As lanternas da crítica | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> As Profecias da Pirâmide de Max Toth pela Record (1979)
>>> Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Ftd (2006)
>>> Universo de Desencanto Volume 1 de Manoel Jacinto Coelho pela Racional Superiror (1973)
>>> Os astros sempre nos acompanham: Um manual de astrologia contemporânea de Claudia Lisboa pela Best Seller (2018)
>>> Inocência - Edição Renovada de Visconde de Taunay pela Ftd (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 2/4/2002
As lanternas da crítica
Bruno Garschagen

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A crítica cultural só deve dar satisfação à cultura; à arte. A crítica não se dirige ao escritor (para ficar na literatura) e nem deve servir a discussões com o autor da obra, de longe a pessoa menos indicada para avaliá-la. A análise é como uma lanterna a orientar os leitores na difícil tarefa de garimpar os melhores entre tantos títulos; a pontuar os acertos e deslizes que um livro invariavelmente contém.

O bom crítico, aliás, tem a capacidade de trazer ao conhecimento obras geralmente desconhecidas ou rejeitadas pelas academias, alçando-lhes à imortalidade. Foi o caso de Marcel Proust, T. S. Eliot e James Joyce, por exemplo, que se hoje são tidos como escritores geniais coloquem na conta do jornalista Edmund Wilson, um de meus ídolos no jornalismo - e que, por incrível que pareça, desconhecido entre grande parte dos formados nas faculdades de comunicação (mas isso é outra história).

Ao crítico também é necessário doses de coragem, ousadia e independência dos "grupinhos" para identificar publicamente os defeitos de uma obra, independente do autor. Claro que para boa parte dos artistas (escritor, ator, diretor) o bom crítico é o sujeito que nunca expõe as vísceras de um trabalho mal feito e quando o faz, recorre a subterfúgios para esconder sua real opinião. Não raro, evita o confronto sob o manto da "crítica construtiva", cheia de "louvaminhas", para não ofender ninguém, nem que para isso a arte seja ofendida, ou, pior, sacrificada em nome da boa convivência e dos presentinhos.

E ainda há aqueles seres (cujas espécies estão sendo identificadas pelos mais avançados laboratórios de higiene mental) que adoram se gabar de não terem lido ou visto uma obra e, ainda sim, terem gostado, numa estranha forma de análise antecipada que antecede a observação. Talvez seja um desses fenômenos agudos que corroem a capacidade de percepção e os fazem agradecer a existência de amigos "artistas",que fingem que produzem e, inevitavelmente, consumam um desastre.

Essa defesa da crítica é uma defesa de um tipo de literatura essencial a qualquer sociedade civilizada. Qualquer sociedade que se preze tem leitores sofisticados que precisam de críticos dispostos a tirar das sombras obras rejeitadas pelo público porque refinadas ou rechaçar artes consideradas boas porque populares.

O crítico não trabalha para ser endeusado (bem, alguns sim). É uma peça fundamental para a cultura por ser o observador informado e que escreve, nessa tumultuada relação crítico/leitor/artista. Porque é um erro achar que o papel do crítico é ensinar o ofício ou que deva concordar com o leitor. Existem concessões inadmissíveis a um profissional íntegro.

Seria uma impostura de minha parte defender os críticos e não a crítica, porque nem todos os profissionais desse inglório ofício se encaixam no perfil que qualquer leitor exigente deseja. Admiro vários - dos brasileiros, José Guilherme Merquior, Davi Arriguci Jr., José Lino Grünewald, Daniel Piza, Luis Antonio Girón, José Onofre; dos estrangeiros, H. L Mencken, E. Wilson, Northrop Frye, George Steiner, Charles Rosen, Robert Hughes. Outros, porém, tentam camuflar suas análises tediosas e comuns sob uma falsa erudição (e não os enumero para não dar-lhes uma importância desmerecida). E o que é a falsa erudição senão a vontade de mostrar algo a que se almeja possuir, mas a estrada é tão longa e a disposição tão miúda, que qualquer pulguinha é capaz de causar calafrios. E tem gente que gosta tanto dos calafrios (ops!) que se acostuma e estaciona num desses rotativos a R$ 2,00 a hora.

O que mais me impressiona, porém, é a capacidade que os críticos dos críticos têm em inventar formas para desqualificar o exercício da crítica. Numa inspirada seleção, o jornalista Daniel Piza enumerou algumas delas:
1) o crítico é um criador frustrado: Piza concorda que essa afirmação pode ser verdadeira em boa parte dos casos, mas não é sua (in)capacidade artística o fundamental para tornar bom um crítico. Vide Bernard Shaw, Marcel Proust, T.S. Eliot, escritores consagrados (nem sempre em suas épocas) e críticos profissionais. De minha parte, acho que a frase foi criada por um artista medíocre que na sua mediocridade enxerga mediocridade em tudo o que vê. Odeiam qualquer crítica. Até as elogiosas;
2) o crítico é um chato que procura defeitos: o bom crítico nunca se move pelo desejo incontrolável de diminuir a grandeza alheia. Deve ser o maior equívoco de artistas e de uma parcela considerável de leitores em relação ao trabalho do crítico, de resto, um profissional como qualquer outro. O crítico procura o defeito; muitas vezes o defeito busca o crítico. Não consigo achar uma explicação razoável do porquê da falta de qualidade de uma obra saltar aos olhos, tal conjuntivite;
3) o crítico deveria ser um artista: a suposição de que para avaliar uma obra o crítico deveria ser capaz de produzir tão bem ou melhor do que a que foi analisada é uma bobagem infantil e, estranhamente, a mais pensada pelo artista criticado - depois dos insultos, claro. Ter escrito um poema ou pintado um quadro faz-lhe bem, mas não são as decodificadoras de sua apreensão de outra obra. O bom crítico é uma parartista, escreve Piza, que trabalha em contraponto com a arte, aproximando-se e distanciando-se dela a fim de produzir outro corpo de idéias. Concordo quando ele diz que o bom crítico usa a obra de arte quase como um pretexto para falar de algo mais falando dela, indo além de sua decupagem ou aprovação.O resto é limonada sem açúcar (ou adoçante);
4) o crítico deveria ser um cientista: este equívoco parte do princípio de que a crítica deveria ser sistematizada. Por ter olhar parcial das coisas, e, logo, tratar-se de leitura pessoal, a crítica muitas vezes coincide com a filosofia e a memorialística e não pode produzir instrumentos técnicos confiáveis. Crítica é ofício que materializa impressões subjetivas. Não dá para dividir em células ou fazer um clone;
5) o crítico é um leitor/espectador informado: é uma idéia, segundo o jornalista, que propõe ao crítico o papel de intermediário entre autor e público, uma espécie de filantropo da estética, o que ele jamais pode ser numa cultura que se pretenda pluralista. É agir contra a cultura o artista esperar que o crítico lhe diga o que está bom e o que não está, assim como o leitor quer que o crítico concorde com ele sobre o que é bom ou não. "O essencial da arte é que ela se abre às interpretações, e a interpretação do crítico é apenas uma dentre as muitas possíveis, especialmente quando se trata de grandes obras", escreveu. Apesar de rejeitar a crítica, curiosamente, o leitor médio coloca o profissional num pedestal, ao acreditar que o que fulano escreveu é lei, mesmo que discorde e xingue a mãe do pobre. A absorção da cultura é feita de fragmentos que formam um todo, sendo a crítica uma das peças que compõem o mosaico.

Com essas mistificações e lugares-comuns, desprovidos de nexo de causalidade (é física, pô), a crítica segue, por um lado, alimentando gerações em deserto árido e servindo de alvo para ataques infantis e sem argumentos sólidos - na base do beicinho - de uma parcela de artistas e leitores que desconhecem completamente o seu valor numa sociedade eficiente em santificar valores equivocados e julgamentos autoritários.

Crítica é para suscitar dúvidas e estimular o intelecto. Se essa importância é incompreendida, o problema é clínico, não da crítica.

Du cinema
Tradução simultânea do SBT para o Oscar2002 foi soberba. Whoopi Goldberg: "Ooohhh!". Tradutora: "Aaahh!!!"

Retrato da inocência
O programa global "Gente Inocente", decididamente, nos faz ter certeza de que gente inocente só na "Turma da Mônica".

Máximas
A filosofia é uma amante insaciável.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 2/4/2002


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Diário impertinente - 19/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2002
11h05min
Muito bom artigo. Gostaria de relembrar aqui um grande crítico que ficou esquecido: Otto Maria Carpeaux. A leitura de seus "Ensaios Reunidos" (Ed. Topbooks) já me fez conhecer e ler vários autores ótimos! Outra coisa: dizer que o Edmund Wilson é desconhecido por grande parte dos formados em jornalismo é bondade a sua. Quase ninguém o conhece. Aliás, os atuais formandos de jornalismo não conhecem quase ninguém, além dos apresentadores de programas de entrevistas e de 2 ou 3 críticos paulistas. Nem pensar em estrangeiros. E digo isso por experiência própria, pois minha noiva se formou em jornalismo na PUC-MG, que é considerada uma das melhores do país para esse curso. Suas colegas só conheciam quem ia lá dar palestra, e olhe lá! Quanto ao crítico ter de ser um cientista, tal mentalidade já assentou (para usar uma palavra da moda!) nas universidades há tempos, por meio da disciplina de Semiótica nos cursos de jornalismo. É só dar uma olhada nos cursos de "pós" em crítica de arte. Eles quase só estudam semiótica e teorias pós-modernas de estética. Acabam nem conhecendo o trabalho de gente como Edmund Wilson e Mencken. Então saem por aí escrevendo textos tão insuportáveis que nenum leitor aguenta, mesmo porque nem entende aqueles conceitos acadêmicos todos. Esse pessoal é que forma a nova geração de críticos. Gente como o Daniel Piza e o Sérgio Augusto é exceção, vem de outros tempos. A esperança é a Internet, que dá espaço a gente que não passou pelo jornalismo das faculdades, além do fato de que, para crítica de arte, os jornais ainda aceitam gente sem diploma de jornalismo.
[Leia outros Comentários de Evandro Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Palavras Não Se Afogam ao Atravessar o Atlântico
Carlos Vaz Marques / 1ª Ed
Tinta da China
(2015)



Inocência Serie Bom Livro 23ªed (1996)
Visconde de Taunay
Atica
(1996)



Profissionais da Educação Infantil
Isabel de Oliveira e Silva
cortez
(2001)



Aborrecente Não, Sou Adolescentes
Rosângela
Petit
(2000)



Noite Brancas e Outras Histórias - Col. Obra Prima de Cada Autor
Dostoiévski - de Bolso
Martin Claret
(2007)



As 100 + - o Guia de Estilo Que Toda Mulher Fashion Deve Ter
Nina Garcia
Best Seller
(2009)



O Pensamento Vivo de Buda
José Geraldo Simões Jr.
martin claret
(1985)



Erasmo de Rotterdam - o Mais Eminente Filosofo da Renascença
Luiz Feracine
Livros Escala



Livro - Saga Brasileira - a Longa Luta de um Povo por Sua Moeda
Miriam Leitão
Record
(2011)



Até as Águias Precisam de um Empurrão
David McNally
pronet
(1995)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês