O lado A e o lado B de Durval Discos | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> Einstein e o Universo Relativístico (lacrado) de José Cláudio Reis, Marco Braga, Jairo Freitas pela Atual (2019)
>>> Adornos do Brasil Indígena - Resistências Contemporâneas de Vários Autores pela Sesc
>>> O Eclipse da Melancolia de Marcio Aquiles pela Patuá (2018)
>>> 1434 - o Ano Em Que uma Magnífica Frota Chinesa Velejou... (lacrado) de Gavin Menzies pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Cozinha Regional Brasileira - Amazônia de Abril Coleções pela Abril (2009)
>>> Termodinâmica de Gilberto Ieno / Luiz Negro pela Cw (2004)
>>> King S Ransom de Ed Mcbain pela Oxford University Press (2000)
>>> De Tudo Que Eu Vi (lacrado) de Paulo César de Oliveira pela José Olympio (2019)
>>> O Show é Você (lacrado) de Clovis Tavares pela Integrare (2009)
>>> Juventude Em Viena - uma Autobiografia de Arthur Schnitzler pela Record (2015)
>>> O Ano Vermelho de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2017)
>>> Fundamentos Técnicos e o Sistema Nacional de Biossegurança Em Biotecno de Pedro Canisio Binsfeld pela Interciência (2015)
>>> Brasil Atlântico - um País Com a Raiz na Mata de Vários Autores pela Mar de Ideias (2010)
>>> The Winged Tiger Comics & Stories - 1999 de Phil Yeah pela Não Consta
>>> O Cliente por um Fio de Marcelo Rissato pela Nobel (2004)
>>> A Segunda Dama de Irwing Wallace pela Nova Cultural (1985)
>>> Partir da Infância - Diálogos Sobre Educação de Paulo Freire, Sérgio Guimarães pela Paz & Terra (2011)
>>> Diarios do Vampiro - o Retorno: Almas Sombrias de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Curso de Processo Penal de Fernando Capez pela Saraiva (1999)
>>> Os Novos 52- a Sombra do Batman N°8 de Dc Comics pela Panini
>>> Segurança Pública e Ministério Público (lacrado) de Lia de Souza Siqueira pela Lumen Juris (2017)
>>> Poderes Paranormais - Como a Ciência Explica a Parapsicologia de Diane Hennacy Powell pela Nova Era (2011)
>>> Livro dos Editoriais 20 Anos de Ibccrim pela Ibccrim (2012)
>>> O Guardião Invisível de Dolores Redondo pela Record (2014)
>>> A Christmas Carol - Level 4 de Charles Dickens pela Penguin Readers (2002)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/4/2003
O lado A e o lado B de Durval Discos
Lucas Rodrigues Pires

+ de 8000 Acessos

O slogan de publicidade do filme Durval Discos afirma que "tudo na vida tem um lado A e um lado B". O filme de Anna Muylaert, já em exibição nos cinemas, é exatamente assim: tem um lado A que caminha muito bem, mas o lado B deixa um pouco a desejar.

Lado A

Para começar, Durval Discos tem uma das aberturas mais criativas e fantásticas do cinema brasileiro contemporâneo. A câmera flutua pelas ruas de Pinheiros, bairro da cidade de São Paulo, e em sua paisagem natural inclui os créditos do filme, ora mergulhando em lanchonetes, chaveiros, casa de jogos e mesmo nos transeuntes do momento. É uma seqüência longa, de uns quatro minutos, sem cortes, que lembra muito a célebre cena inicial de A Marca da Maldade, de Orson Welles. Depois disso, entram em cena os personagens. Durval é um quarentão dono de uma loja de discos de vinil - que não aderiu ao CD e nem pretende - que mora com a mãe num dos sobrados de Pinheiros. Solteiro, ele segue sua vidinha sem graça com a sempre constante presença castradora da mãe, numa atuação excepcional de Etty Fraser. Tudo muda quando decidem contratar uma empregada para ajudar nos afazeres domésticos. Eis que surge Célia, amável e que inexplicavelmente aceitou um salário de 100 reais. Dois dias depois ela some e deixa uma garota de 5 anos, Kiki, e um bilhete, onde pede que cuidem da menina enquanto estiver fora. A partir daí, o roteiro, escrito pela própria diretora, dá uma reviravolta non-sense, deixando o espectador deslocado na trama, perdido entre o suspense e o surrealismo da situação. Não revelarei o que acontece para não estragar a história de quem ainda não viu o filme.

Lado B

Dada a linha narrativa da história, é preciso ressaltar alguns pontos cruciais na produção. Uma delas é a trilha sonora. Houve um apreço muito grande por parte da equipe em conseguir algumas canções para o filme. Há desde Tim Maia a Novos Baianos, passando por Jorge Ben Jor, Elis Regina e Toquinho e Vinicius. Tais músicas estão inseridas no ambiente do filme, tocadas na vitrola antiga de Durval. E exatamente por isso que em muitas passagens o som da música atrapalha a compreensão dos diálogos. Num dos primeiros papos de Durval com Elizabeth (Marisa Orth) é quase impossível entender o que dizem.

Lado A

Em compensação, Durval Discos é aula de cinema a quem gosta da arte. Se disse acima que a abertura era digna de Orson Welles, reforço afirmando que todo o filme tem elementos do cinema do gênio que filmou Cidadão Kane. Muitos elementos, inclusive deste, como os ângulos inusitados de câmera, o aprofundamento de campo e o enquadramento que rebaixa o teto da casa, o que cria um aspecto de achatamento e deformação dos objetos em cena. Tudo isso foi visto em Cidadão Kane e parece que Anna Muylaert incorporou a seu trabalho.

O trabalho de fotografia e câmera lembra, trazendo a comparação ao campo presente, o cinema de M. Night Shyamalan, em especial Corpo Fechado. Poucas vezes a câmera fica estática. O movimento suave de aproximação e recuo, além do artifício de dar o olhar subjetivo do protagonista (quando a câmera segue o olho do personagem), dão ao filme um respiro de criatividade e diferencial no meio do cinema chapa branca que se vê atualmente no mundo hollywoodiano.

Se Durval Discos não traz uma estética moderna para o cinema brasileiro, como fizeram O Invasor, Cidade de Deus e Abril Despedaçado, viaja no tempo e recria o cinema clássico alternativo americano, no qual Orson Welles se inclui como seu maior expoente. Bebendo nessa fonte, aliada à trilha sonora escolhida a dedo, a diretora construiu um filme repleto de cenas marcantes que vão ficar marcado na história do cinema brasileiro da Retomada. É exatamente esse aspecto que explica os sete prêmios recebidos pelo filme no último festival de Gramado, onde concorreu com o excelente Dois Perdidos numa Noite Suja, que entra em cartaz dia 4 de abril. Como exemplo de cenas memoráveis, que ficam na mente do espectador ao final da sessão, incluo a já citada abertura; a corrida de Kiki de bicicleta pela casa; a dança de Durval e Kiki em volta do balcão de discos ao som de "Mestre Jonas"; e a mais surreal das cenas, digna de um quadro de Dali - a composição de um cavalo montado por uma garota vestida de bailarina pintando a parede com uma vassoura embebida em sangue, um cadáver deitado na cama, uma senhora a arrumar o guarda-roupa, e tudo isso dentro de um quarto de um sobrado!!! Não posso esquecer de inserir outra cena magistral nesse rol de preciosidades - a volta de charrete pelo asfalto de São Paulo ao som de "Besta É Tu" com os Novos Baianos. Mais um momento magistral que há em Durval Discos.

Pesando positivamente também está o elenco. Ary França, com seu cabelo enorme e cara de bobo inocente, passa toda a desilusão de um solteirão preso à mãe. Etty Fraser está sublime como essa mãe que, viúva, só teve como pedir socorro ao filho e nele se apoiar. Com a chegada da menina, o objeto de devoção da mãe passa a ser a pequena, a quem até um cavalo de verdade é dado e levado pra dentro de casa. Essa ligação, de um simples gostar torna-se obsessão e culmina com a loucura plena. Foi esse sentimento de transformação, de evolução da insanidade - muito bem caracterizado pela atriz - que fez com que o absurdo daquilo fosse realmente visto como absurdo.

Lado B

Se for assim, esse absurdo acaba por explicar o non-sense pelo qual critiquei o filme anteriormente. Pensando bem, faz parte do contexto e da idéia de filme idealizada por Muylaert.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 3/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O turista imobiliário de Marta Barcellos
02. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
03. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
04. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP de Elisa Andrade Buzzo
05. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Memórias do Livro
Geraldine Brooks
Ediouro
(2008)



Processo Penal
Julio Fabbrini Mirabete
Atlas
(1998)
+ frete grátis



Copacabana: uma Sedução Só ! - Crônicas
Carlos Eduardo Falcão Uchôa
Odisseia
(2016)



Use a Cabeça! Pmp
Jennifer Greene
Alta Books
(2010)



A Pedra Encantada de Brisingamen
Alan Garner
Moderna
(1998)



Castro Alves o Poeta e o Poema - Vol. 13
Afranio Peixoto
Jackson
(1944)



O reino das vozes que não se calam
Carolina Munhóz
Fantástica Rocco
(2014)



Das confusões desse Mundo de águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



The View From Australia
Ken Cato
Graphic-sha Publishing
(1986)



Convite
Roque Jacinto
Luz no Lar





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês