O lado A e o lado B de Durval Discos | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
>>> Arquitetura & construçao--outubro--2007--escadas na medida certa. de Abril pela Abril (2007)
>>> Beethoven de Bernard Fauconnier pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E O Cliente De Sábado de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela L&Pm (2012)
>>> Convite para um homicídio de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Assassinato no beco de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Dom quixote de Miguel de Cervantes pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia - volume 2 de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E A Mulher Do Ladrão de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Os primeiros casos de Poirot de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2556--o poder fulminante das redes sociais de Abril pela Abril (2017)
>>> Cartier-bresson: o olhar do século de Pierre Assouline pela L&Pm (2012)
>>> Teoria quântica de John Polkinghorne pela L&Pm (2012)
>>> Andy Warhol de Meriam Korichi pela L&Pm (2012)
>>> Pretinha, Eu? de Julio Emilio Braz pela Scipione (2004)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura de Miguel de Angeli, Jose Cervantes pela Scipione (2006)
>>> O Natal do Avarento, de Charles Dickens pela Scipione (2012)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Scipione (2010)
>>> O Corcunda de Notre-Dame de Victor Hugo pela Scipione (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/4/2003
O lado A e o lado B de Durval Discos
Lucas Rodrigues Pires

+ de 7700 Acessos

O slogan de publicidade do filme Durval Discos afirma que "tudo na vida tem um lado A e um lado B". O filme de Anna Muylaert, já em exibição nos cinemas, é exatamente assim: tem um lado A que caminha muito bem, mas o lado B deixa um pouco a desejar.

Lado A

Para começar, Durval Discos tem uma das aberturas mais criativas e fantásticas do cinema brasileiro contemporâneo. A câmera flutua pelas ruas de Pinheiros, bairro da cidade de São Paulo, e em sua paisagem natural inclui os créditos do filme, ora mergulhando em lanchonetes, chaveiros, casa de jogos e mesmo nos transeuntes do momento. É uma seqüência longa, de uns quatro minutos, sem cortes, que lembra muito a célebre cena inicial de A Marca da Maldade, de Orson Welles. Depois disso, entram em cena os personagens. Durval é um quarentão dono de uma loja de discos de vinil - que não aderiu ao CD e nem pretende - que mora com a mãe num dos sobrados de Pinheiros. Solteiro, ele segue sua vidinha sem graça com a sempre constante presença castradora da mãe, numa atuação excepcional de Etty Fraser. Tudo muda quando decidem contratar uma empregada para ajudar nos afazeres domésticos. Eis que surge Célia, amável e que inexplicavelmente aceitou um salário de 100 reais. Dois dias depois ela some e deixa uma garota de 5 anos, Kiki, e um bilhete, onde pede que cuidem da menina enquanto estiver fora. A partir daí, o roteiro, escrito pela própria diretora, dá uma reviravolta non-sense, deixando o espectador deslocado na trama, perdido entre o suspense e o surrealismo da situação. Não revelarei o que acontece para não estragar a história de quem ainda não viu o filme.

Lado B

Dada a linha narrativa da história, é preciso ressaltar alguns pontos cruciais na produção. Uma delas é a trilha sonora. Houve um apreço muito grande por parte da equipe em conseguir algumas canções para o filme. Há desde Tim Maia a Novos Baianos, passando por Jorge Ben Jor, Elis Regina e Toquinho e Vinicius. Tais músicas estão inseridas no ambiente do filme, tocadas na vitrola antiga de Durval. E exatamente por isso que em muitas passagens o som da música atrapalha a compreensão dos diálogos. Num dos primeiros papos de Durval com Elizabeth (Marisa Orth) é quase impossível entender o que dizem.

Lado A

Em compensação, Durval Discos é aula de cinema a quem gosta da arte. Se disse acima que a abertura era digna de Orson Welles, reforço afirmando que todo o filme tem elementos do cinema do gênio que filmou Cidadão Kane. Muitos elementos, inclusive deste, como os ângulos inusitados de câmera, o aprofundamento de campo e o enquadramento que rebaixa o teto da casa, o que cria um aspecto de achatamento e deformação dos objetos em cena. Tudo isso foi visto em Cidadão Kane e parece que Anna Muylaert incorporou a seu trabalho.

O trabalho de fotografia e câmera lembra, trazendo a comparação ao campo presente, o cinema de M. Night Shyamalan, em especial Corpo Fechado. Poucas vezes a câmera fica estática. O movimento suave de aproximação e recuo, além do artifício de dar o olhar subjetivo do protagonista (quando a câmera segue o olho do personagem), dão ao filme um respiro de criatividade e diferencial no meio do cinema chapa branca que se vê atualmente no mundo hollywoodiano.

Se Durval Discos não traz uma estética moderna para o cinema brasileiro, como fizeram O Invasor, Cidade de Deus e Abril Despedaçado, viaja no tempo e recria o cinema clássico alternativo americano, no qual Orson Welles se inclui como seu maior expoente. Bebendo nessa fonte, aliada à trilha sonora escolhida a dedo, a diretora construiu um filme repleto de cenas marcantes que vão ficar marcado na história do cinema brasileiro da Retomada. É exatamente esse aspecto que explica os sete prêmios recebidos pelo filme no último festival de Gramado, onde concorreu com o excelente Dois Perdidos numa Noite Suja, que entra em cartaz dia 4 de abril. Como exemplo de cenas memoráveis, que ficam na mente do espectador ao final da sessão, incluo a já citada abertura; a corrida de Kiki de bicicleta pela casa; a dança de Durval e Kiki em volta do balcão de discos ao som de "Mestre Jonas"; e a mais surreal das cenas, digna de um quadro de Dali - a composição de um cavalo montado por uma garota vestida de bailarina pintando a parede com uma vassoura embebida em sangue, um cadáver deitado na cama, uma senhora a arrumar o guarda-roupa, e tudo isso dentro de um quarto de um sobrado!!! Não posso esquecer de inserir outra cena magistral nesse rol de preciosidades - a volta de charrete pelo asfalto de São Paulo ao som de "Besta É Tu" com os Novos Baianos. Mais um momento magistral que há em Durval Discos.

Pesando positivamente também está o elenco. Ary França, com seu cabelo enorme e cara de bobo inocente, passa toda a desilusão de um solteirão preso à mãe. Etty Fraser está sublime como essa mãe que, viúva, só teve como pedir socorro ao filho e nele se apoiar. Com a chegada da menina, o objeto de devoção da mãe passa a ser a pequena, a quem até um cavalo de verdade é dado e levado pra dentro de casa. Essa ligação, de um simples gostar torna-se obsessão e culmina com a loucura plena. Foi esse sentimento de transformação, de evolução da insanidade - muito bem caracterizado pela atriz - que fez com que o absurdo daquilo fosse realmente visto como absurdo.

Lado B

Se for assim, esse absurdo acaba por explicar o non-sense pelo qual critiquei o filme anteriormente. Pensando bem, faz parte do contexto e da idéia de filme idealizada por Muylaert.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 3/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elis vive de Fabio Gomes
02. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
05. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pai-nosso - a Oração Que Jesus nos Ensinou
Carolina Chagas
Larousse
(2007)



Manual de Frascati
Não Encontrado
Não Encontrado
(2002)



Mad Em Português Nº 64
Vários Autores
Vecchi
(1979)



Dicionário de Derivativos Inglês Português
José Evaristo dos Santos
Atlas
(1998)



A Luneta Mágica
Joaquim Manuel de Macedo
Paulus
(2008)



É Preciso Pouco para Ser Feliz!
Giuliano Milan
Novo Seculo
(2010)



Práticas de Linguagem - Leitura e Produção de Textos Único
Ernani Terra e José de Nicola
Scipione
(2010)



Sabiston - Fundamentos de Cirurgia 2ª Edição
David C. Sabiston Jr e H. Kim Lyerly
Guanabara Koogan
(1996)



Direito Administrativo
Sonia Yuriko Kanashiro Tanaka
Malheiros
(2008)



Correspondência Comercial En Espanol
Josefa Gòmez de Enterría
Sgel
(1995)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês