Mino Carta e o romance de idéias | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Terça-feira, 4/5/2004
Mino Carta e o romance de idéias
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 3600 Acessos

Mino Carta é um dos jornalistas mais talentosos de sua geração. Sua trajetória, que às vezes se confunde com a história do jornalismo brasileiro a partir dos anos 50, é marcada pelos veículos que criou, como as revistas Veja, Isto é, Quatro Rodas e mais recentemente Carta Capital, onde comanda uma das melhores Redações do País. Não obstante a isso, seu nome está sempre ligado à polêmica, seja porque tem fama de irascível, com direito a rompantes de ódio, seja porque busca uma postura independente para sua publicação, o que acaba destoando da versão oficial que boa parte dos jornais adota. Somados, esses dois elementos são capazes de causar estragos inimagináveis. Tanto é assim que, da ocasião do lançamento do seu primeiro livro - O Castelo de Âmbar -, não houve jornal da chamada grande imprensa que fizesse resenha ou crítica de seu livro. Ignoraram-no, simplesmente. O motivo, não poderia ser diferente, era o conjunto de revelações bombásticas travestidas de ironia que deixaram os publishers e os políticos em polvorosa, como o trecho que segue: "A presença de profissionais competentes, de grandes jornalistas respeitados pelas redações, atrapalha a sucessão no feudo e compromete os interesses de quem manda, na instância intermediária e suprema. Reparem: a nossa imprensa serve ao poder porque o integra compactamente, mesmo quando, no dia-a-dia, toma posições contra o governo ou contra um ou outro poderoso".

Agora, o jornalista, escritor e artista plástico (sim, ele também é pintor; já expôs no MASP e na Europa) lança A sombra do silêncio (W11 Editores), a continuação das memórias do jornalista Mercúcio Parla, o alter-ego de Mino Carta. Nessa "seqüência", no entanto, nota-se uma vital diferença em relação ao primeiro livro: as revelações que seguem pertencem mais à esfera sentimental, sendo pontuadas por passagens da vida política e social de Mercúcio Parla. Desse modo, ao mesmo tempo em que o leitor conhece as aventuras e desventuras amorosas do jovem jornalista os bastidores da política e da sociedade aparecem como pano de fundo.

Contudo, quem imagina que o livro se resume ao umbiguismo (hoje em moda, nos blogs) e ao denuncismo descarado (que também está em voga na "literatura") se engana. Isso porque A sombra do silêncio não é jornalismo, apesar de ter sido escrito pela Olivetti de um jornalista. É um romance. Nele, o autor embaralha alguns acontecimentos históricos, como a Ditadura, com as memórias afetivas de Mercúcio, dando ênfase à presença de Core Mio, que surge personagem essencial para o livro.

Assim, a hipótese de que o romance poderia ser contaminado pela linguagem jornalística (a saber, fatos e acontecimentos contados segundo a ótica do autor) é descartada logo no início da obra, quando o narrador descreve um sonho que nos leva até a mente de Mercúcio: "Quando soube que cariátides têm cócegas, era tarde, o prédio ruiu. Madrugada, caminhava de ouvido posto nos seus próprios passos e pensamentos, e as cariátides desfilavam ao longo das calçadas, músculos de pedra retesados no esforço de manter de pé os palácios senhoriais. Inquietava-o uma irritação ardida e difusa, aparentemente sem explicação, e lhe deu na veneta reagir com um gesto de escárnio. Sentia-o inócuo, porém necessário [...] Achou-se na última fileira de uma sala de aulas do tamanho de um auditório. Lá no fundo, do alto da cátedra, o mestre transmitia o seu saber, e ele percebeu o motivo de sua irritação. Quanto ao enredo vivido pouco antes, não sabia se fora cochilo ou vigília."

Com efeito, as referências aos sonhos de Mercúcio são os condutores da narrativa. Afora isso, o autor pontua o romance com notas sobre suas impressões que também ligam um capítulo ao outro. Em alguns comentários, surge a figura de seu interlocutor imaginário, ao qual ele chama de Honest Cassius: "Honest Cassius, como evitá-lo? O golpe, inexorável, uma tragédia talvez muito maior do que sei e posso perceber. Primeiro vêm os oligarcas, os senhores feudais, vassalos da metrópole, o Império do Ocidente, Samueland que divide o mundo com o Império do Oriente, travam uma guerra de pequenas guerras, aqui e acolá. Aqui, e agora, a operação preventiva". No romance, Mino Carta não se refere aos fatos de forma objetiva - ou seja, o leitor não encontrará referências diretas ao Golpe de 64 tampouco sobre a Guerra Fria. Antes, faz uso de inúmeras alegorias e da estilística para dar contorno ficcional aos acontecimentos reais. É dessa forma, e com uma boa dose de ironia, que são narradas as inquietações do jovem Mercúcio Parla: "Que faço eu na Faculdade de Leis Inúteis? Por que caí nessa? Falta de rumo, de propósito. De vergonha... Um barco de pesca ao largo da Escócia, no inverno, de madrugada, em meio à névoa e sem apito, enxerga melhor que eu. [...] Jornalismo, por quê? É minha vocação? Reportagem não é bizarria, ou não deveria ser... Mas, será preciso ter uma vocação?".

Para o bem e para o mal, Mino Carta não sucumbe à onda de didatismo que parece ser a nova tônica das letras por estas plagas. Faz do estilo um exercício, mas não pára por aí. Isso porque, para além do domínio da técnica escrita, o autor faz um romance em que há idéias e não apenas estilo; questionamento e não somente digressão; forma e não só conteúdo. E é o que o leitor percebe quando entende que a raiz das indagações é mais explícita do que os sonhos de Mercúcio supõem: "Aonde me levam estes passos? Para dentro de mim mesmo, sem chegar jamais ao castelo de âmbar".

Os detalhes que compõem A sombra do silêncio são tão variados quanto bem articulados. Obedecendo a uma coerência notável, a obra caminha entre o fato e a ficção, extraindo do primeiro o tema e do segundo o contorno. Desse modo, mais que polêmicas sobre política ou revelações bombásticas sobre o jornalismo brasileiro, a obra busca respostas às inquietações perenes tanto das personagens como do autor.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 4/5/2004


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês