiros dos brasileiros que viajam à Europa, mas isso não deve ser um impedimento, ainda mais levando-se em conta que Hamburgo está situada a menos de trezentos quilômetros de Berlim, uma distância bem inferior à que separa Rio e São Paulo. Não sei ainda quando voltarei à Europa, mas tenho certeza de que, se puder, não perderei a chance de rever Hamburgo e, por alguns dias, me deixar envolver novamente pelos encantos desta bela cidade do norte.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 31/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
04. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/1/2006
13h24min
Narração entusiasta, com bastante dinamismo e jovialidade. Narração de descoberta de uma nova cidade. Gostei. Tem sopro de juventude! Aurea Maldaner
[Leia outros Comentários de Aurea Maldaner]
1/2/2006
10h09min
Olá, Luis, muito bom ler seu texto; tenho uma amiga que mora em Hamburgo há muitos anos e sempre me convida para ir até lá, e eu acabo indo para os mesmos lugares da Europa, Londres principalmente, que adoro e nunca tenho um tempinho para ir até lá; seu texto "me pegou". Vou agendar Hamburgo para minhas férias de julho e, quem sabe, flanar pelos cafés e galerias e ruas, como você, por esta que me pareceu uma poética cidade. Abraço!
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês