Mino Carta e o romance de idéias | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Terça-feira, 4/5/2004
Mino Carta e o romance de idéias
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 4000 Acessos

Mino Carta é um dos jornalistas mais talentosos de sua geração. Sua trajetória, que às vezes se confunde com a história do jornalismo brasileiro a partir dos anos 50, é marcada pelos veículos que criou, como as revistas Veja, Isto é, Quatro Rodas e mais recentemente Carta Capital, onde comanda uma das melhores Redações do País. Não obstante a isso, seu nome está sempre ligado à polêmica, seja porque tem fama de irascível, com direito a rompantes de ódio, seja porque busca uma postura independente para sua publicação, o que acaba destoando da versão oficial que boa parte dos jornais adota. Somados, esses dois elementos são capazes de causar estragos inimagináveis. Tanto é assim que, da ocasião do lançamento do seu primeiro livro - O Castelo de Âmbar -, não houve jornal da chamada grande imprensa que fizesse resenha ou crítica de seu livro. Ignoraram-no, simplesmente. O motivo, não poderia ser diferente, era o conjunto de revelações bombásticas travestidas de ironia que deixaram os publishers e os políticos em polvorosa, como o trecho que segue: "A presença de profissionais competentes, de grandes jornalistas respeitados pelas redações, atrapalha a sucessão no feudo e compromete os interesses de quem manda, na instância intermediária e suprema. Reparem: a nossa imprensa serve ao poder porque o integra compactamente, mesmo quando, no dia-a-dia, toma posições contra o governo ou contra um ou outro poderoso".

Agora, o jornalista, escritor e artista plástico (sim, ele também é pintor; já expôs no MASP e na Europa) lança A sombra do silêncio (W11 Editores), a continuação das memórias do jornalista Mercúcio Parla, o alter-ego de Mino Carta. Nessa "seqüência", no entanto, nota-se uma vital diferença em relação ao primeiro livro: as revelações que seguem pertencem mais à esfera sentimental, sendo pontuadas por passagens da vida política e social de Mercúcio Parla. Desse modo, ao mesmo tempo em que o leitor conhece as aventuras e desventuras amorosas do jovem jornalista os bastidores da política e da sociedade aparecem como pano de fundo.

Contudo, quem imagina que o livro se resume ao umbiguismo (hoje em moda, nos blogs) e ao denuncismo descarado (que também está em voga na "literatura") se engana. Isso porque A sombra do silêncio não é jornalismo, apesar de ter sido escrito pela Olivetti de um jornalista. É um romance. Nele, o autor embaralha alguns acontecimentos históricos, como a Ditadura, com as memórias afetivas de Mercúcio, dando ênfase à presença de Core Mio, que surge personagem essencial para o livro.

Assim, a hipótese de que o romance poderia ser contaminado pela linguagem jornalística (a saber, fatos e acontecimentos contados segundo a ótica do autor) é descartada logo no início da obra, quando o narrador descreve um sonho que nos leva até a mente de Mercúcio: "Quando soube que cariátides têm cócegas, era tarde, o prédio ruiu. Madrugada, caminhava de ouvido posto nos seus próprios passos e pensamentos, e as cariátides desfilavam ao longo das calçadas, músculos de pedra retesados no esforço de manter de pé os palácios senhoriais. Inquietava-o uma irritação ardida e difusa, aparentemente sem explicação, e lhe deu na veneta reagir com um gesto de escárnio. Sentia-o inócuo, porém necessário [...] Achou-se na última fileira de uma sala de aulas do tamanho de um auditório. Lá no fundo, do alto da cátedra, o mestre transmitia o seu saber, e ele percebeu o motivo de sua irritação. Quanto ao enredo vivido pouco antes, não sabia se fora cochilo ou vigília."

Com efeito, as referências aos sonhos de Mercúcio são os condutores da narrativa. Afora isso, o autor pontua o romance com notas sobre suas impressões que também ligam um capítulo ao outro. Em alguns comentários, surge a figura de seu interlocutor imaginário, ao qual ele chama de Honest Cassius: "Honest Cassius, como evitá-lo? O golpe, inexorável, uma tragédia talvez muito maior do que sei e posso perceber. Primeiro vêm os oligarcas, os senhores feudais, vassalos da metrópole, o Império do Ocidente, Samueland que divide o mundo com o Império do Oriente, travam uma guerra de pequenas guerras, aqui e acolá. Aqui, e agora, a operação preventiva". No romance, Mino Carta não se refere aos fatos de forma objetiva - ou seja, o leitor não encontrará referências diretas ao Golpe de 64 tampouco sobre a Guerra Fria. Antes, faz uso de inúmeras alegorias e da estilística para dar contorno ficcional aos acontecimentos reais. É dessa forma, e com uma boa dose de ironia, que são narradas as inquietações do jovem Mercúcio Parla: "Que faço eu na Faculdade de Leis Inúteis? Por que caí nessa? Falta de rumo, de propósito. De vergonha... Um barco de pesca ao largo da Escócia, no inverno, de madrugada, em meio à névoa e sem apito, enxerga melhor que eu. [...] Jornalismo, por quê? É minha vocação? Reportagem não é bizarria, ou não deveria ser... Mas, será preciso ter uma vocação?".

Para o bem e para o mal, Mino Carta não sucumbe à onda de didatismo que parece ser a nova tônica das letras por estas plagas. Faz do estilo um exercício, mas não pára por aí. Isso porque, para além do domínio da técnica escrita, o autor faz um romance em que há idéias e não apenas estilo; questionamento e não somente digressão; forma e não só conteúdo. E é o que o leitor percebe quando entende que a raiz das indagações é mais explícita do que os sonhos de Mercúcio supõem: "Aonde me levam estes passos? Para dentro de mim mesmo, sem chegar jamais ao castelo de âmbar".

Os detalhes que compõem A sombra do silêncio são tão variados quanto bem articulados. Obedecendo a uma coerência notável, a obra caminha entre o fato e a ficção, extraindo do primeiro o tema e do segundo o contorno. Desse modo, mais que polêmicas sobre política ou revelações bombásticas sobre o jornalismo brasileiro, a obra busca respostas às inquietações perenes tanto das personagens como do autor.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 4/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
02. A Farsa de 2012 de Gian Danton
03. No Festival de Curitiba 2010 de Julio Daio Borges
04. Preconceitos de Diogo Salles
05. Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica de Marcelo Spalding


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
03. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
04. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pequenas Piadas Grandes Negocios
Renato Rodrigues
Gênero
(2000)



Achieve - Volume Único -
Varios
Oxford
(2018)



Sonetos Típicos da Bahia de Outrora
Silva Dutra
Egba
(1997)



Novos Espaços Democráticos Vol 1
Antonio Gutiérrez Vegara e Outros
Perseu Abramo
(2003)



Hot Pusuit
Karen Van Der Zee
Harlequin
(1988)



A Ilha do Tesouro
Robert Louis Stevenson; Robert Louis Stevenson
Ibep Nacional
(2004)



Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Núcleo
(2003)



Ai!!
Natalie Babbitt
Companhia das Letrinhas
(2001)



Renda Básica de Cidadania
Yannick Vanderborght
civilização brasileira
(2006)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês