Top 10 da literatura | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Quinta-feira, 16/10/2003
Top 10 da literatura
Lucas Rodrigues Pires

+ de 7900 Acessos

Momento Alta Fidelidade, para elencar meus Top 10 em literatura, como proposto pelo editor deste Digestivo a seus colunistas.

Elencar os 10 livros e autores que nos marcam é das tarefas mais complicadas que há. Cada vez que escolhemos algo, também renunciamos a algo. Quando fui eleger os meus, o número 10 ficou pequeno para englobar o que me é essencial em termos de literatura (e isso sem contar em obras específicas de alguma área de conhecimento).

Antes de qualquer coisa é preciso deixar claro que as obras citadas aqui são, por enquanto, as Top 10 da minha lista, isto é, provisoriamente. O que quer dizer que, a qualquer momento, diante de uma leitura nova, posso vir a incluir um novo integrante. A leitura e nossas preferências são moldadas pelo tempo.

Creio que uma biblioteca que se preze não pode deixar de fora nosso maior escritor. Sim, ele mesmo, Machado de Assis. Eis uma leitura obrigatória nas escolas e que não passa como enfadonho pelos alunos (refiro-me especificamente aos romances realistas e não aos da fase romântica do autor); creio que, pelo contrário, sua leitura encarna o que de melhor a literatura oferece ao leitor – diversão, apreensão, linguagem e uma boa história. Nada é mais prazeroso e essencial do que ler Dom Casmurro. A questão de ter Capitu traído ou não Bentinho ainda não foi resolvida e nunca será, mas tal questionamento já rendeu páginas e página de análises no mundo acadêmico e também da sala de aula. Mas, no fundo, não é esse mistério universal que faz da obra grandiosa. É ele como um todo, como espírito.

Tão grande quanto Dom Casmurro, até maior em termos de narrativa, é Os Maias, de Eça de Queirós. Aqui, devo admitir que muito de minha leitura recente teve como ponto de partida filmes, adaptações cinematográficas de livros. Como o cinema é minha área maior de atuação, muito do que é filmado oriundo da literatura me faz ir à fonte. E cada vez mais tal artifício me inspira, me seduz. Dos 10 livros aqui citados por mim, dois deles foram ao cinema e um para a televisão.

Os Maias foi adaptado como minissérie da TV Globo com direção de Luiz Fernando Carvalho, o mesmo que filmou Lavoura Arcaica, não por acaso o livro de Raduan Nassar consta aqui e com certeza o filme é dos meus 10 mais. Eça tem uma qualidade pouco vista em escritores – escreve os costumes de sua sociedade, a portuguesa, como quem fala de suas mãos. Conhece aquilo a que se refere e sabe como poucos criticar com elegância. Como não se compadecer das aventuras amorosas de Carlos da Maia, mesmo a relação incestuosa não-consciente com sua irmã, ou das divagações e sonhos do escritor João da Ega, as palavras vivas do poeta Alencar? E dentro de todos esses discursos que se encontram o leitor tem um painel rico de relações humanas, filosofias, artes, ideologias, nacionalismos etc. Os Maias é o romance que me marcou pelas palavras bem colocadas e por ter os tipos mais humanos (humano em todos os aspectos, principalmente os negativos) da literatura que me passou em mãos até hoje.

Muito de nossas leituras são motivadas por momentos. Muito do que gostamos é em decorrência do que vivemos naquele instante de nossas vidas. E desses momentos nascem paixões e relações que não se rompem jamais. Tenho uma relação dessas com Álvares de Azevedo, o poeta romântico de Se eu morresse amanhã. Estudar o romantismo no 2º Grau escancarou a força desse poeta em minha vida. Sentir suas palavras de amor e morte a mulheres desejadas mas não alcançadas são uma sedução que todo jovem tímido e introspectivo deve ter se entregado. Ler sua poesia (escreveu peças teatrais também e uma narrativa), em especial Lira dos 20 Anos e ser influenciado por ela foi a herança deixada a mim. Como a muitos, creio. Como não admirar alguém que escreve tais versos com menos de 20 anos e morre na flor da idade sem ter experimentado o verdadeiro e completo amor? Ele não viveu um amor pleno, mas falou dele como poucos.

Dos autores clássicos e mais antigos devo citar aqui ainda Goethe. Confesso que li pouco ou quase nada desse autor, mas a leitura de Os Sofrimentos do Jovem Werther apimentou minha relação com o romantismo e seu ideal de amor. Parecia que o viver a fase do sofrer de amor era mais puro e sincero que viver aquele próprio amor em si. E desse sofrimento nasciam obras maravilhosas, e um tanto disso talvez tenha ficado em mim. (Cony, que mais embaixo será citado, tem uma teoria interessante a esse respeito: só escreve literatura o homem que não é feliz, pois se feliz fosse, não teria tempo para essas coisas. Acredito um pouco nessa teoria).

Todos nós já fomos Werther na vida, todos já gostamos de alguém que não podia ou queria retribuir o que sentíamos. Nessa narrativa, Goethe monta a história em forma de monólogo epistolar, com as cartas do jovem Werther ao amigo Wilhelm contando sua paixão, desilusão e atitudes frente à vida, à natureza e a um amor impossível que lhe brotara e que só podia levá-lo à tragédia.

“E tu, bondosa alma, que te sentes tão angustiada como ele, consola-te com os seus sofrimentos, e permite que este pequeno livro se torne seu amigo, se por destino ou culpa própria não tiveres outro mais achegado!”. Eis as palavras de Goethe que precedem a história em si. Werther foi a mim grande amigo e cúmplice.

Se perceberem bem, os autores já citados (quatro até agora) são todos dos séculos 18 e 19. Minhas leituras talvez estejam voltadas ao século 20, à literatura contemporânea, mas estou corrigindo essa pendência, e comecei com o mergulho em Flaubert, mais exatamente Madame Bovary. Esta é minha leitura atual e já poderia incluí-la aqui nos meus 10 preferidos. Só não o faço porque a leitura não está completa.

Do século 20 é impossível não começar com o maior deles, outra figurinha carimbada, Franz Kafka. Esse tcheco também morreu e concebeu sua obra muito jovem e talvez ela seja a que mais refletiu e antecipou seu mundo. Hoje, vivemos num mundo kafkiano por excelência. O impacto da leitura de Kafka é algo que fica incrustado na alma, não desgruda e nos dá certa sensação de claustrofobia. É assim perante A Metamorfose e O Processo, suas obras mais conhecidas. Mas se a obra de Kafka é digna das melhores notas, sua vida foi muito o combustível para sua literatura. A relação conflituosa com o pai toou toda sua visão de mundo e fez dele o que é hoje. Nesse sentido, e no que me é mais importante e caro em Kafka, sua obra mais dilacerante é Carta ao Pai. Eis uma carta que ele escreveu ao pai expondo todo sua angústia e sofrimento perante a figura tirânica e castradora do progenitor. Kafka escreve tudo o que nunca conseguiu dizer. A linguagem é objetiva, o texto esclarecedor, arrebatador, com elementos de compreensão para toda a sua obra literária. E assim entende-se o sentimento de culpa que rasgava internamente o autor. Kafka em vida foi o que poderíamos chamar de fracasso total – não casou (tendo noivado diversas vezes), viveu mediocremente, era fraco emocionalmente e fisicamente e não acreditava ser bom em nada; enfim, um infeliz. Mas esse homem nos deu a chave para a compreensão do mundo moderno, dilacerado por guerras e pela falta de compreensão e intolerância que caracterizou o século 20, o século de Kafka.

Gostar de Carta ao Pai é próprio daqueles que pensam e refletem suas relações com seus pais. O conflito de gerações está implícito, mas não apenas isso. Tenho essa diferença e um pouco desse hiato com meu pai. Talvez por essa razão, o desabafo de Kafka me seja tão caro. E não só ele, pois outros dois livros dos meus Top 10 trazem para o epicentro da problemática da narrativa a relação pai-filho. São eles Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar, e Quase Memória, de Carlos Heitor Cony.

A relação de conflito está marcada em Lavoura Arcaica tanto quanto em Carta ao Pai, mas naquele o filho enfrenta o pai num diálogo (melhor seria dizer monólogos alternados) cheio de metáforas, que caracteriza o momento ápice do arcaísmo a que se refere o título do livro. Nassar escreveu uma obra de exercício lingüístico, lírico ao extremo e repleto de referências à cultura libanesa, coisa que poucos de nós consegue abstrair. Mas mesmo assim, a força com que cada palavra é dita, o impacto de cada metáfora transforma meras palavras em algo vivo dentro de nós. Não há excesso, apenas exatidão. O personagem André é pura ebulição de desejos, é intenso sonho de um amor proibido (e incestuoso) e de uma liberdade que jamais encontraria no seio da família. Raduan Nassar tem um dos textos mais belos da literatura brasileira da segunda metade do século 20. Escreveu muito pouco, o livro já citado, a novela Um Copo de Cólera e a coletânea de contos Menina a Caminho. Todos são tocantes, impossível se manter indiferente a eles. Deste último, destaco o conto O Ventre Seco.

Cony é um dos queridinhos da mídia atual. Escritor carioca, sempre restringiu seu universo literário à Cidade Maravilhosa, numa certa burguesia típica da cidade. Quase Memória marcou a volta à literatura depois de mais de 20 anos sem escrever. Ele já disse infinitas vezes que voltou a escrever porque se sentia triste com a doença e posterior morte de sua cachorra Mila. Esse reencontro com a tristeza foi também seu ápice do encontro com a literatura. Quase Memória volta no tempo para um acerto de contas do autor com seu pai, uma espécie de Quixote moderno. Sua relação com o pai, aqui desencadeada pelo recebimento de um embrulho, é esmiuçada de forma pura e emotiva, sem cair no sentimentalismo. É um grande livro, com grande desenvoltura de seu autor e momentos brilhantes de emoção e boa literatura.

Contemporâneo nosso também é José Saramago, que escreveu, para mim, o romance definitivo sobre o cristianismo, O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Esse livro foi uma espécie de batismo de consciência dentro de minha formação humanística. A visão de um ateu para a história de Cristo parece soar como algo inoportuno, mas na verdade é uma ode a uma figura humana maravilhosa jogada no meio de figuras humanas terríveis. Saramago foi excomungado e condenado por muitos, mas sua obra não deixa de santificar um deus humano, mostrando que o bem está dentro do mal e vice-versa.

Comunista e escritor como Saramago, o italiano Ítalo Calvino ganhou minha admiração com os contos de Amores Difíceis e Palomar. Apesar de ser o conto, a narrativa mais concisa, o gênero em que o autor melhor se expressou (como deixou claro em Seis Propostas para o Próximo Milênio), considero imprescindível sua literatura de maior fôlego, e aqui incluo as três histórias incluídas em Os Nossos Antepassados (mas não esqueçamos de Se Um Viajante numa Noite de Inverno). Publicadas em épocas diferentes, e só depois reunidas num único volume por vontade do autor e por crer que formavam uma trilogia, O Cavaleiro Inexistente, O Barão nas Árvores e O Visconde Partido ao Meio refletem, no campo do surreal, a fragmentação do mundo moderno. Personagens bizarros, cheio de questionamentos, envoltos em contextos históricos, eis a forma que Calvino encontrou para expressar seu descontentamento com os rumos da humanidade.

Para finalizar, não poderia não mencionar outra trilogia – O Senhor dos Anéis. Li o livro antes de estrear os filmes e estes só me fizeram gostar mais do texto de Tolkien. A eterna luta do bem contra o mal é freqüente na literatura, mas o inglês coloca personagens complexos e humanos em sua trama. Não há a turma dos bonzinhos e mauzinhos. Todos podem fazer parte de ambos os lados, e o Um Anel é a prova cabal de que não há bem que não seja passível de corrupção. E quais as armas para se lutar contra o mal? Tolkien escreve 1.200 páginas tratando sobre a amizade, o sacrifício pessoal em prol de um bem maior e a solidariedade, eis os temas centrais dessa obra monumental.

10 autores, 10 livros, 10 amigos... Muitos amigos ainda a angariar. O importante é se dispor a eles, enfrentá-los.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 16/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
04. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNICAÇÃO COM OS ANJOS E OS DEVAS - 1ª EDIÇÃO
DOROTHY MACLEAN
PENSAMENTO
(2001)
R$ 25,95



A GAROTA INGLESA
DANIEL SILVA
ARQUEIRO
(2015)
R$ 130,00



O EXAME DE LATIM (EDIÇÃO B - SEM PONTOS)
NICOLAU FIRMINO
SIMÕES LOPES E OUTRAS
(1941)
R$ 32,28



THE VITAMINS - CHEMISTRY, PHYSIOLOGY, PATHOLOGY VOL III
W. H. SEBRELL JR ROBERT S. HARRIS
ACADEMIC PRESS
(1954)
R$ 31,98



DENUNCIAÇÃO DA LIDE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO
SYDNEY SANCHES
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1984)
R$ 31,28



FILOSOFAR PELO FOGO ANTOLOGIA DE TEXTO ALQUÍMICOS
FRANÇOISE BONARDEL
MADRAS
(2012)
R$ 68,61



NOVÍSSIMO CURSO VESTIBULAR NOVA CULTURAL HISTÓRIA DO BRASIL 1 E 2
CLARENCE JOSÉ DE MATOS
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 20,00



SOCIEDADES POR QUOTAS
AGOSTINHO ANTONIO F. CADETE
ELCLA (PORTO)
(1992)
R$ 26,82



SEXO DEFINITIVO-TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE SEXO SENSUALIDADE
JUDY BASTYRA
MADRAS
(2013)
R$ 99,00



TABLEAUX SYNOPTIQUES D EXPLORATION CHIRURGICALE DES ORGANES
DOCTEUR CHAMPEAUX
J-B BAILLIÈRE ET FILS
(1901)
R$ 75,87





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês